Os altos preços da gasolina e do gás de cozinha serão pauta da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (29/9). O presidente da Casa, deputado Arthur Lira (PP-AL) vai reunir o Colégio de Líderes para discutir medidas para controlar a escalada nos valores.

Lira confirmou a reunião nesta terça-feira (28/9), em publicação no perfil oficial no Twitter. “O fato é que o Brasil não pode tolerar gasolina a quase R$ 7 e o gás a R$ 120”, escreveu (veja mensagens no fim da reportagem).

O diretor-executivo de Comercialização da Petrobras, Cláudio Mastella, foi alvo de críticas de Lira. Mastella afirmou que estuda com “carinho” um aumento de preços diante do cenário atual.

O presidente da Câmara subiu o tom. “Tenho certeza que ele é bem pago para buscar outras soluções que não o simples repasse frequente”, publicou.

O deputado emendou: “O dólar persiste num patamar alto. Junto com a valorização do barril de petróleo, a pressão no preço dos combustíveis é insustentável”, frisou.

A Petrobras anunciou, nesta terça-feira, que vai elevar o preço do diesel vendido às distribuidoras. Com o reajuste, o preço médio passa de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,25 por litro. O reajuste entra em vigor na quarta-feira.

Lira defendeu o trabalho do parlamento na busca por soluções para a crise. “A Câmara dos Deputados está fazendo seu dever de casa para o país retomar a economia respeitando os limites fiscais e sendo responsável em todas as suas sinalizações para o mercado”, destacou. 

 

Senado aprova acordo de livre comércio entre Brasil e Chile

Foto: reprodução

O Senado aprovou nesta terça-feira (28) o acordo de livre comércio entre o Brasil e o Chile. O documento trata de questões não-tarifárias, como comércio de serviços, telecomunicações e medidas sanitárias. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), irá promulgar o acordo na forma de um decreto legislativo.

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS), relator do texto, afirmou que a proposta irá estreitar os laços entre o Mercosul e a Aliança do Pacífico, bloco econômico integrado pelo Chile que também inclui Colômbia, México e Peru. O acordo, assinado em 2018, é um protocolo adicional ao Acordo de Complementação Econômica (ACE) firmado em 1996 entre o Chile e o Mercosul.

O ACE, o primeiro pacto de livre comércio entre o bloco e um terceiro país, fez do Chile o primeiro membro associado do Mercosul. Membros da embaixada chilena estavam presentes no Plenário durante a votação e acompanharam a aprovação do acordo. Com informações da Agência Senado.

Mega-Sena acumula e prêmio sobe para R$ 12,8 milhões; confira os números

Mega-Sena Foto: Cesar Conventi/Agência O Globo

A Caixa realizou na noite desta terça-feira na capital paulista o sorteio do concurso 2.413 da Mega-Sena.

As seis dezenas sorteadas foram: 03 – 22 – 37 – 40 – 41 – 48.

Não houve vencedores do prêmio principal. A estimativa para o próximo concurso é de sortear R$ 12.800.000,00.

Doze apostadores acertaram cinco dezenas nesta terça-feira. Cada uma delas vai levar o prêmio de R$ 114.924,54. Outros quatro apostadores fizeram a quadra e vão ganhar R$ 1.120,03.

Nesta semana, os sorteios da Mega-Sena ocorrem na terça, na quinta e no sábado por conta da “Mega-Semana da Primavera”. Normalmente os sorteios ocorrem as quartas e aos sábados.

Apostas para a Mega-Sena podem ser feitas até as 19h nas casas lotéricas credenciadas, pela internet ou no aplicativo da loteria. O valor de um palpite simples é de R$ 4,50.

Após aumento do diesel, caminhoneiros ameaçam fazer nova paralisação

 

Diante do reajuste do preço do diesel, nesta terça-feira (28/9), representantes de associações de caminhoneiros afirmaram ao Metrópoles que vão debater, no dia 16 de outubro, em reunião no Rio de Janeiro, a possibilidade de uma nova paralisação em protesto contra o aumento do combustível.

De acordo com Plínio Dias, representante do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas, “tudo indica” que haverá uma nova manifestação.

“O argumento está muito forte. O pessoal quer que a gente tome uma atitude. Vamos fazer uma reunião no dia 16 agora, no Rio de Janeiro, e, se for decidida uma paralisação, vamos fazer”, afirmou à reportagem.

Questionado sobre o apoio da categoria ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Plínio disse que “está cada vez mais fraco”.

“Muita gente já está com total desinteresse. Subindo combustível, sobe tudo, né? Aquele apoio de 90% da categoria chega agora a entre 20% e 30%”, opinou.

A Petrobras anunciou, nesta terça-feira (28/9), que vai aumentar o preço do diesel revendido às distribuidoras. O valor médio de venda do combustível passará de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro, um reajuste médio de R$ 0,25. O novo preço, que representa acréscimo de 8,89%, entrará em vigor nesta quarta-feira (29/9).

A empresa informou que, com a mudança, a parcela atribuída à estatal no preço pago pelos consumidores na bomba passará a ser de R$ 2,70 por litro, em média, o que corresponde a uma alta de R$ 0,22 em relação ao valor atual.

Alta esperada

Na segunda-feira (27/9), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) alertou que o preço do diesel seria reajustado. Na ocasião, o mandatário ressaltou que o combustível não registrava aumento de preço há três meses.

O último reajuste da estatal sobre o preço do diesel ocorreu em 5 de julho deste ano. À época, o preço médio de venda do combustível passou para R$ 2,81 por litro, o que significou um reajuste médio de R$ 0,10 por litro (3,7%).