A Prefeitura de Afogados da Ingazeira promove neste sábado (25), a partir da 8h, um mutirão de vacinação destinado a atender às pessoas que estão no prazo para tomar a segunda dose da vacina contra a Covid.

Não é preciso agendamento. Basta se dirigir ao local do Dia D, na quadra da Escola Monsenhor Antônio de Pádua Santos, e apresentar a carteira de vacinação e um documento de identificação. O horário será de 8 às 17h.

“A vacinação tem repercutido imensamente na diminuição do número de casos em Afogados. E com o esquema de vacinação completo, essa proteção aumenta ainda mais”, destacou o secretário municipal de Saúde, Artur Amorim.

Talibã anuncia volta de execuções e amputações no Afeganistão

“Nós vamos fazer nossas leis a partir do Alcorão”, afirmou o mulá Nooruddin Turabi, um dos mais influentes líderes talibãs.

 

Soldado do Talibã faz guarda de rua em Cabul, perto da praça Zanbaq. (Foto: Wakil Kohsar/AFP)

 

 Pouco mais de um mês após retomar o poder no Afeganistão, o grupo fundamentalista islâmico Talibã vai reintroduzir um dos símbolos do seu primeiro governo no país, de 1996 a 2001: execuções e amputação de membros de criminosos.

Foi o que disse à agência Associated Press o mulá Nooruddin Turabi, um dos mais influentes líderes talibãs quando o assunto é administração de sua visão peculiar de justiça, tirada da leitura literal da sharia, a lei islâmica tradicional.

“Todos nos criticavam pelas punições no estádio [Nacional de Futebol, em Cabul], nós nunca dissemos nada sobre as leis dos outros e suas punições. Nós vamos fazer nossas leis a partir do Alcorão”, afirmou.

“Cortar mãos é muito necessário para a segurança”, disse Turabi, que hoje é o chefe do sistema prisional do país, ponderando que as medidas funcionam para dissuadir criminosos de agir. Ele disse que está em estudo se as punições serão aplicadas em público, como ocorria no passado, ou não.

Na primeira passagem do grupo pelo poder, Turabi era ministro da Justiça e chefe do temido Ministério da Promoção da Virtude e da Prevenção do Vício, que administrava aos afegãos a versão peculiar de mundo do grupo.

Mulheres não podiam sair na rua sem a burca [túnica típica da etnia pasthun, que cobre todo o corpo], trabalhar, estudar ou ter acesso livre a serviços públicos. Homens eram obrigados a deixar a barba crescer.

Os crimes eram punidos no referido Estádio Nacional ou junto à mesquita Eid Gah, no centro da cidade. Ladrões perdiam a mão direita, e também um pé se tivessem atacado comboios em estradas. Condenados por assassinato eram mortos por um parente da vítima, com um tiro na cabeça, podendo ser perdoados se a família aceitasse “dinheiro de sangue” como compensação.

Logo depois da queda do Talibã, expulso do poder pelo Estados Unidos por ter abrigado os terroristas que planejaram os ataques do 11 de Setembro, o local retomou sua rotina de jogos de futebol.

O anúncio da volta da repressão ao modo islâmico medieval, que ocorre também em locais como Arábia Saudita e Irã, em diferentes medidas, é um balde de água fria para aqueles que ainda acreditam que o Talibã pode ser mais moderado em sua busca por reconhecimento e recursos externos.

O grupo retomou o controle do país no dia 15 de agosto, quando entrou sem resistência em Cabul após duas semanas de uma campanha relâmpago, feita na esteira da retirada das forças ocidentais que ficaram 20 anos no país por decisão do presidente Joe Biden.

Nessas duas décadas, o Talibã manteve controle, maior ou menor, de porções do país. Nelas, seguia aplicando sua lei. O sistema legal paralelo do grupo contava com apoio de comunidades rurais com pouco acesso ao Judiciário centralizado em Cabul sob regramento ocidental.

Talvez buscando um ar moderno para sua revelação à Associated Press, Turabi ressaltou que mulheres poderiam ser juízes sob o novo governo, desde que sigam os preceitos islâmicos adotados pelo Talibã. Resta saber se isso ocorrerá.

O mulá (clérigo muçulmano) disse também que, diferentemente do regime totalmente fechado dos anos 1990, agora o Talibã permitirá livremente a existência de canais de TV, a venda de telefones celulares e a circulação de fotografias e vídeos, o que ocorria no mercado paralelo antigamente.

“São necessidades do povo”, disse, ciente de que todo soldado do grupo é visto com smartphones à mão.

Café, frango e açúcar não param de subir

https://www.acritica.com/uploads/news/image/772230/show_unnamed_D2FCBDC3-CEAC-4C7D-996E-5AC419A7E9E7.jpg

Depois de uma explosão no ano passado, as altas nos preços dos supermercados chegaram a esboçar um alívio nos primeiros meses deste ano – mas durou pouco.

Tão logo produtos que subiram muito em 2021, como o arroz e o óleo de soja, começaram a ensaiar alguma queda nos preços, outros já começaram a subir, e o resultado é que encher o carrinho continua difícil do mesmo jeito. Os “vilões” da carteira apenas mudaram de lugar.

Entre algumas das maiores altas deste ano, estão o café, que já está 22% mais caro desde janeiro, e o açúcar, que subiu 33%.

A margarina já subiu 21%, o frango 20% e, as carnes, na média, 10% – sendo que o patinho subiu 14%, o filé mignon 15% e, o acém, quase 16%.

O preço do arroz, que saltou 76% no ano passado, caiu 8% desde o começo deste ano. O óleo de soja, que avançou nada menos do que 103% em 2020, agora estacionou, e sobe só 0,2% em 2021.

Como as freadas, de longe, não compensam toda a alta, comprar os dois ainda continua bem mais caro que no ano passado: o arroz ainda custa 23% mais que um ano atrás e, o óleo, 51%.

Os dados são da prévia de setembro do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), divulgada nesta sexta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A alta geral no mês, de 1,14%, foi a maior para um mês de setembro desde que a hiperinflação acabou no país, em 1994. Em 12 meses, a inflação subiu para 10%. Considerados só os alimentos nos supermercados, a alta em um ano é de 15,5%.

Filiação de Miguel já tem confirmação de representantes de 8 partidos e mais de 30 prefeitos

Além de nomes do plano nacional e estadual do Democratas, a filiação do prefeito Miguel Coelho terá a presença de lideranças de outras sete siglas partidárias.

O evento marcado para este sábado, às 10h, no Armazém 14, bairro do Recife, contará ainda com mais de 30 prefeitos das quatro regiões pernambucanas.

O ato político reunirá no total cerca de 500 políticos e convidados de todo o Estado. “É o início de uma construção, de um debate que o Democratas deseja promover com outros partidos, com a sociedade, com todos que querem fazer a mudança em Pernambuco. Precisamos nos unir todos, discutir a realidade da vida das pessoas, levar esperança e apresentar propostas para superar esse momento difícil que Pernambuco atravessa”, avalia o prefeito.

A filiação de Miguel Coelho ao DEM é uma das primeiras movimentações políticas do partido para construir uma candidatura ao Governo do Estado para 2022.

Após o evento, o Democratas deve promover encontros para discutir pautas relacionadas a temas de interesse da população como a recuperação da economia, saúde pública, a situação das estradas, abastecimento de água, geração de empregos, segurança, entre outros assuntos.