STF libera acesso de Lula a diálogos vazados de Moro

O voto do relator, Ricardo Lewandowski, contrário ao recurso, foi seguido pelos ministros Nunes Marques, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes. Edson Fachin divergiu.

O advogado de Lula, Cristiano Zanin, afirmou que as mensagens têm relação com o acordo de leniência da Odebrecht (Foto: Reprodução)

Por 4 votos a 1, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal rejeitou nesta terça-feira (9) recurso de procuradores que integraram a força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná contra a permissão de acesso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a mensagens apreendidas na Operação Spoofing.

O voto do relator, Ricardo Lewandowski, contrário ao recurso, foi seguido pelos ministros Nunes Marques, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes. Edson Fachin divergiu.

A Operação Spoofing, deflagrada em julho de 2019 pela Policia Federal, prendeu hackers suspeitos de invadir celulares de autoridades, entre as quais o ex-juiz Sergio Moro e integrantes da força-tarefa da Lava Jato.

Em dezembro do ano passado, Lewandowski concedeu uma decisão individual que permitiu à defesa de Lula ter acesso às mensagens trocadas entre procuradores e o ex-juiz por celular.

Os advogados querem usar o material para tentar anular os processos aos quais responde o ex-presidente na Justiça, como as condenações do caso do triplex do Guarujá (SP) e do sítio de Atibaia (SP), sob argumento de que houve perseguição da Lava Jato.

Ao STF, a força-tarefa da Lava Jato defendeu que não há comprovação de que o material é legítimo, e argumenta que pode ter havido adulterações e edições das cópias — o que tornaria a prova “imprestável” — e que a perícia realizada na operação Spooging não atestou a autenticidade das mensagens.

O voto do relator

No recurso da força-tarefa do Paraná, Lewandowski votou pela rejeição por questão processual. Ele entendeu que não há previsão legal para os procuradores questionarem o acesso dado às mensagens da Spoofing pelo STF aos advogados de Lula.

Lewandowski afirmou que autorizou o acesso às mensagens diante da resistência da Lava Jato em prestar informações à defesa sobre a existência das tratativas do acordo de leniência da Odebrecht. Segundo ele, essa negativa durou mais de três anos.

O ministro disse que não está tratando da legalidade das mensagens. Segundo ele, isso deve ser eventualmente discutido em outro processo que liberou o material. Ele ressaltou ainda que não há compromisso com o uso dessas mensagens em processos.

Para Lewandowski, é “extremamente grave” parte das mensagens que a defesa de Lula juntou ao processo, mostrando tratativas de Lava Jato com autoridades norte-americanas sobre o acordo de leniência da empreiteira Odebrecht.

Lewandowski chegou a ler trechos das mensagens atribuídas aos procuradores da Lava Jato e disse que há indícios de que material da Odebrecht usado como prova foi manipulado pelos procuradores sem o devido cuidado, como prevê a lei.

Manifestações dos demais ministros

Nunes Marques – “Entendo inexistir legitimidade processual aos peticionantes na medida em que atuam em nome próprio em interesse alheio. Ainda que se busque defesa de interesses institucionais, é de competência exclusiva do procurador-geral da República.”

Edson Fachin – “As fundamentações desse agravo são basicamente três: eventual utilização indevida sem autenticidade apreendida pela operação Spoofing, o que viola a garantia fundamental; o reclamante não tem legitimidade para pleitear acesso aos arquivos, porque seu celular não foi invadido, o reclamante não é vítima; laudo da Polícia Federal atesta apenas e tão somente que o conteúdo apreendido não poderia ser editado sem o conhecimento da PF, mas não atesta a veracidade do conteúdo.”

Cármen Lúcia – “Fico com um dado que me chama atenção: a polícia tem acesso a dados, o MP tem acesso a dados, o juiz tem e a defesa não tem? Isso não é direito constitucional assegurado? Acho que é preciso que levemos com a segurança que o direito constitucional assegura.”

Gilmar Mendes – “As decisões proferidas do relator confirmam papel de destaque da polícia federal com a prova. Ao menos em analise preliminar, o acesso ao conteúdo é imprescindível pelo direito de defesa do agravado. É possível depreender o funcionamento de uma combinação institucionalizada entre o juiz e os membros da força-tarefa da Lava Jato.”

Procuradores

A subprocuradora-geral da República Claudia Sampaio questionou o fato de o ministro Ricardo Lewandowski ter concedido o acesso às mensagens durante o recesso do tribunal.

Ela ainda ressaltou o alcance da decisão do ministro, que liberou todo acervo apreendido e classificou a medida como de “extrema gravidade”.

Segundo a subprocuradora, a defesa de Lula tem em mãos “farto material”, que, segundo ela, não pode ser usado pela defesa, como mensagens sobre adversários políticos.

“O eminente ex-presidente da República tem farto material sem qualquer limitação, que não dizem respeito a ele e não podem ser usados em seu direito de defesa. O relator não se preocupou com a defesa dessas pessoas, desmontando jurisprudência de repúdio da prova ilícita. O que aconteceu nesses autos é fato de extrema gravidade. Nunca vi uma situação dessa magnitude. Ex-presidente tem materiais relativos a opositores políticos. O uso que ele vai fazer disso aparentemente não interessa à Justiça. Material envolvia mensagens pessoais, não atividade funcional. Conversas de famílias, de amigos, de todas as autoridades”.

Responsável pela defesa dos procuradores, o advogado Marcelo Knopfelmacher afirmou que o material a que a defesa do ex-presidente Lula teve acesso foi obtido de forma ilícita e também questionou o fato de o ministro Ricardo Lewandowski ser o relator da ação.

Para a defesa, não foi atestado que o material apreendido corresponde a mensagens efetivamente trocadas entre os procuradores.

“Jamais houve aferição entre o que foi apreendido e o que teria sido digitado entre as vítimas, porque nunca teve esse cotejo. Quando teve a Operação Spoofing, os usuários nem tinham mais Telegram. Esse cotejo nunca houve. Os sete procuradores se preocupam com a manutenção do Estado Democrático de Direito, garantias básicas fundamentais e que todas as questões não sejam ignoradas. Se deram um crédito que não corresponde a absolutamente nada, a sensação de ser cidadão no Brasil é preocupante.”

Ao final do julgamento, o ex-ministro e ex-juiz Sergio Moro, que aparece nos diálogos das gravações, divulgou nota na qual afirma que o acesso da defesa de Lula às mensagens contraria “a jurisprudência e as regras que vedam a utilização de provas ilícitas em processos”.

“Lamenta-se que supostas mensagens obtidas por violação criminosa de dispositivos de agentes da lei possam ser acessadas por terceiros, contrariando a jurisprudência e as regras que vedam a utilização de provas ilícitas em processos”, escreveu.

Segundo ele, “nenhuma das supostas mensagens retrata fraude processual, incriminação indevida de algum inocente, sonegação de prova, antecipação de julgamento, motivação político-partidária, quebra da imparcialidade ou qualquer ato ilegal ou reprovável”.

Defesa de Lula

O advogado de Lula, Cristiano Zanin, afirmou que as mensagens têm relação com o acordo de leniência da Odebrecht, que teve o acesso liberado para a defesa do petista.

Zanin afirmou que a Lava Jato escondeu a interação com autoridades internacionais sobre a leniência porque as conversas foram feitas de forma informal, sem passar pelos canais previstos em lei.

“Nós não estamos aqui tratando de conversas pessoais, familiares, de amigos. Estamos tratando de conversas entre agentes públicos, que ocorreram em aparelhos funcionais que dizem respeito a processos que tramitam na justiça. Prática de atos processuais clandestinos, para esconder relações espúrias”, afirmou.

STJ rejeita recurso
A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou nesta terça os terceiros embargos de declaração do Lula no caso do triplex em Guarujá, litoral de São Paulo.

Os embargos de declaração são recursos para esclarecer pontos de uma decisão judicial.

Para o relator do recurso, ministro Félix Fischer, a defesa pretendia rediscutir questões já analisadas pela Corte.

Ele afirmou que a insistência com excesso de recursos “revela não só exagerado inconformismo, mas o desrespeito ao Judiciário no seu nítido caráter protelatório”.

O entendimento foi acompanhado pelos outros quatro ministros da Turma.

Mega-Sena acumulada pode pagar nesta quarta-feira R$ 7,5 milhões

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa.

Mega realiza sorteio nesta quarta-feira (Foto: Reprodução)

A Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira (10) um prêmio acumulado de R$ 7,5 milhões. As seis dezenas do concurso 2.343 será realizado, a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário do Tietê, na cidade de São Paulo.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo o país ou pelo portal Loterias Caixa e aplicativo Loterias Caixa, disponível para usuários das plataformas iOS e Android.

De acordo com a Caixa, caso apenas um apostador leve o prêmio principal e aplique o valor na poupança, receberá R$ 8,6 mil de rendimento no primeiro mês. O valor da aposta simples, com seis dezenas marcadas, custa R$ 4,50.

Compartilhe:

Brasil registra mais de 1.300 mortes por Covid-19 e mais de 50 mil casos em 24 horas

As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.029. (Foto: Reprodução)

 O Brasil registrou 1.329 mortes por Covid-19 e 51.211 casos da doença, nesta terça-feira (9). Com isso, o país chegou a 233.588 óbitos e a 9.602.034 pessoas infectadas desde o início da pandemia.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

O jornal Folha de S.Paulo também divulga a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.029. O valor da média representa uma queda de 3% em relação ao dado de 14 dias atrás e, com isso, uma situação de estabilidade na média.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Bitcoin supera US$ 45 mil, impulsionado pela Tesla

Elon Musk, chefe da Tesla e homem mais rico do mundo, já elogiou o bitcoin e as criptomoedas várias vezes no Twitter.

Bitcoin, desde seu surgimento, tem ao seu entorno mitos e verdades a serem esclarecidos. (Foto: Pixabay/Divulgação)

O bitcoin ultrapassava nesta terça-feira (9) os US$ 45 mil (cerca de R$ 244 mil), impulsionado pelo anúncio de um investimento de US$ 1,5 bilhão nesta criptomoeda pela Tesla, que também planeja aceitá-la como meio de pagamento.

Por volta das 10h, o bitcoin estava sendo negociado a US$ 45.445,27, após atingir um novo máximo de US$ 48.215,82 por volta das 4h, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

“Elon Musk deu ao bitcoin o maior apoio na história das criptomoedas”, disse Michael Hewson, analista da CMC Markets.

Musk, o chefe da Tesla e homem mais rico do mundo, elogiou o bitcoin e as criptomoedas várias vezes no Twitter, mas é a primeira vez que uma empresa do tamanho da Tesla investe parte de seu tesouro em bitcoins.

Muitas vezes, as empresas privadas relutam em trocar seus dólares por um ativo tão turbulento.

“A alta volatilidade do bitcoin inevitavelmente levará à volatilidade dos lucros da Tesla e tornará o desempenho da empresa menos previsível”, disse Ipek Ozkardeskaya, analista da Swissquote.

Outra empresa americana, a companhia de software MicroStrategy, comprou mais de um bilhão de dólares em bitcoins nos últimos meses.

Compartilhe:

Serra Talhada, Arcoverde e Pesqueira estão proibidos de realizar carnaval e patrocinar blocos

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por meio de promotorias de Justiça locais, recomendou aos prefeitos e secretários de Saúde de Jurema, Floresta, Serra Talhada, Sairé, Água Preta, Arcoverde, Calçado e Pesqueira que se abstenham de incentivar, patrocinar, autorizar e promover a realização de qualquer manifestação carnavalesca nesses municípios, em descumprimento aos protocolos, normas e regras sanitárias de prevenção ao novo coronavírus.

As recomendações seguem o teor da Recomendação PGJ nº 03/2021, que orienta os promotores de Justiça de Pernambuco com atribuição na defesa da saúde e criminal, a adoção de providências para que sejam acompanhado e fiscalizado o cumprimento das normas sanitárias que proíbem a realização de shows, festas, eventos de carnaval e atos similares de qualquer tipo em todo o estado.
Os eventos aos quais as recomendações se referem independem do número de participantes. Os gestores desses oito municípios também devem se abster de incentivar, patrocinar, autorizar, e promover quaisquer atitudes similares em descumprimento aos protocolos setoriais, normas e regras sanitárias aplicáveis
Ainda conforme as recomendações, os gestores deverão utilizar o poder de polícia que lhes é atribuído e coibir tais eventos, lavrando os respectivos autos de infração em caso de descumprimento e promovendo os encaminhamentos às autoridades competentes.
Já às agremiações carnavalescas existentes nesses municípios, o MPPE recomendou que também se abstenham de realizar tais eventos e que cumpram as normas e protocolos sanitários existentes. Aqueles que insistirem em promover tais festividades poderão responder pelo crime de medida sanitária preventiva destinada a impedir a introdução ou propagação de doença contagiosa (art. 268 do Código Penal).
Por fim, o MPPE recomendou às Polícias Civil e Militar que adotem as providências legais aos que insistirem em descumprir as normas sanitárias sobre a proibição de qualquer manifestação carnavalesca.
As recomendações foram publicadas no Diário Oficial Eletrônico do MPPE desta terça-feira (9). Desde a última semana, o MPPE vem expedindo recomendações semelhantes para outros municípios.

Na Paraíba, prefeito renuncia ao cargo em menos de 40 dias após a posse

Um fato mexeu com a política da cidade de Condado, no interior do estado. É que o prefeito Jorge Henrique (PL), renunciou ao cargo na tarde desta segunda-feira (08), menos de 40 dias após tomar posse no cargo. Em seu lugar, assumirá o vice-prefeito Marcelo Bezerra.
Jorginho, como é mais conhecido, entregou carta-renúncia ao presidente da Câmara Municipal, que, logo em seguida, convocou a posse do vice para a próxima quarta-feira (10).
Os motivos que levaram o ex-gestor a renunciar o cargo não foram revelados.
Compartilhe:

Julgamento de impeachment de Trump no Senado começa nesta terça-feira

Único presidente na história dos Estados Unidos a ser condenado duas vezes pela Câmara.

Desta vez, o ex-presidente americano é acusado de incitar a invasão do Congresso, no mês passado. (Foto: Reprodução)

Com previsão de duração menor do que na primeira ocasião – quando se arrastou por três semanas – começa nesta terça-feira (9) o julgamento do segundo impeachment de Donald Trump no Senado americano.

Único presidente na história dos Estados Unidos a ser condenado duas vezes pela Câmara, ele agora é acusado de incitar à violência que resultou na invasão ao Capitólio, a sede do Congresso, em 6 de janeiro.

Em 2020, Trump enfrentou seu primeiro processo de impeachment quando a Câmara o condenou por obstrução ao Congresso e abuso de poder, mas acabou inocentado pelo Senado. Agora, apesar de seu mandato já ter sido concluído, os senadores, caso decidam condená-lo, podem optar por retirar seus direitos políticos, o que impediria que ele volte a se candidatar no futuro.

Desta vez, o ex-presidente americano é acusado de incitar a invasão do Congresso, no mês passado.

Acusação e defesa
Nesta terça, os oito promotores do impeachment iniciarão a exposição oral de seus argumentos, etapa que pode durar até três dias. Em um documento de 80 páginas, divulgado no dia 2, eles pedem a condenação de Trump e afirmam que ele cometeu uma “traição sem precedentes históricos” ao incentivar seus apoiadores com um discurso, pouco antes de eles invadirem o Capitólio, em um episódio que terminou com cinco mortes.

No mesmo dia, a equipe de defesa emitiu um documento com 14 páginas, invocando o “direito de expressão” do ex-presidente. Os advogados de Trump irão se pronunciar oralmente quando os acusadores terminarem sua exposição. Dependendo de quando isso acontecer, poderá haver uma sessão no sábado, dia 13 de fevereiro.

Compartilhe:

Polícia Federal encerra nesta terça-feira as inscrições para concurso público com 1.500 vagas

Os cargos são para delegado, agente, escrivão e papiloscopista.

Inscrições para o concurso da Polícia Federal encerra nesta terça-feira (Foto: Reprodução)

A Polícia Federal inscreve até esta terça-feira (09), para o concurso público com 1.500 vagas e remuneração de até R$ 23.692,74. Os cargos são para delegado, agente, escrivão e papiloscopista. 

Os interessados poderão se inscrever no site da organizadora do certame. 

Remuneração:

  • Delegado de Polícia Federal: R$ 23.692,74.
  • Agente de Polícia Federal: R$ 12.522,50.
  • Escrivão de Polícia Federal: R$ 12.522,50.
  • Papiloscopista Polícia Federal: R$ 12.522,50.

Provas

Os candidatos a todos os cargos deverão fazer, além da prova objetiva, prova discursiva, Exame de Aptidão Física, Avaliação Médica e avaliação psicológica. 

Aqueles interessados em concorrer a uma vaga de Delegado de Polícia Federal deverão fazer também prova oral e avaliação de títulos. Já os candidatos ao cargo de Escrivão passarão por uma prova prática de digitação.

A previsão é que os candidatos aprovados participem do Curso de Formação Profissional na Academia Nacional de Polícia no segundo semestre.

A prova objetiva está prevista para o dia 21 de março de 2021.

Dólar é cotado a R$ 5,3706 nesta manhã de terça-feira

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,47 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,7974.

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. (Foto: Reprodução)

O valor do dólar na manhã desta terça-feira (9), está cotado no valor de R$ 5,3706. Já o valor do dólar para o turismo está sendo cotado a R$ 5,5980.

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,47 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,7974.

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. O dólar é usado tanto em reservas internacionais como em livre circulação.

Compartilhe:

No governo de Bolsonaro mais um aumento nos preços do diesel, gasolina.

A Petrobrás anunciou nesta segunda-feira (8) o aumento dos preços médios de venda a distribuidores da gasolina, diesel e GLP, que deverá entrar em vigor a partir de terça-feira (9).

Segundo comunicado da estatal, o preço médio de venda de gasolina nas refinarias passará a ser de R$ 2,25 por litro, alta média de R$ 0,17 por litro.

O valor médio de venda de diesel passará a ser de R$ 2,24 por litro, aumento médio de R$ 0,13 por litro.

É a terceira alta do ano nos preços da gasolina, e a segunda no valor do litro do diesel.  

Compartilhe:

Prefeitura de Afogados recebe mais 370 doses da Coronavac

A Prefeitura de Afogados recebeu, na noite de ontem (07), mais 370 doses da vacina coronavac, produzida na parceria Sinovac-Butantã.

As novas doses serão direcionadas para a vacinação de mais 185 profissionais de saúde, uma vez que a segunda dose deve ser aplicada quinze dias após a aplicação da primeira dose. “Para garantir a eficácia, precisamos dividir os lotes em dois, para que as pessoas tenham garantidas a aplicação da segunda dose,” informou o Secretário de Saúde de Afogados, Artur Amorim.

Afogados registra 21 novos casos e 11 curas para covid-19

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa que nesta segunda (08), foram registrados 21 casos novos para a COVID – 19. Desses, 18 já estavam em investigação.
São 12 pacientes do sexo feminino, com idades de 07, 10, 37, 40, 45, 47, 53, 57, 72, 78, 79 e 82 anos; e 09 pacientes do sexo masculino, com idades de 09, 10, 15, 25, 32, 40, 40, 50 e 66 anos. Entre as mulheres: 01 dona de casa, 03 agricultoras, 02 aposentadas, 02 estudantes (rede pública), 01 assistente social, 01 comerciante, 01 assistente de contador e 01 autônoma. Já entre os homens: 02 agricultores, 01 cambista, 03 estudantes (02 rede pública e 01 rede privada), 01 autônomo, 01 advogado e 01 aposentado.
Hoje, entram em investigação os casos de 15 mulheres, com idades entre 12 e 80 anos; e 14 homens, com idades entre 06 dias e 63 anos. Nesta segunda, 17 pacientes apresentaram resultados negativos para COVID -19.
Hoje, 11 pacientes receberam alta por cura após avaliação clínica e epidemiológica.O município atingiu a marca de 2493 pessoas (94,79%) recuperadas para covid-19. Atualmente, 108 casos estão ativos.
Afogados atingiu a marca de 11.002 pessoas testadas para covid-19, o que representa 29,52 % da nossa população testada.
Casos leves x SRAG/covid- 19:
Leves ( 2.551 casos), 96,99 % Graves ( 79 casos), 3,01%.
Semana epidemiológica (SE): Encerrou no último sábado a SE 05, com 67 casos e uma média móvel de 9,57 casos/dia.
Analisando as outras 04 semanas anteriores:
SE 04 – 89 casos e média móvel de 12,71 casos/dia;
SE 03 – 62 casos e média móvel de 8,85 casos/dia;
SE 02 – 91 casos e média móvel de 13 casos/dia;
SE 01 – 96 casos e média móvel de 13,71 casos/dia

Jair Bolsonaro e Onyx Lorenzoni, durante cerimônia de sanção de lei que fez minireforma eleitoral [fotografo]Marcelo Camargo/ABr[/fotografo]

O presidente Jair Bolsonaro confirmou que nomeará o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, para a Secretaria-Geral da Presidência da República – abrindo espaço para um nome ligado ao Centrão assumir a pasta, responsável por temas como o Bolsa Família.

Bolsonaro confirmou a informação durante entrevista ao apresentador José Luiz Datena, no programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes.

“Eu tenho um ministério vago, aqui da Secretaria-Geral, que a previsão é trazer o Onyx Lorenzoni para cá e botar uma outra pessoa no Ministério da Cidadania” disse.

O presidente negou que a mudança nas cadeiras será uma reforma ministerial – que poderia contar com a saída de outros nomes como o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, cuja cadeira pode estar endereçada ao líder do governo na Câmara e ex-ministro Ricardo Barros (PP-PR).

Onyx Lorenzoni, eleito deputado federal em 2018, iniciou o mandato como ministro-chefe da Casa Civil do governo de Bolsonaro. Após ser sacado do cargo em fevereiro do ano passado, substituído pelo general Walter Braga Netto, o gaúcho passou a ocupar a pasta da Cidadania.

Araripina: Taxa de ocupação de leitos de UTI do Hospital Santa Maria está em 100%

Em Araripina, no Sertão de Pernambuco, a taxa de ocupação dos trinta leitos de Unidade de Terapia intensiva (UTI) do Hospital e Maternidade Santa Maria, está em 100%.

De acordo com nota divulgada pela unidade hospitalar, nessa nessa segunda-feira (08), todos os trinta leitos de alta complexidade estão ocupados com pacientes do novo coronavírus (Covid-19). Ainda segundo a nota, nas últimas 24 horas foram registradas 03 admissões.

Com relação aos leitos de enfermaria, que são disponibilizados para pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), das 60 unidades disponíveis, 18 estão ocupadas. Nas últimas 24 horas foram registradas 04 admissões e 05 altas.

Recife começa a aplicar segunda dose de vacina contra covid-19 e amplia vacinação para mais trabalhadores da Saúde

Trabalhadores da saúde deverão agendar para receber a dose complementar. Já os idosos que vivem em abrigos, pessoas a partir dos 18 anos com deficiência severa que vivem em residências inclusivas e os trabalhadores desses locais receberão a visita das equipes volantes

A partir desta terça-feira (9), a Prefeitura do Recife abre o agendamento para que os trabalhadores da saúde da linha de frente da pandemia marquem o dia, horário e local para receber a segunda dose da vacina contra a covid-19. A Secretaria Municipal de Saúde também vai ampliar, esta semana, a vacinação para os trabalhadores da saúde a partir de 60 anos. Na capital pernambucana, quase 18 mil doses da CoronaVac (Butantan/Sinovac) foram aplicadas nesse público-alvo, desde o dia 19 de janeiro.

Diferente da primeira etapa, em que as equipes volantes da Secretaria de Saúde iam até as unidades de saúde, agora os profissionais terão de agendar e se dirigir a um dos nove centros de vacinação ou a um dos cinco pontos de drive-thru para receber a dose complementar. A recomendação do Comitê Técnico Estadual para acompanhamento da vacinação contra a Covid-19 é fazer a aplicação da segunda dose da Butantan/Sinovac entre o 21º e 28º dia depois da primeira.

Os trabalhadores devem realizar o agendamento através do Conecta Recife – www.conectarecife.recife.pe.gov.br ou app disponível nas lojas PlayStore, para Android; e AppStore, para dispositivos iOS. Além da marcação, eles terão de apresentar, no dia da vacinação, o comprovante de que tomou a primeira dose.

Já os idosos que vivem nas Instituições de Longa Permanência, as pessoas a partir de 18 anos com deficiência severa que moram em residências inclusivas e os trabalhadores desses locais, não precisarão realizar agendamento. Como aconteceu na aplicação da primeira dose, essas pessoas vão receber a visita de equipes volantes da Secretaria de Saúde que vão administrar a segunda dose do imunizante.

TRABALHADORES DA SAÚDE A PARTIR DE 60 ANOS – Nesta semana, a Prefeitura do Recife avança em mais uma etapa do Plano Recife Vacina. A partir de quarta-feira (10), os trabalhadores com 60 anos ou mais, de qualquer setor da saúde e que atuem no município, poderão realizar o agendamento para ser vacinado. Essa ampliação vai acontecer de acordo com a faixa etária desses profissionais, e não por setores, como estava sendo feito. Para as profissões que possuem conselho, basta apresentar a carteira funcional. Já os trabalhadores cuja categoria não seja regulamentada por conselho terão de apresentar a declaração.

O Recife recebeu, até o momento, 128.080 doses de vacina, enviadas pelo Ministério da Saúde. Das 111.560 recebidas da CoronaVac (Butantan/Sinovac), 34.020 chegaram neste fim de semana. A capital pernambucana também recebeu outras 16.520 da Oxford/AstraZeneca.

Idib abre inscrições para processo seletivo do Ministério da Economia com 590 oportunidades

As vagas ofertadas são para técnicos em administração, contabilidade e informática e bacharéis em diversos cursos de graduação

A partir das 14h dessa segunda-feira, 8, estão abertas as inscrições para o processo seletivo do Ministério da Economia, em Brasília. São 100 vagas imediatas e 490 de cadastro reserva para quatro cargos que exigem formação acadêmica de nível médio técnico e ensino superior, com salários iniciais que vão de R$ 1.700 (técnico em administração, contabilidade ou informática) a R$ 6.300 (bacharel em administração, economia, contabilidade ou direito).

Os interessados devem acessar o site do Instituto de Desenvolvimento Institucional Brasileiro (Idib) www.idib.org.br até às 23h59 do dia 14 de março de 2021. A taxas, cujo valores variam entre R$ 36 e R$ 38, deverão ser pagas até 24 horas após a emissão do boleto no ato da inscrição. As provas estão previstas para o dia 11 de abril em Brasília. O prazo de duração dos contratos dos candidatos habilitados será de um ano, podendo ser prorrogado por até cinco anos.

Pandemia

O Idib tem o compromisso de zelar pela segurança de todos os envolvidos em exames e demais eventos da instituição. Portanto, assim como vem realizando em outras provas pelo país, a banca atenderá às normas sanitárias vigentes para o enfrentamento do novo coronavírus, higienizando e desinfetando os locais de provas com a pulverização de produtos químicos utilizados em ambientes hospitalares, aferindo a temperatura corporal dos participantes, oferecendo álcool gel e tapetes sanitizantes na entrada e, também, garantindo o distanciamento social mínimo de dois metros entre as pessoas. O uso de máscaras faciais será obrigatório para todos os presentes.

Sobre o Idib

O Instituto de Desenvolvimento Institucional Brasileiro (Idib) tem parcerias com órgãos e instituições de todo o território nacional e status que o credenciam como uma instituição sólida, respeitada e inovadora, uma das maiores bancas organizadoras de concursos públicos no país. Pioneiro na utilização de biometria digital e facial para a identificação de candidatos e redução de fraudes, conta com um aparato de segurança que inclui câmeras de alta definição com monitoramento 24h, sistema anti-hackeamento, detectores de metal, malotes de segurança lacrados impermeáveis e resistentes ao fogo, fragmentadoras, portas blindadas, comunicação por rádio amador e bloqueadores de celular – um verdadeiro arsenal contra irregularidades.

A instituição foi a primeira a organizar concurso público para o Exército Brasileiro: os certames da Escola Preparatória de Cadetes do Exército (Espcex) e o de admissão do Colégio Militar de Salvador (CMS), esse ano. Fazem parte do portfólio do Idib, também, a Ordem dos Advogados do Brasil de GO; o Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região, na BA; a Eletrobrás do PI; os governos dos estados de GO e PE; os Conselhos Regionais de Medicina do RJ, PE e MT; o Conselho Regional de Farmácia de MS; o Conselho Regional de Odontologia de PE; as Polícias Militares da PB e do ES; o Ministério Público do Estado do RS e a Câmara Municipal de Maceió.

Compartilhe:

Morre senador José Maranhão, aos 87 anos de idade, em decorrência da covid-19

Natural da cidade de Araruna, José Maranhão tinha 87 anos de idade e era casado com a desembargadora Maria de Fátima Bezerra Cavalcanti.

Maranhão foi internado logo após o pleito das eleições municipais, no último dia 29 de novembro. (Foto: reprodução) (Foto: Reprodução)

Faleceu na noite desta segunda-feira (08), o senador da Paraíba José Targino Maranhão em decorrência de complicações ocasionadas pela covid-19. Ele estava internado no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo desde o início de dezembro de 2020 para se tratar da doença. O senador se recuperou da covid-19, mas teve uma piora no seu quadro e acabou não resistindo.

Natural da cidade de Araruna, José Maranhão tinha 87 anos de idade e era casado com a desembargadora Maria de Fátima Bezerra Cavalcanti. Ele deixa dois filhos, Leônidas Bezerra Targino Maranhão e Maria Alice Bezerra Cavalcanti Maranhão.

A carreira política de José Maranhão se confunde com a própria trajetória do Estado da Paraíba, já que ele esteve presente em vários momentos memoráveis. Ele ficou conhecido pelo título de ‘Mestre de Obras’ devido aos investimentos e obras em várias cidades da Paraíba, durante os mandatos como governador.

José Maranhão foi diagnosticado com covid-19 no dia 29 de novembro de 2020. No fim do segundo turno das eleições em João Pessoa, o senador foi internado em um hospital da capital, após ter acompanhado todo o pleito de forma ativa. Ele foi transferido para a Unidade de Tratamento Intensivo do hospital da Unimed em João Pessoa no dia 3 de dezembro e no dia seguinte, transferido para o Hospital Vila Nova Star, em São Paulo.

Mesmo curado do quadro de covid-19, Maranhão precisou permanecer internado na unidade de saúde para tratar um quadro de insuficiência respiratória, ocasionado pelo vírus. 

O senador José Targino Maranhão iniciou sua carreira política no ano de 1955 como deputado estadual da Paraíba. Desde então, ele acumulou diversos cargos políticos em sua carreira. Maranhão já foi, além de deputado estadual, deputado federal, vice-governador, governador da Paraíba e senador.

Após vários mandatos como deputado estadual e federal, Maranhão foi eleito como vice-governador na chapa encabeçada por Antônio Mariz no ano de 1994. No ano seguinte, 1995, ele precisou assumir o posto de governador da Paraíba em decorrência da morte de Mariz. Em 1998, foi reeleito governador da Paraíba após uma disputa interna no PMDB com Ronaldo Cunha Lima. Em 2002, José Maranhão renunciou ao Governo do Estado para disputar o cargo de senador, sendo eleito com votação recorde na época. 

Em 2006, Maranhão se candidata novamente ao cargo de governador da Paraíba, mas é derrotado por Cássio Cunha Lima, reeleito em segundo turno. No entanto, após a cassação de Cássio Cunha Lima, José Maranhão é conduzido ao cargo de governador da Paraíva em 17 de fevreiro de 2009. Pela terceira vez no cargo, Maranhão tenta uma nova reeleição, mas acaba perdendo o pleito para seu adversário no segundo turno, Ricardo Coutinho. Em 2012 Maranhão ainda disputou a eleição para Prefeitura de João Pessoa, mas também não logrou êxito.

Já em 2014 Maranhão foi candidato ao cargo de senador novamente, sendo eleito com 647.271 votos (37,12% dos votos válidos). Em 2018 tentou novamente a eleição para o cargo de governador, mas acabou não tendo êxito no pleito.

 

Governador João Azevêdo lamenta morte de José Maranhão: “declaramos luto oficial na Paraíba”

“Chega ao fim a trajetória de um homem público que dedicou sua vida ao nosso estado”, disse João Azevêdo.

“Nesse momento de dor para o povo paraibano, lamentamos profundamente a perda e declaramos luto oficial na Paraíba”, declarou João Azevêdo. (Foto: Reprodução)

O governador João Azevêdo decretou luto oficial de três dias e expressou profundo pesar pela morte do ex-governador e senador José Maranhão, falecido na noite desta segunda-feira (8) vítima de complicações da Covid-19.

Em publicação nas redes sociais, João Azevêdo lamentou a morte de José Maranhão. 

“Uma tristeza imensa para todos nós, paraibanos e paraibanas, a morte do senador, ex-governador e grande paraibano José Maranhão. Das muitas vidas perdidas e histórias desfeitas pela pandemia, chega ao fim a trajetória de um homem público que dedicou sua vida ao nosso estado”, disse João Azevêdo.

“Nesse momento de dor para o povo paraibano, lamentamos profundamente a perda e declaramos luto oficial na Paraíba. Presto minha solidariedade e o mais profundo pesar aos familiares, em especial a desembargadora Fátima Bezerra, seus filhos e netos”, concluiu.

Compartilhe:

Produtor artístico de 25 anos é o novo namorado de Flordelis

Em sua festa de aniversário de 60 anos, que reuniu alguns de seus filhos e netos, na última sexta-feira, a presença do produtor Allan Soares chamou atenção.

Evangélico, Allan Soares tem 25 anos e trabalha como produtor artístico de cantores do segmento gospel. (Foto: Reprodução)

Entre pessoas próximas a Flordelis, não se comenta outra coisa. A deputada federal, acusada de ser a mandante do assassinato do ex-marido, o pastor Anderson do Carmo, tem um novo amor. Em sua festa de aniversário de 60 anos, que reuniu alguns de seus filhos e netos, na última sexta-feira, a presença do produtor Allan Soares chamou atenção. 

Os dois chegaram a posar juntos, abraçadinhos, na mesa do bolo. O eleito também estava presente ao culto, no Ministério Cidade do Fogo, realizado na manhã de domingo em homenagem ao aniversário da pastora. Allan sentou-se na primeira fila, gravou vídeos e depois deixou o local acompanhado da deputada.

Evangélico, Allan Soares tem 25 anos e trabalha como produtor artístico de cantores do segmento gospel. Ele e Flordelis se conhecem pessoalmente há pelo menos três anos. Em agosto de 2018, Allan postou uma foto do encontro com a pastora e Anderson, durante uma visita do então casal a Macaé, sua cidade natal.

Desde que o nome de Flordelis foi parar no noticiário policial, o produtor sempre fez questão de defendê-la publicamente através de suas postagens nas redes socias. Eles foram se aproximando mais nos últimos meses, e os encontros foram ficando mais frequentes. Entre os amigos, o que se diz é que o romance entre eles teria ficado sério a partir do começo deste ano.

Compartilhe:

Brasil chega a 9,5 milhões de casos de Covid-19 e 231.561 óbitos

O país chega a 231.561 óbitos e a 9.522.132 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.004. (Foto: Pixabay/Imagem ilustrativa)

 – O Brasil registrou 492 mortes por Covid-19 e 29.407 casos da doença, neste domingo (7). Com isso, o país chega a 231.561 óbitos e a 9.522.132 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Além dos dados diários, a Folha também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.004. O valor da média representa uma queda de 3% em relação ao dado de 14 dias atrás e, com isso, uma situação de estabilidade na média.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Dólar é cotado a R$ 5,3831 nesta manhã de segunda-feira

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,48 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,8054.

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. (Foto: Reprodução)

O valor do dólar na manhã desta segunda-feira (8), está cotado no valor de R$ 5,3831. Já o valor do dólar para o turismo está sendo cotado a R$ 5,6107.

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,48 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,8054.  

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. O dólar é usado tanto em reservas internacionais como em livre circulação.

O blog apura de segunda à sexta-feira a cotação do dólar e euro.

Compartilhe:

Afogados-PE registra 7 novos casos para covid-19

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa que neste domingo (07), foram registrados 07 casos para covid – 19 em nosso município. Todos já estavam em investigação.
São 05 pacientes do sexo feminino com idades de 26, 26, 26, 39 e 54 anos; e 02 pacientes do sexo masculino, com idades de 20 e 43 anos. Entre os homens: 01 gerente e 01 estudante (rede pública). Já entre as mulheres: 01 agente de viagens, 01 autônoma, 01 dona de casa, 01 auxiliar administrativa e 01 estudante (rede privada).
Hoje, 11 pacientes apresentaram resultados negativos para covid – 19 em nosso município. Não temos novos casos em investigação.
O município atingiu a marca de 2.482 pessoas (95,13 %) recuperadas para covid-19. Atualmente, 98 casos estão ativos em nossa cidade.
Afogados atingiu a marca de 10.966 testes para covid-19, aplicados na população, o que representa 29,43 %.
Casos leves x SRAG/covid- 19:
Leves (2.530 casos), 96,97% Graves (79 casos), 3,03%.

Governo-PB estabelece Plano de Educação em Tempo de Pandemia para escolas e faculdades 

O Plano Educação para todos em Tempos de Pandemia (PET-PB) foi publicado nesta segunda-feira (8), no Diário Oficial do Estado e o ClickPB teve acesso.

Aulas presenciais devem ser retomadas no di 1° de março (Foto: Reprodução)

O governo estabeleceu o Plano Educação para todos em Tempos de Pandemia (PET-PB) para o processo de retomada das aulas presenciais dos Sistemas Educacionais da Paraíba e demais instituições de ensino superior da Paraíba. O (PET-PB) foi publicado neste domingo (7), no Diário Oficial do Estado e o ClickPB teve acesso.

O Plano objetiva assegurar o retorno às aulas presenciais de modo seguro e dentro do panorama de convivência com a COVID-19, considerando os aspectos pedagógicos, administrativos, de infraestrutura e de proteção à saúde física e mental dos membros da comunidade escolar e dos profissionais da educação.

O PET-PB é constituído por quatro fases que preveem a retomada progressiva
ao ensino presencial nas redes de ensino públicas e privadas, a partir da adoção do modelo híbrido de ensino-aprendizagem, considerando as análises realizadas pelas autoridades sanitárias, a saber. 

Confira as fases:

I – 1ª FASE: 70% Ensino Remoto + 30% de Ensino Presencial;
II – 2ª FASE: 50% Ensino Remoto + 50% de Ensino Presencial;
III – 3ª FASE: 30% Ensino Remoto + 70% de Ensino Presencial;
IV – 4ª FASE: 10% Ensino Remoto + 90% Ensino Presencial. 

O plano também prevê que as aulas presenciais sejam ministradas para pequenos grupos de, até 50% a quantidade de alunos original da turma. As turmas terão atividades presenciais em semanas alternadas, com aulas durando até três horas por dia.

Nessa primeira etapa retornam os estudantes do ensino infantil de 0 a 10 anos de idade, a partir de 1º de março. A cada 15 dias, será realizado um mini inquérito sorológico para acompanhar se está havendo contaminação no retorno às aulas.

O plano também prevê fases que podem evoluir a cada seis meses. Caso o retorno não tenha percalços, no segundo semestre deste ano começa a fase 1, com 50% de aulas presenciais e 50% de aulas remotas. No primeiro semestre de 2022, a fase 2 teria 70% de aulas presenciais e 30% remotas. Já no segundo semestre de 2022, as aulas seriam 90% presenciais e apenas 10% remotas.

Paraibana vai para o paredão e disputa permanência no BBB 21 com Gilberto e Acrebiano

Acrebiano, Gilberto e Juliette disputam a permanência na casa na noite desta terça-feira (09). (Foto: Reprodução)

A paraibana Juliette Freire foi para paredão do Big Brother Brasil 21 na noite deste domingo (08). Juliette disputa a permanência na casa com Gilberto e Acrebiano na próxima terça-feira (09). 

Durante a semana Juliette tinha sido imunizada por Acrebiano após o primeiro toque do Big Fone. Ele também colocou Thaís no paredão. Após o toque do segundo Big Fone, Gilberto colocou Karol Conká no paredão e imunizou Sarah. Já no terceiro toque do Big Fone, Thaís ao atender foi imunizada ao trocar de lugar com a paraibana. 

Durante a noite deste domingo, Carla Diaz imunizou Camilla de Lucas e Arthur indicou Gilberto ao paredão. No voto da casa, Acrebiano foi o mais votado.

Na prova bate e volta onde participaram Acrebiano, Juliette e Karol Conká. A curitibana levou a melhor e ficou livre do segundo paredão. 

Acrebiano, Gilberto e Juliette disputam a permanência na casa na noite desta terça-feira (09).

Vereadora de Ipubi, Ana Abrantes sofre um TVC neste domingo e segue internada fora de risco

A vereadora, locutora e Jornalista Ana Abrantes da cidade de Ipubi, foi internada nesse domingo (7), após sofrer uma forte dor de cabeça. Ela foi acometida de uma TVC – Trombose Venosa Cerebral, uma espécie rara de AVC – Acidente Vasculhar Cerebral, uma doença neurológica. Essa enfermidade se dá quando coágulos de sangue ficam parados obstruindo as veias mais importantes de drenar sangue para o Cérebro.

Ana Maria Abrantes Sarmento (PSB) é irmã do vereador Paulo José Sarmento (PSB), que morreu em 1º de janeiro de 2017, vítima de infarto. Ele tinha 42 anos, foi socorrido mas não resistiu. No hospital teve mais um infarto que foi definitivo para sua morte.

A assessoria da vereadora informou à nossa reportagem que Ana Abrantes segue internada em Barbalha, não foi divulgado o nome do Hospital, mas a Jornalista passa bem e está fora de risco podendo ter alta em até quatro dias.

 

Acidente em Tabira deixa um solidanense morto

Faleceu na tarde deste sábado 06/02 vítima de acidente de moto William Almeida de 37 anos de idade residente no sitio Barra de Solidão.

Segundo informações da família William chegou do trabalho por volta do meio-dia, quando começou a ingerir bebidas alcoólicas, e por volta das 16:00 horas saiu sem dizer nada no sentido da cidade de Tabira, quando nas imediações do sitio Oitis de Tabira perdeu o controle da moto saiu da pista e bateu forte nas estacas da cerca as margens da PE 309. 
William foi socorrido as pressas para o hospital de Tabira em seguida foi transferido para o hospital de Afogados, onde veio a óbito. 
William era casado deixa esposa e um filho de 6 anos. (Blog do Veras)

 

 

 

 

Compartilhe:

Casal é condenado a 118 anos de prisão por matar dentistas e arrancar dedos de idosa para sacar dinheiro da conta bancária

Crime foi em Colorado do Oeste (RO). Em sentença, Francinéia Costa foi condenada a 61 anos de reclusão em regime fechado, enquanto seu marido, Nilmar, foi condenado a 57 anos.

Dionelia Giacometti Mai e o marido foram mortos em Rondônia em julho do ano passado. (Foto: Reprodução)

O casal suspeito de ter matado dois dentistas idosos em Colorado do Oeste (RO) foi condenado, juntos, a 118 anos de prisão. A sentença foi publicada nesta sexta-feira (5). Além de matarem e enterrarem os corpos dos aposentados, os acusados (que eram inquilinos das vítimas), arrancaram os dedos da idosa para tentar sacar o dinheiro da conta bancária através da biometria.

De acordo com decisão do juiz Eli da Costa Júnior, não restou dúvida quanto a culpabilidade do casal no crime bárbaro contra Dionélia Giacometti Mai e Eldon Mai.

A sentença ficou distribuída assim:

  • Francinéia Costa de Oliveira deve ficar presa por 61 anos, dois meses e 91 dias.
  • Já Nilmar dos Santos, marido de Francinéia, foi condenado a 57 anos, dois meses e 81 dias-multa de reclusão.

Na mesma decisão, o juiz negou o pedido de liberdade feito pelo casal para responder o crime em liberdade. Eles vão ficar presos por falsidade ideológica, ocultação de cadáveres e latrocínio, pois foram presos fugindo no carro das vítimas.

Crime brutal

Os dentistas Dionélia Giacometti Mai e Eldon Mai, que eram casados, foram assassinados pelos próprios inquilinos em julho de 2020 na casa que eles tinham cedido para os acusados, em Colorado do Oeste.

Para atrair as vítimas até o local do crime, os inquilinos chamaram Dionélia e Eldon alegando um vazamento na pia do imóvel onde eles estavam morando.

Dionélia foi a primeira a ser morta pelos inquilinos, pois estava sozinha em casa na manhã daquele dia. Quando ela entrou na casa para ver o suposto vazamento, Nilmar a atacou com um cabo de enxada e desferiu um golpe em sua nuca. Após a vítima cair no chão, o suspeito rasgou uma camiseta e a amordaçou.

O marido de Dionélia, Eldon, chegou em casa durante a tarde. Usando o mesmo método, o acusado convidou o idoso para ir até o imóvel verificar o vazamento na pia. Quando Eldon entrou na casa dos inquilinos, também foi golpeado na nuca pelo cabo de enxada.

Depois de matarem os idosos, Nilmar e a esposa Francinéia levaram os corpos até Chupinguaia (RO) e lá os enterraram, em covas separadas.

Após os crimes, Nilmar e Francinéia foram até um hotel onde tinham deixado seus filhos e então fugiram no carro das vítimas.

Dedos arrancados com faca

Durante investigação do caso, a polícia descobriu que Dionélia Gioacometti teve quatro dedos arrancados por uma faca depois de ser assassinada pelos próprios inquilinos. Os acusados ainda carregaram os dedos no bolso e foram até um banco para tentar sacar o dinheiro da conta bancária de Dionélia.

De acordo com o que foi apontado pela perícia, os inquilinos ainda fizeram torniquete no dedo indicador esquerdo e direito [da vítima], e também torniquetes nos dois polegares. O objetivo deles era fazer a leitura biométrica e assim fazer saque na conta da vítima, no Banco do Brasil.

Enquanto Nilmar tentava retirar o dinheiro da conta da vítima, a esposa Francinéia teria ficado dentro do carro. A investigação aponta que o suspeito tentou sacar o dinheiro por diversas vezes, chegando digitar a senha da vítima, mas não conseguiu.

Dionélia Giacometti Mai e seu esposo Eldon Mai foram mortos em Rondônia — Foto: Facebook/Reprodução

Quem era Dionélia?

Dionélia era servidora lotada no Hospital de Clínicas Raimundo Chaar em Brasileia, no Acre. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), ela era dentista e tinha sido afastada do trabalho por causa da pandemia de Covid-19, por ser do grupo de risco.

Dionélia também era pioneira da Renovação Carismática Católica da Diocese de Ji-Paraná.

Local onde corpos das vítimas foram enterrados, no Cone Sul — Foto: PRF/Divulgação

Mega-Sena acumula e pagará R$ 7,5 milhões no próximo sorteio

Confira as seis dezenas sorteadas do concurso 2342.

O prêmio estimado para a próxima aposta, que será realizada na próxima quarta-feira (10), é de R$ 7,5 milhões. (Foto: Reprodução)

Ninguém acertou os seis números do concurso 2342 da Mega-Sena realizado neste sábado (28). O prêmio estimado para a próxima aposta, que será realizada na próxima quarta-feira (10), é de R$ 7,5 milhões.

Confira as seis dezenas sorteadas:

17 – 20 – 24 – 27 – 40 – 60

Segundo a Caixa Econômica Federal, 35 apostas acertaram a quina e levaram R$ 51.441,93 cada uma. Além disso, 2.233 pessoas acertaram a quadra e ficaram com R$ 1.151,85 cada uma delas.

Como jogar

A Mega-Sena paga milhões para o acertador dos 6 números sorteados. Ainda é possível ganhar prêmios ao acertar 4 ou 5 números dentre os 60 disponíveis no volante de apostas. Para concorrer, você deve marcar de 6 a 15 números do volante, podendo deixar que o sistema escolha os números para você (Surpresinha) e/ou concorrer com a mesma aposta por 2, 4 ou 8 concursos consecutivos (Teimosinha).

Sorteios

Os sorteios da Mega-Sena são realizados duas vezes por semana, às quartas e aos sábados. Em semanas especiais, ocorrem três sorteios, às terças, às quintas e aos sábados. 

Apostas

A aposta mínima, de 6 números, custa R$ 4,50. Quanto mais números marcar, maior o preço da aposta e maiores as chances de faturar o prêmio mais cobiçado do País.

Brasil tem um pedido de impeachment de Bolsonaro a cada 11 dias

Se por um lado essa situação reflete um descontentamento mais generalizado, por outro, essa pulverização pode ser um fator contra o crescimento da pressão contra o governo.

São de uma maneira geral pedidos independentes, apresentados em momentos distintos e por motivações diversas, mas nada que aponte para uma grande articulação contra Bolsonaro. (Foto: Reprodução)

 A rejeição de setores da sociedade ao governo Bolsonaro tem se refletido no número de pedidos de impeachment protocolados na Câmara dos Deputados: em média, cidadãos brasileiros protocolaram um processo contra o presidente a cada 11 dias.

Foram 68 desde que Bolsonaro tomou posse até a primeira semana de fevereiro. São de uma maneira geral pedidos independentes, apresentados em momentos distintos e por motivações diversas, mas nada que aponte para uma grande articulação contra Bolsonaro.

Se por um lado essa situação reflete um descontentamento mais generalizado, por outro, essa pulverização pode ser um fator contra o crescimento da pressão contra o governo.

Nas últimas semanas, houve intensificação nos debates a respeito de um impedimento, principalmente por causa do repique da Covid-19, do colapso da saúde em Manaus e do atraso do Brasil na vacinação.

Chegou-se a cogitar que o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) abriria o processo em seus últimos dias à frente da Casa.

Os pedidos de impeachment foram escritos e protocolados por pessoas das mais diversas regiões. Há juristas conhecidos, como a ex-vice-procuradora-geral da República Deborah Duprat.

Dois detentos do estado de São Paulo enviaram seus pedidos por cartas. Um deles já inclusive havia pedido impeachment de Dilma Rousseff (PT).

No universo político, figura obviamente a oposição, mas também ex-aliados do governo, como o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP).

O ritmo de pedidos apresentados ganhou força em 2020. No ano anterior, haviam sido cinco, sendo que o primeiro, protocolado em 5 de fevereiro, foi arquivado por Maia.
O restante teve como destino a gaveta do deputado – e agora do novo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL) –, formalmente classificados como “em análise”.

As denúncias do primeiro ano foram motivadas por episódios controversos, como o fato de o presidente ter compartilhado em uma rede social vídeo em que um homem urina em outro em um bloco de Carnaval, em prática conhecida como “golden shower”.

Em 2020, o número de pedidos explodiu: foram 54 – quatro arquivados.

Alguns tiveram os mesmos autores, como o militar aposentado João Carlos Moreira, que protocolou dois. Um deles, de fevereiro do ano passado, tinha como pano de fundo as investigações envolvendo a morte da vereadora Marielle Franco e supostas interferências no caso.

O outro, em março, cita declarações de conotação sexual contra a jornalista Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo, e até o episódio envolvendo o transporte de 39 quilos de cocaína em um avião presidencial.

Bolsonaro ainda motivou pedidos por ter incentivado atos pelo fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, por ter declarado que as eleições foram fraudadas e por ataques à imprensa.

Boa parte das ações tem relação com ações e omissões de Bolsonaro no combate à pandemia do novo coronavírus.

O advogado Adriano Oliveira da Luz, de Cachoeirinha (RS), usava suas redes sociais para defender o presidente. Decepcionou-se durante a pandemia e por isso decidiu ingressar com pedidos.

“Antes era o PT que era uma seita, que não se podia falar mal do Lula. Mas a mesma coisa está acontecendo com eleitores do Bolsonaro”, afirma.

Em 2021, já há nove pedidos aguardando análise do novo presidente da Câmara, mas sem sinalização de que o destino será diferente dos demais.

“Com esse Congresso nas mãos do centrão e ainda a indicação da lambe-botas Bia Kicis para a CCJ [Comissão de Constituição e Justiça], creio que as chances do presidente sair antes de 2022 diminuíram muito”, diz o cineasta Fernando Meirelles.

Ele integra a Coalizão Negra por Direitos, que ingressou com um pedido em agosto, com base, entre outros motivos, nos ataques de Bolsonaro às instituições democráticas e nas omissões na pandemia.

Pela lei, cabe ao presidente da Câmara decidir, de forma monocrática, se há elementos jurídicos para dar sequência à tramitação do pedido.

Compartilhe:

Para difundir cloroquina, Bolsonaro mobilizou cinco ministérios, estatal, conselhos, Exército e Aeronáutica

Distribuir o medicamento virou uma política de governo, com atos dos Ministérios da Saúde, Defesa, Economia, Relações Exteriores e Ciência e Tecnologia.

Os medicamentos, sem eficácia comprovada para Covid-19 conforme experimentos feitos até agora, foram enviados principalmente a Norte e Nordeste. (Foto: Reprodução)

 Carro-chefe do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia, mesmo sem eficácia comprovada pela ciência, a distribuição de cloroquina aos quatro cantos do país mobilizou pelo menos cinco ministérios, uma estatal, dois conselhos da área econômica, Exército e Aeronáutica.

A reportagem identificou dezenas de atos oficiais, todos eles públicos, adotados nas mais diferentes esferas de governo para garantir a circulação de cloroquina e hidroxicloroquina.

Distribuir o medicamento virou uma política de governo, com atos dos Ministérios da Saúde, Defesa, Economia, Relações Exteriores e Ciência e Tecnologia. Envolve desde a orientação técnica para o uso até o fornecimento final da substância, passando por isenções de impostos e facilitações na circulação do produto.

Uma ferramenta alimentada pelo Ministério da Saúde, com registros das ações da pasta na pandemia, aponta uma distribuição de 5.416.510 comprimidos de cloroquina e 481.500 comprimidos de hidroxicloroquina. Os medicamentos, sem eficácia comprovada para Covid-19 conforme experimentos feitos até agora, foram enviados principalmente a Norte e Nordeste.

Depois de quase 11 meses de adoção dessa estratégia para enfrentar o novo coronavírus, as investigações sobre crimes e ilegalidades começam a deslanchar.

O ministro da Saúde, general da ativa Eduardo Pazuello, é investigado em inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) por omissão na crise de escassez de oxigênio no Amazonas. Quando faltava oxigênio, o ministério irrigou Manaus com 120 mil comprimidos de hidroxicloroquina.

Um segundo procedimento, ainda preliminar, foi instaurado pela PGR para apurar a distribuição do medicamento no país. Já a Procuradoria da República no DF abriu um processo, na esfera cível, para investigar improbidade na distribuição de cloroquina. Para preservar provas, os procuradores fizeram download de vídeos em que Pazuello e Bolsonaro defendem o “tratamento precoce”.

No TCU (Tribunal de Contas da União), uma auditoria apontou ilegalidade em uso de dinheiro do SUS para custear a distribuição da cloroquina. O entendimento dos auditores foi de que não existe um aval da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para o fornecimento pelo SUS.

Como a cloroquina acaba sendo usada numa finalidade fora da descrita na bula, haveria necessidade de uma autorização do órgão regulador, segundo a auditoria do TCU.

A Anvisa afirmou à reportagem que o registro da cloroquina no órgão se destina a tratamento de artrite, lúpus eritematoso, doenças fotossensíveis e malária. “Apesar de promissores, não existem estudos conclusivos que comprovem o uso desse medicamento para o tratamento da Covid-19”, disse, em nota.

“Não há recomendação da Anvisa, no momento, para a sua utilização em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação pelo novo coronavírus”, finalizou.

O Localiza SUS, ferramenta usada para atualizar os dados sobre ações na pandemia, informa que os comprimidos de cloroquina custaram R$ 238,3 mil. O valor, porém, está subestimado.

O Exército, que produziu 3,2 milhões de comprimidos de cloroquina a partir de solicitações dos Ministérios da Defesa e da Saúde, informou à reportagem que o gasto com a produção foi de R$ 1,16 milhão. O Laboratório Químico Farmacêutico do Exército fez pelo menos nove dispensas de licitação para adquirir insumos e o princípio ativo da droga.

Em outubro do ano passado, uma auditoria do TCU constatou que a produção do laboratório do Exército não levava em conta demanda e planejamento por parte do Departamento de Logística do Ministério da Saúde. A falha tem “potencial de gerar dano ao erário, pois a produção pode exceder à necessidade do SUS e gerar acúmulo e vencimento de medicamentos”, apontou a auditoria.

O Exército, em nota, negou essa possibilidade. Segundo a instituição, há 328 mil comprimidos de cloroquina em estoque, com vencimento em 2022. Na nota, o Exército dá a entender que não haverá uso do medicamento para Covid-19: “Será empregado para atender ao uso terapêutico preconizado do medicamento.”

O Laboratório do Exército é apenas executor e não decide sobre ampliação ou redução da produção, assim como não discute eficácia ou utilização, conforme a nota enviada à reportagem. “Em relação à cloroquina, destaca-se que as quantidades produzidas foram distribuídas de acordo com as solicitações dos Ministérios da Saúde e da Defesa.”

Caixas de cloroquina foram transportadas em diferentes ocasiões pela Aeronáutica, especialmente para regiões mais isoladas, como comunidades indígenas na fronteira com a Colômbia e a Venezuela. Segundo a Força Aérea, quem faz o planejamento é o Ministério da Saúde, que o repassa ao Ministério da Defesa. “A Força Aérea apenas cumpre a missão”, diz a assessoria de imprensa.

O Ministério da Saúde editou um guia com orientações sobre o uso da cloroquina. Chegou a colocar no ar um aplicativo programado para ofertar o medicamento. E distribuiu a droga às cinco regiões do país. A pasta não respondeu aos questionamentos da reportagem.

A EBSERH (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares), estatal responsável pelos hospitais universitários federais, fez uma compra de hidroxicloroquina para ações de combate à Covid-19. Os registros públicos mostram uma aquisição no valor de R$ 38.915. À reportagem a estatal afirmou que a compra foi cancelada e não chegou a ser concluída.

O recuo teria ocorrido após “mudança no protocolo adotado, até então, pelos órgãos de saúde”. A aquisição, conforme a EBSERH, foi feita especificamente pelo hospital universitário no Maranhão.

A estatal confirmou que dois hospitais universitários compraram hidroxicloroquina para o combate à Covid-19, ainda no primeiro semestre. Foram 2.570 doses, no valor de R$ 2.546,32, segundo a EBSERH.

“A administração central da EBSERH não realizou compras centralizadas de hidroxicloroquina para distribuir aos hospitais e não emitiu recomendação aos hospitais da rede para uso do medicamento no combate à Covid-19”, afirma a nota da estatal.

A pulverização da cloroquina no país foi possível graças também a isenções de impostos pelo Ministério da Economia e a permissões de entregas antecipadas pela Receita. Em nota, a pasta de Paulo Guedes defendeu as medidas.

A permissão para isenção de ICMS à cloroquina e outros produtos voltados ao combate à pandemia foi estendida até 31 de julho, segundo o ministério. A medida foi avalizada pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária).

A redução a zero da alíquota de importação sobre produtos transportados em remessas aéreas permitiu doações de diferentes partes do mundo, conforme a pasta. A medida foi encerrada em 1º de outubro.

A simplificação do despacho aduaneiro de produtos foi outra medida adotada, e incluiu a cloroquina. “Esta medida é aplicada a todas as mercadorias declaradas essenciais ao combate à Covid-19, atualmente com mais de 200 itens diferentes”, diz a nota. Também houve redução de impostos pela Camex (Câmara de Comércio Exterior). A cloroquina foi incluída.

O Ministério das Relações Exteriores, por sua vez, viabilizou uma doação de 2 milhões de comprimidos de doses pelos EUA, ainda no governo de Donald Trump. O Itamaraty, em nota, diz ter facilitado os entendimentos entre Ministério da Saúde e governo dos EUA para a doação do medicamento. A intermediação coube à Embaixada do Brasil em Washington e à Agência Brasileira de Cooperação, segundo o ministério.

Já o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações patrocinou uma pesquisa sobre quimioprofilaxia com cloroquina em população de alto risco. O valor do convênio é de R$ 1,44 milhão. A pasta não respondeu às perguntas sobre a evolução da pesquisa.

UM GOVERNO MOBILIZADO PELA CLOROQUINA

O que cada órgão fez:

Ministério da Saúde

  • Edição de guia com orientação sobre uso
  • Compra e distribuição a todas as regiões do país
  • Parceria com Exército para a produção

Ministério da Economia

  • Redução a zero de imposto de importação em remessas aéreas de até US$ 10 mil (ato do ministro)
  • Redução temporária de alíquota de importação, por decisão da Camex (Câmara de Comércio Exterior)
  • Autorização a 16 estados para conceder isenção de ICMS, decidida pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária)
  • Permissão de entrega antecipada de mercadoria (instrução da Receita Federal)

Ministério das Relações Exteriores

  • Acordo de cooperação com os EUA para receber uma doação de 2 milhões de doses

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações

  • Convênio para pesquisa sobre profilaxia com o medicamento em população de alto risco

Ministério da Defesa

  • Solicitações de produção e transporte do medicamento a duas das três Forças

Exército

  • Dispensas de licitação para compra de insumos e medicamentos, com ampliação expressiva da produção pelo Laboratório Químico e Farmacêutico do Exército

Aeronáutica

  • Transporte de cargas a regiões mais isoladas, inclusive a comunidades indígenas na fronteira com a Colômbia e a Venezuela

EBSERH

  • Compra de medicamentos por hospitais universitários
  • Fonte: Diário Oficial da União

Mais de 20 mil já receberam as duas doses da vacina contra Covid no Brasil

Neste sábado (6), foram aplicadas 166.590 primeiras doses e 18.315 segundas.

O Brasil já aplicou 3.531.334 primeiras doses e 20.277 segundas doses até o momento. (Foto: Reprodução)

 O Brasil já aplicou 3.531.334 primeiras doses e 20.277 segundas doses até o momento. Neste sábado (6), foram aplicadas 166.590 primeiras doses e 18.315 segundas.

O consórcio, formado pelos veículos Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1, atualizou informações repassadas sobre a vacinação contra a Covid-19 por 23 estados, além do Distrito Federal.

 

Por enquanto, as vacinas disponíveis no Brasil são a Coronavac, vacina do Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, e o imunizante da Fiocruz, desenvolvido pela parceria entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca.

O total representa 2,19% da população acima de 18 anos no Brasil.O consórcio foi formado em junho de 2020 em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de Covid-19.

Os veículos decidiram, então, formar uma parceria e trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal.

Anderson, do Molejo, nega estupro e filho o defende: ‘Meu pai sempre foi bissexual

Usando palavras de baixo calão, o cantor confirmou ter tido relações sexuais com Maylon, 21, mas foi categórico em afirmar que o ato foi de comum acordo.

Na versão do músico, o jovem usou o nome de um amigo falecido do artista para se aproximar, enquanto acompanhava partidas de futebol que o cantor disputa às terças-feiras com um grupo de amigos. (Foto: Reprodução)

 A acusação de estupro contra o vocalista do Molejo, Anderson Leonardo, 48, continua repercutindo, após o músico participar de uma live no Instagram de Betoh Cascardo, na madrugada deste sábado (6). Usando palavras de baixo calão, o cantor confirmou ter tido relações sexuais com Maylon, 21, mas foi categórico em afirmar que o ato foi de comum acordo.

Em outro trecho, mais calmo, Anderson explicou que até a denúncia achava que o nome do rapaz que o acusa de estupro era Maylon e não Maycon. Na versão do músico, o jovem usou o nome de um amigo falecido do artista para se aproximar, enquanto acompanhava partidas de futebol que o cantor disputa às terças-feiras com um grupo de amigos.

“Sim, eu tive essa relação com ele depois de tanto assédio. Uma vez aconteceu eu estava sozinho, graças a Deus, e sou responsável pelos meus atos. Quando eu faço, eu falo”, disse Anderson. “Nós tivemos, sim, consensualmente, chegamos num acordo, ele já vinha me assediando”, afirmando ter deixado claro que não deveriam confundir vida pessoal e profissional.

“Fomos para o motel, aconteceu o que acontece entre qualquer casal. Acho que qualquer pessoa sabe, é só ver o tamanho desse rapaz. Era uma parede fina, você acha se esse rapaz desse algum grito, se eu fizesse alguma coisa, ninguém iria ouvir e ele esperaria meses para me expor?”, questionou Anderson.

Em entrevista à Quem, a assessora de Anderson, Andreia Assis, apresentou prints de conversas entre Maylon e a irmã do vocalista do Molejo nos quais combinam de sair juntos, um dia após a data do suposto estupro. Sobre a suposta cueca que continha sangue e sêmen, que teria sido do dia em que houve a relação sexual entre Anderson e Maylon, Assis pontuou que a equipe do cantor considera uma ação premeditada.

“Ele disse — não sabemos se é verdade ou não — que tem uma cueca, que teria sêmen e sangue. Tem um tempo hábil para fazer um corpo de delito e ir na polícia, porque tem um tempo para o laboratório detectar. Ele demorou dois meses. Se existe essa cueca, só prova que ele estava premeditando algo. Porque ninguém vai guardar uma lembrança de um estupro”, pontuou ela.

Assis falou ainda sobre a suposta chantagem relatada pelo pagodeiro em depoimento. “Eu trabalho diretamente com o Anderson e todo mundo notou que ele estava aéreo e muito preocupado. Isso foi no final de dezembro, para início de janeiro”, contou, acrescentando que a responsável por fazer as tratativas com o cantor era a mãe de Maylon, Jupira Pinto.

“Não era o menino que colocava a cara, ele diz que estava em depressão, era a mãe que ia até o Anderson. Ela começou a falar de médico e tratamento. Anderson disse que pagaria os médicos e questionou por que o Maylon não foi falar com ele. Tudo se passava por uma chantagem, porque nunca aceitaram”, diz Assis, contando que após a data do suposto estupro, o jovem esteve em todos os shows do Molejo.

Após Anderson prestar depoimento à polícia na última sexta-feira (5), o filho do pagodeiro, Leozinho Bradock, usou as redes sociais para defender o pai. “Desde sempre o senhor nunca me escondeu nada da sua vida, e sempre me ensinou que devemos assumir a verdade, independente do que os outros pensam. Eu te amo, e me orgulho de me chamar Anderson Leonardo por sua causa”, compartilhou o jovem.

Em resposta a uma seguidora que escreveu, “não era amor, era cilada”, usando um trecho de uma música do Molejo para ironizar a declaração, Bradock foi categórico em afirmar que sempre soube da orientação sexual de Anderson. “Não era cilada, mana. Meu pai sempre foi bissexual e me orgulho disso. Se vocês optarem com esse tipo de brincadeira achando bacana agir com preconceito, vocês só provam que passa ano e entra ano, não respeitam as diferenças”, finalizou.

Afogados registra 4 novos casos e 7 curas para covid-19

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa que nesta sexta (05), foram registrados 04 casos para covid – 19 em nosso município. Desses, 02 já estavam em investigação.

São 02 pacientes do sexo feminino, com idades de 37 e 39 anos; e 02 pacientes do sexo masculino, com idades de 03 e 65 anos. Entre as mulheres: 01 agricultora e 01 oficial de justiça. Já entre os homens: 01 menor e 01 aposentado.
Hoje, 19 pacientes apresentaram resultados negativos para covid – 19 em nosso município.
Entram em investigação os casos de 10 homens, com idades entre 09 e 66 anos; e os de 16 mulheres, com idades entre 7 meses e 82 anos.
Hoje, 07 pacientes apresentaram cura após avaliação clínica e epidemiológica. O município atingiu a marca de 2.481 pessoas (95,38 %) recuperadas para covid-19. Atualmente, 91 casos estão ativos.
Afogados atingiu a marca de 10.958 testes para covid-19, aplicados na população, o que representa 29,41 %.
Casos leves x SRAG/covid- 19:
Leves (2.522 casos), 96,96% Graves (79 casos), 3,04%.

Zezinho Corrêa, vocalista da banda Carrapicho, morre vítima da covid

Morreu na manhã deste sábado, aos 69, Zezinho Corrêa, vocalista da banda Carrapicho. O músico estava internado no Hospital Samel, em Manaus, tratando de complicações da covid-19. A notícia foi confirmada pela família do cantor em suas redes sociais.

“A família Corrêa vem a públicocomunicar o falecimento do nosso amado cantor Zezinho Corrêa. Zezinho estava internado desde o dia 14/01 no hospital Samel. No dia 07/01 foi transferisdo para o leito de UTI, no hospital Prontocord e lá estava lutando bravamente por sua vida. Em decorrência de complicações do covid-19, Deus quis o levar para a morada eterna, e hoje ele nos deixou”, começa o comunicado.
Em seguida, eles agradecem as orações e mensagens positivas dos fãs pela recuperação do músico. “Agradecemos imensamente o carinho, todas as orações e todo amor que vínhamos recebendo dos fãs, familiares, amigos e admiradores dele. O céu ganhou mais uma estrela que com sua luz brilhará para a eternidade. Obrigada por levar o nome do Amazonas para o mundo, obrigada por ser esse ser humanoincrível em todos os sentidos. Você já está fazendo muita falta na nossa família, daqui vamos continuar te amando sempre. Hoje a batida do tambor se calou”, encerrra.
O artista estava internado desde o dia 4 de janeiro, mas as primeiras informações dadas à imprensa vieram no dia 8 de janeiro, quando os familiares do cantor confirmaram a internação do artista, dizendo que Zezinho estava na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), intubado e com 100% de saturação. À época, a família do cantor também precisou desmetir o boato de que Zezinho havia morrido.
No sábado, 23 de janeiro, a boa notícia: Zezinho já respondia bem ao tratamento, fazendo com que os médicos diminuíssem a sedação e os remédios. No entanto, dois dias depois, no dia 25 de janeiro, um novo comunicado da família informava uma piora no estado de saúde do cantor. Zezinho voltou a ser intubado.
“O cantor estava evoluindo bem nos últimos dias, onde o mesmo na não estava sedado, não estava fazendo uso de medicações vasoativas, estava respirando sem ajuda de aparelhos, quadro neurológico limpo e fazendo diálise. Porém, na madrugada deste domingo, o cantor apresentou uma piora no quadro, onde os médicos optaram pela conduta de retornar com a sedação, uso de medicações vasoativas e uso da ventilação mecânica”.
A banda Carrapicho surgiu no início dos anos 1980, em Manaus. No início, o grupo tocava MPB (Música Popular Brasileira), mas logo cravaram o forró e as todas de boi bumbá em suas apresentações. Foram 16 anos trabalhando regionalmente. Em 1996, um produtor francês ouviu Tic, Tic Tac e dedidiu lançá-la na França. A música, então, tornou-se fenônemo na Europa e no Brasil, ficando na posição 34 das 100 músicas mais tocadas no país naquele ano.
Relembre um trecho da música
Bate forte o tambor, eu quero é tic, tic, tic, tic, tac
 
É nessa dança que meu boi balança e o povo de fora vem para brincar
A letra foi cantada em diversos idiomas, inclusive o Russo. A canção também tinha uma coreografia peculiar. Foi Gugu Liberato que descobriu a banda durante suas férias na Europa. O apresentador trouxe o grupo para se apresentar no Brasil, época em que tinha um programa no SBT.
Em dezembro de 2020, o Domingo Espetacular foi à Manaus entrevistar Zezinho Corrêa e descobriu que vocalista e a banda estavam separados desde 2003. No entanto, o grupo havia resolvido se reunir para comemorar os 40 anos de carreira e relembrar os sucessos que ajudaram o grupo a explodir nos anos 1990. (R7)
Compartilhe:

Justiça proíbe Ford de fazer demissões coletivas em Camaçari e Taubaté

Decisões também impedem suspensão de pagamento de salários e licenças.

As liminares (decisões provisórias) foram concedidas entre a noite de ontem (5) e a manhã de hoje (6). A empresa pode recorrer. (Foto: reprodução)

A Justiça do Trabalho proibiu a Ford do Brasil de promover demissões coletivas em suas fábricas em Camaçari, na Bahia, e Taubaté, em São Paulo, enquanto não houver negociação com os respectivos sindicatos. As liminares (decisões provisórias) foram concedidas entre a noite de ontem (5) e a manhã de hoje (6). A empresa pode recorrer.

Ambas as decisões impedem a Ford de suspender o pagamento de salários e licenças remuneradas enquanto os contratos de trabalho estiverem em vigor, bem como de fazer propostas de forma individual aos trabalhadores. As liminares foram concedidas a pedido do Ministério Público do Trabalho (MPT), que abriu inquéritos para avaliar os danos sociais do fechamento das fábricas da marca no país.

Em Camaçari, o juiz substituto Leonardo de Moura Landulfo Jorge, da 3ª Vara do Trabalho, estipulou multa de R$ 50 mil por trabalhador atingido caso a empresa promova dispensa coletiva. No caso de Taubaté, a juíza Andréia de Oliveira, da 2ª Vara do Trabalho, proibiu a Ford de alienar todos os bens e maquinários localizados no município, sob pena de multa diária de R$ 100 mil por bem removido.

Ambas as decisões ainda ordenaram a Ford a fornecer aos respectivos sindicatos informações sobre a rescisão de contratos com fornecedores, parceiros e terceirizados. A Agência Brasil tenta contato com a empresa para que comente as liminares.

A Ford anunciou em janeiro o fechamento de todas as suas fábricas no Brasil, após mais de 100 anos montando veículos no país. Em nota à época do anúncio, a empresa citou, entre outros fatores, os impactos provocados pela pandemia de covid-19, que “amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas”, segundo a montadora.

Comentários (0

Compartilhe:

Modelo Giselle Sakai é encontrada morta dentro de apartamento onde morava em João Pessoa

antes de morrer, ela mandou mensagem para uma amiga pedindo ajuda pois estava se sentindo mal.

Giselle Sakai fazia sucesso no Instagram, com 1 milhão de seguidores (Foto: Reprodução Redes Sociais)

Uma mulher foi encontrada morta no apartamento onde morava, no bairro de Manaíra, em João Pessoa, no fim da tarde dessa sexta-feira (5). Giselle Sakai trabalhava como modelo e hostess e tinha cerca de um milhão de seguidores no Instagram.

De acordo com informações recebidas pela polícia, ela mandou uma mensagem para uma amiga pedindo socorro, afirmando que estava passando mal. Quando essa amiga chegou até o apartamento, Giselle já estava morta.

A polícia foi chamada e acionou a perícia, que realizou alguns procedimentos no apartamento e recolheu o corpo para o Instituto de Polícia Científica (IPC), no bairro do Cristo Redentor, em João Pessoa.

Compartilhe:

Presidente não precisa nomear primeiro da lista tríplice como reitor nas federais, decide STF

Maioria seguiu voto de Moraes e avaliou que não há afronta à autonomia universitária se presidente escolher outro nome da lista.

O ministro Alexandre de Moraes foi o relator da ação (Foto: Reprodução)

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou, até esta sexta-feira (5), para definir que o presidente Jair Bolsonaro não é obrigado a nomear, como reitores das universidades e institutos federais, o primeiro nome da lista tríplice feita nas instituições.

A ação que pede o estabelecimento da regra é da Ordem dos Advogados do Brasil. O tema está sendo julgado no plenário virtual do STF desde 18 de dezembro e o prazo para o depósito dos votos termina nesta sexta.

O plenário virtual é uma forma de deliberação de processos em que os ministros apresentam seus votos na página do Supremo na internet, sem a necessidade de sessões por videoconferência.

Em dezembro, o relator do caso, o ministro Edson Fachin, concedeu uma liminar (decisão provisória) em que determinou a “obediência” à lista tríplice organizada pelas universidade e instituições federais. Em geral, essa lista é feita após consulta à comunidade acadêmica.

“Depreende-se dos autos a potencialidade de lesão grave a direitos ocasionada pela prática vigente de nomeação de Reitores e Vice-Reitores. Para além da precariedade do status jurídico dos eventuais professores nomeados, e daqueles eleitos pela comunidade acadêmica mas não nomeados, tem-se um quadro geral de incerteza que afeta a organização e o planejamento das Universidades Federais. Neste sentido também, a autonomia universitária, tão necessária para o correto desenvolvimento do tripé ensino-pesquisa-extensão, vê-se mitigada”, afirmou Fachin.

No julgamento, Fachin foi acompanhado pelos ministros Marco Aurélio Mello e Cármen Lúcia.

Já o voto divergente de Alexandre de Moraes foi seguido por outros cinco ministros: Nunes Marques, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso e o presidente Luiz Fux. Estabeleceu-se, então, um placar de 6 a 3 pela não obrigatoriedade de nomear o primeiro.

Lista tríplice em debate

A Lei 9.192, de 1995, define que o presidente da República escolherá como reitor e vice-reitor de universidades federais nomes escolhidos em lista tríplice, elaborada pelo “respectivo colegiado máximo”. A lei não estabelece, entre os três, quem deve ser escolhido.

Até o fim do governo Michel Temer, havia uma tradição de que o presidente nomeasse sempre o primeiro nome da lista tríplice, ou seja, o mais votado nas consultas internas das instituições.

Entre janeiro e agosto de 2019, das 12 nomeações de reitores de universidades, em cinco o escolhido não estava em primeiro lugar na lista, e uma (temporária) foi indicada fora da lista.

O voto de Moraes

Ao divergir do relator, Moraes considerou que a forma de escolha dos dirigentes das universidades e outras instituições de ensino superior não fere a autonomia universitária, prevista na Constituição Federal.

“Não se observa, assim, em primeira análise, o efeito concreto da interferência na autonomia universitária pelo simples ato administrativo discricionário de escolha do Reitor, por parte do Presidente da República, já que o próprio Reitor é limitado pelos órgãos colegiados que, necessariamente, compõem a universidade pública”, ponderou o ministro.

Moraes também apontou que se o presidente não pode escolher um nome entre os integrantes da lista tríplice, não há lógica para a própria formação da relação de indicados.

“Presumir-se que a livre escolha , entre os três indicados pelo próprio colegiado, seria, pela opção subjetiva do Presidente da República, um ato político ilícito, é deixar de lado a vontade da própria congregação que, na lista, inclui outros dois nomes específicos de seus integrantes, além do mais votado. E, por certo, a Constituição Federal, nos pontos já citados, atribuiu caráter político ao ato de escolha não só ao dirigi-la ao Chefe do Poder Executivo, mas também de determinar-se a formação de listas para que, entre seus integrantes, livremente escolhesse aquele que eleito em processo democrático”, afirmou.

O ministro também ressaltou que a Constituição prevê outras instituições com autonomia em que o presidente da República participa da escolha da composição – como o caso dos Tribunais de Justiça e federais, Superior Tribunal de Justiça e Procuradoria-Geral da República, entre outros.

“Embora a Constituição Federal tenha atribuído autonomia administrativa, financeira e mesmo política a diversas instituições essenciais à própria existência equilibrada do Estado Democrático de Direito, não afastou a participação discricionária do Chefe do Poder Executivo na escolha de parte de seus integrantes ou de seus dirigentes máximos”, pontuou.

Ainda de acordo com Moraes, não se justifica o referendo à liminar do ministro Edson Fachin porque os requisitos estabelecidos pelo relator – o respeito ao procedimento de consulta realizado pelas universidades federais, as condicionantes de título e cargo e a obrigatoriedade de escolha de um dos nomes que figurem na lista tríplice “simplesmente reproduzem os requisitos já previstos na Lei 5.540/1968, com a redação dada pela Lei 9.192/1995, para a realização do ato de nomeação de Reitores e Vice-Reitores de Universidades Federais pelo Presidente da República”.

Compartilhe:

Anitta cumpre promessa e inaugura conta no site adulto OnlyFans

A cantora foi verificada pelo site, o que significa dizer que se trata dela mesma, e não de outra pessoa tentando se passar por ela.

A plataforma é bastante conhecida por permitir que o criador do conteúdo cobre assinatura para que as pessoas tenham acesso ao que é publicado. (Foto: Reprodução)

 Anitta, 27, é uma mulher de palavra. Como prometido no final do ano passado, ela criou um perfil no OnlyFans, proibida para menores e bastante conhecida pelo conteúdo adulto. A cantora foi verificada pelo site, o que significa dizer que se trata dela mesma, e não de outra pessoa tentando se passar por ela.

A plataforma é bastante conhecida por permitir que o criador do conteúdo cobre assinatura para que as pessoas tenham acesso ao que é publicado. Até o momento, Anitta já publicou um vídeo (em que aparece de biquíni na neve, assim como no clipe da música “Loco”), uma foto e dez áudios.

O perfil estreou na última quarta-feira (3) e tem até o momento 934 assinantes. Para ver o conteúdo, é preciso se cadastrar e pagar uma mensalidade de US$ 4,99 (pouco menos de R$ 27). Em inglês, o perfil avisa: “Não me leve muito a sério (não nesse site)”.

Em outubro, a cantora anunciou que entraria no site. “Não tinha provas da existência [do OnlyFans], mas vou dar uma boa olhada e vou abrir um perfil, sim”, confirmou durante transmissão ao vivo realizada nas redes sociais nesta semana. A ideia é publicar “trabalhos artísticos e também promover uma interação maior com os fãs”.

A criação do perfil está a cargo da equipe de marketing internacional da cantora. 

Diversos artistas estrangeiros têm aderido à plataforma, como Cardi B, Aaron Carter, o rapper Tyga e até o brasileiro Silva. Entre os atores, os destaques são Bella Thorne e Tyler Posey. Alguns deles publicam conteúdos bastante ousados, como vídeos e fotos íntimas.

Christopher Plummer morre aos 91 anos

Conhecido por ‘Noviça rebelde’ e ganhador de Oscar por ‘Toda forma de amor’, ator canadense morreu em sua casa, ao lado da mulher, Elaine Taylor. Causa da morte não foi revelada.

Christopher Plummer. (Foto: Reuters / Mario Anzuoni)

O premiado ator Christopher Plummer morreu aos 91 anos nesta sexta-feira (5). Segundo o site Deadline, o ator morreu em sua casa, em Connecticut, nos EUA, ao lado da mulher Elaine Taylor, com quem foi casado por 53 anos. A causa da morte não foi revelada.

Celebrado por sua longa carreira, Plummer marcou a história do cinema com sua atuação no clássico “A noviça rebelde” (1965).

O canadense também tem as marcas de ser o ator mais velho a ganhar um Oscar (em 2012, aos 82 anos, por “Toda forma de amor”) e o mais velho a ser indicado (em 2018, aos 88 anos, por “Todo o dinheiro do mundo”).

Apesar da longa carreira, sua primeira indicação aconteceu apenas em 2010, por sua atuação em “A última estação”. Nas três vezes, concorreu como melhor ator coadjuvante.

O empresário e amigo do ator, Lou Pitt, lamentou a morte. “Cris era um homem extraordinário que amava e respeitava sua profissão. Por meio de sua arte e humanidade, ele tocou todos os nossos corações e sua vida lendária vai durar por todas as gerações que virão. Ele viverá eternamente entre nós.”

Nascido em Toronto, no Canadá, Plummer tem diversas obras importante em seu currículo ao longo de 75 anos de carreira.

Ele também é reconhecido por seu trabalho nos palcos, e ganhou duas vezes o prêmio Tony, considerado o mais importante do teatro americano, além de outras sete indicações.

Fiocruz divulga cronograma e vai entregar 15 milhões de doses da vacina em março

Insumos chegam neste sábado (6) para que comece a produção do imunizante da AstraZeneca/Oxford

A Fiocruz divulgou nesta sexta (5), pela primeira vez, o cronograma detalhado de produção das vacinas desenvolvidas pela AstraZeneca/Oxford no Brasil.

A primeira remessa do imunizante só será concluída no meio de março, como já previsto após o atraso na importação da matéria-prima da China. A reportagem é de Júlia Barbon/ Folha de S. Paulo.

Serão 15 milhões de doses finalizadas no próximo mês​, sendo que o primeiro lote de 1 milhão de doses será entregue entre os dias 15 e 19 ao Ministério da Saúde. Elas serão formuladas com o IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) que começará a chegar ao Rio de Janeiro neste sábado (6).

Depois, a fundação pretende formular e envasar cerca de 28 milhões de doses por mês. Isso dará um total de 100 milhões de vacinas até julho, quantidade que estava sendo projetada desde o início e não sofrerá atrasos, segundo o laboratório (veja o cronograma abaixo).

A partir de abril, a Fiocruz começa a incorporar a tecnologia para produzir seu próprio IFA em sua fábrica, não mais dependendo da importação do insumo. A expectativa é que a entrega das primeiras remessas totalmente nacionais comece em julho, somando mais 110 milhões de doses no segundo semestre.

O que mudou, segundo a presidente Nísia Trindade, foi o ritmo das remessas de insumo que serão recebidos. Antes eram previstos dois lotes por mês, com quantidade suficiente para produzir 15 milhões de doses mensais. Agora, serão três lotes por mês até abril, e depois mais quatro lotes em maio e um em junho.

“Foram apenas questões de segurança e acondicionamento, que mudam durante o processo”, disse Trindade em entrevista coletiva nesta sexta.

Depois que o IFA chegar, o cronograma de fevereiro é o seguinte: ele será descongelado a partir do dia 10 (sua armazenagem é feita a -55ºC) e formulado até o dia 12 para passar por uma pré-validação. Do dia 13 a 17, será envasado, revisado, rotulado e embalado, passando também pelo controle de qualidade.

No dia 18, o primeiro lote do produto será liberado para avaliação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que precisa aprová-lo antes da produção e distribuição. “Já estamos conversando com a Anvisa para que não haja atraso na autorização”, afirmou a presidente da Fiocruz.

“Para começar a produção, por questões regulatórias, tem que fazer essa validação”, explicou o diretor do laboratório de Bio-Manguinhos, Mauricio Zuma.

Em 23 e 28 de fevereiro, a fundação receberá as duas remessas do IFA que faltam para completar a quantidade de vacinas a ser produzida até março. A capacidade de envase da Fiocruz dobrará de fevereiro para março: de 700 mil para 1,3 milhão de doses por dia.

“Primeiro usaremos só um pequeno lote do IFA para a pré-validação, e esse primeiro insumo que está chegando é suficiente para isso. Os demais lotes que chegarem fevereiro serão produzidos em março.”

Compartilhe:

Brasil chega a 230 mil mortes por Covid com dias seguidos com mais de 1.200 óbitos

A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

 O Brasil, desde terça-feira (2), registra mais de 1.200 mortes pela Covid-19. Nesta sexta-feira (5), foram 1.244 óbitos pela doença e 51.319 casos. Com isso, o país chegou a 230.127 mortes e a 9.449.088 pessoas infectadas pelo coronavírus desde o início da pandemia.

Rio Grande do Norte e Roraima não divulgaram dados atualizados.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Além dos dados diários, a Folha também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.050. O valor da média representa um aumento de 5% em relação ao dado de 14 dias atrás e, com isso, uma situação de estabilidade na média.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

 

Enfermeira morre após tomar injeção com noradrenalina em vez de remédio para cólica

 (Foto: Reprodução)

Uma enfermeira de apenas 24 anos morreu após receber uma injeção no Hospital dos Servidores de Pernambuco (HSP), em que trabalhava há um mês. Adriana Frade, trabalhava no bloco cirúrgico do hospital e pediu um medicamento para cólicas menstruais, mas acabou recebendo noradrenalina, um estimulante usado para ressuscitação cardiopulmonar.
A morte da enfermeira foi confirmada pelo governo – que é responsável pela administração do hospital, a causa da morte descrita no comunicado foi devido ao “uso de medicação intravenosa”. O caso aconteceu na última quarta-feira (4) e o sepultamento do corpo da enfermeira aconteceu nesta sexta-feira (5), no Cemitério Morada da Paz, em Paulista.
Na nota divulgada pelo Hospital dos Servidores, a unidade de saúde informou que houve “um acidente envolvendo uma enfermeira que usou medicação intravenosa, levando-a graves consequências ao seu estado de saúde”. Outro trecho do comunicado dizia que o corpo clínico adotou procedimentos para salvar a vida da profissional, mas que, pela gravidade do quadro, a mesma veio a óbito.
A enfermeira tinha se formado no primeiro semestre de 2020 na Universidade de Pernambuco (UPE) e estava com data marcada para o seu casamento, que aconteceria em setembro. De acordo com familiares, os médicos chegaram a passar 50 minutos tentando reanimar a jovem antes de encaminharem ela até à Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde pouco tempo depois ela faleceu após uma parada cardíaca.
O corpo da enfermeira foi encaminhado ao Instituto de Medicina Legal (IML), para passar por exames. A causa da morte foi apontada como edema agudo pulmonar. Mas o caso ainda segue sendo investigado. A direção do Hospital dos Servidos informou ainda que “os fatos e circunstâncias serão objeto de apuração por meio dos devidos processos legais, em todas as instâncias cabíveis”.

 

Afogados: relação de casos de covid-19 por localidade e ainda ativos de acordo com o logradouro

 

Acusado de estupro, Anderson do Molejo confirma sexo com fã

Em depoimento na tarde desta sexta-feira (5), o vocalista do grupo de pagode negou, no entanto, que relação não foi consensual

Anderson prestou depoimento nesta sexta-feira sobre a denúncia

Anderson prestou depoimento nesta sexta-feira sobre a denúncia

ANDERSON BORDE/AGNEWS

Acusado de estupro, o vocalista do grupo Molejo, Anderson Leonardo, confirmou à polícia que manteve relações sexuais com o cantor e dançarino que o denunciou. Mas, segundo o músico, a relação foi consensual. 

O jovem de 21 anos fez um boletim de ocorrência nesta quarta-feira (3) dizendo ter sido estuprado pelo vocalista do grupo de pagode, que, em nota, negou o crime. Ele sempre foi muito fã de Anderson e esperava ser empresariado pelo pagodeiro.

 

 

Comércio desaba e saques na poupança disparam com fim do auxílio emergencial

O fim do pagamento do auxílio emergencial, medida fundamental para ajudar trabalhadores informais e desempregados durante a pandemia, já afetou as vendas de supermercados e lojas de material de construção em janeiro e influenciou um saque recorde de recursos da caderneta de poupança. Iniciado em abril, o benefício injetou mais de R$ 290 bilhões na economia.

Segundo reportagem do jornal O Globo, analistas preveem um primeiro trimestre de queda no varejo e freio na atividade econômica do país com o fim dos pagamentos. No mês passado, os saques na caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 18,2 bilhões.

Janeiro costuma ser um mês de resgates na poupança, para pagar as despesas como IPVA e IPTU. Mas este ano a perda foi recorde, a maior já registrada desde 1995, quando teve início a série histórica, como reflexo do fim do auxílio.

 

Compartilhe:

Justiça determina afastamento de secretária de Saúde de Jupi (PE) por furar fila da vacinação

O juiz de Direito Paulo Ricardo Cassaro dos Santos, da comarca de Jupi (PE), em decisão liminar, acatou a ação civil pública de responsabilidade por ato de improbidade administrativa, ajuizada pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE), e determinou o imediato afastamento da secretária de Saúde do município, Maria Nadir Ferro de Sá, de seu cargo público. Ela é acusada de ter recebido uma aplicação da vacina CoronaVac, em 19 de janeiro deste ano, mesmo sem pertencer a algum grupo prioritário determinado pelos Planos Nacional e Estadual de Vacinação.

Maria Nadir Ferro de Sá ainda autorizou a vacinação do fotógrafo José Guilherme da Silva, que também não pertence a qualquer grupo prioritário.

“O perigo de dano resta claro diante do fato de que a pessoa diretamente incumbida de coordenar os trabalhos da municipalidade na prevenção e combate da Covid-19, naquele que talvez seja o ato mais importante da pandemia, qual seja, a vacinação, demonstrou tê-lo feito com desvio de finalidade”, alegou o juiz. (mppe)

Compartilhe:

A cada 10 mil vacinados contra a Covid-19 no Brasil, apenas 5 têm reações

Desses casos, apenas 20 foram considerados graves, mas sua relação com as vacinas ainda precisa ser confirmada.

Quando já contabilizava mais de dois milhões de pessoas vacinadas contra a Covid-19, o Ministério da Saúde havia recebido apenas 1.038 comunicações de eventos adversos por pessoas que já foram imunizadas. Desses casos, apenas 20 foram considerados graves, mas sua relação com as vacinas ainda precisa ser confirmada. Os dados são da última terça-feira, data da mais recente atualização da pasta.

De acordo com o consórcio de veículos de imprensa, o total de vacinados nesta quinta já ultrapassava 3 milhões de pessoas no Brasil.

Especialistas afirmam que os números baixos de queixas reforçam o perfil de segurança das vacinas, notadamente a CoronaVac, utilizada em mais de 90% das imunizações até o momento. O outro imunizante adotado no país é o da AstraZeneca/Oxford.

Apenas 5 a cada 10 mil vacinados relataram algum efeito colateral após tomarem a vacina, ou 0,05%. De acordo com o Ministério da Saúde, os sintomas mais comuns foram cefaleia (dor de cabeça), febre, mialgia (dor muscular), diarreia, náusea e dor localizada.

Houve a comunicação de um evento adverso grave apenas a cada 100 mil aplicações da vacina. Esses casos, entretanto, não necessariamente estão associados à vacina: sabe-se apenas que eles ocorreram após a aplicação da primeira dose.

Renato Kfouri, infectologista e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), pontua que “eventos graves” são aqueles que precisam de hospitalização, levam à morte ou a abortos em mulheres grávidas.

— Se a pessoa toma a vacina e é atropelada no dia seguinte, por exemplo, isso é reportado (como evento grave). Se é efeito da vacina a investigação dirá depois. Quando você vacina milhões de pessoas, é natural que uma ou outra sofrerá um acidente ou terá um infarto no dia seguinte, três dias depois, por exemplo — explica.

Em novembro, uma morte levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a suspender os testes clínicos da CoronaVac, a vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. O episódio foi tratado como um evento adverso grave. Posteriormente, foi comunicado à agência que se tratou do suicídio de um dos voluntários. Durante os testes clínicos da CoronaVac, não foi reportado nenhum evento grave associado à vacina.

Na última semana, o Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), órgão do governo dos Estados Unidos que acompanha a vacinação no país, informou que, após a vacinação de 4 milhões de pessoas com a vacina produzida pela farmacêutica Moderna, foram registrados 1.266 eventos adversos, uma incidência ainda menor do que a do Brasil, de apenas 0,03%. Desses casos, 108 foram identificados para uma análise mais aprofundada após detectada reação alérgica dos pacientes. Não houve nenhuma publicação dos dados de eventos adversos relatados no Reino Unido, o primeiro a iniciar a vacinação em massa de sua população contra a Covid-19.

Aumento de confiança da população

A CoronaVac usa uma tecnologia específica para incentivar a produção de anticorpos, usando um vírus inativado.

— É um método utilizado há muito tempo, o número de 20 eventos adversos graves está dentro do esperado. Os números gerais são muito bons e mostram para a população a segurança das duas vacinas, notadamente a da CoronaVac — afirma Natalia Pasternak, microbiologista, presidente do Instituto Questão de Ciência (IQC) e colunista do GLOBO.

Segundo Pasternak, os números são relevantes para aumentar a confiança da população na vacina, sobretudo em um ambiente em que setores específicos buscam minar a credibilidade da campanha nacional de imunização. Durante a fase de testes, por exemplo, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro criticaram a parceria do governo de São Paulo com uma farmacêutica chinesa (a Sinovac) no desenvolvimento da CoronaVac.

— Os números iniciais são muito bons e ajudam a esclarecer para as pessoas que, em primeiro lugar, as vacinas continuam sendo avaliadas, os efeitos adversos são reportados e serão investigados. E a população se sente naturalmente mais segura ao ver que há poucos efeitos reportados — afirma.

Renato Kfouri destaca que toda vacina está sujeita a sintomas considerados clássicos, como dor no local da aplicação ou febre, uma vez que seu objetivo é exatamente gerar alguma resposta do organismo.

— Por enquanto, os dados confirmam os perfis de segurança de todas as vacinas. Mas o acompanhamento, a vigilância, precisam continuar — afirma.

Segundo pessoas que participaram do acompanhamento dos testes clínicos do Butantan ouvidas pelo GLOBO, o número de eventos adversos está dentro do esperado, sobretudo pela diferença na forma de monitoramento entre a pesquisa e a campanha de imunização. No primeiro caso, os voluntários preenchem um diário em que registram qualquer sintoma.

Após o início da vacinação, o monitoramento é passivo, isto é, os relatos são feitos apenas quando ocorre algo que incomoda aquele que foi vacinado. No ensaio clínico, por exemplo, a dor local foi a reação adversa mais comum. Mas, quando a vacinação chega à população, a maioria das pessoas não relata esse incômodo justamente por ser muito leve.

— O que era feito com 40 mil pessoas no ensaio clínico, agora está na escala dos milhões. Ou seja, o acompanhamento não precisa ser tão minucioso porque o tamanho da amostra indica que qualquer efeito adverso vai aparecer pois é muita gente sendo vacinada. A minúcia no teste clínico garante (adiante) a segurança para a população — afirma Pasternak.

Compartilhe: