Desaparece da Torre de Londres um dos corvos que, segundo tradição, garantem sobrevivência da monarquia

Homem chora do lado de fora da hospital 28 de Agosto, em Manaus, em meio ao segundo colapso da cidade na pandemia. Falta de oxigênio obriga transferência de pacientes para outros Estados.

El País

“É difícil você ter que escolher quais pacientes devem receber oxigênio suplementar. Os que têm mais chances”. O relato é de um médico do Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), em Manaus, um dos epicentros da crise sem precedentes que escala na capital do Amazonas. A cidade registrou ao menos duas mortes nesta quinta-feira por causa da falta de oxigênio nas unidades de saúde colapsadas pelo aumento das internações por Covid-19. As cenas de desespero das equipes médicas e de parentes ao redor dos centros de atendimento se multiplicaram, numa situação que é crítica e não têm solução imediata, admitem agora as autoridades do Estado e do Governo federal, depois de meses de negligência com o avanço da pandemia. No momento, há uma corrida desesperada tanto para transportar cilindros de oxigênio na própria capital como para importar o insumo até via fluvial de outras partes do país. Enquanto isso, tenta-se transferir pacientes estáveis para outros Estados.

Ao longo do dia, o médico do HUGV, que preferiu não se identificar, contava que todos os pacientes lá internados deveriam receber uma fração mais baixa de oxigênio, uma vez que os estoques só eram suficientes para cobrir oito horas. No Instagram, o médico intensivista Anfremon D’Amazonas, que também trabalha no Hospital Getúlio Vargas, contou a operação hercúlea montada para tentar salvar os pacientes apesar da falta de O2. Primeiro colocaram todos de bruços (pronar, no jargão médico), para melhorar a oxigenação. Depois, a corrida para trazer pequenas quantidades de oxigênio usadas em outros setores do hospital. “A gente conseguiu salvar quem dava, quem podia”, lamentou.

No Serviço de Pronto Atendimento (SPA) e na Policlínica Dr. José de Jesus Lins de Albuquerque, na zona centro-oeste da cidade, a busca por transporte de cilindros de O2 mobilizou famílias de pacientes internados e até mesmo policiais, convocados para reforçar a segurança em frente às unidades de saúde. Há relatos de familiares que pagaram do próprio bolso para garantir oxigênio aos doentes. No SPA do Coroado, no leste, ao menos dois pacientes morreram à espera de atendimento

‘Estamos esgrimando com loucos’, desabafa William Bonner no Jornal Nacional sobre fake news

“Tem gente que faz isso investido de cargo público e sistematicamente. Nós não vamos desistir, estamos aqui para defender a sociedade”, disse ele em um dos trechos.

Bonner comentou que toda a imprensa faz um trabalho minucioso para trazer as notícias para o público e é atrapalhada com as informações falsas que circulam na internet. (Foto: Reprodução)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — O jornalista e apresentador do Jornal Nacional (Globo) William Bonner, 57, fez um desabafo ao vivo no noticiário a respeito da disseminação de fake news por aplicativos como o WhatsApp.

Antes de passar a palavra para o repórter Alan Severiano, que daria as atualizações com relação aos casos de Covid-19 em todo o Brasil, Bonner comentou que toda a imprensa faz um trabalho minucioso para trazer as notícias para o público e é atrapalhada com as informações falsas que circulam na internet.

“Queria lembrar que se nós fazemos isso é por um dever profissional, nós e todos os jornalistas do planeta Terra. Nós estamos esgrimando com loucos, com irresponsáveis que entram no WhatsApp e espalham as mentiras mais absurdas, crendices. Tem gente que faz isso investido de cargo público e sistematicamente. Nós não vamos desistir, estamos aqui para defender a sociedade”, disse ele em um dos trechos.

Rapidamente, o nome de Bonner foi alçado ao Twitter como um dos temas mais comentados da rede social. Foram muitos os comentários de apoio a ele e de identificação por parte do público.

“Discurso extremamente necessário para a situação atual que vivemos”, publicou um seguidor. “Meus cumprimentos ao jornalista William Bonner que presta um serviço a todos os brasileiros com informações verídicas sobre a pandemia da Covid-19”, disse um outro.

“O que eu tenho ouvido absurdos propagados tanto pelos brasileiros quanto pelas autoridades é de sangrar os ouvidos. Quando o Bonner fala ‘esgrimando’, chego a arrepiar”, postou um terceiro.

Compartilhe: