Brasil registra 1.059 mortes por Covid-19 e mais de 62 mil novos casos nas últimas 24 horas

Com isso, o país chegou a 209.350 óbitos e a 8.456.705 pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia.

As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. (Foto: Reprodução)

O Brasil registrou 1.059 mortes pela Covid-19 e 62.452 casos da doença nas últimas 24 horas. Com isso, o país chegou a 209.350 óbitos e a 8.456.705 pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Além dos dados diários, a Folha também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 956. O valor da média representa um aumento de 36% em relação ao dado de 14 dias atrás.

Todas as regiões do país apresentam aumento da média móvel de mortes em relação ao dado de 14 dias atrás com exceção do Sul, que teve queda de 6%.

Quatro pessoas morrem após acidente entre lanchas em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro

Outras quatro pessoas ficaram feridas. Uma delas precisou ser hospitalizada.

As duas embarcações teriam colidido na região da Ilha de Paquetá, em Angra. (Foto: Reprodução)

RIO DE JANEIRO, RJ, E SÃO PAULO, SP (UOL) Quatro pessoas morreram após acidente envolvendo duas lanchas em Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio de Janeiro, na tarde deste sábado (16).

Outras quatro pessoas ficaram feridas. Uma delas precisou ser hospitalizada. A Capitania dos Portos informou que ainda está contatando familiares das vítimas e colhendo depoimentos.

s duas embarcações teriam colidido na região da Ilha de Paquetá, em Angra.
Registros feitos com celulares mostram uma das lanchas à deriva, com a parte traseira destruída. Três dos mortos seriam da mesma família e estavam passeando na região –entre eles, uma criança de 11 anos.

As vítimas foram identificadas como Luiza Pinheiro,11, Tatiana Godim Pinheiro, 43, e Maria Candida Pinheiro, 57. A outra foi identificada como Vânia Maria Edde, 63.
Testemunhas relataram que uma das lanchas apresentou vazamento de óleo e foi ouvida uma forte explosão vinda do seu motor, momentos antes da colisão.

Depois de Bolsonaro, Twitter marca publicação de Carla Zambelli sobre Covid-19 como enganosa

Ela compartilhou vídeo em que o jornalista Alexandre Garcia fala a respeito de estudo que teve como objeto o uso da cloroquina e de outros medicamento sem eficácia comprovada no chamado “tratamento precoce” para o coronavírus.

O Twitter colocou um aviso em publicação da deputada federal bolsonarista Carla Zambelli (Foto: Reprodução)

 O Twitter colocou um aviso em publicação da deputada federal bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP) alertando para “informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à Covid-19”.

Ela compartilhou vídeo em que o jornalista Alexandre Garcia fala a respeito de estudo que teve como objeto o uso da cloroquina e de outros medicamento sem eficácia comprovada no chamado “tratamento precoce” para o coronavírus.

Zambelli ainda escreveu um texto que diz que “The American Journal of Medicine” “traz em sua primeira edição de 2021 um estudo que comprova a eficácia do tratamento precoce na evolução da Covid-19”.

Nos últimos dias, o Twitter sinalizou publicação de mesmo teor do presidente Jair Bolsonaro, que também continha o vídeo com a participação de Alexandre Garcia.

Reportagem do UOL mostrou que a a revista em questão tem pouco prestígio e está na 928ª posição no ranking de revistas científicas feito pela Scimago. A “New England Journal of Medicine”, 8ª colocada, foi uma das primeiras a publicar estudos sobre a ineficácia do tratamento com hidroxicloroquina para o coronavírus.

Instituições prestigiosas como a Organização Mundial de Saúde também publicaram estudos que apontaram a ineficácia da cloroquina.

A mesma reportagem acrescentou que o estudo em questão não é recente, mas de agosto de 2020.

O governo Bolsonaro e seus apoiadores começaram nova ofensiva em defesa dessas medicações sem eficácia comprovada contra a Covid-19 no momento em que Manaus atravessa colapso de seu sistema de saúde, com falta de leitos e de oxigênio.

O Painel revelou que o Ministério da Saúde tem pressionado a Prefeitura de Manaus a utilizar essas medicações em seus pacientes.

Neste sábado (16), a coluna mostrou que a pasta de Eduardo Pazuello financiou uma força-tarefa em Manaus, com médicos do Brasil todo, para visitarem as UBSs e reforçarem o uso desses remédios.

Compartilhe: