Lula defende STF e diz que Elon Musk nunca produziu um pé de capim no Brasil

 

O presidente Lula (PT) disse nesta quarta-feira (10) que Elon Musk nunca produziu “um pé de capim no Brasil” e defendeu o STF (Supremo Tribunal Federal) dos ataques do dono do X, antigo Twitter.

Foi mais um dia de reações de autoridades brasileiras às declarações do empresário. Houve manifestações também na corte. Alvos dos ataques de Musk, o ministro Alexandre de Moraes comentou o caso, afirmando que “liberdade de expressão não é liberdade de agressão”.

“Temos uma coisa muito séria nesse país e no mundo que é se a gente quer viver em um regime democrático ou não. Se a gente vai permitir que o mundo viva a xenofobia do extremismo. Que é o que está acontecendo”, disse.

“O crescimento do extremismo de extrema direita que se dá ao luxo de permitir que o empresário americano, que nunca produziu um pé de capim desse país, ouse falar mal da corte brasileira, dos ministros brasileiros e do povo brasileiro. Não é possível”, completou.

Musk vem recebendo apoio de bolsonaristas, desbloqueou contas de investigados por fake news, e agora também é investigado pela Polícia Federal.

Na terça, Lula disse que bilionários do mundo precisam aprender a preservar a floresta, fazendo uma referência ao empresário.

“Hoje temos gente que não acredita que o desmatamento, as queimadas, prejudicam o planeta Terra, e muita gente não leva a sério o que significa manutenção das florestas, da vida no planeta e que não tem para onde fugir. Tem até bilionário tentando fazer foguete, viagem, para ver se encontra lugar lá fora”, afirmou.

“Ele [bilionário] vai ter que aprender a viver aqui, utilizar o muito do dinheiro que ele tem para ajudar a preservar isso aqui, melhorar a vida das pessoas”, completou, sem citar nominalmente Musk.

Além de dono do X e da fabricante de veículos elétricos Tesla, Musk também é fundador da Space X, que desenvolveu avanços tecnológicos como a capacidade do foguete Falcon 9 de retornar ao solo e planos de enviar os primeiros humanos a Marte.

Fonte: Folha de S. Paulo

Compartilhe: