Manchester City vence a Inter de Milão e conquista a Champions pela primeira vez

Goleiro Ederson brilha na decisão em Istambul, e Rodri faz o gol da vitória por 1 a 0 no segundo tempo.

 

Haaland teve muitas dificuldades no confronto contra Acerbi e Bastoni

O Manchester City de Pep Guardiola faz história. O time inglês conquista o título inédito da Champions League, após vencer neste sábado a Inter de Milão, por 1 a 0, na decisão disputada no estádio Olímpico Atatürk, em Istambul. O gol da vitória foi marcado pelo volante Rodri, aos 22 minutos do segundo tempo. O City é campeão invicto da Liga dos Campeões e fecha a temporada com a Tríplice Coroa — também ganhou a Premier League e a Copa da Inglaterra.

Único brasileiro em campo, Ederson teve uma atuação nesta final de Liga dos Campeões que vai se lembrar para sempre. O goleiro do Manchester City foi fundamental para a vitória sobre a Internazionale, ao brilhar com defesas em lances cruciais. A mais impressionante foi numa cabeçada de Lukaku. 

O Manchester City foi fundado em 1880, mas só ganhou relevância internacional na década de 2010, quando começou a entrar o investimento dos Emirados Árabes Unidos e a conquistar mais títulos na Inglaterra. Esse é o primeiro título de campeão europeu da história do City.

Haaland teve muitas dificuldades no confronto contra Acerbi e Bastoni. Foram poucas oportunidades para finalizar. Mas o atacante norueguês termina a sua primeira temporada pelo Manchester City de forma fantástica, como o grande artilheiro da Liga dos Campeões (12 gols) e campeão. Está forte na briga pela próxima Bola de Ouro.

O Manchester City era o favorito para esta decisão de Champions, isso é inegável. Como também é inegável a grande dificuldade que a Inter de Milão proporcionou neste jogo ao City. Tanto que teve o dobro de finalizações (14 a sete) do que o time inglês. A equipe italiana teve grande atuação defensivamente também, mas não conseguiu transformar todo esse empenho em gols. O Manchester City, por sua vez, foi letal numa jogada iniciada por Akanji e concluída por Rodri. Campeão com De Bruyne lesionado. Fonte G1

Mudança nos ministérios podem consolidar base de Lula no Congresso; veja cotados

Conversas serão intensificadas. Mas o sinal verde para mudanças veio a partir do café da manhã que Lula teve com o presidente da Câmara, Arthur Lira

 

Imagem ilustrativa (Foto: Reprodução)

Em busca de construir uma base consolidada no Congresso Nacional, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já admite promover mudanças nas lideranças de pastas da Esplanada. Ministérios como Turismo, Comunicações e até mesmo Saúde estão no radar dos parlamentares integrantes do chamado centrão. Nomes como os dos deputados Celso Sabino (União-PA) e Fernando Marangoni (União-SP) estão entre os cotados para integrar o governo. 

As conversas ainda serão intensificadas ao longo das próximas semanas. Mas o sinal verde para mudanças veio a partir do café da manhã que Lula teve com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), no início da semana. Na ocasião, Lira voltou a cobrar uma articulação mais forte por parte de Lula e tirou o corpo da missão de defender pautas do governo para o governo sem contrapartida. “Há uma insatisfação generalizada dos deputados com a falta de articulação do governo”, disse Lira recentemente.

É a partir de troca de cargos e liberação de emendas que o governo tenta construir apoio dentro do Congresso, movimento que começa a ganhar mais força após as semanas turbulentas que demostraram a fragilidade da base governista. 

Troca de comando

A atuação dos ministros Rui Costa (Casa Civil) e Alexandre Padilha (Relações Institucionais) tem sido alvo de crítica de parlamentares, mas não são essas cadeiras que estão na mira. Lula busca atrair o centrão, grupo político que tem sido decisivo nas votações legislativas. A sinalização mais pacificada é a troca da ministra do Turismo, Daniela Carneiro. 

Daniela é considerada distante da bancada do União, com expectativa de, inclusive, abandonar o partido e migrar para o Republicanos. Além disso, a pasta atrai atenção pelo reforço financeiro que geralmente recebe por emendas parlamentares, sobretudo para financiar eventos. 

Por isso, o União já trabalha com outro nome para a cadeira: o do deputado Celso Sabino (PA). A troca atende a um pedido do líder do União na Câmara dos Deputados, Elmar Nascimento (BA), que esteve reunido com Lula recentemente. Também há aval do presidente da sigla, o deputado federal Luciano Bivar (PE), e de outros parlamentares da bancada. 

Com Sabino no Turismo, já há um compromisso de trazer apoio para o governo em votações importantes na Câmara. O deputado tem uma articulação forte com os colegas do União, diferentemente de Daniela, que mantém um núcleo com cinco deputados da legenda e, ainda assim, não tem conseguido reverter a aliança em votos. 

O Ministério das Comunicações também é uma possibilidade. O nome do deputado Fernando Marangoni (União-SP) é aventado. Ele é considerado um pacificador entre os parlamentares e ganhou destaque com aliados do governo pela relatoria da medida provisória do Minha Casa, Minha Vida. 

Porém, ao contrário de Daniela, o ministro Juscelino Filho (Comunicações) tem a simpatia de Elmar Nascimento e do próprio Marangoni, o que traz um cenário mais nebuloso sobre a mudança. O ministro também é indicação do senador Davi Alcolumbre (União-AP), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, portanto, responsável por pautar a sabatina do advogado Cristiano Zanin para a cadeira do Supremo Tribunal Federal (STF). Somente quando houver uma definição na mesa é que o cotado vai, de fato, avaliar se assumirá o cargo. 

Mas é o Ministério da Saúde que o grupo do centrão mais pleiteia. O nome ventilado é o do deputado Dr. Luizinho (PP-RJ), correligionário de Lira. Lula, no entanto, não quer abrir mão de Nísia Trindade.

Nesta quarta-feira (7), inclusive, o presidente elogiou a atuação da ministra. “Nísia não é médica, é cientista política, é socióloga. E ela veio trabalhar na Saúde como ministra, porque a experiência dela como presidente da Fiocruz foi excepcional. E eu precisava de alguém mais do que médico, que tivesse a sensibilidade de saber como vive o povo mais humilde.”

Em contrapartida à negativa, Lula deve abrir a possibilidade de indicação de nomes para outros cargos na Saúde. A ideia é atrair o apoio do PP e de outros partidos de direita. Nos bastidores, lideranças do PP já manifestam o interesse em uma cadeira de visibilidade, sustentando o apoio ao governo para aprovar medidas provisórias importantes. 

Articulação

Após semanas difíceis para o governo no Congresso em termos de votações e mirando outras aprovações importantes que estão por vir, Lula já iniciou um movimento para encabeçar articulações e se encontrou com lideranças partidárias do Senado.

Mas é com a Câmara que o presidente enfrenta o maior gargalo. Foram os deputados que aprovaram, em caráter de urgência, o projeto de lei sobre o marco temporal, contrariando a agenda política do governo, barraram mudanças feitas pela atual gestão no marco do saneamento básico e tumultuaram a votação da medida provisória que reorganiza os ministérios, aprovada no último dia de validade pelo Congresso. 

Agora, o chefe do Executivo pretende encontrar lideranças da Câmara nas próximas semanas para afinar as relações, ouvir os deputados e buscar apoio. Já na segunda quinzena de junho, Lula deve reduzir o ritmo de viagens e se concentrar em “arrumar a casa”, nas palavras de um ministro do governo. A agenda, segundo essa fonte, deve contar com reuniões com parlamentares de diversos partidos e bancadas. 

O governo ainda tem em caixa R$ 31,5 bilhões em emendas para gastar em 2023. Até maio deste ano, foram gastos R$ 5 bilhões, incluindo o recorde de R$ 1,7 bilhão em um único dia.

Os parlamentares tentam recuperar o domínio do extinto orçamento secreto, com quase R$ 10 bilhões, que agora estão nas mãos do Executivo. Não há indicação, por parte do governo, de abrir mão desse controle.

Compartilhe: