De acordo com a Deic, os criminosos iriam atacar todas as agências bancárias de Girau do Ponciano. Ação foi interrompida pela polícia. Confronto terminou com nove suspeitos mortos

Armamento pesado foi apreendido. Ele estava com quadrilha de assalto a banco. Foto: Evandro Amorim/ TV Ponta Verde

Pelo menos oito integrantes da quadrilha morta em confronto com a polícia em Girau do Ponciano, no Agreste de Alagoas, são de Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraíba. No total, o grupo especializado em assalto a bancos era composto por 11 pessoas. Nove delas morreram após intenso tiroteio no Centro da cidade e duas foram presas. A ação policial batizada de Apocalipse ocorreu nas primeiras no início da manhã da segunda-feira (2).

Além dos dois mortos, outros cinco suspeitos foram baleados no confronto com a polícia. Foto: Cortesia

De acordo com o delegado Caio Rodrigues, da seção especial de Roubo a Bancos da Polícia Civil, os suspeitos são das cidades de Natal (RN), Campina Grande na Paraíba e das cidades pernambucanas de Ribeirão, Recife e Bezerros.

Segundo a Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic), o grupo era investigado desde fevereiro de 2019 quando tinha atacado duas agências bancárias em Porto Calvo, na Região Norte de Alagoas, momento em que também disparou contra viatura e o prédio policial da cidade.

Explosivos encontrados com assaltantes de bancos. Foto: cortesia ao OP9/ Bope

Desde aquele mês, os homens eram monitorados mas a investigação policial ainda não tinha identificado quem fazia parte da quadrilha. Segundo a Deic, a Polícia Civil conseguiu detectar que os assaltantes iriam realizar novos ataques, desta vez, a três agências bancárias de Girau do Ponciano e ao Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp) de Girau.

A ação foi abortada porque a Polícia Civil, com apoio do Bope, chegou minutos antes do assalto e conseguiu capturar os suspeitos. Houve troca de tiros e nove homens foram socorridos a hospitais locais com ferimentos graves, mas morreram. Na ocasião, duas pessoas teriam se rendido e foram presas.

O delegado Caio Rodrigues explicou que foram encontrados explosivos pesados com a quadrilha, que até então não haviam sido utilizados em ataques a bancos em Alagoas. Cada explosivo, segundo a polícia, pesa 5kg. No total, cerca de 35 kg de explosivos foram apreendidos. Foram recolhidos ainda cinco veículos utilizados na ação do grupo criminoso. Os carros teriam sido roubados. Além desses materiais, também foram apreendidos revólveres, pistolas e fuzis, cujas armas são consideradas de longo poder de alcance.

 

Os suspeitos mortos em confronto foram identificados até o momento como:

  • Thalyson Jeyns de Moura Severiano, 28 anos, natural de Natal, no Rio Grande do Norte
  • Raphael Oliveira Silva, 35 anos, natural de Campina Grande, na Paraíba
  • Bruno Santiago, 33 anos, natural de Ribeirão, em Pernambuco
  • João Paulo da Silva, 45 anos, natural de Bezerros, em Pernambuco
  • José Humberto Brasileiro, 43 anos, natural do Recife, em Pernambuco
  • Silvio Ricardo Queiroz dos Santos, 35 anos, natural de Ribeirão, em Pernambuco

Os suspeitos presos são:

  • Diego Pinto Vieira, 36 anos, natural do Recife
  • Rafael Maia Lins Sales, 33 anos, natural do Recife

A Polícia Civil ressalta que o processo de identificação dos envolvidos ainda continua porque é comum que quadrilhas de roubo a bancos utilizem documentos falsos.

Blogmarcosmontinelly Por:  OP9

 

Leia também:

 

 

A produção industrial brasileira encolheu 0,3% em julho ante o mês anterior, com ajuste sazonal, engatando a terceira baixa consecutiva e registrando o pior desempenho para o mês em quatro anos.

Contra um ano antes, a produção recuou 2,5%. O dado de junho foi revisado para pior, passando a mostrar contração de 0,7% sobre maio, ante queda estimada anteriormente de 0,6%.

Tanto na comparação mensal quanto na anual os números de julho vieram piores que o estimado por analistas consultados pela Reuters: alta de 0,3% sobre o mês anterior e queda de 1,3% na base anual.

O recuo de 0,3% em julho é o pior para o mês desde 2015 (-1,8%), enquanto o de 2,5% é o mais forte também para o mês desde 2016 (-6,1%).

No acumulado de 2019, a produção acumula baixa de 1,7%. Em 12 meses, a indústria recua 1,3%, indicando perda de ritmo, já que no período até junho a contração havia sido de 0,8%.

Segundo o IBGE, que divulgou os números, a trajetória da indústria pela métrica de 12 meses tem sido “predominantemente descendente” desde julho de 2018, quando em 12 meses a produção acumulava alta de 3,2%.

Onze dos 26 ramos pesquisados mostraram quedas na produção, com outros produtos químicos (-2,6%), bebidas (-4,0%) e produtos alimentícios (-1,0%) exercendo as maiores influências negativas.

Já entre os 15 setores que ampliaram a produção, destaque a produção em indústrias extrativas, com alta de 6,0%, a terceira consecutiva.

Dentre as grandes categorias econômicas, bens intermediários (-0,5%) e bens de capital (-0,3%) caíram, enquanto os setores produtores de bens de consumo semi e não-duráveis (+1,4%) e de bens de consumo duráveis (+0,5%) subiram. (247)

É um tema extremamente debatido e noticiado os dias atuais, mas não é novo no mundo político. Mudou-se a forma e o meio de propagação mais o objetivo permaneceu o mesmo denegrir prejudicar e ganhar vantagem eleitoral.

Na década passada este tipo de notícia era feito por impressos bem elaborados, carros de som, rádios locais e jornais e até por meio de boataria ou seja pessoas pagas para disseminar notícias de falso respeito, distribuídas de forma estratégica dentro da cidade, principalmente as pequenas cidades.

Agora vamos fazer uma reflexão do verdadeiro fake news da política brasileira. Cito três exemplos para colaborar com sua conclusão:

Primeiro: Político inaugurar obra com dinheiro público, como se ele fosse o dono ou pagante pela despesa. (é quase uma fake diária para nossa realidade.)

Segundo: Candidatos fazendo campanha com dinheiro de empreiteira se achando um coronel dos anos 70 e 80 disposto a fazer todo tipo de negociata, para não perder a eleição. Porém gastando o dinheiro de outra pessoa.

Terceiro: Político que se esconde por trás de bandeira partidária ou ideológica, ou seja, o sujeito e um vazio de conteúdo ou até mesmo existencial. Este fake é muito comum nesta polarização que estamos vivendo.

Por fim, apenas pontuei estes casos mas tenho plena certeza que você lembrou de inúmeros casos, bizarros. A minha conclusão observando com um olhar crítico, acadêmico e profundo, concluo que temos os mais diversos fake news tanto na esfera federal passando para estadual e chegando a municipal e terminando nas novas candidaturas.

Será o Brasil o pais mais representados por fake news do que parlamentares?

Jemerson Edias

Consultor Político e especialista em Marketing Político e CEO da Naipes Consultoria.

A Prefeitura de Afogados iniciou a obra de construção de uma passagem elevada no cruzamento da Avenida Rio Branco com a Rua Professor Vera Cruz. 
O trecho estará interditado durante os sete dias de duração da obra, que está prevista no projeto de revitalização da Rio Branco, e visa integrar as duas áreas revitalizadas, diminuindo a velocidade dos veículos, de modo a garantir mais segurança para pedestres e ciclistas, quando em breve for implantado a ciclofaixa em toda extensão da via. 
Pedimos desculpas pelos transtornos e informamos que ao término do serviço o tráfego de veículos será liberado no local. (ASCOM)

Filipe Barros (PSL-PR), o deputado que quer suspender investigação sobre fake news nas eleições (Foto: Agência Câmara

Filipe Barros, vice-líder do PSL, partido de Jair Bolsonaro, na Câmara, argumenta que a CPMI que visa investigar a disseminação de fake news durante a campanha eleitoral do ano passado, tem como real objetivo “calar o povo brasileiro”

Internautas têm interpretado anúncio do deputado Filipe Barros, vice-líder do PSL na Câmara, como uma “confissão de culpa”. O parlamentar informou que protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) um mandado de segurança pedindo que a Corte suspenda a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMF), autorizada nesta quarta-feira (3) pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que visa investigar a disseminação de fake news durante a campanha eleitoral do ano passado.

O pedido para a criação da CPMI foi feito pelo deputado Alexandre Leite (DEM-SP) e contou com o apoio de líderes na Câmara. Para o vice-líder bolsonarista, no entanto, a investigação sobre fake news nas eleições é uma estratégia da esquerda para prejudicar o governo de Jair Bolsonaro.

“CPMI das Fake News é um apelido bonitinho para disfarçar a verdadeira intenção: criar Fake News contra o governo, censurar a população que está se manifestando na internet e, no final, propor a ‘regulamentação’ da mídia (leia-se censura a liberdade de imprensa)”, escreveu Barros em seu Twitter.

A comissão será composta por 15 senadores e 15 deputados e os partidos ainda precisam indicar os nomes dos integrantes.

Veja também:  Prefeitura tucana de SP acaba com ciclofaixa de lazer

O PT, partido do segundo colocado na eleição presidencial de 2018, vem desde o pleito denunciando que a campanha que elegeu Jair Bolsonaro foi baseada na disseminação de fake news e uso de perfis falsos para espalhar calúnias na internet e em aplicativos de mensagens.

Reportagem recente da Folha de S. Paulo revela que durante a campanha eleitoral de 2018, empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para fazer, pelo WhatsApp, disparos em massa de mensagens políticas a favor do então candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Em entrevista ao jornal, o dono da agência confirmou que recebeu dinheiro para o disparo de fake news, mas não sabia que seu software estava sendo usado para campanhas políticas no Brasil e só tomou conhecimento quando o WhatsApp cortou, sob a alegação de mau uso, as linhas telefônicas de sua empresa.

Saiba mais aqui.

Políticos da Região Nordeste preveem uma derrota arrasadora para o PSL, partido de Jair Bolsonaro. De acordo com pesquisa Datafolha, divulgada nesta segunda-feira (2), o ocupante do Planalto é mais rejeitado entre os nordestinos. Seu índice de ruim e péssimo subiu de 41% para 52% de julho para cá. Em nível nacional, se a eleição fosse hoje, ele seria derrotado: Fernando Haddad (PT) teria 42% dos votos, contra 36% dele. Outros 18% votariam branco ou nulo e 4% não souberam responder.

Outro levantamento, XP Investimentos/Ipespe, havia apontado que a reprovação dele no Nordeste aumentou 27 pontos percentuais em oito meses. Em janeiro 26% dos eleitores da região avaliavam o presidente como ruim e péssimo. De acordo com pesquisa  o percentual chegou a 53% em agosto.

No segundo turno da eleição presidencial, Bosonaro conseguiu apenas 30,3% dos votos válidos no Nordeste (8,8 milhões de votos). O seu então adversário, Fernando Haddad (PT), alcançou 69,7% (20,3 milhões).

Governam os estados da região Nordeste Paulo Câmara (PSB), em Pernambuco, Rui Costa (PT), na Bahia, Flávio Dino (PCdoB), no Maranhão, Fátima Bezerra (PT), no Rio Grande do Norte, Wellington Dias (PT), no Piauí, Renan Filho (MDB), em Alagoas, Belivaldo Chagas (PSD), em Sergipe, Camilo Santana (PT), no Ceará, e João Azevêdo (PSB), na Paraíba.

Declarações grotescas

A populariade de Bolsonaro que já era baixa veio caindo ainda mais por causa de declarações grotescas dele. No mês passado ele pegou o microfone da câmera da TV Globo e pediu “chuva de honestidade” para a região.

“Queria que a Globo botasse no ar um vídeo com uma canção lá do Nordeste, chama-se Chuva de Honestidade”, afirmou. “É uma canção que é mais velha que eu, de 54, e o que o Nordeste sempre precisou foi disso, chuva de honestidade. E o Brasil agradece”, acrescentou.

Em julho, foi divulgado um vídeo em que Bolsonaro fala sobre “governadores de paraíba” e cita o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). “Não tem que ter nada para esse cara [Dino]”.

Outro fator que também pode explicar a impopularidade dele foi a redução dos empréstimos para o Nordeste pela Caixa Econômica ao longo deste ano. Nos primeiros sete meses do ano foram autorizados para a Região financiamentos da ordem de R$ 89 milhões, o que representa somente  2,2% do total de cerca de R$ 4 bilhões chancelados pelo banco para estados e municípios.

De acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, a determinação teria partido do próprio presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

Reprovação nacional aumenta

Segundo as estatísticas do Datafolha, divulgadas nesta segunda, aumentou de 33% para 38% a reprovação de Bolsonaro no País em relação ao levantamento anterior do instituto, feito no início de julho. A aprovação de Bolsonaro também caiu, de 33% em julho para 29% agora.

A popularidade dele caiu até mesmo entre os mais ricos (com renda mensal acima de 10 salários mínimos). Neste segmento, a aprovação caiu de 52% em julho para 37% agora.(247)

Segundo o Datafolha, 88% dos entrevistados disseram discordar da declaração do presidente, e 10% disseram concordar com o que foi dito.

Desde que incorporou à sua rotina manifestações diárias a jornalistas na frente do Palácio da Alvorada, no mês de julho, o presidente subiu o tom de declarações, contribuindo até para uma crise diplomática por causa de comentários sobre incêndios na Amazônia.

Em pesquisa feita entre os dias 29 e 30 de agosto em 175 municípios em todo o país, o Datafolha questionou os entrevistados especificamente sobre quatro afirmações feitas por Bolsonaro recentemente.

Uma dessas frases foi sobre preservação ambiental: “É só você deixar de comer um pouquinho. Você fala para mim em poluição ambiental. É só você fazer cocô dia sim, dia não”. A declaração foi dada a jornalistas na saída do Alvorada em 9 de agosto.

Segundo o Datafolha, 88% dos entrevistados disseram discordar da declaração do presidente, e 10% disseram concordar com o que foi dito. Não concordam nem discordam 1% dos entrevistados, e 2% não souberam responder.

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%. Foram ouvidas 2.878 pessoas.

Outra declaração pesquisada pelo Datafolha em contexto de discussão sobre meio ambiente foi: “As pessoas que têm mais cultura têm menos filhos. Eu sou uma exceção à regra, tenho cinco”.

Em relação a essa afirmação, dada também no dia 9, 63% disseram que discordam de Bolsonaro, e 33% afirmaram que concordam.

Uma das afirmações de Bolsonaro que geraram mais repercussão nos últimos meses usou um termo pejorativo para se referir ao Nordeste.

“Daqueles governadores ‘de paraíba’, o pior é o do Maranhão. Tem que ter nada com esse cara”, disse antes do início de um café com jornalistas em julho.
Segundo a pesquisa, disseram discordar com essa afirmação 69% dos entrevistados, e 22% concordaram. 

O Datafolha também ouviu os entrevistados sobre afirmação feita por Bolsonaro a respeito da indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho dele, para a Embaixada do Brasil em Washington.

“Pretendo beneficiar um filho meu, sim. Pretendo, está certo. Se puder dar um filé mignon ao meu filho, eu dou”, disse o presidente no dia 18 de julho, em transmissão ao vivo em redes sociais.

Em relação a essa declaração, disseram discordar 70% dos entrevistados, e 27% disseram concordar. Não concorda nem discorda 1%.

No recorte por estrato da população, a rejeição às afirmações de Bolsonaro tende a cair alguns pontos percentuais no Sul do país, onde o presidente conseguiu seu melhor resultado no segundo turno da eleição de 2018, e entre eleitores que declararam ter escolaridade de nível fundamental. 

A discordância às quatro afirmações citadas sobe entre jovens de 16 a 24 anos e no grupo com renda familiar mensal de mais de dez salários mínimos.

Novos vazamentos obtidos pelo site The Intercept e divulgados nesta segunda-feira (2) pelo site Publica, a nova parceria do Intercept, revelam diálogos em que o coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, captava recursos entre empresários e indicava doadores para o instituto contra corrupção.

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, captou investimentos de grandes empresários para financiar o Instituto Mude – Chega de Corrupção, criado para promover, além da própria operação, as dez medidas de combate à corrupção e suas opiniões políticas. Mensagens trocadas entre o procurador e membros do Instituto Mude no Telegram, recebidas pelo Intercept Brasil e analisadas em conjunto com a Agência Pública, revelam que ele se reuniu com empresários, às vezes a portas fechadas, na sede da Procuradoria, para arrecadar verbas para a entidade. Uma empresária que foi “investidora anjo” da organização: a advogada Patrícia Tendrich Pires Coelho seria depois investigada pela Lava Jato, mas não foi denunciada pela operação.

STF leva um ano para receber denúncias da Lava Jato
Levantamento sobre réus da Lava Jato no Supremo mostra que, em média, a Corte demorou um ano para receber as denúncias da PGR e dar início às dez ações penais contra parlamentares

Integrantes da Lava Jato vivem na “mesma bolha”, diz pesquisador da UFPR
O sociólogo Ricardo Oliveira, que pesquisou as biografias de magistrados, procuradores e advogados da operação, diz que eles têm as mesmas origens, às vezes se conhecem desde a infância e por isso atuariam em rede

Apesar de saber que a empresa de Patrícia, a Asgaard Navegação S. A., fornecia navios para a Petrobras e ter conhecimento de sua proximidade com o empresário Eike Batista e com o banqueiro André Esteves, fundador do BTG Pactual – dois alvos da força-tarefa coordenada por Dallagnol –, o procurador não só aceitou a sua ajuda financeira como fez a ponte da empresária com os membros oficiais do instituto e se reuniu com ela para tratar da doação.

Clique aqui para ler a reportagem completa.

Continue reading

Pesquisa Datafolha, divulgada nesta segunda-feira (02), mostra que a reprovação ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) na Região Nordeste subiu 11 pontos percentuais em pouco menos de dois meses.

Na pesquisa anterior feita em julho, o índice de ruim e péssimo era de 41% e subiu para 52% no novo levantamento do instituto. Foi a região onde a rejeição ao presidente cresceu mais no período.

Enquanto isso, a reprovação de Bolsonaro em todo o país subiu de 33% para 38%. A aprovação também caiu dentro da margem de erro de pontos percentuais para mais ou para menos, de 33% para 29%.

A pesquisa entrevistou 2.878 mil pessoas com mais de 16 anos em 175 municípios

Está perdendo apoio mesmo em seus redutos regionais: região Sul.
Lá aumentou de 25% para 31% os que dizem que o governo é ruim ou péssimo.
Uma das táticas do presidente é produzir polêmicas, ataques aos inimigos ou supostos inimigos, gerando repercussão nas redes.

De manhã, ele faz uma paradinha na porta do Palácio da Alvorada.
Aí aproveita para atacar de Macron a Merval Pereira, passando de Luciano Huck e João Dória.
Até ganha repercussão.
Mas o resultado, como mostra o Datafolha, é ruim.

 

 

A unificação de programas sociais pode potencializar duas vezes mais o enfrentamento à desigualdade e à pobreza no Brasil. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com a fusão de quatro iniciativas de âmbito federal, o sistema passaria a incluir 17 milhões de crianças em situação de vulnerabilidade que, atualmente, não recebem benefício do governo federal. Desse total, metade encontra-se, hoje, na parcela dos 30% mais pobres da população brasileira. Segundo documento divulgado nesta segunda-feira, a revisão prevê a integração entre o Bolsa Família, o salário-família, o abono salarial e a dedução por dependente no Imposto de Renda Pessoa Física “em uma única política coerente”.

Os autores do estudo afirmam que, mesmo ampliando a abrangência da proteção social, a reestruturação não demandaria mais recursos públicas, ou seja, não feriria o princípio da responsabilidade fiscal.

Na prática, isso quer dizer que o montante destinado às políticas públicas de proteção à infância e aos vulneráveis à pobreza, de cerca de R$ 52,8 bilhões, seria mantido – e, conforme enfatizam os pesquisadores, “também não poderia ser reduzido”. A soma equivale a 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país).

Disparidades

Para os pesquisadores do Ipea, um dos fatores que justificam a reformulação do sistema de programas sociais é a discrepância entre valores de benefícios concedidos pelo governo. A avaliação é que pessoas que enfrentam os mesmos riscos sociais acabam recebendo quantias diferentes.  Como exemplo, é citada a disparidade entre o seguro-desemprego e o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), dois tipos de garantia de renda para quem perde o emprego que, segundo os técnicos do Ipea, “não conversam entre si”. “Para pessoas com deficiência, benefícios assistenciais, previdenciários e tributários têm definições diferentes de deficiência, pagam valores muito diferentes em função do mesmo fato gerador e frequentemente estão em contradição com outras políticas para este mesmo público”.

Os especialistas propõem um conjunto de medidas para que essas correções possam ser feitas. Um dos pontos seria a adoção do uso do Cadastro Único como mecanismo de identificação das pessoas que se encontram em situação de pobreza e definir essa condição a partir da renda familiar per capita. Segundo os pesquisadores, para que a mudança no sistema de programas sociais vingue, a base deve ser composta por um benefício universal para todas as crianças e adolescentes e dois benefícios focalizados. Estes dois últimos contemplariam crianças pobres e famílias em extrema pobreza.

De acordo com Sergei Soares, um dos pesquisadores do Ipea que assinam o estudo, o Brasil, reserva verbas significativas para a proteção social, “mas obtém relativamente poucos resultados”. Ele diz que a “fragmentação” dos programas sociais é um dos aspectos que geram esse quadro e explica como o modelo proposto na pesquisa seria capaz de dobrar o impacto sobre a desigualdade social e a pobreza no país.

“Como a gente consegue dobrar: primeiro, eliminando sobreposições. Existem pessoas que ganham [benefícios] duas vezes, sem precisar. Focalizando o que não é universal, porque coloca [o processo de concessão de benefícios] orientado pelo critério de renda familiar per capita e os benefícios vão para os mais pobres”, explica Soares, que é técnico de planejamento e pesquisa na Diretoria de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais (Dinte), do Ipea.

Outro ponto é relativo à dedução por dependente no Imposto de Renda Pessoa Física, que, para os pesquisadores, representa “um benefício extremamente regressivo focado quase exclusivamente nos mais ricos” e que poderia, portanto, estar a serviço dos mais pobres, no modelo proposto por eles. “E, finalmente, colocando num arcabouço único, que funcione de modo articulado. Hoje, o Brasil tem programas fragmentados. Ao articular, consegue-se um impacto muito maior”, acrescenta o pesquisador.

Bolsa Família

Para Soares, o Bolsa Família é “o que há de melhor”, em termos de políticas voltadas à proteção da infância e de pessoas vulneráveis à pobreza. “[O programa] vem sendo muito aprimorado, ao longo dos últimos 15 anos. Quando foi feito, fundamentou-se na estrutura do Bolsa Escola Federal, algo que também foi sendo aprimorado. Ele [Bolsa Família] é perfeito? Não, tem como melhorar. Mas é o que tem de mais iluminador, tanto que nossa proposta o segue de perto”.

Dados do governo federal, mencionados no estudo, demonstram que, em 2017, o Bolsa Família alcançou 43,3 milhões de beneficiários, com orçamento de R$ 29,05 bilhões. “Embora seja relativamente modesto em termos orçamentários, com 0,44% do PIB, [o programa] é grande em termos de alcance, chegando a 20% das famílias no Brasil”.

Lula livre em Monteiro (10)

Passado o evento neste domingo (1º) na cidade de Monteiro, no Sertão paraibano, o ‘SOS Transposição’ misturado com ‘Caravana Lula Livre’ com Fernando Haddad, Gleisi Hoffmann, o ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, a vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos, senadores, deputados e políticos locais que gerou assunto que não acaba mais nas redes sociais entre apoiadores X opositores em discussão com gente ou sem gente, o fato é que o canal da Transposição na Paraíba continua sem água do Rio São Francisco, o evento não acrescentou nem diminuiu em nada, os paraibanos continuam sem água, com açudes já em volume morto na região do Cariri.

Nos últimos três meses, o açude Epitácio Pessoa, conhecido como Açude de Boqueirão, no Cariri paraibano, teve uma redução de 23 milhões de metros cúbicos de água – uma queda de 18%. Além de não receber mais águas da transposição do Rio São Francisco desde fevereiro, o reservatório abastece 19 cidades e ainda é usado para perenizar o Rio Paraíba.

Segundo os dados da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa-PB), no último dia 1º de junho o açude estava com o maior volume registrado no ano: 122,7 milhões de m³ de água, o que correspondia a 26,3% da capacidade total do açude. Na sexta-feira (30), o reservatório estava com 99 milhões de m³ de água, que correspondem a 21,2% do volume total.

Redução da vazão

Do dia 8 de julho até a quinta-feira, 29, a comporta do açude estava aberta e liberando 2 mil litros de água por segundo para a barragem de Itatuba, que atende a população de 11 cidades. Na quinta-feira, a vazão foi reduzida de 2 mil litros para 300 litros por segundo. Isso ocorreu porque o açude de Acauã já atingiu um volume satisfatório. A saída reduzida em 85% permite a garantia de segurança ecológica no Rio Paraíba.

Tripulação fazia uma viagem de mergulho de três dias pelo litoral

Cinco pessoas foram resgatadas

Autoridades do condado de Ventura temem “inúmeras mortes”, enquanto as operações de resgate estão em andamento para atendimento a um incêndio em um barco na Ilha de Santa Cruz, na Califórnia, nesta manhã. Atualmente, 34 pessoas dos 39 tribulantes da embarcação “Conception”, que realizava uma excursão de mergulho de três dias no Dia do Trabalho (celebrado nos Estados Unidos na primeira segunda de setembro) estão desaparecidas. Os outros cinco foram resgatados com vida.

A comandante do setor da Guarda Costeira de Los Angeles, capitã Monica Rochester, disse que eles estavam acordados no momento em que as chamas se iniciaram e saltaram para a água. O incêndio aconteceu da noite para o dia, e os dormitórios ficavam abaixo do convés. As tripulações da Guarda Costeira, do Corpo de Bombeiros de Santa Barbara, do Departamento de Bombeiros do Condado de Ventura e do Vessel Assist responderam a uma ligação do dia seguinte que foi ouvida por volta das 3h15min locais (7h15min de Brasília)

“As equipes do corpo de bombeiros estavam combatendo o incêndio quando o navio afundou 20 jardas da costa em 64 pés de água”, segundo o comunicado da Guarda Costeira. Rochester disse que eles ainda estão realizando buscas na costa. “Estamos trabalhando deliberadamente com o proprietário / operador da embarcação, que está conosco no momento, trabalhando em um plano para realizar mais assistência à sua embarcação”, disse ela.

A Truth Aquatics, empresa proprietária da Conception, não forneceu comentários à CNN nesta manhã. “Estamos tentando manter nossas linhas abertas para a Guarda Costeira neste momento, para que não tenhamos nenhum comentário”, afirmou a fonte à emissora.

Blogmarcosmontinely 87 9 9680-8985

 

Glenn Greenwald é o entrevistado do Roda Viva desta segunda

O jornalista americano vai falar sobre as conversas privadas dos procuradores da Lava Jato e de Sergio Moro.

Greenwald é jornalista, advogado constitucionalista e autor de quatro livros entre os mais vendidos do New York Times na seção de política e direito. (Foto: Reprodução)

O Roda Viva desta segunda-feira (02/09/2019) vai entrevistar Glenn Greenwald, um dos criadores do site The Intercept Brasil, jornal que publicou conversas secretas entre Sergio Moro e Dellagnol sobre a Lava Jato e o ex-presidente Lula. O programa comandado pela jornalista Daniela Lima será transmitido ao vivo pela TV Cultura às 22h. 

Em 9 de junho deste ano, Glenn Greenwald publicou conversas privadas dos procuradores da Lava Jato e do então juiz Sergio Moro. O caso impactou o cenário político brasileiro e levou à prisão hackers do interior de São Paulo. O americano vive há 14 anos no Brasil e é casado com o deputado federal David Miranda (PSol).

Greenwald é jornalista, advogado constitucionalista e autor de quatro livros entre os mais vendidos do New York Times na seção de política e direito. As reportagens produzidas por ele a partir de um acervo retirado ilegalmente da Agência de Segurança Nacional (NSA) para o jornal The Guardian receberam o Prêmio Pulitzer de 2014 na categoria Serviço Público.

Na bancada da sabatina estará a diretora-executiva do Metrópoles, Lilian Tahan. Também vão fazer perguntas André Vieira, do Valor Econômico; Gabriel Mascarenhas, de O Globo; e Felipe Recondo, do site Jota. O cartunista Paulo Caruso ficará responsável pelas charges durante a entrevista.

Enquanto os EUA pressionam o governo Bolsonaro para barrar certos investimentos chineses no país, empresas de tecnologia da China, inclusive as banidas pelo governo americano, aumentam seus laços e suas vendas a governos do Nordeste do Brasil.

As empresas chinesas de tecnologia Huawei, ZTE, Dahua e Hikvision, todas sob algum tipo de embargo americano sob acusação de representarem ameaça à segurança nacional, estão negociando ou fornecendo serviços e produtos no Nordeste.

O intercâmbio entre a China e os nove estados nordestinos nunca foi tão intenso. Só neste ano, quatro governadores e dois vice-governadores da região estiveram no país asiático — e a peregrinação de secretários foi ainda maior. A China também mandou inúmeras comitivas para os estados.

Fonte: Folha de São Paulo

Veja: Bolsonaro indica para o CADE advogada acusada de vender decisões do STJ para a JBS. A advogada é filha de uma desembargadora federal bolsonarista

Desembargadora Federal, Maria do Carmo Cardoso, que é mãe da apadrinhada de Bolsonaro para o CADE, concedeu liminar para suspender determinação da 6ª Vara Federal do Distrito Federal que proibia os atos de comemoração do aniversário de 55 anos do golpe militar de 1964.

 

Segundo a Veja, em matéria assinada por Robson Bonin, a indicada de Bolsonaro para o Cade, a advogada Lenisa Prado já foi acusada pelo Ministério Público de integrar um esquema de venda de sentença, do qual também faria parte sua irmã, a advogada Renata Prado. As duas são filhas da desembargadora Maria do Carmo Cardoso, que caiu nas graças de Bolsonaro.
Em 2017, Veja revelou mensagens de outra história envolvendo as irmãs. Arquivos obtidos pela revista sugeriam que Renata vendia decisões de ministros do STJ à JBS. No conjunto de mensagens, que foi entregue ao MP, Renata deixa claro que Lenisa também defendia os interesses da JBS no tribunal — a ponto de despachar pessoalmente com ministros.
Por Noélia

Relembre o caso:

https://veja.abril.com.br/revista-veja/o-que-a-jbs-nao-contou/

https://www.conjur.com.br/2017-set-12/suspeita-venda-sentenca-traz-velhos-conhecidos-pgr

Jornalista questiona quantos bandidos e corruptos ajudaram Moro a fazer sua fama

Do Blog do Reinaldo de Azevedo, na Rede TV
Sérgio Moro também deu uma bela escorregada em outro tema. Reproduzo trecho da Folha:
“Em outro tema espinhoso, Moro respondeu sobre o ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Durán, investigado na Lava Jato, que acusou o advogado Carlos Zucolotto, amigo e padrinho de casamento do juiz, de tentar mediar acordo paralelo de delação premiada com integrantes da força-tarefa.‘Esse indivíduo fez essas afirmações. É uma fantasia que não existe base concreta”, disse. “O que se tem é uma pessoa acusada de crimes graves. Afirma que é advogado, mas tem US$ 17 milhões bloqueados em Cingapura. Várias pessoas dizem que ele teria envolvimento com lavagem. Inventou essa acusação para ver o juiz afastado do caso’, disse”.
Entendi.
A síntese da fala de Moro poderia ser esta: “Não acredito em palavra de bandido”.
Venham cá: quantos foram os bandidos e corruptos confessos que ajudaram Sérgio Moro a fazer a sua fama? Quando o “bandido” o coloca na berlinda, então não se deve dar trela; quando o bandido acusa aqueles que são os seus alvos, seu testemunho vai parar na sentença, é isso?Sem dar crédito a bandidos, para onde teria ido a Lava Jato?
Acho que a resposta do doutor pode ser lida de outra forma: “É bom que vocês saibam que existe um critério para mim e para os meus amigos e um critério distinto para os outros. Quando está em questão alguém do meu círculo de relações, o acusados só pode ser um bandido; quando se trata de alguém que estou disposto a botar em cana, então a palavra de notórios marginas e canalhas recebe o nome de ‘colaboração’”.
Bem, convenham, boa parte da imprensa engole tudo o que ele diz.

Turbina de avião pega fogo durante decolagem no Aeroporto de Juazeiro do Norte

Turbina de avião pega fogo durante decolagem no Ceará

A turbina de um avião da Gol pegou fogo na manhã desta segunda-feira (2) durante a decolagem do Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, em Juazeiro do Norte. Passageiros relataram a tensão durante o ocorrido, mas ninguém ficou ferido.

O voo G3 1561 tinha como destino Guarulhos, em São Paulo. A aeronave, um Boeing 737-800, estava com 145 passageiros e precisou ser esvaziada. Apesar do transtorno, o aeroporto não foi fechado e não houve atraso de outros voos.  

Manutenção da aeronave

Em nota, a Gol afirmou que o voo G3 1561 (Juazeiro do Norte – Guarulhos) apresentou uma limitação técnica próximo à decolagem, tendo que retornar para avaliação da equipe de manutenção da Companhia. A empresa afirmou que os clientes receberam assistência necessária. A Gol lamentou os transtornos, mas reiterou que ações como essa visam garantir a segurança. 

Até as 8h10, contudo, os passageiros continuavam no saguão aguardando mais informações da companhia.

Um deles afirmou para o Sistema Verdes Mares que ao entrar na aeronave sentiram um cheiro de combustível na parte traseira do avião. Depois da decolagem eles viram um clarão saindo de uma das turbinas. 

“A gente levantou voo, teve esse clarão e ele desceu imediatamente. Foi coisa de minutos. Todo mundo sentiu um odor de gasolina, a gente embarcou, colocou as malas, sentei-me ao lado da turbina que teve um princípio de incêndio”, disse o engenheiro de produção Hércules de Souza Santana. 

Medo e tensão

Aos prantos, a servidora pública Ivanilda Arceno disse que está com medo de entrar em outra aeronave. Ela iria para um casamento em São Paulo na companhia da filha de 7 anos. 

“Estou assustada. Eu ia para um casamento da minha sobrinha. Foi desesperador como mãe passar por uma situação dessa. Estou preocupada porque ela [a filha] está chorando. Eu não vou mais”, relatou a passageira.

Folha/Intercept: Grupo Silvio Santos “lavou” mais de R$ 10 milhões por meio de contratos fraudulentos, delatou operador preso pela Lava Jato

Em mais uma rodada de conversas entre procuradores da Lava Jato, divulgadas pela parceria Folha de São Paulo e Intercept, os repórteres Felipe Bächtold e Wálter Nunes, da Folha e Bruna de Lara, de The Intercept Brasil revelam que o operador finanxeiro Adir Assad c0ntou em delação premiada compartilhada pelos procuradores, que teria lavado mais de 10 milhões de reais para o Grupo Silvio Santos por meio de contratos fraudados de patrocínio esportivo.
As afirmações estão em anexos de seu acordo de colaboração premiada firmado com integrantes da Operação Lava Jato.
Os depoimentos do operador foram compartilhados entre procuradores do Ministério Público Federal no aplicativo Telegram. 
Nos relatos compartilhados, Assad não menciona especificamente o apresentador e empresário Silvio Santos, mas aponta como um dos contatos no grupo o sobrinho dele Daniel Abravanel e o uso da empresa que comercializa a Tele Sena. 
Segundo a Folha/Intercept, o esquema funcionou em duas épocas distintas, de acordo com o que disse Assad ainda na época em que negociava a sua delação.
No fim dos anos 1990, o operador diz ter firmado contratos superfaturados de patrocínio entre suas empresas e pilotos da Fórmula Indy e da categoria Indy Lights. Naquela época, disse, ele se relacionava com Guilherme Stoliar, que hoje é presidente do Grupo Silvio Santos.
Assad contou que o SBT tinha necessidade à época de fazer um caixa paralelo, mas não sabe dizer com qual finalidade —se para remunerar bônus a executivos ou se para pagar propina no setor público.
Essa operação, estimou ele, movimentou R$ 10 milhões naquele período. Os pilotos patrocinados, contou, “apenas viabilizavam espaços de publicidade” e não sabiam das irregularidades nas transações. Entre os pilotos mencionados no relato do delator estão Helio Castroneves e Tony Kanaan.
O irmão de Assad, Samir, que trabalhava com ele e também virou delator, fez relato corroborando a história.
Na segunda fase, a partir de meados dos anos 2000, Assad diz ter feito contratos de imagem e de patrocínio na Fórmula Truck. Afirma que transferia aos esportistas uma pequena parte dos valores contratados e devolvia ao SBT o restante do dinheiro. 
O depoimento aponta que a maior parte do dinheiro era devolvida em espécie a um diretor financeiro chamado Vilmar em um escritório do grupo, no centro de São Paulo.
A Liderança Capitalização, empresa responsável pela Tele Sena, pagou ao menos R$ 19 milhões para uma das firmas do operador, a Rock Star, de 2006 a 2011, diz documento elaborado na delação. 
A Folha apurou que o diretor financeiro das empresas de Silvio Santos à época era Vilmar Bernardes da Costa.
Essa segunda fase, afirma Assad, começou após acerto feito com Daniel Abravanel e com o pai dele, Henrique Abravanel, irmão de Silvio. 
O relato com acusações ao grupo dono do SBT, segundo a Folha apurou, foi incluído na versão final do acordo de colaboração do operador, firmado em 2017 e homologado na Justiça.
O capítulo que trata do grupo Silvio Santos seria enviado para a Justiça Federal de São Paulo, a quem cabe, eventualmente, autorizar medidas de investigação sobre o assunto. Detalhes do caso e da apuração permanecem sob sigilo até hoje.
O delator prometeu apresentar, como provas, registros da movimentação financeira de suas empresas e emails trocados à época.
O modelo de lavagem por meio do automobilismo é o mesmo relatado por diversos delatores da Lava Jato desde 2014, como empreiteiros da UTC e Carioca Engenharia que acusavam Assad de operar dessa maneira.
Ao virar delator, o operador admitiu irregularidades e, em relatos já tornados públicos, se definiu como um “gerador de caixa” para grandes empresas, principalmente empreiteiras. 
Como regra, contou ele, entregava o dinheiro para seus contratantes sem saber o que cada um faria com os valores providenciados.
Na delação, aponta como uma das fontes de geração de dinheiro a atuação na categoria Stock Car, na qual chegou a ser sócio de uma escuderia.
Ele afirma que uma empresa sua, intermediária entre competidores e patrocinadores, comprava espaços de exposição de publicidade nos eventos e organizava ações promocionais nas corridas. As quantias declaradas nas notas fiscais, porém, eram muito superiores aos valores de fato dos patrocínios.
Sem se referir especificamente ao caso do Grupo Silvio Santos, Assad disse que, do valor cobrado dos patrocinadores, descontava cerca de 10%, que equivaliam à efetiva prestação do serviço. Outros 10% eram sua comissão pela sua atuação e cerca de 80% eram sacados e devolvidos a grandes empresas.
Assim, empreiteiras expuseram suas marcas por anos na competição automobilística, apesar de não costumarem fazer gastos expressivos com publicidade fora dali.
As atividades de Assad sofreram um baque em 2012, quando virou personagem da CPI que investigou os negócios do bicheiro Carlinhos Cachoeira. Na Lava Jato, ele foi preso em 2015.
Assad já foi condenado em quatro ações no Paraná e no Rio por crimes como lavagem de dinheiro e associação criminosa.
Seu acordo de colaboração previa o pagamento de multa de R$ 50 milhões, juntamente com o irmão Samir e com um auxiliar. Ele deixou a cadeia em outubro do ano passado, depois de três anos detido, e hoje é obrigado a ficar em casa à noite e nos fins de semana.
OUTRO LADO
Procurados pela reportagem, o SBT e o Grupo Silvio Santos afirmaram, em uma nota, que, “por desconhecerem o teor da delação” de Adir Assad, não podem se manifestar a respeito.
“Aproveitamos para enfatizar que as empresas do GSS sempre pautaram suas condutas pelas melhores práticas de governança e dentro dos estritos princípios legais.”
A reportagem também procurou a defesa de Vilmar Bernardes da Costa, que afirmou que não pode se manifestar “sobre suposta delação sobre a qual não tem qualquer informação oficial”.
Ele também disse que sempre pautou sua “conduta profissional pelo estrito cumprimento de seus deveres éticos e legais”.
Os advogados de Adir Assad não comentam os termos do acordo de colaboração do operador.
Helio Castroneves, por meio de sua assessoria, disse apenas que não conhece Assad e que nunca teve qualquer negócio com o delator.
A Folha procurou também a assessoria de Tony Kanaan e deixou recados, mas não obteve manifestação sobre o assunto.

Secretário Marcio Felix pede demissão do Ministério de Minas e Energia

Em carta de demissão ao ministro de Minas e Energia, Felix disse que a saída se dá “por razões estritamente pessoais” e que está “concluindo um ciclo muito gratificante” da vida profissional.

Felix exerceu o cargo de secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis no período de 22 de julho de 2016 a 13 de abril de 2018 (Foto: Agência Senado/Arquivo)

O secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, do Ministério de Minas e Energia, Marcio Felix Carvalho Bezerra, pediu demissão e foi exonerado hoje (2) do cargo. A portaria de exoneração está publicada no Diário Oficial da União.

Em sua carta de demissão ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, Felix disse que a saída se dá “por razões estritamente pessoais” e que está “concluindo um ciclo muito gratificante” da vida profissional. “Gostaria de reiterar meu integral apoio ao programa de trabalho do Ministério sob sua liderança. E também, de me colocar a disposição, como cidadão brasileiro e técnico da área, para continuar ajudando a fazer acontecer as políticas públicas relacionadas a biocombustíveis, gás e petróleo”, diz a carta.

Em resposta, o ministro Bento Albuquerque agradeceu e reconheceu os serviços prestados pelo secretário. “No desempenho dos importantes cargos, soube lidar, muito bem, com o dilema diário de identificar prioridades e de atribuir velocidade a questões primordiais para o desenvolvimento sustentável do país, conciliando demandas; levando, a excelentes termos, eventuais divergências; e superando desafios, razões pelas quais suas ‘Impressões Digitais’ podem ser percebidas nos diversos setores por onde labutou”, escreveu.

Felix exerceu o cargo de secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis no período de 22 de julho de 2016 a 13 de abril de 2018, quando assumiu a Secretaria-Executiva do ministério, até 1º de janeiro de 2019. No início da gestão do presidente Jair Bolsonaro foi convidado a permanecer no ministério, de volta na Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.

Preso em Alagoas acusado de assalto à Casa Lotérica de Sertânia

O homem acusado de assaltar a Casa Lotérica em Sertânia no último dia 17 de agosto  foi preso na tarde deste domingo (1).

A prisão aconteceu em Delmiro Gouveia, no Sertão de Alagoas. Alcimar Ferreira de Araújo, 25 anos, foi preso por uma equipe da Polícia Civil comandada pelo delegado Rodrigo Rocha Cavalcanti.

Segundo a polícia, Alcimar, além de assaltar a instituições financeiras, é acusado de praticar homicídios na cidade de Paulo Afonso. Contra ele havia um mandado de prisão em aberto, expedido pela comarca da cidade do Estado da Bahia.

Alcimar foi preso após um trabalho de inteligência. Com posse das informações, os agentes da Polícia Civil Flávio José e Djalma Silva se deslocaram até um apartamento que fica no Beco de Luiz Xavier e prenderam o suspeito, que não reagiu à prisão. Ele foi conduzido para a Delegacia Regional de Polícia (1ª-DRP) onde está à disposição da justiça. As informações são doExpresso do Sertão.

 

Marília Arraes denuncia perfil falso no Instagram

A imagem que aparece no perfil falso para que fique mais fácil a identificação

Em nota publicada na tarde deste domingo (01.08), no Facebook, a assessoria da deputada federal, Marília Arraes, denunciou um perfil falso com o nome da parlamentar no Instagram. Leia a íntegra da postagem.

Informamos a todos os nossos seguidores e demais usuários dos diversos aplicativos de redes sociais que há um perfil falsotentando se passar pela página oficial da deputada federal Marília Arraes no Facebook.

A equipe de Comunicação da parlamentar já denunciou o perfil em questão, que vem publicando textos e fotos, como se fosse de autoria da deputada.

Você, que é nosso seguidor, pode ajudar também denunciando esse perfil falso! Agradecemos a todos e alertamos que as páginas oficiais da deputada federal Marília Arraes são todas certificadas e devidamente reconhecidas pelo Facebook, Instagram e Twitter.

Informamos ainda que tomaremos as medidas legais cabíveis para identificar e coibir esse tipo de tentativa criminosa.

O Jornal Nacional completou neste domingo (1º) 50 anos de exibição e, para celebrar a data, jornalistas se reuniram no evento comemorativo. 

Em foto compartilhada nas redes sociais por Fátima Bernardes, aparecem William Bonner, Renata Vasconcellos, Aline Maria – uma das criadoras do telejornal -, Cid Moreira, Patrícia Poeta e Sérgio Chapelin. 

A jornalista foi titular da bancada entre 1998 e 2011 junto de Bonner, seu ex-marido. 

Além da festa, os 50 anos do JN serão comemorados com rodízio de apresentadores das filiadas da Rede Globo, lançamento do livro  “Jornal Nacional: 50 anos de telejornalismo” e a série “JN 50 anos”. 

A cearense Taís Lopes da TV Verdes Mares foi a selecionada para representar o Ceará e estará na bancada no dia 19 de outubro.

 

O uso facultativo do simulador nas aulas de direção e a obrigatoriedade de apenas uma hora noturna de aula prática são mudanças que começam a ser implementadas em setembro no Brasil. Segundo texto publicado no DOU (Diário Oficial da União) em 17 de junho deste ano, as novas regras entram em vigor meados do mês, 90 dias após a publicação da decisão.

Simulador

A partir da mudança, os candidatos a condutores vão poder escolher se querem ou não utilizar o simulador durante as aulas. A nova regra determina que, ao optar pelo uso do equipamento, o aluno deve realizar aulas de, no máximo, 50 minutos, antes das aulas práticas em veículo.

Alguns dos temas que devem ser abordados durante o uso do simulador são ligar o motor e controle de faróis. No caso dos alunos que desejam tirar a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) na categoria B, usada na direção de carros de passeio, é possível optar pela realização de até cinco horas/ aula em simulador, desde que disponível no CFC (Centro de Formação de Condutores).

O texto também determina que o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) implemente o “procedimento de acompanhamento do uso de simulador no país, a fim de avaliar sua eficácia no processo de formação do condutor”.

O advogado João Paulo Martinelli afirma que as mudanças nos simuladores não serão tão impactantes, já que considera que a prática na rua é a que traz a experiência necessária. “O simulador poderia ser um complemento, as aulas práticas que são o verdadeiro teste”, afirma.

Em junho, depois do anúncio do governo sobre as mudanças, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse que o equipamento não tem eficácia comprovada.

“O simulador não tem eficácia comprovada, ninguém conseguiu demonstrar que isso tem importância para formação do condutor. Nos países ao redor do mundo, ele não é obrigatório, em países com excelentes níveis de segurança no trânsito também não há essa obrigatoriedade. Então, não há prejuízo para a formação do condutor”, disse.

Aulas noturnas

Segundo a regra atual, os condutores precisam fazer pelo menos 25 horas/aula, sendo pelo menos duas noturnas. A partir de setembro, os brasileiros que vão tirar a CNH pela primeira vez para as categorias A (motos e triciclos) e B precisam fazer, no mínimo, 20 horas/aula, sendo pelo menos uma delas no período noturno.

Para a obtenção de ACC (Autorização para Conduzir Ciclomotor), serão necessárias cinco horas/aula, das quais pelo menos uma deve ser noturna.

Já os condutores que querem adicionar uma categoria na CNH precisam fazer, no mínimo, 15 horas/aula, também sendo uma noturna.

Martinelli considera a redução das aulas noturnas preocupante. “Deveria aumentar o período mínimo noturno, porque a condução a noite é bem diferente [da diurna]”, afirma.

Educação no trânsito

Martinelli diz que a maior parte dos crimes envolvendo trânsito acontecem por falha humana. “É fundamental ter a educação de trânsito. Não só para quem vai tirar a habilitação, mas desde criança, porque o pedestre tem que ter esse cuidado também”, diz.

O especialista diz que “não adianta só naquele curto período que o candidato a condutor frequenta a escola. Ali é um ensino mais focado para conhecer as regras para ser aprovado no teste”, afirma.

Decisão do TRF4

O TRF4 (Tribunal Regional da 4ª Região) determinou no dia 26 de agosto deste ano, em decisão liminar, que o simulador de trânsito deve continuar como obrigatório para as autoescolas do Rio Grande do Sul.

A liminar atende a um recurso do SindiCFC-RS (Sindicato dos Centros de Formação de Condutores do Estado do Rio Grande do Sul) e vale apenas para os CFCs filiados. (R7).

 

Pesquisa do Instituto Datafolha mostra derretimento da popularidade de Jair Bolsonaro (PSL) em pouco menos de dois meses; o ocupante do Palácio do Planalto continua com avaliação ladeira abaixo, alvo do repúdio crescente da população.

 Pesquisa do Instituto Datafolha, publicada nesta segunda-feira (2) pelo jornal Folha de S.Paulo, mostra derretimento da popularidade de Jair Bolsonaro (PSL) em pouco menos de dois mesesSegundo dados da pesquisa nacional, que ouviu 2.878 pessoas com mais de 16 anos em 175 municípios, a reprovação ao ocupante do Palácio do Planalto subiu de 33% para 38% em relação ao levantamento anterior do instituto, feito no início de julho.

Sua imagem está em franca deterioração. A aprovação de Bolsonaro também caiu, de 33% em julho para 29% agora. 

Mesmo entre os mais ricos Bolsonaro está despencando (aqueles com renda mensal acima de 10 salários mínimos). Neste segmento, a aprovação caiu de 52% em julho para 37% agora.

A pior avaliação de Bolsonaro é entre os mais pobres, as vítimas de seu governo, que ganham até dois salários mínimos (22%), os mais jovens (16 a 24 anos, 24%) e com escolaridade baixa (só ensino fundamental, 26%).

A região Nordeste continua sendo aquela em que Bolsonaro é mais rejeitado. Seu índice de ruim e péssimo subiu de 41% para 52% na região de julho para cá.

Bolsonaro segue sendo o mandatário eleito mais mal avaliado em um primeiro mandato, considerando FHC, Lula e Dilma.

 247

O Prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota, entregou tablets aos profissionais de saúde que atuam no Centro Especializado em Reabilitação Física, Auditiva e Visual. Com os equipamentos, os prontuários dos pacientes poderão ser digitalizados, e todas as informações referentes a medicações, procedimentos e evolução no tratamento serão informatizadas.

Durante a entrega, o Prefeito esteve acompanhado do Secretário Municipal de Saúde, Artur Amorim. Antes da entrega, ambos estiveram na sede do CIMPAJEÚ apresentando uma proposta para custeio dos serviços, de modo a que pacientes da região também possam ter acesso aos tratamentos lá ofertados.
Após a apresentação, uma delegação de Prefeitos e gestores dos municípios sob a jurisdição do consórcio fizeram uma visita “in loco” às instalações do CER, podendo conferir a qualidade dos serviços ofertados e a variedade dos equipamentos instalados, muitos dos quais com tecnologia de ponta, como a cama ortoestática, utilizada para reabilitação de pacientes com tetraplegia ou acamados de forma permanente.
“Esse é um equipamento que só existem quatro do tipo no Brasil. Ele já está atendendo à população de Afogados. Pela sua capacidade, queremos que ele possa também levar qualidade de visa a pacientes dos municípios da região, a estrutura aqui montada suporta essa demanda,” destacou o Prefeito José Patriota. 

 A cantora Solange Almeida, 45, precisou adiar dois shows devido a uma crise alérgica associada a falta de ar, as apresentações aconteceriam neste último sábado (31), na cidade da Ingazeira-PE e em São José dos Cordeiros, na Paraíba.
Solange, foi  internada no Centro Hospitalar Dr. José Evoide de Moura, em Afogados da Ingazeira, Pernambuco. (casa de saúde).
No Instagram, Solange, lamentou o ocorrido e pediu desculpas ao público. A nota informa que o show de Ingazeira foi remarcado para o próximo dia 14, enquanto o de São José dos Cordeiros ainda não tem previsão de nova data para acontecer, devido ao processo de recuperação.
A cantora foi atendida pelo o médico plantonista Dr. Cleiton Rodrigues, que diagnosticou a artista com reação hipersensibilidade aguda associado a dispneia, que é o nome que se dá à falta de ar.
Durante a internação da cantora, seguranças ficaram do lado de fora da Casa de Saúde. Solange esteve em um dos apartamentos, onde foi medicada. O ônibus da artista ficou a frente da unidade hospitalar enquanto ela recebia alta. Ela foi liberada na tarde deste domingo.

Policiais Militares do 14º BPM foram solicitados via central de Operações para averiguar um suicídio ocorrido na Rua Rita Eliodoro de Melo Lima, Cohab, Serra Talhada- PE. 

Chegando ao local, foi constatada a veracidade do fato, onde a vítima Luiz Carlos dos S., 51 anos, já se encontrava sem vida, pendurada em uma árvore em frente a sua residência com uma corda no pescoço. 

Luiz Carlos trabalhava como mototaxista, na Rua Enock Ignácio de Oliveira, em frente a Farmácia do Povo.

Diante o exposto, o local foi isolado para chegada da Polícia Civil para adoção das medidas de praxe.

Jovem de 26 anos é atropelado na BR-232 em Serra Talhada

 Mais um grave acidente foi registrado no perímetro urbano da BR-232, em Serra Talhada, na manhã de ontem, domingo (1). Por volta das 05h, um jovem identificado como Claudiano José Barbosa Lima, de 26 anos, foi atropelado quando conduzia sua motocicleta Honda placa OYS- 3807, na altura do KM-393. Ele morreu na hora.
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) relatou, que a pancada foi tão grande, que o cérebro do jovem saiu do crânio, ocupando parte do asfalto. “Chegamos e vimos esta cena… ele já estava sem vida. Pela força do impacto, a vítima deve ter sido atingida por um caminhão ou outro veículo de grande porte”, lamentou o policial. (Farol)

Nova pesquisa mostra que aumentou para 39% o índice dos que reprovam o governo do ex-capitão; no NE, rejeição vai a 52%

O presidente da república, Jair Bolsonaro, durante visita ao Templo de Salomão.n

Bolsonaro em visita a templo evangélico ao lado de Edir Macedo, no fim de semana / Alan Santos | PR

Pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (2) confirma a queda crescente de popularidade do presidente Jair Bolsonaro (PSL), com apenas 8 meses de governo. Segundo o levantamento, subiu de 33% para 38% a reprovação ao seu governo, na comparação com o mês passado. Já os que aprovam caíram de 33% para 29%.

Resultados semelhantes foram apresentados pela pesquisa MDA/CNTdivulgada na semana passada.

Os índices de reprovação são maiores no Nordeste brasileiro (52%) e entre as mulheres (43%) e os pretos (51%). Já as menores taxas de aprovação estão entre os mais pobres (22%), os mais jovens (24%) e os de menor escolaridade (26%). Entre os que mais apoiam Bolsonaro, estão os evangélicos pentecostais, com 46%.

No quesito renda, um dado preocupante para Bolsonaro é que ele vem perdendo apoio também nas classes mais altas. Entre os que ganham mais de 10 salários mínimos, a aprovação ao presidente caiu de 52% em julho para 37% em agosto; e a desaprovação subiu para 46%.

Entre os que se dizem “empresários”, no então, ele ainda tem a aprovação de 48%.

No geral, 32% consideram a conduta de Bolsonaro inadequada, contra 15% que acham o contrário. Além disso, 44% dos entrevistados dizem nunca confiar no que ele diz, enquanto 19% dizem confiar sempre.

O Datafolha ouviu 2.878 pessoas com mais de 16 anos em 175 municípios.

Edição: João Paulo Soares

Serviços básicos e sigilo de dados sofrerão impacto negativo com venda de estatais

O Sindicato dos Correios do Paraná está coletando assinaturas de toda a população para barrar a privatização dos Correios. / Divulgação

O dia a dia dos brasileiros tem participação importante dos serviços prestados pelas empresas estatais brasileiras como, por exemplo, a utilização de combustíveis, o recebimento de alimentos pelos serviços de abastecimento, a comunicação para quem mora longe e também a proteção de dados dos cidadãos. 

Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), apresentou um projeto que tem por objetivo privatizar, até agora, 17 estatais. Na lista, entre os destaques para projetos em estudo, os Correios e o Serpro – Serviço Federal de Processamento de Dados, além de Eletrobrás, Casa da Moeda, Telebrás, entre outras (veja lista). Representantes dos setores já demonstram preocupação, pois consideram, que a população que mais precisa será a maior prejudicada, sobretudo analisando a falta de compromisso por parte do atual governo com a finalidade pública e soberania nacional.

O Brasil de Fato Paraná conversou com representantes dos trabalhadores que serão impactados pelas privatizações e levantou alguns dos principais serviços que podem ser comprometidos negativamente. Do Sindicato dos Correios do Paraná, Marcos Rogério Inocêncio, diretor jurídico do Sindicato, diz que o principal objetivo agora é fazer com que a população compreenda os impactos negativos dessa proposta: “Quem sairá prejudicado é aquele que mais precisa dos serviços. No caso dos Correios, posso dar um exemplo bem prático: levamos cartas, remédios e documentos importantes lá para Amazônia, nos lugares mais distantes aqui do Paraná também, onde o governo nem sequer está preocupado”, disse. “Realizamos através dos correios, as eleições em todos os municípios do Brasil, assim como provas como o ENEM e campanhas de vacinação.”   

Na opinião de Marco, um projeto de privatização visa o lucro e não terá preocupação, por exemplo, com a logística que temos montada há anos para atender à população. “O que Bolsonaro quer é vender o patrimônio brasileiro, é destruir soberania nacional e prejudicar o trabalhador. Tem só interesses internacionais. Quando se vende uma empresa, não tem compromisso com a continuidade da qualidade na prestam dos serviços. Vão gastar com gente que mora longe?”.  

Atualmente os Correios têm o monopólio do serviço postal e do correio aéreo nacional (serviço postal militar) assegurado pela Constituição. Ou seja, sua privatização passa, obrigatoriamente, pelo Congresso, através da aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC).  No próximo dia 03, a categoria dos Correios entra em greve contra a privatização e pelo reajuste salarial.  

Dados sigilosos dos cidadãos em risco 

Além dos Correios, outras empresas constam na lista da proposta do governo federal, como a Serpro, por exemplo, que é responsável pela guarda das informações. Segundo o analista de sistemas e funcionário do SERPRO, Flavio Cassas, tanto o Estado e suas informações estratégicas, como o cidadão, estão em risco se a empresa for privatizada. “A entrega destas informações na mão de grandes corporações e do mercado abre margem para problemas graves para a vida das pessoas, desde espionagem e uso de informações sigilosas”. Além disso, complementa Flávio, não há projeto, não tem mais compromisso com a finalidade pública, quando se vendem empresas: “Temos, por exemplo, possibilidade de ocultação de informações em processos licitatórios, o que hoje não é permitido. Vamos perder longos anos de Governo Digital que aproximou cidadão do governo, etc…”.

Audiência Pública 

Os sindicatos e movimentos Sociais prometem mobilização para conseguir apoio da população contra o projeto de venda das estatais. Na última quinta-feira, dia 29, houve uma Audiência Pública na Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática, no Congresso Federal, em Brasília, que debateu o tema e contou com a mobilização de movimentos sociais e sindicatos para dizerem não à privatização. 

                                   

Edição: Laís Melo

Na tarde deste sábado (31) a Associação Afogadense de Futebol realizou, no estádio Vianão lotado, a grande final da 13ª Copa Regional de Futebol Sênior.
Na preliminar as equipes femininas do Mais Pajeú Clube e do Sport do São João fizeram o primeiro jogo feminino da história do estádio. O MPC enfrentou uma boa equipe e o cansaço e foi derrotado por 1×0.
Na partida principal da tarde, um grande jogo entre Sobreirinha e Bangu arbitrado por José Wemblens, Negão Jacobina, Jéssica Viviane e Geys Maurílio. O jogo foi definido pelo talento de dois craques de bola, um grande passe de Cebolinha (que foi o artilheiro da competição) e o gol de Eudinho deram o título ao Sobreirinha.
A Associação Afogadense de Futebol recebeu das mãos do Prefeito José Patriota e do Vereador Sargento Argemiro o Alvará de Funcionamento e o atestado do Corpo de Bombeiros.

Em entrevista ao site France 24, o jornalista Glenn Greenwald, editor do The Intercept, disse que, em relação aos diálogos travados por aplicativos entre integrantes da Força Tarefa da Operação Lava Jato e também com o ex-juiz Sérgio Moro, “estamos mais perto do começo do que do fim das revelações”.

Greenwald disse que, por conta de seu site ou em parceria com outros veículos de imprensa, estão sendo trabalhados outros “muitos tópicos” que considera “extremamente importantes e explosivos”. E exllicou a razão de ter adotado a estratégia de revelar progressivamente as informações, em lugar de publicá-las todas de uma só vez.

—Não há outra maneira de processar essas informações. A única opção seria publicar tudo sem análise. Isto é o que o WikiLeaks fez repetidamente, o que é irresponsável. Seria, no entanto, antiético guardar tudo. Para mim, quando você tiver informações prontas, publique-as. Além disso, se você revelar tudo ao mesmo tempo, é impossível alguém assimilar toda essa quantidade de informações.

Portanto, que não se iludam os “moristas” que acham que acabou a munição do The Intercept.

Vem chumbo ai, e é do grosso, pelo visto

Tijolaço

 ‘O Casamento por conveniência com Lava Jato: combate à corrupção era fachada’

FacebookTwitterWhatsAppTelegramVKCompartilhe1.533

O CASAMENTO POR CONVENIÊNCIA DE BOLSONARO E LAVA JATO: COMBATE À CORRUPÇÃO ERA FACHADA


via The Intercept Brasil-blogmarcosmontinely


POR MAIS QUE Bolsonaro e Sergio Moro finjam que não, a crise no casamento entre bolsonarismo e lavajatismo parece irreversível. Se durante a campanha eleitoral um se alimentou do outro, agora, com Bolsonaro no poder, as duas correntes começam a bater cabeça. Nas últimas semanas, presidente tem se empenhado em sabotar Moro e controlar as rédeas da Lava Jato. O ex-superministro viu seus poderes sendo esvaziados e tem sido tratado com desprezo pelo presidente. Foram várias declarações, gestos e decisões que contrariam a cartilha lavajatista.

Os procuradores da Lava Jato estão indignados. Para eles, o presidente não está cumprindo a promessa de campanha de proteger a Lava Jato e ser implacável contra a corrupção. Dallagnol afirmou em entrevista: “O presidente Jair Bolsonaro, ao longo da campanha eleitoral, se apropriou de uma pauta anticorrupção. (…) Agora, o que nós vemos é que ele vem se distanciando desta pauta de quando coloca em segundo plano o projeto anticrime do juiz federal Sergio Moro. Ele coloca em segundo plano quando ele faz mudanças no Coaf e desprestigia o auditor da Receita Federal Roberto Leonel, que trabalhou na Lava Jato”

Ora, quer dizer que os experientes procuradores acreditaram nas promessas de um candidato amigo das milícias que ostenta um vasto currículo no ramo das rachadinhas e do funcionalismo fantasma? É claro que não. Sejamos claros: a Lava Jato topou conscientemente embarcar na candidatura Bolsonaro porque viam nele a grande chance de evitar a vitória do PT. Apenas isso.

Não que Bolsonaro fosse o candidato dos sonhos dos lavajatistas. Alguns procuradores o chamavam de “Bozo” nos chats do Telegram. Mas o ódio aos petistas — confirmado pelo deboche com que os procuradores tratavam as mortes de parentes de Lula — era muito maior que a rejeição a Bolsonaro. Foi o antipetismo que selou a união entre o lavajatismo e o bolsonarismo, e não a preservação do combate à corrupção.

Numa das conversas no Telegram durante a campanha eleitoral, uma procuradora se disse “muito preocupada com uma possível volta do PT” e que rezaria muito para que isso não acontecesse. Dallagnol respondeu “Reza sim. Precisamos como país”. O candidato mais bem posicionado nas pesquisas era Bolsonaro.

Essa semana, o procurador Carlos Fernando Lima confessou que Bolsonaro era o candidato preferido entre os procuradores da Lava Jato e se mostrou decepcionado com a escolha:

“Existem lavajatistas que são a favor do Bolsonaro, evidente. Muito difícil seria ser a favor de um candidato (Haddad) que vinha de um partido que tinha o objetivo claro de destruir a Lava Jato.”

“Fernando Haddad representava justamente tudo aquilo que nós estávamos tentando evitar, que era o fim da operação. Agora, infelizmente, o Bolsonaro está conseguindo fazer”

Ou seja, o procurador usou o medo do PT para justificar o apoio a Bolsonaro. Curioso lembrar que há três anos, às vésperas do impeachment, o mesmo Carlos Fernando elogiou o modo como os governos do PT deram autonomia e condições técnicas para a Lava Jato trabalhar:

“Aqui temos um ponto positivo que os governos investigados do PT têm a seu favor. Boa parte da independência atual do Ministério Público, da capacidade técnica da Polícia Federal decorre de uma não intervenção do poder político, fato que tem que ser reconhecido”.

Um ano antes dessa declaração, Dilma havia reconduzido Janot, um parceiro da Lava Jato, à PGR, enfrentando a pressão de Eduardo Cunha e do PMDB para que indicasse outro nome. Nessa época, grandes líderes do PT já estavam presos e outros tantos prestes a ser condenados. O fato agravou a crise entre Dilma e Cunha e oMDB, o que acabaria culminando com o impeachment. O temor alegado por Carlos Fernando, portanto, não se justifica.

Os governos do PT tiveram problemas de sobra, mas obstruir a Lava Jato não foi um deles, como atestado pelo próprio procurador. Fica claro que a adesão ao bolsonarismo não foi por autopreservação como ele hoje quer dar a entender.

Bolsonaro pegou carona na popularidade da Lava Jato. O fato dele não ter aparecido nas investigações (Paulo Guedes apareceu, mas foi poupado) da operação foi o seu maior trunfo eleitoral. Ele pôde se apropriar da narrativa anticorrupção e se apresentar como o homem que nos salvaria da velha política. Agora, no poder, a Lava Jato já não interessa mais. Além da fritura lenta a qual Moro está sendo submetido, Dallagnol agora é chamado de “esquerdista estilo PSOL” em texto compartilhado pelo presidente.

O tiozão desbocado que vociferava contra a velha política não era apenas o candidato escolhido pelos procuradores da Lava Jato, mas um produto construído por eles ao longo dos anos. Se em boa parte do tempo essa construção se deu de forma inconsciente, a partir das eleições se tomou a decisão política de apoiá-lo, ainda que de forma subterrânea. A força-tarefa não apenas pavimentou o caminho, como é co-autora da chegada do bolsonarismo ao poder.

Com o apoio da imprensa, a Lava Jato arrasou a classe política brasileira, minou os partidos e preparou o terreno para o picareta do baixo clero surgir reluzente em meio aos escombros.

O antipetismo era a cola que unia o bolsonarismo e a Lava Jato. Com Lula preso e o PT enfraquecido no jogo do poder, o antipetismo virou uma alegoria que só serve pra atiçar a manada das redes sociais. Na vida real da política, usar o espantalho do PT já não tem mais tanta serventia. Se antes a união entre as duas correntes era interessante para as duas, agora já não é mais. As máscaras caíram, e a realidade se impôs: nem a Lava Jato é imparcial, nem Bolsonaro é implacável contra a corrupção.

Dallagnol planejava criar um monumento para homenagear a Lava Jato. Nos seus sonhos, a escultura seria formada por dois pilares caídos e um em pé. O em pé simbolizaria a Lava Jato, enquanto os caídos representariam o sistema político e o de justiça. Ficou faltando um outro pilar em pé: o do bolsonarismo.

Pesquisa da ONG suiça Public Eye, em parceria com a Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida e a FASE – Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional –, lançada nesta quinta-feira (29), durante a 18ª Jornada de Agroecologia, em Curitiba (PR), reúne dados detalhados de como a Syngenta obtém lucro bilionário a partir da comercialização de agrotóxicos altamente perigosos em países pobres.

De acordo com informações publicadas no site da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida, dos 120 ingredientes ativos de agrotóxicos produzidos pela empresa, 51 não estão autorizados em seu país de origem, a Suíça; 16 deles foram banidos devido ao impacto à saúde humana e ao meio ambiente. Apesar disso, a Syngenta segue comercializando em países onde há normas mais flexíveis ou menos rigorosas, como o Brasil.

Somente este ano, o Brasil já autorizou 290 registros agrotóxicos no país. Mais de 40% está proibida na União Europeia por oferecer risco à saúde e ao ambiente.

A versão em português do estudo “Lucros altamente perigosos” foi lançada durante aula pública “O envenenamento do povo brasileiro – impactos dos agrotóxicos à saúde”. A atividade integra a 18ª Jornada de Agroecologia, que vai até domingo (1º) em Curitiba. O lema deste ano é “Terra Livre de Transgênicos e Sem Agrotóxicos, Cuidando da Terra, Cultivando Biodiversidade e Colhendo Soberania Alimentar, e Construindo o Projeto Popular para a Agricultura!”.

Em 2017, cerca de 540 mil toneladas de venenos foram aplicadas no Brasil, por um valor de mercado de US$ 8,9 bilhões. Cerca de 370 mil toneladas de “agrotóxicos altamente perigosos”, ou 20% do que é utilizado mundialmente, pulverizados nas plantações.

A Organização das Nações Unidas para Alimentação (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) são instituições que recomendam que os agrotóxicos altamente tóxicos sejam eliminados gradualmente e substituídos por alternativas mais seguras. (Do Saúde Popular)

* Com informações da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida

Inicialmente, o governo local informou que cinco pessoas haviam morrido no ataque. Outras 21 ficaram feridas.

O número de mortos no ataque a tiros registrado ontem no oeste do Texas, nos Estados Unidos, subiu neste domingo de cinco para sete, entre eles o homem que abriu fogo depois de ser parado por um policial local.

As autoridades de Odessa devem conceder entrevista coletiva para dar novos detalhes sobre o caso. Inicialmente, o governo local informou que cinco pessoas haviam morrido no ataque. Outras 21 ficaram feridas.

A polícia de Odessa explicou em comunicado que o ataque começou às 15h25 no horário local (17h25 em Brasília), quando agentes pararam o veículo dirigido pelo suspeito após verificarem que ele cometeu uma infração de trânsito.

O motorista, então, abriu fogo contra os policiais e fugiu para o interior da cidade de Odessa, onde disparou indiscriminadamente contra os pedestres. Depois, ele deixou o carro para fugir em um caminhão roubado.

Os agentes da polícia de Odessa conseguiram contê-lo perto de um cinema. O homem trocou tiros com os policiais, foi baleado e morreu no local.

Ontem, o chefe da polícia de Odessa, Michael Gerke, disse em entrevista coletiva que o atirador era branco, tinha 30 anos. As autoridades ainda não sabem o que o motivou a cometer o ataque.

O Texas foi palco de um grande ataque a tiros no início de agosto, quando um homem abriu fogo contra um centro comercial da cidade de El Paso, matando 22 pessoas – oito delas mexicanas. Horas depois, outro incidente similar foi registrado na cidade de Dayton, no estado de Ohio, fazendo outras nove vítimas.

Além da falta de provas para condenar o ex-presidente Lula no caso do triplex do Guarujá, como o próprio Deltran Dallagnol reconheceu em conversas privadas (AQUI) e o próprio Ministério Público Federal escreve oficialmente (AQUI), depoimentos de ex-funcionários da OAS feito ao juiz Sérgio Moro, em 2017, deveriam ter servido para absolver o ex-presidente Lula. Esta semana, o editor Glenn Greenwald, do site TheIntercept Brasil, revelou mensagens secretas do Juiz Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallagnol que atuaram conjuntamente para incriminar Lula.
O que Fabio Yonamine, ex-diretor-financeiro e presidente da OAS Empreendimentos, disse em depoimento ao juiz Sergio Moro, no dia 26 de abril de 2017, causaria um tremendo rombo na tese da acusação em um processo conduzido corretamente. Yonamine revelou que Pinheiro nunca afirmou que Lula tinha um apartamento “reservado” no Condomínio Solaris, no Guarujá. O executivo disse também que a reforma no triplex foi feita a pedido de Pinheiro, com o objetivo de “deixar a unidade mais bonita” para venda ao petista.

“Doutor Léo nunca me disse que tinha uma unidade reservada para o ex-presidente”, disse Yonamine nos minutos finais de seu depoimento a Moro, que durou cerca de duas horas. Segundo o executivo, o apartamento 164-A era, no seu entendimento, um “estoque” da OAS, “não era uma unidade reservada para Lula”. “Não posso dizer se estava à venda ou não”, acrescentou.

Um dos argumentos da Lava Jato para acusar Lula de ser o proprietário oculto do triplex é o fato de a unidade – que recebeu aprimoramentos que custaram em torno de R$ 1,2 milhão – não ter sido vendida ainda.

Outros dirigentes da OAS já afirmaram a procuradores da Lava Jato que o imóvel, que sempre esteve em nome da OAS e consta como ativo da empresa, poderia ser “vendido a qualquer cliente”, inclusive a Lula.  

Yonamine disse que recebeu de Pinheiro um pedido para “decorar” o apartamento, para “deixar mais bonito” com o intuito de vender ao ex-presidente Lula. Quem tocou o projeto com detalhes, porém, foi a equipe da OAS Empreendimentos em São Paulo, liderada por Roberto Moreira. Como informou o GGN, Moreira já disse à procuradores da Lava Jato que o triplex não havia sido “destinado” oficialmente a Lula, apesar da personalização da unidade.  

Ainda de acordo com Yonamine, 100% dos recursos empregados na construção e reforma do triplex eram da OAS Empreendimento, e “só têm recursos legais”. Todos os pagamentos eram feitos com recebimento de nota fiscal, pagamento de tributos e prestação de contas, informou. Além disso, ao contrário do que suspeita a Lava Jato, a OAS Empreendimentos nunca teve qualquer relação com a Petrobras.   Segundo o executivo, o apartamento 164-A era, no seu entendimento, um “estoque” da OAS, “não era uma unidade reservada para Lula”. “Não posso dizer se estava à venda ou não”, acrescentou. (Carta Campinas com informações do GGN)

Enquanto isso:

 

Goldman ao hospital no dia 19 de agosto, como parte do tratamento de um câncer na região cervical, mas passou mal e exames constataram sangramento no cérebro.

O ex-governador de São Paulo, Alberto Goldman, morreu por volta das 13h neste domingo (1), aos 81 anos. Goldman estava internado desde 19 de agosto no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, após passar mal e ser submetido a uma cirurgia no cérebro.

A assessoria de imprensa do político informou que ele foi ao hospital no dia 19 de agosto, como parte do tratamento de um câncer na região cervical, mas passou mal e exames constataram sangramento no cérebro. Goldman passou por cirurgia e estava internado desde então.

O governador paulista João Doria lamentou a perda “para a família, para o estado e para o país” e decretou luto oficial de três dias no estado de São Paulo. O governo de São Paulo ofereceu o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado, como espaço para o velório de Goldman. No entanto, a família do ex-governador optou por realizar o velório no Palácio 9 de julho, onde fica a Assembleia Legislativa do Estado.
A prefeitura de São Paulo também lamentou, em nota, a morte.

“De deputado a ministro, tendo assumido o governo de São Paulo quando José Serra deixou o cargo para concorrer à presidência da República, Goldman foi um dos mais combativos políticos brasileiros, sempre defendendo as causas dos mais necessitados. Vai fazer falta à vida pública do país”.

Haddad chegou ao Recife logo após passar por Fortaleza. No domingo (01), o petista deve ir com a caravana para a cidade de Monteiro, na Paraíba. (Foto: reprodução)

Além da manifestação sobre soltura do ex-presidente Lula, Fernando Haddad aproveitou a ocasião para comentar sobre o aumento do número de queimadas na Amazônia, que alcançaram números alarmantes no mês de agosto, segundo o registro de organizações como a NASA.

As calçadas do Mercado Público de Casa Amarela amanheceram lotadas na manhã deste sábado (31). O motivo não era  apenas as compras no tradicional mercado recifense, mas a visita do ex-candidato do PT à Presidência da República, na campanha de 2018, Fernando Haddad. As atividades foram promovidas pelos comitês Lula Livre em Pernambuco e além de Fernando Haddad contaram com lideranças regionais e nacionais de esquerda, como João Paulo, ex-prefeito do Recife e deputado estadual eleito pelo PC do B.

Segundo a organização do evento, o ato reuniu cerca de 5.000 manifestantes em defesa da liberdade do ex-presidente Lula (PT), que está preso desde abril de 2018 na sede da Polícia Federal, em Curitiba. “Está cada vez mais claro para o judiciário que foram cometidas algumas injustiças contra o presidente Lula. Tem muita decisão sendo revertida e a gente espera que a decisão que condenou Lula seja revista, porque não teve amplo direito de defesa e foi condenado sem provas”, explica o ex-presidenciável Fernando Haddad. Ainda segundo ele, até o final de setembro Lula deverá ser solto. 

Além da manifestação sobre soltura do ex-presidente Lula, Fernando Haddad aproveitou a ocasião para comentar sobre o aumento do número de queimadas na Amazônia, que alcançaram números alarmantes no mês de agosto, segundo o registro de organizações como a NASA. “Há muitos cancelamentos de pedidos de importadores de produtos brasileiros. Muitos estão cancelando por conta da falta de compromisso do governo Bolsonaro com sustentabilidade”, ele afirma. 

Haddad também fez críticas à forma com que o atual governo está gerindo a educação pública. “Acabei de vir de Fortaleza e a UFC (Universidade Federal do Ceará) está parada. Bolsonaro escolheu um interventor no lugar de um reitor. O reitor que tinha recebido quase 8 mil votos da comunidade acadêmica foi preterido em proveito de um interventor que não teve nenhum respaldo da comunidade”. Por fim, ele afirmou que o povo tem que ir às ruas de forma pacífica e reiterou o compromisso do voto como instrumento de mudança democrática. 
 
Antes de subir no carro de som, Fernando Haddad também criticou Deltan Dallagnol, procurador da Lava Jato. Em suas críticas, o petista faz referência à última série de mensagens vazada pelo site The Intercept, em que procuradores ironizavam a morte de parentes de Lula. “O Deltan cada dia diz uma coisa. Uma hora ele diz que as mensagens não são dele, quando provam que são, ele diz que não tem nada “demais”, quando dizem que tem “muito demais” ele fala que foi descontextualizado. Se Deltan tivesse interesse com a verdade, ele entregava o celular dele, como fez Manuela D’Ávila”, comenta.

Haddad chegou ao Recife logo após passar por Fortaleza. No domingo (01), o petista deve ir com a caravana para a cidade de Monteiro, na Paraíba. Entre as atividades realizadas pelo Comitê Lula Livre, estão bandeiraço, atos, “adesivaços”, rodas de  conversas com população e uma coleta de assinaturas em um abaixo assinado que pede a liberdade de Lula.

O grupo vinha negociando há algum tempo, sem sucesso, uma nova tabela com o governo após a anterior – considerada com valores baixos pela categoria – ter sido suspensa em julho.)

A madrugada de terça (3) para quarta-feira (4) promete ser um misto de movimento e paralisação nas estradas de todo o Brasil. Isto porque devido à suspensão do julgamento sobre a constitucionalidade da tabela que prevê pisos mínimos para o frete dos caminhoneiros autônomos por parte do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, a categoria optou por bloquear o movimento nas rodovias federais, em todo o país, neste dia. De acordo com a categoria, o protesto não tem nem data nem hora para conclusão. Nos dias anteriores, a partir de domingo (1), haverá panfletagem junto aos caminhoneiros. O STF ainda não tem previsão para uma nova data de julgamento.

O grupo vinha negociando há algum tempo, sem sucesso, uma nova tabela com o governo após a anterior – considerada com valores baixos pela categoria – ter sido suspensa em julho. Marconi França, líder dos caminhoneiros autônomos em Recife, conta que foi informado da suspensão do julgamento, por telefone, pelo ministro Tarcísio de Freitas.

Ele diz acreditar que o adiamento ocorreu porque a tabela seria considerada constitucional e conta que a categoria já vinha articulando-se nacionalmente, há aproximadamente 30 dias, para pressionar o STF com o argumento da validade da lei 13.703. Isto porque ela teria passado por todos os trâmites jurídicos e constitucionais, além de aprovada na Câmara dos Deputados, Senado e CCJ, além de sancionada pelo então presidente Michel Temer.

“Não estamos pedindo nada de mais, só o que é nosso e o cumprimento de uma lei vigente. Não há o que se discutir sobre isso. Tínhamos sido informados de que a Advocacia Geral da União (AGU) defenderia esta causa com unhas e dentes, mas fomos pegos de surpresa na data de ontem. Então, mediante o exposto, estaremos firmes com o movimento”, afirmou.

Marconi supõe, ainda, que até a próxima segunda (1), a categoria deve ser convocada para uma reunião, a qual não pretendem comparecer. “O que estamos pleiteando, há cerca de 15 anos, é o nosso piso mínimo. Em 2015 foi proposto um acordo com uma tabela referencial e isso já não funcionou. Só aceitamos a vinculativa à nossa lei”, explica. Ele credita o adiamento do julgamento à pressão de setores fortes do agronegócio bem como da bancada do segmento composta por 252 deputados e 35 senadores.

“Eles estão querendo ganhar tempo mas, para a gente, não importa se isto será julgado hoje ou daqui a 50 anos. Enquanto estiver vigente, a lei é soberana e só queremos que o governo faça sua parte”, continua. E complementa fazendo um pedido à população para que não faça tal qual aconteceu no ano passado com a corrida aos postos. “Já sabemos que transportadores de combustíveis aderirão. Portanto, abasteçam os carros e comprem gás de cozinha porque só sairemos do asfalto quando formos atendidos”, adianta.

Outros líderes da categoria procurados apresentaram opiniões divergentes sobre os próximos passos após a suspensão do julgamento. Nélson Junior, o Carioca, de Barra Mansa (RJ), diverge sobre como a categoria deve proceder. Segundo ele, o adiamento ocorreu porque, muito provavelmente, a tabela seria considerada inconstitucional, o que revoltaria os caminhoneiros e poderia gerar uma greve. Com isso, a categoria deve voltar para a mesa de negociações com o governo e o setor privado, diz o caminhoneiro.

Repercussão no setor do agronegócio – O adiamento da corte repercutiu no segmento. Para a Abiove (Associação Brasileira da Indústria de Óleos Vegetais), o baixo desempenho do PIB (Produto Interno Bruto) e a retração do setor do agronegócio em 0,4% anunciada nesta quinta-feira (29) pelo IBGE é reflexo da pressão sobre o setor produtivo, que sente os efeitos do tabelamento do preço do frete. 

De acordo com André Nassar, presidente da Abiove, a paralisação dos caminhoneiros em maio de 2018 ainda interfere na retomada de crescimento econômico. “O tabelamento do frete é um impeditivo porque criou um cenário de insegurança jurídica e elevou os custos operacionais, comprometendo a geração de emprego e renda em nosso país”, disse ele. Em nota, a associação disse ser “impossível tornar o Brasil mais eficiente com essa distorção no nosso mercado de transportes”.

Petrúcio Ferreira conquista mais um ouro nos 100m do Parapan

Petrúcio conquistou a medalha com o tempo de 10s59. A medalha de prata também foi brasileira, para Yohansson do Nascimento, que fechou com 11s03.

Desta vez, Petrúcio subiu ao lugar mais alto no pódio nos 100m rasos do T47 (Foto: Reprodução)

O paraibano Petrúcio Ferreira conquistou mais uma medalha de ouro nos Jogos Parapan-Americanos nesta quarta-feira (28), que acontecem em Lima, no Peru. Desta vez, Petrúcio subiu ao lugar mais alto no pódio nos 100m rasos do T47.

Petrúcio conquistou a medalha com o tempo de 10s59. A medalha de prata também foi brasileira, para Yohansson do Nascimento, que fechou com 11s03.

No último domingo (25), Petrúcio conquistou seu primeiro ouro na competição. Ele foi o melhor nos 400m da classe T47, para amputados de braço.

No total, a equipe brasileira no atletismo fechou a sua participação no Parapan de Lima com impressionantes 82 medalhas, sendo 33 de ouro, 26 de prata e 23 de bronze.

Mega-sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 72 milhões

Ninguém acertou as seis dezenas do Concurso 2184 da Mega-Sena, sorteadas neste sábado (31) à noite no Espaço Loteria Caixa, no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo. Os números sorteados foram 15-36-45-51-52-59. O prêmio para o próximo concurso está estimado em R$ 72 milhões.

A quina teve 64 ganhadores que vão receber, cada um, R$ 55.232,15. Fizeram quatro pontos 5.158 apostadores que receberão o prêmio individual de R$ 979,02.

O próximo concurso da Mega-Sena será na quarta-feira (4). As apostas podem ser feitas até uma hora antes do sorteio. A aposta mais barata, com seis números, custa R$ 3,50.

António Luís Santos da Costa é um jurista e político português. Foi presidente da Câmara Municipal de Lisboa de 2007 a 2015. É o atual secretário-geral do Partido Socialista, desde novembro de 2014 e é primeiro-ministro de Portugal desde 26 de novembro de 2015


O governo de Portugal, que tem como primeiro-ministro António Costa, informou que, pela primeira vez, em mais de 27 anos, o desemprego registado ficou abaixo das 300 mil pessoas; o número de desempregados inscritos nos serviços de emprego, em junho de 2019, desceu para as 298,2 mil; na atual legislatura, o desemprego registado já desceu 46,3%


O governo de Portugal informou que, pela primeira vez, em mais de 27 anos, o desemprego registado ficou abaixo das 300 mil pessoas. O número de desempregados inscritos nos serviços de emprego, em junho de 2019, desceu para as 298,2 mil. Ao longo da atual legislatura, o desemprego registado já desceu 46,3%, o equivalente a menos 256,9 mil pessoas, com descidas de 60,0% do desemprego jovem (menos 41,5 mil) e de 48,1% do desemprego de longa duração (menos 125,2 mil).

 

A área governativa do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social refere, em comunicado, que, para encontrar um número mais baixo é preciso recuar a dezembro de 1991, altura em que se registaram 296,6 mil desempregados inscritos».

Só no território Continental, o desemprego registado desceu para as 280,0 mil pessoas, o nível mais baixo em pelo menos 30 anos.

 

O mesmo acontece nas regiões Centro (40,8 mil desempregados), Alentejo (13,5 mil) e Lisboa e Vale do Tejo (88,9 mil), onde o desemprego registado alcançou também os níveis mais baixos de que há registo. No Norte (124,9 mil) o desemprego recuou para o patamar mais baixo em 17 anos, sendo que o desemprego registado no Algarve (7,9 mil) está em níveis comparáveis aos observados no início dos anos 2000. 

Desemprego jovem e desemprego de longa duração também descem

Também o desemprego jovem desceu, em junho de 2019, para os 27,7 mil, com uma redução homóloga de 12,2% (o equivalente a menos 3,8 mil) e um decréscimo face ao mês anterior de 8,0% (menos 2,4 mil).

O desemprego de longa duração baixou para as 134,9 mil pessoas, menos 17,1% do que no mesmo mês do ano passado (menos 27,9 mil) e menos 1,0% face ao mês de maio (o equivalente a menos 1,4 mil).

O comunicado refere também que «estes resultados, em linha com os dados que têm vindo a ser observados pelo Instituto Nacional de Estatística, refletem o bom desempenho da economia, o dinamismo do mercado de trabalho e a execução das políticas ativas de emprego.

Moro e Dallagnol aguardam Glenn Greenwald no Roda Viva, nesta segunda (02/09)

Moro e Dallagnol aguardam Glenn Greenwald no Roda Viva, nesta segunda (02/09) – Toda a Força-Tarefa de Curitiba já espera ansiosa

Ele não guarda segredo. Responsável por levar a público o sistema secreto de vigilância global dos EUA e as mensagens dos procuradores da Lava Jato, o jornalista e advogado constitucionalista Glenn Greenwald estará no centro do Roda Viva, ao vivo, nesta segunda às 22:00h, diz o chamado postado no YouTube

lenn Edward Greenwald (Nova Iorque, 6 de março de 1967) é um escritor, advogado especialista em direito constitucional dos Estados Unidos e jornalista norte-americano, radicado no Rio de Janeiro desde 2005

Para quem ainda não sabe de onde surgiu Greenwald, leia abaixo:

Glenn é autor de quatro livros entre os mais vendidos do New York Times na seção de política e direito. Seu livro mais recente, No Place To Hide (Sem Lugar Para se Esconder), descreve o estado de vigilância implementado pelo governo americano e seus aprendizados durante as reportagens sobre os documentos vazados por Edward Snowden.

Antes de fundar o Intercept, Greenwald escrevia para o jornal britânico The Guardiane para o portal Salon. Foi o primeiro ganhador, ao lado de Amy Goodman, do Prêmio de Jornalismo Independente Park Center I.F. Stone em 2008 e recebeu o Prêmio Online Journalism de 2010 por sua investigação sobre as condições degradantes na detenção de Chelsea Manning.

Reportagens sobre a NSA (Agênia de Segurança Nacional – EUA) lhe rendeream o Prêmio George Polk de Reportagens sobe Segurança Nacional, o Prêmio de Jornalismo Investigativo e de Jornaismo Fiscalizador da Gannett Foundation, o Prêmio Esso de Excelência em Reportagens Investigativas no Brasil (foi o primeiro estrangeiro premiado) e o Prêmio de Pioneirismo da Eletronic Frontier Foundation.

Esquema de corrupção no metrô paulista atinge Serra, Alckmin e vice-governador paulista. Tucano e Demo a Justiça não alcança

A delação premiada feita pelo executivo Sergio Corrêa Brasil, ex-diretor do Metrô de São Paulo, revela um esquema de pagamentos de propinas a deputados nas gestões de José Serra e Geraldo Alckmin. Um dos envolvidos na acusação de ‘mensalinho’ é Rodrigo Garcia, atual vice-governador na gestão de João Doria

Do BR2pontos – Em delação premiada, o ex-diretor do Metrô de São Paulo, Sérgio Corrêa Brasil revelou supostos esquemas de propinas para abastecer as campanhas do alto escalão do PSDB ao governo estadual de São Paulo e também um suposto mensalão na Assembleia Legislativa para apoiar os interesses de governadores tucanos. Em uma série de depoimentos ao Ministério Público Federal, Brasil relata que as vantagens teriam beneficiado candidaturas deJosé Serra e Geraldo Alckmin e que acertos e repasses chegaram a ser realizados junto ao atual vice-governador paulista, Rodrigo Garcia (DEM). 

O delator não diz que entregou ou mandou entregar valores ilícitos em mãos de Serra e Alckmin. Mas afirma que o dinheiro seguia para as campanhas dos tucanos.

A delação do ‘Encostado’

Confessa ter recebido propinas milionárias nas obras das Linhas 2-Verde, 5-Lilás e 6-Laranja, cita candidaturas de Alckmin e Serra, ‘apoio’ de partidos e deputados da Assembleia Legislativa do Estado e rotina de entregas de dinheiro vivo em escritórios políticos, cafés, restaurantes e shoppings.

No âmbito da Justiça estadual, Brasil já está denunciado criminalmente por corrupção na 12.ª Vara Criminal da Capital. Na planilha de propinas da Odebrecht, ele era o ‘Encostado’ ou ‘Brasileiro’.

Sérgio Brasil começou a negociar em junho de 2018 sua delação com a força tarefa da Lava Jatoem São Paulo. Em outubro fez diversos depoimentos. A delação foi homologada agora pela Justiça Federal.

Ele narra um alentado esquema de corrupção no Metrô que teria se iniciado em 2003 e perdurado até, pelo menos, 2014.

A colaboração de Brasil com a força-tarefa da Operação Lava Jato em São Paulo foi homologada pelo juiz João Batista Gonçalves, da 6.ª Vara Criminal Federal.

O delator descreve ilícitos relativos às obras das linhas 2 – Verde, 5 – Lilás, e 6 – Laranja. Ainda haveria supostos esquemas na Linha 4 – Amarela, mas ele diz que, neste caso, não chegaram a render propinas. Cita, ainda, em meio à rotina de ilícitos o Tribunal de Contas do Estadode São Paulo. Apontou o nome de um ex-conselheiro, Eduardo Bittencourt de Carvalho, já réu em ação por improbidade e enriquecimento ilícito.Veja mais no MSN Brasil:

Enquanto isso no governo de Bolsonaro os doidos:

Ministério Público Federal consegue decisão que obriga município de PE a implantar corretamente portal da transparência

Arte retangular mostra, ao fundo, foto de uma balança em tons dourados e, em primeiro plano, a palavra “Decisão” escrita em letras amarelas.

O Ministério Público Federal (MPF) em Salgueiro/Ouricuri obteve decisão judicial, em caráter de tutela antecipada, que obriga o município de Granito, localizado no Sertão pernambucano, a implantar corretamente seu portal da transparência. A ação é de autoria do procurador da República Marcos de Jesus.

Com o ajuizamento da ação civil pública, o MPF buscou garantir o total cumprimento do que estabelece a Constituição Federal, a Lei de Acesso à Informação (nº 12.527/2011) e a Lei da Transparência (nº 131/2009), visando a garantir a prestação de informações corretas e atualizadas ao cidadão.

De acordo com a decisão, o município terá de apresentar em seu portal da transparência a prestação de contas relativa ao ano de 2018, bem como informações corretas sobre as competências e estrutura organizacional da Prefeitura de Granito. O prazo é de 60 dias, a contar da notificação.

Histórico – O MPF vinha buscando a regularização da prestação de informações pela Prefeitura de Granito desde 2014. Para isso, foram expedidas recomendações, promovidas reuniões e instaurado inquérito civil público. Porém, as apurações do órgão revelaram que ainda persistiam irregularidades no portal da transparência do município, como ausência de informações sobre estrutura organizacional da prefeitura, competências do órgão e prestação de contas referente ao ano anterior.

Para o MPF, o acesso às informações sob guarda das entidades e órgãos públicos é direito fundamental do cidadão, assim como é dever da Administração Pública torná-las acessíveis. Conforme consta na ação, a legislação correspondente, além de ampliar os mecanismos de obtenção de informações e documentos, estabelece o princípio de que o acesso é a regra e o sigilo, a exceção.

Na Justiça Federal também tramitam processos com o mesmo propósito em relação aos municípios de Bodocó, Exu, Ipubi, Moreilândia, Ouricuri, Santa Cruz, Santa Filomena e Trindade.

O humorista, famoso por imitar Dilma, apresentava o show “Di uma vez por todas” quando começou a bater boca com espectadores que ficaram insatisfeitos com comentários sobre Bolsonaro

Gustavo se apresentava na noite desta sexta (30) no Expominas de Teófilo Otoni quando foi interrompido por vaias e críticas da plateia, depois de comentários criticando o atual presidente da República.

Um grupinho dos adeptos do bozo começaram a vaiar  Gustavo, o humorista pede que seguranças os retirem da plateia e diz: “Podem sair, eu devolvo seu dinheiro“.

Gustavo Mendes põe bolsonaristas pra correr da platéia e lhes devolve seus ingressos

Durante apresentação no Expominas de Teófilo Otoni , nesta sexta (30), quando foi interrompido por vaias e críticas de um pequeno grupo na plateia, por ter feito comentários criticando o atual presidente da República, o humorista pede que seguranças os retirem da plateia e diz: "Podem sair, eu devolvo seu dinheiro"Faça parte de nosso grupo no Facebook agora mesmo acessando aqui (Y) @Contra Bolsonaro – Somos PROGRESSISTAS POR UM BRASIL SOBERANO – #LulaLivreCurta nossa página no Facebook Et Urbs Magna

Publicado por Et Urbs Magna em Sábado, 31 de agosto de 2019

 

O fato aconteceu na tarde desta última sexta-feira (30), um professor de 41 anos do Colégio Estadual Machado de Assis, no Parque das Águas Bonitas, em Águas Lindas de Goiás, foi esfaqueado por aluno, um jovem de apenas 18 anos de idade. O professor foi identificado como, Bruno Pires. (irmão do empresário Octavel Rodrigues, ex-secretário de Águas Lindas e dono do Super Rodrigues).

De acordo com informações da Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO), o professor levou uma facada no fígado. Após cometer o crime, o suspeito fugiu numa moto, sem deixar pistas. A vítima foi socorrida pelos colegas até o Hospital Municipal Bom Jesus, onde acabou não resistindo e morreu.

A polícia civil e polícia militar estão à procura do autor.

Fonte/TV CMN/Foto: Reprodução

Estudantes quilombolas de Triunfo representam o Brasil em conferência na Itália

Foto: Divulgação/Instituto Alana. (Foto: Divulgação/Instituto Alana.)

Premiados no Desafio Criativos da Escola 2019, um grupo de alunos da rede municipal de Triunfo, no Sertão pernambucano, criaram um documentário sobre identidade negra na escola para valorizar a história da população quilombola. Pela primeira vez, uma iniciativa de Pernambuco é premiada. Agora, três estudantes e um professor orientador da iniciativa embarcam, em novembro, para Roma, na Itália, com a equipe do Criativos da Escola.

Como parte da premiação, os sete grupos premiados participarão da Conferência Global “Eu Posso” (I Can). O evento conta com a presença do Papa Francisco, de artistas e lideranças mundiais. Os participantes vão compartilhar experiências de protagonismo, criatividade e trabalho em equipe para outros 2 mil estudantes de todo o mundo. Além da imersão, o grupo ganhará também o valor de R$ 500 para o projeto e R$ 500 para o educador.

A novidade desta edição fica por conta da viagem de premiação ser internacional: uma imersão em Roma, na Itália, no final de novembro, que irá reunir mais de 2 mil crianças e jovens de países integrantes do movimento Design for Change. O grupo de alunos estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental ao 2º ano do Ensino Médio da Escola Municipal Milton Pessoa, também integrantes das Associações Quilombolas do Livramento e Águas Claras criaram o projeto “Consciência, Cor e Arte”, um dos premiados na 5ª Edição do Desafio Criativos da Escola, iniciativa do Instituto Alana.

 

 

Leia também:

Em Afogados, homem desacata policiais após ser detido

Policiais foram acionados pela central do 23º BPM para verificar uma ocorrência de perturbação do sossego.
Chegando ao local a GT se deparou com um homem de 33 anos em um veículo de tração animal com velocidade acelerada, colocando em risco a vida de pessoas que ali estavam, tendo em vista que o mesmo encontrava-se com visíveis sintomas de embriaguez alcoólica.
O acusado foi interceptado pelo policiamento e dado ordem para que o mesmo se deslocasse para sua residência e que guardasse o animal, não obedeceu, além disso passou a proferir palavras de calão, como também ameaçou e desacatou o policiamento. 
O acusado reagiu à prisão tentando morder e chutar os policiais, após ser detido e colocado no xadrez da viatura, ele passou a desferir chutes e pontapés em seu interior ao ponto de danificar a proteção de plástico da mala da viatura policial. 
Diante dos fatos o mesmo foi conduzido a Delegacia de Polícia local, sendo o acusado autuado em flagrante delito.

Moto roubada é recuperado em São José do Egito

 

Após informações do Malhas da Lei, que teria um possível veículo roubado no Conjunto Habitacional Júnior Valadares.
A ROCAM se deslocou ao local onde encontrou no galpão onde reside um senhor uma motocicleta Honda, cor preta, que ao consultar no sistema SINESP, verificou-se que se tratava de produto de furto/roubo. 
Que o senhor  informou que uma outra pessoa pediu para ele guardar a moto, porém disse que a motocicleta pertencia a um terceiro e que o mesmo trouxe a motocicleta de Tabira, o acusado não foi localizado. 
A ocorrência foi repassada a delegacia local, onde o veículo ficou apreendido, sendo instaurado um inquérito por portaria.

Homem do atentado ao Congresso divulgou plano antes

 Folha de S. Paulo  – Por Mônica Bergamo
O homem que quebrou o vidro da entrada no Congresso na quinta (29) e acabou preso divulgou seu plano um dia antes na internet. Em vídeo, Victor Rafael Herzog Pinto Neves ameaçava Bolsonaro, Lula, Ciro Gomes e o deputado federal Marco Feliciano (Podemos-SP). 
No Twitter, ele idealizava: “Objetivo é entrar no Congresso com uma AR-15 ou qualquer fuzil de assalto matando os cães estatais, e ir em direção a onde os políticos se concentram em um dia de grande movimento…”. Sua conta foi suspensa ontem.

Polícia Militar apreende droga e celular durante revista no presídio de Salgueiro

Durante a “Operação Combate CVLI”, realizada na última sexta-feira (30), Policiais Militares do 8º BPM fizeram uma revista no Presídio de Salgueiro (PE).
Na ocasião foram executadas buscas pessoais e nas celas. Na ação, o efetivo apreendeu 46,86g de sementes de maconha; três facas; um tesoura; duas chaves de fenda; um carregador de celular; um celular LG; um chuncho; um pen drive; quatro colheres metálicas; um motor de ventilador e uma barra de ferro.

Novas revelações do site Intercept Brasil, desta vez em parceria com o Uol, apontam que procuradores da Lava Jato ironizaram a morte de Dona Marisa Letícia, então esposa de Lula e vítima de AVC. “Um amigo de um amigo de uma prima disse que chegou ao atendimento sem resposta, como um vegetal”, afirmou Dallagnol no Telegram. O procurador Januário Paludo responde: “estão eliminando as testemunhas” por 247

Novas revelações do site Intercept Brasil, desta vez em parceria com o Uol, apontam que procuradores da Operação Lava Jato ironizaram a morte de Dona Marisa Letícia, vítima e um AVC hemorrágico em São Paulo em 24 de janeiro de 2017. Em 3 de fevereiro daquele ano a morte dela seria confirmada.

“Um amigo de um amigo de uma prima disse que chegou ao atendimento sem resposta, como um vegetal”, escreveu Dallagnol em chat no aplicativo Telegram.

O procurador Januário Paludo responde: ‘estão eliminando as testemunhas”.

Em outras conversas, o procurador Athayde Ribeiro Costa escreve: Marisa Letícia morre”.

A procurador Laura Tessler responde: “quem for fazer a próxima audiência do Lula, vá com uma dose de paciência para a sessão de vitimização”.

Charge: Os paladinos da Justiça 

Resultado de imagem para charge de deltan dallagnol

“Na mesa da minha casa nós não pisoteamos em cadáveres”, diz Demori a Dallagnol

O jornalista Leandro Demori, editor-executivo do site The Intercept Brasil, usou sua conta no Twitter para criticar a afirmação feita pelo coordenador da força-tarefa da operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, de que as ironias empregadas por ocasião da morte de parentes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, seriam “conversas que você teria na mesa de casa com a família”.

‘”As pessoas têm que entender que essas conversas são conversas que você teria na mesa de casa com a família”, diz Deltan sobre as coisas que disseram dos familiares mortos do Lula. Não sei vocês, mas na mesa da minha casa nós não pisoteamos em cadáveres’, escreveu Demori em sua postagem.

Confira o Twitter de Leandro Demori sobre o assunto.

Leandro Demori

@demori

“As pessoas têm que entender que essas conversas são conversas que você teria na mesa de casa com a família”, diz Deltan sobre as coisas que disseram dos familiares mortos do Lula. Não sei vocês, mas na mesa da minha casa nós não pisoteamos em cadáveres”. https://www.bbc.com/portuguese/brasil-49450570 

Deltan

Em ‘conversas íntimas’ você é ‘um pouco irresponsável’, diz Deltan sobre ironias a mortes de…

Exclusivo: Na mais longa entrevista desde o início da Vaza Jato, procurador se diz vítima de ‘maldade’ e ‘veneno’, diz que há preconceito contra palestras, mas se nega a responder quanto ganhou com…

bbc.com

(247)

Gonzaga foto de reprodução -blogmarcosmontinely. via Carlos Brito

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB-PE) decidiu quebrar sua rotina de final de semana, e de um modo bem aventureiro. Ele vai fazer, a bordo de sua motocicleta, um percurso de nada menos que 800 quilômetros – entre Brasília e a divisa com a Bahia.

Mas ele não vai sozinho. Sua esposa, Rocksana Patriota, também está nessa. “A caminhada hoje está sendo de moto, porque ninguém é de ferro. Passearei entre Brasília e a divisa com a Bahia. Com o retorno, dá 800 quilômetros. Tenham um ótimo final de semana com saúde, paz e Jesus Cristo no comando. Abraços, Gonzaga Patriota e Rocksana na garupa”, escreveu o deputado em suas redes sociais.

O deputado federal Fernando Filho (DEM) recebeu nesta sexta-feira lideranças políticas da Região Metropolitana do Recife e do Sertão do Pajeú, com as quais tratou das articulações para as eleições municipais de 2020.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado

Eduardo Melo

O parlamentar se reuniu com o ex-prefeito de Triunfo, Eduardo Melo, que se filiou ao MDB a convite do próprio Fernando Filho.

Totonho Valadares

Também estiveram reunidos com o Deputado; Toninho Valadares e Carlos Valadares, filhos do ex-prefeito de Afogados da Ingazeira, Totonho Valadares, que divulgou que é pré-candidato em Afogados, Tô, continua articulando seu plano “B”, mesmo assumindo que votou em Bolsonaro aos 45 minutos do segundo tempo contrariando a maioria dos Afogadenses, por essa razão há quem diga que Valadares já rompeu faz tempo com  “A frente popular” que é  liderado pelo prefeito Patriota que tem mais 85% de aprovação no modelo de gestão implantado no município, sobretudo deu uma votação expressiva a Fernando Haddad de mais de 77,% votos, mais o curioso disso tudo que o ex-prefeito Tô, na verdade está construindo as suas alianças com o pé lá, e outro cá, quem diria. 

O deputado também recebeu o prefeito de Orobó, Chaparral; Mário Viana maior liderança no grupo das oposições de Ingazeira; e Alexandre Soares, pré-candidato no Recife.

“Essa é uma fase em que muitas lideranças têm nos procurado para ampliar o campo das oposições, disputando as eleições do ano que vem por esse partido, onde se encontram partidos como o DEM e o MDB. Certamente esses quadros serão um grande reforço e se somarão conosco para construirmos um campo ainda mais forte”, destacou Fernando Filho.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, neste sábado (31), que não sabe do paradeiro de Fabrício Queiroz, alvo de uma investigação por transações bancárias suspeitas juntamente com seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-SP). “Eu não sei do Queiroz, cara. Eu não sei do Queiroz“, disse Bolsonaro em sua primeira declaração sobre o assunto após a revista Veja publicar uma reportagem apontando que o ex-assessor do senador a amigo próximo da família reside no luxuoso bairro do Morumbi, em São Paulo, e faz tratamento contra um câncer no Hospital Albert Einstein

Bolsonaro também procurou justificar as transações imobiliárias feitas pelo filho e que estão sob investigação por parte do Ministério Público do Rio de Janeiro , apesar do inquérito ter sido suspenso após uma decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli.

“Vou repetir para vocês, R$ 1 milhão o Queiroz tinha dado para ele [Flávio]. Está bem claro isso. Quem pagou essa conta para a construtora foi a Caixa Econômica Federal, documentado, passa por ele porque a Caixa comprou a dívida dele”, afirmou Bolsonaro. “E ele, em vez de dever para a construtora, passou a dever para a Caixa, essa é uma operação normal. Resolveu? Não tem R$ 1 milhão”, emendou em seguida.

Bolsonaro ataca mídia para defender pibinho de 0,4%

(Foto: Reprodução/vídeo)

Em coletiva de imprensa, Bolsonaro expôs as manchetes de Folha de S.Paulo, Estado de S.Paulo e O Globo e disse que todas foram combinadas: apontando um pequeno avanço, mas ponderando com a lenta recuperação da economia. “Quando é que um editor vai aprender? Pelo menos não combina, pega mal. Não tem o que falar, não tem o que criticar. É obrigado a elogiar, mas sempre tem o ‘mas’

 

Jair Bolsonaro partiu para o ataque contra a imprensa nesta sexta-feira 31, durante uma coletiva, para defender o ‘pibinho’ de 0,4% registrado no segundo trimestre. 

Ele expôs as manchetes dos maiores jornais do País, Folha de S.Paulo, Estado de S.Paulo e O Globo, e disse que todas foram combinadas: apontando um pequeno avanço, mas ponderando com a lenta recuperação da economia. 

“Quando é que vocês vão aprender? Não são vocês não, né?”, indagou aos jornalistas presentes, que ele supôs que não trabalhassem para nenhum dos três veículos citados.

“Quando é que um editor vai aprender? Pelo menos não combina, pega mal. Não tem o que falar, não tem o que criticar. É obrigado a elogiar, mas sempre tem o ‘mas'”, atacou.

Um grupo de manifestantes em favor do presidente Lula promoveram um ato Lula livre na porta do condomínio onde reside o procurador da República Deltan Dallagnol que foi dormir ao som de Lula livre com direito a trompete e aos gritos de boa noite promotor bandido. 

Se ele já está tomando remédio pra dormir ontem Dallagnol deve ter tido pesadelos tão logo o tarja preta tenha causado efeito. 

Lula pode dormir o sono dos inocentes pois o mundo sabe de sua inocência, ainda mais após as revelações do The Intercept Brasil e a confissão da procuradora Jerusa Viecili, mas Dallagnol certamente dormirá sempre o sono da injustiça regada de tarja preta, preço pago a quem realmente cometeu os crimes hediondos e nojentos que os procuradores cometeram. 

Dallagnol não é digno de uma noite de sono em casa e sim na cadeia que é o lugar dos verdadeiros bandidos.

Abaixo veja o vídeo do ato em frente a casa de Dallagnol.

Após polêmica criada por Bolsonaro na questão das queimadas da Amazônia, quando o presidente francês incluiu na pauta do encontro do G7 este assunto, Jair Bolsonaro vive, desde então, uma crise diplomática com Emmanuel Macron tendo chegado ao ponto de abandonar a caneta Bic, de origem francesa

Um seguidor do presidente brasileiro nas redes sociais postou que a marca utilizada por Bolsonaro era originária do país de Macron, o que fez com que Bolsonaro imediatamente declarasse que a substituiria pela caneta Compactor

Em seguida, o embaixador da França caçou da decisão desmedida e infantil de Bolsonaro, ao publicar que a Bic representa, no Brasil, um dos principais empregadores da mão de obra nacional

Veja abaixo:


Michel Miraillet

@mraillet

Sim, o BIC é francês 🇫🇷… mas ele também é brasileiro 🇧🇷! O BIC é um dos principais empregadores de Manaus e provavelmente centenas de colaboradores ficarão surpresos com o fato de essa realidade ainda não ter atingido o @Planalto

Ver imagem no Twitter
Por REDAÇÃO URBS MAGNA

Uma sondagem da Vox Populi, divulgada nesta sexta-feira (30), mostra que 62% consideram o ex-presidente Lula (PT) ‘o cara’ que proporcionou melhores condições de vida para os brasileiros

O Vox Populi aponta que apenas 5% consideram que o governo Jair Bolsonaro (PSL) proporciona melhores condições de vida, qual seja.

Lula é considerado o melhor, por esse critério, até entre eleitores de Bolsonaro (32% contra 16% que dizem que o melhor governo é o atual), segundo o instituto.

Para 50%, Lula é o melhor presidente que o país já teve. O governo do petista foi positivo para 62%, regular para 23% e negativo para apenas 13%.

Lula também é, como pessoa, o mais querido entre os demais presidentes da República, segundo o Vox Populi: 30% disseram “gostar muito” de Lula, 11% de Bolsonaro e 5% de FHC.

Bolsonaro é o mais rejeitado, pois os que “detestam, não gostam de jeito nenhum” de Lula são 8%; de Bolsonaro, 21%, e de FHC, 16%.

O Vox Populi entrevistou 1.987 eleitores de 119 municípios brasileiros, entre os dias 23 e 26 de agosto. A margem de erro é de 2,2% para mais ou para menos.

Procurador chefe da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, voltou a reconhecer a veracidade do conteúdo das conversas reveladas pelo The Intercept e minimizou os comentários debochados sobre a morte de familiares do ex-presidente Lula. “São conversas que você tem com o círculo de intimidade, conversas que você fica à vontade para falar até alguma besteira, uma bobagem, para ser até certo modo irresponsável”, disse o procurador que nas mensagens comparou Dona Marisa Letícia, então esposa de Lula e vítima de AVC, a um vegetal.

247  – O procurador chefe da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol voltou a reconhecer a veracidade do conteúdo das conversas reveladas pelo The Intercept. Em entrevista a BBC Brasil, Deltan minimizou os comentários debochados sobre a morte de familiares do ex-presidente Lula.

“As pessoas têm que entender que essas conversas são conversas que você teria na mesa de casa com a família, são pessoas que estão trabalhando há cinco anos juntas, são amigas. São conversas que você tem com o círculo de intimidade, conversas que você fica à vontade para falar até alguma besteira, uma bobagem, para ser até certo modo irresponsável”, disse o procurador.

Revelações do site Intercept Brasil em parceria com o Uol, apontam que procuradores da Lava Jato ironizaram a morte de Dona Marisa Letícia, então esposa de Lula e vítima de AVC. “Um amigo de um amigo de uma prima disse que chegou ao atendimento sem resposta, como um vegetal”, afirmou Dallagnol no Telegram. O procurador Januário Paludo responde: “estão eliminando as testemunhas”

Diferentemente do que dizia no início das reportagens da Vaza Jato, em que negava o conteúdo revelado e dizia que não se lembrava das conversas, Deltan agora tomlou um chá de memória. “Eu não posso atestar que tudo lá seja verdade, mas existem coisas lá que a gente lembra”, disse. Mas ele voltou a criticar o que chama de “falta de contexto” “Existe aí um foco em tentar sempre mostrar aquilo que pode gerar uma polêmica”, declara.

Confira a íntegra da entrevista na BBC Brasil.

Brasil 247

Cidades Acessando Blog

Panificadora Samuel

Escola Monteiro Lobato

 

CLICK AQUI E CONFIRA AS FOTOS!

Educação Infantil,

Ensino Fundamental e Médio

(87) 3838.1481 (87) 3838.2246

Siteemonteirolobato.com.br

Dr. Jamildo Carvalho

Desfile Cívico Escola M.L

AABB

Bloco a Onda 2017

Galeria de Fotos!