Marinha dos EUA confirma morte de passageiros do submarino desaparecido há três dias e destroços são encontrados a 500 metros do Titanic

Embarcação da OceanGate que transportava 5 pessoas desapareceu no domingo (18). Partes dela foram encontradas na manhã desta quinta (22).

 

A Marinha dos Estados Unidos da América confirmou que os passageiros do submarino morreram, após acharem os destroços na tarde desta quinta-feira (22). Os destroços foram encontrados a 500 metros do Titanic.

“Um caso complexo e inacreditável. É imprevisível ainda a quantidade de corpos. As investigações irão apontar o que ocasionou essa tragédia. Outras questões permanecem confidenciais”, comentou em coletiva à imprensa mundial, John Mauger, porta-voz da Guarda Costeira dos EUA, como acompanhou o ClickPB. 

O submarino perdeu contato 1 hora e 45 minutos depois de começar a descer para chegar ao fundo do mar em viagem no último domingo.  O intuito da viagem, que custava US$ 250 mil, era fazer uma expedição até o Titanic, que naufragou em 1912. Ruídos subaquáticos foram identificados na terça (20) e na quarta (21). 

Nesta quinta (22), um robô encontrou destroços. Horas depois, a empresa responsável pelo submarino informou que todos havia morrido.

O documento destaca o parecer do Ministério Público Eleitoral (MPE) sobre as investigações envolvendo Bolsonaro.

Benedito Gonçalves (à esq.) e Jair Bolsonaro (Foto: TSE/ABR)

Jair Bolsonaro (PL) está sob julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e pode ser declarado inelegível por oito anos. O julgamento começou com a leitura de um relatório pelo ministro relator da Corte Eleitoral, Benedito Gonçalves.

O documento destaca o parecer do Ministério Público Eleitoral (MPE) sobre as investigações envolvendo Bolsonaro. De acordo com o MPE, as declarações de Bolsonaro durante uma reunião com embaixadores no ano passado confirmam que o objetivo principal do encontro era promover ideias que minam a integridade do processo eleitoral e das instituições da República, especialmente o TSE e seus ministros.

O parecer ressalta que Bolsonaro “criou uma ambiência propícia para a propagação de toda sorte de desordem informacional ao asseverar, por diversas vezes, que o sistema eletrônico de votação é receptivo a fraudes e invasões que, sob a ótica do delírio presidencial, podem comprometer a fidedignidade do resultado das eleições brasileiras”.

Compartilhe: