A Prefeitura de Afogados da Ingazeira irá investir 200 mil reais na instalação de câmeras de videomonitoramento em toda a cidade. Os recursos foram captados junto ao Governo de Pernambuco através do FEM, no total de 175 mil, mais 25 mil reais de contrapartida do município.

Nesta terça-feira (05), o prefeito Alessandro Palmeira reuniu, na sala de reuniões da sede da Guarda Municipal, representantes das forças de segurança para ouvir sugestões de estratégias e melhores locais para instalação das câmeras.

Participaram da reunião o Delegado Regional, Ubiratan Rocha; a Delegada da Mulher, Andreza Gregório; o Tenente do Corpo de Bombeiros Militar, Wladimir Martins; o Major Ivaldo, representando o 23o batalhão da PM, agentes da polícia civil, além do comandante da GCM, Marcos Galdino, e do secretário de Administração, Ney Quidute, cuja pasta está responsável pelo processo de instalação das câmeras e pela operacionalização da central de monitoramento.

Segundo o secretário Ney Quidute, serão instaladas 39 novas câmeras, além da integração do sistema com as câmeras já em operação em algumas unidades básicas de saúde, por exemplo. “Estamos também dialogando com o CDL no sentido de incorporar as câmeras do comércio a esse amplo programa de videomonitoramento de nossa cidade”, destacou Ney.

O prefeito Alessandro Palmeira destacou a importância desse diálogo. “Estamos ouvindo quem mais tem experiência no assunto, que são os profissionais da segurança. Esse sistema vai permitir não apenas a identificação e punição de quem depreda o patrimônio público, mas também de quem comete outros tipos de delitos em Afogados, dando mais segurança a nossa população, ordeira e trabalhadora,” destacou Alessandro Palmeira.

O Prefeito informou ainda que serão instaladas câmeras nos 21 pontos de depósito irregular de lixo, em vários locais da cidade, já identificados e mapeados pela Prefeitura. “Vamos enviar para a câmara de vereadores uma lei mais rigorosa, com multas maiores, para quem, mesmo com a coleta de lixo regular passando em sua porta, insiste em jogar lixo em locais proibidos, como na linha férrea, por exemplo, sujando a cidade e trazendo sérios problemas de saúde para o restante da população”, informou