Realizada pela Genial Investimentos e Quaest, a mais nova intenção de voto para as eleições presidenciais de 2022 mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com vantagem ampla sobre o atual chefe do Executivo, Jair Bolsonaro (sem partido). 

Os dados mostram o petista com quase a metade dos votos para presidente no primeiro turno, indo para o segundo turno com Bolsonaro, e vencendo a disputa.

Em cinco cenários de primeiro turno, Lula lidera oscilando entre 44% e 47% das intenções de voto. Já Bolsonaro tem entre 25% a 26%. Em uma virtual disputa de segundo turno entre Lula e Bolsonaro, o petista teria 55% dos votos, enquanto o atual presidente da República conquistaria 30% do eleitorado.

 

Armando sobre desemprego em PE: “Governo do PSB só produz desalento”

Para o ex-senador Armando Monteiro (PSDB), o novo recorde no índice de desemprego alcançado por Pernambuco, colocando o Estado na pior posição do País, revela a ausência de liderança política e a falta de um projeto real de desenvolvimento por parte do governo do PSB.

Pesquisa divulgada ontem pelo IBGE mostrou que Pernambuco atingiu no segundo trimestre a maior taxa de desocupação (21,2%) desde 2012. Em comparação com o mesmo período de 2020, o número de pessoas que não conseguem encontrar trabalho no Estado subiu cerca de 66%, saltando de 533 para 885 mil.

O resultado ainda é pior do que o divulgado no primeiro trimestre, quando Pernambuco já batia recorde de desemprego. Assim como avaliou naquele momento, Armando reforça que o agravamento desse quadro, além da pandemia, mostra um “problema estrutural”, com fatores que precisam ser enfrentados pelo Poder Público.

Ambiente de negócios hostil aos empreendedores, a baixa capacidade de investimentos públicos e uma lista de obras paradas estão entre os aspectos citados por Armando que alimentam o desemprego estrutural.

Sobre a incapacidade do Governo do Estado em enfrentar o problema, ele afirma:

“Este é um governo que não faz as entregas, que não realizou o que prometeu. E que agora tenta enganar a opinião pública de Pernambuco anunciando um ’Plano de Retomada’ quando o mandato do governador está terminando, praticamente no último ano de governo. Isto é um reconhecimento de que é um governo que pouco fez. Estão aí as obras hídricas, a situação das estradas, obras estratégicas que ficaram no meio do caminho por falta de força e de liderança de Pernambuco, como a Transnordestina, o Arco Metropolitano e as barragens da Mata Sul. Definitivamente, é um governo que só produz desalento”.