Uma manifestante foi atropelada no centro do Recife (PE) no fim da manhã deste sábado (02) durante o ato “Fora, Bolsonaro”. A vítima, Isabela Freitas Veras, estava na comissão que garantia o diálogo entre os condutores e o manifestantes. Um condutor, que queria furar o bloqueio, começou a confusão, segundo Leonardo França, que presenciou a cena: “Ele arrastou, todo mundo pediu para parar, mas ele não parou. Ele correu mais de 100 metros com a menina pendurada no carro. Ele freou, a menina caiu e ele passou por cima”, afirma.

Alguns manifestantes afirmam que o motorista chegou a sacar uma arma durante a confusão enquanto a vítima pedia calma. A vítima ficou ferida em diversas partes do corpo, incluindo a cabeça, mas foi socorrida no local e encaminhada para o Real Hospital Português.

Repúdio

As organizações políticas que coordenaram as manifestações deste sábado estão se manifestando em repúdio ao caso. Paulo Mansan, dirigente estadual do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) afirmou que o acontecido “é o cúmulo do absurdo e da intolerância. Nós não podemos normalizar o que presenciamos hoje. Estávamos em um ato democrático, já dispersando. Nada justifica essa violência”.

A vereadora do Recife Dani Portela repudiou o acontecimento e declarou que acionou as autoridades competentes “Foi doloso, intencional, ele quis fazer. Isso fere o direito a manifestação e a democracia, ter um ato grande que acaba com uma violência dessa. Entramos em contato com a Secretaria da Mulher do Estado e com o Secretário de Segurança. É preciso cobrar das autoridades a agilidade para que ele seja preso em flagrante delito. Isso tem que acontecer hoje. Por nós, pela democracia, pelo Brasil. Para que isso não se repita”, conclui.

 

No Recife o protesto teve início com uma concentração às 10h, na Praça do Derby. A saída em caminhada seguiu pela avenida Conde da Boa Vista e se encerrou na Ponte Duarte Coelho.  (247)

Ministério do Turismo anuncia volta dos cruzeiros marítimos ao Brasil

Em seu perfil no Twitter, o ministro do Turismo, Gilson Machado, postou um vídeo para anunciar a volta dos navios às rotas brasileiras.

 
Segundo o ministério, a retomada dos cruzeiros deve gerar cerca de 35 mil empregos e injetar R$ 2,5 bilhões na economia nacional. (Foto: Pixabay/Imagem ilustrativa)

O Ministério do Turismo anunciou neste sábado (2) a autorização da retomada de cruzeiros no Brasil. De acordo com a pasta, uma portaria com a liberação deve ser publicada nos próximos dias permitindo que os navios voltem a navegar no país entre novembro deste ano e abril de 2022.

Em seu perfil no Twitter, o ministro do Turismo, Gilson Machado, postou um vídeo para anunciar a volta dos navios às rotas brasileiras.

“Teremos cruzeiros marítimos no Brasil este ano. A temporada está autorizada pelo governo, o presidente Bolsonaro determinou empenho total para que nós conseguíssemos liberar, porque os navios geram em torno de 42 mil empregos no Brasil, entre diretos e indiretos”, disse o ministro no vídeo gravado em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, onde cumpre agenda oficial participando da ExpoDubai.

Segundo o ministério, no entanto, a retomada dos cruzeiros deve gerar cerca de 35 mil empregos e injetar R$ 2,5 bilhões na economia nacional.

Para a temporada, estão previstas sete embarcações, que devem oferecer mais de 566 mil leitos.

O ministério também informou que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) está elaborando os protocolos sanitários necessários para a retomada dessas atividades e vai anunciá-los em breve. Entre os pré-requisitos que serão exigidos, a pasta cita a testagem pré-embarque de todos os hóspedes, quarentena, uso de máscaras, distanciamento e ocupação reduzida das embarcações.

A pasta informou ainda que a autorização contou com a ajuda dos Ministérios da Saúde, da Justiça e da Infraestrutura, além da Casa Civil.

Juíza nega reabertura de ação contra Lula no caso do sítio em Atibaia

Pollyanna Kelly Maciel Martins Alves, da 12ª Vara Federal de Brasília, defende que a denúncia estava baseada em prova anuladas pelo Supremo Tribunal Federal

  • Por Jovem Pan

Ministério Público Federal (MPF) teve o pedido negado de reconsideração para abertura da ação penal contra o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva no caso dosítio de Atibaia. Com a decisão, a investigação segue suspensa. A juíza Pollyanna Kelly Maciel Martins Alves, da 12ª Vara Federal de Brasília, defende que a denúncia estava baseada em prova anuladas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A magistrada também argumenta que o MPF não indicou quais as provas válidas foram preservadas e afirma que as razões do órgão não são suficientes para reconsiderar a reabertura da ação. A solicitação foi feita pelo MPF após anulação da condenação do petista pelo STF, que confirmou a suspeição do ex-juiz da Lava JatoSergio Moro, para atuar no caso. Com isso, o procurador Frederico Paiva pediu que a ação fique suspensa até que a Suprema Corte decida, de forma definitiva, sobre o ex-ministro da Justiça.

O caso segue paralisado no TRF-1, que ainda vai analisar se dá prosseguimento ao inquérito contra Lulaou se confirma a decisão da Justiça. No entanto, não há prazo para a sentença. A mesma juíza já havia negado as acusações do MPF de corrupção passiva e lavagem de dinheiro sobre o ex-presidente, além de reconhecer o esgotamento do caso e dos supostos crimes cometidos.

UPA24 horas de São José do Egito terá nome do médico Alexandre Soares Machado

O secretário de Saúde de São José do Egito, Paulo Jucá, confirmou em entrevista ao comunicador Nill Jr. que até o fim de outubro será entregue a UPA24 horas, que está em fase final de conclusão. Segundo Jucá Restam apenas os reparos finais e instalação de mobiliário.

A unidade será referência regional e deverá atender as cidades da região. Outra informação importante divulgada por Jucá, sobre o equipamento, é que o espaço terá o nome do médico Alexandre Soares Machado, já falecido, mais que prestou um grande serviço à população egipciense e da região.