Raquel Lyra, com o maior índice de rejeição do Brasil 60,8% e uma aprovação de 39,2%, aponta pesquisa Nacional 

O Instituto Veritá fez pesquisas nas eleições de 2022 e apontou a vitória de Raquel Lyra sobre Marília Arraes

O instituto de Pesquisas Veritá, de Minas Gerais, divulgou nesta segunda feira uma pesquisa de abrangência nacional com a comparação da atuação dos governos das 27 unidades federativas, as 26 capitais e mais de 300 municípios. O levantamento coloca a governadora do PSDB Raquel Lyra em último lugar entre os pares, com uma reprovação de 60,8% e uma aprovação de 39,2%, depois dos seis primeiros meses no Palácio do Campo das Princesas.

A pesquisa aconteceu de 7 a 28 de julho e o Veritá diz que é a maior pesquisa do gênero realizada, ouvindo 43.326 eleitores.

A nova gestora do Estado tem sido ajudada pelo governo Lula com verbas federais, mas tem enfrentado problemas para colocar a máquina pública em andamento, especialmente em áreas como segurança pública, depois de ter prometido acabar o Pacto pela Vida e ainda estar buscando apresentar um programa completo até o fim do ano.

MAIORES DESAPROVAÇÕES

A pesquisa trouxe números das gestões com mais rejeição. Além de Raquel Lira (PSDB), de Pernambuco [60,8%], aparecem Cláudio Castro (PL), do Rio de Janeiro [ 54,2%], e Fátima Bezerra (PT), do Rio Grande do Norte [53,5%].

Na pesquisa, o governador do Estado do Tocantins, Wanderlei Barbosa, é apontado como a gestão mais bem avaliada do país. Wanderlei Barbosa aparece com 87% de aprovação. Tocantins é seguido por Rondônia com 81,5%, Mato Grosso com 81,1% e Goiás, com 81%.

A empresa fez levantamentos na última eleição estadual de Pernambuco, registrando inclusive a vantagem de Raquel Lyra sobre Marília Arraes na disputa.

Já o governo do presidente Lula (PT) obteve 49,7% de aprovação frente a uma taxa de 50,3% de rejeição. A partir da estratificação da pesquisa, observa-se que o petista lidera no Nordeste (64,7%) e perde no Sul (36,9%), tendo maior popularidade no Ceará (69,9%) e, em Santa Catarina (27,3%), o pior cenário.

Homens (33,7%) com idade entre 45 e 59 anos (33,9%) e ensino fundamental completo (31,1%) foram responsáveis pela alta da atual gestão do Planalto, enquanto mulheres (37,7%) na faixa etária entre 45 e 59 anos (34,8%) e nível superior completo (42,3%) puxaram para baixo a aceitação do chefe do Executivo. 

Avaliação da gestão estadual 2023.

  • como o público avalia a gestão do governador
  • A aprovação e a rejeição do governador
  • A avaliação pelo público também em recortes por capital e interior
  • A avaliação do governo federal
  • Qual a preferência do eleitor do estado para a disputa presidencial de 2026 considerando novas lideranças – A avaliação do poder de compra do público
  • A definição do voto do eleitor para prefeitos em 2024
  • A expectativa de reeleição dos atuais prefeitos ou transferência de voto
  • A avaliação dos serviços públicos de saúde, segurança, transporte público, trânsito e mobilidade, saneamento básico, controle de endemias e limpeza pública.

Veja os dados da pesquisa

Abrangência: Brasil
Período: 07 a 28/07/2023
Amostra: 43.326 eleitores
Margem de erro: 2,0 pontos percentuais
Realização: INSTITUTO VERITA LTDA – EPP
Contratante: Iniciativa própria do Instituto

Fonte: JC / blog Jamildo Melo

Compartilhe: