Desde 2012, para evitar fraudes, todos os beneficiários do INSS precisam realizar a prova de vida e, como este ano tivemos mudanças no calendário, é preciso ficar de olho no prazo. É que, em decorrência da pandemia da Covid-19,  a data limite para comprovação foi adiada até o final de maio, mas até lá, aposentados e pensionistas precisam cumprir a obrigatoriedade, do contrário, podem ficar com os benefícios suspensos a partir de junho deste ano. 

“Em situações normais, a fé de vida é feita pelo segurado anualmente para comprovar que ele está vivo e garantir que o benefício continue sendo pago. Por isso, os aposentados e pensionistas que não fizeram a prova de vida entre março de 2020 e maio de 2021, não terão seus benefícios bloqueados, em razão da suspensão do Governo Federal”, diz João Varella, advogado especialista em Direito Previdenciário.  

O calendário de retomada foi disponibilizado pelo INSS. O cronograma abrange as comprovações que têm vencimento entre março de 2020 e abril de 2021. O beneficiário que deveria realizar a prova de vida até março de 2020 efetuará até o final de maio deste ano. Já quem tem vencimento em março e abril de 2021 deverá fazer até novembro. 

COMO PROVAR

Para facilitar a comprovação e evitar aglomerações na retomada, o Governo liberou, em fevereiro, a prova de vida anual por meio do aplicativo ‘Meu INSS’ para mais 5 milhões de beneficiários. O procedimento é feito através da biometria facial e não há exigência do comparecimento presencial ao banco.

“Apesar de prática, a prova digital foi liberada apenas para alguns beneficiários. Idosos acamados ou com dificuldade de locomoção também podem realizar o procedimento por procuração”, comenta, Varella. A solicitação pode ser realizada pelo aplicativo ‘Meu INSS’ ou por telefone, pelo número 135. 

ATENÇÃO AOS GOLPES

Com isolamento social e aumento da presença digital, os beneficiários ou segurados precisam reforçar a atenção aos golpes virtuais. Ligações e mensagens via aplicativos de mensagens e redes sociais devem ser ignoradas. “O INSS utiliza os canais oficiais para contato e não realiza prova de vida por telefone. A orientação é que os aposentados procurem os canais oficiais e, caso recebam mensagens ou ligações suspeitas, não forneçam nenhuma informação pessoal”, explica o advogado João Varella.