Em encontro com Lula, primeiro-ministro britânico promete R$ 500 milhões para Fundo Amazônia

Lula e o primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, durante reunião bilateral nesta sexta-feira (5). – Ricardo Stuckert

 

Reunião com Rishi Sunak acontece nas vésperas da coroação de Rei Charles III

O presidente Lula se reuniu na manhã desta sexta-feira (5) com o primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, em Londres, capital britânica. Também esteve presente Celso Amorim, assessor especial da Presidência da República do Brasil.

“Em Londres, me encontrei com o primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak. Tivemos uma boa conversa sobre nossas relações comerciais, proteção do meio ambiente e a paz no mundo”, publicou Lula em uma rede social após cerca de 40 minutos de conversa com Sunak.

No encontro, o político inglês assumiu o compromisso de doar R$ 500 milhões para o Fundo Amazônia. Lula reforçou a importância do mecanismo para zerar o desmatamento da floresta até 2030. “Tenho falado para todos os países ricos e pedido para que cumpram os acordos firmados nas edições da COP [Convenção do Clima]. Os países mais pobres precisam de ajuda para manter suas florestas de pé e o clima que a sociedade precisa [para viver].”

Em sua conta no Twitter, Rishi Sunak disse que Lula “tem demonstrado grande liderança no tema das mudanças climáticas” e ainda afirmou que está “satisfeito do Reino Unido contribuir com 80 milhões de libras [em torno de R$ 500 milhões] para o Fundo Amazônia para proteger a biodiversidade e deter o desmatamento”.

Normalidade

O presidente brasileiro deve permanecer no Reino Unido até amanhã para acompanhar a coroação do Rei Charles III. A viagem acontece pouco depois do tour de Lula pela Europa, quando esteve em Portugal e na Espanha, selando uma intensa agenda para reapresentar o país no cenário internacional.

“Além da coroação, vim para tentar restabelecer a normalidade na relação Brasil-Reino Unido“, declarou. “Estou muito otimista e agradecido de estar aqui. Essa reunião bilateral é muito importante para nós”, acrescentou.

Lula também agradeceu o primeiro-ministro britânico pelo apoio dado após a tentativa de golpe no Brasil no dia 8 de janeiro deste ano. Na ocasião, milhares de apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) invadiram e depredaram os prédios que circundam a Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Segundo informações do governo brasileiro, também estiveram na pauta do encontro bilateral assuntos ligados ao comércio e à cooperação tecnológica entre os dois países.

Desde que tomou posse em 1º de janeiro, Lula já visitou Argentina, Uruguai, Estados Unidos, China, Emirados Árabes, Portugal e Espanha e teve encontros com diversos líderes mundiais no Brasil, a exemplo de uma reunião que ocorreu há apenas dois dias com Alberto Fernandez, presidente da Argentina.

O que é o Fundo Amazônia

O Fundo Amazônia foi criado por iniciativa do Brasil durante a Conferência Mundial do Clima (COP) 12, em 2006, no segundo mandato de Lula na Presidência da República.

Gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o programa tem como objetivo angariar contribuições voluntárias de outros países para combater as emissões liberadas por meio do desmatamento, além de fomentar a conservação e a economia sustentável na Amazônia.

:: Fundo Amazônia: o que falta para o desmatamento começar a cair no Brasil? ::

Mais de 207 mil pessoas são impactadas positivamente e diretamente pelo Fundo, envolvendo um total de 384 instituições.

Em janeiro deste ano, a Noruega anunciou que iria retomar o investimento de R$ 3 bilhões no Fundo, depois de ter se negado a liberar o recurso durante a gestão de Jair Bolsonaro (PL).

No último dia 20 de abril, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu investir R$ 2,5 bilhões no Fundo, mas a medida ainda precisa ser aprovada pelo Congresso Americano.

Edição: Nicolau Soares

Compartilhe: