A partir desta sexta-feira (02) os trabalhadores que se inscreveram pelos meios digitais da Caixa Econômica Federal, assim como os integrantes do Cadastro Único do Governo Federal, poderão conferir se têm direito a receber o auxílio emergencial.

A consulta deverá ser feita pelo site: consultaauxilio.cidadania.gov.br/blogmarcosmontinely

O ministro da Cidadania, João Roma, afirmou que a previsão é de que, este ano, sejam pagas quatro parcelas, com valores de R$ 150, R$ 250 ou R$ 375, a depender da situação de cada família. Ainda segundo o ministro, haverá limitação de um benefício por família. A previsão é de que a medida abranja mais de 45 milhões de pessoas, ou seja, cerca de 22 milhões a menos do que no auxílio emergencial de R$ 600, pago em 2020.

“Aqueles que estavam aptos, em dezembro, permanecem recebendo o auxílio, com exceção dos que foram identificados com itens que não permitem o ingresso na lista para receber o auxílio em 2021. Mas, sem dúvida nenhuma, mais de 40 milhões de famílias que passam por situações muito sofridas nesse momento, poderão ter acesso ao benefício do auxílio emergencial em 2021”, salienta.

Confira aqui o calendário de pagamento do auxílio emergencial 

Um dos critérios para receber o benefício é ter feito parte do auxílio anterior e, portanto, já está inscrito nos cadastros públicos usados para a análise dos pedidos. Sendo assim, a pessoa que não faz parte dos cadastros não receberá uma das quantias previstas.

Inicialmente, a previsão do governo era de que a verificação poderia ser feita a partir desta quinta-feira (1º). No entanto, a liberação para saber quem terá direito ao benefício foi adiado para esta sexta-feira (02). Para saber se está apto a receber um dos valores previstos, os trabalhadores devem informar o CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento. Outro meio de consulta é pelos canais auxilio.caixa.gov.br ou pelo telefone 111.

 

O quilo do gás liquefeito de petróleo (GLP) produzido nas refinarias da Petrobras vai ficar, em média, R$ 0,15 mais caro a partir desta sexta-feira (02). O quilo do produto passa a ser vendido a R$ 3,21 e o botijão de 13 kg, a R$ 41,68. Segundo a empresa, a alta reflete as movimentações da cotação internacional do petróleo, utilizado como insumo na produção do produto, além do câmbio.

A Petrobras não informou a variação em porcentual, mas, segundo fontes do setor, a alta de preço foi de 5%, em média.

Este é o quarto aumento do ano. Em 2021, o número de reajuste e os percentuais de alta têm sido menores do que os praticados no comércio de gasolina e óleo diesel.

Em nota, a empresa afirmou que “os valores praticados nas refinarias pela Petrobras são diferentes dos percebidos pelo consumidor final no varejo”.

Ressaltou ainda que “até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para envase pelas distribuidoras, além dos custos e margens das companhias distribuidoras e dos revendedores”.

Carga com mais de 100 mil carteiras de cigarro é apreendida em Sumé

Durante a ação, um homem foi preso em flagrante. Ele seria o fornecedor do material para vários municípios do estado.

Segundo o delegado Diego Beltrão, o homem é suspeito de fazer parte de um grupo que atua no contrabando e ‘jogos de azar’ . (Foto: reprodução)

Uma carga com aproximadamente 100 mil carteiras de cigarros, foi apreendida pela Polícia Civil por meio da Delegacia de Roubos e Furtos de Campina Grande, na tarde desta quinta-feira (1) em Sumé, no Cariri do estado. Durante a ação, um homem foi preso em flagrante. Ele seria o fornecedor do material para vários municípios do estado.

De acordo com informações da Polícia Civil, a apreensão é fruto de desdobramentos da ação que ocorreu na última quarta-feira (31), onde foram apreendidas mais de 20 mil carteiras de cigarros em Campina Grande e Boqueirão.

Segundo o delegado Diego Beltrão, o homem é suspeito de fazer parte de um grupo que atua no contrabando e ‘jogos de azar’ . “A princípio, fica clara a irregularidade no comércio dos cigarros, muito provavelmente um crime de contrabando bem rentável para os suspeitos. Estamos aprofundando as investigações para concluirmos o Inquérito Policial”, destacou.

 

 

Pernambuco registra 985 novos casos e 54 mortes por Covid-19

Pernambuco registrou, neste sábado (3), 985 novos casos de Covid-19 e 54 mortes. Com a atualização, o Estado acumula 354.982 casos confirmados da doença e 12.349 óbitos.

Entre os 985 casos confirmados neste sábado, 103 – o equivalente a 10% – são de Síndrome Respiratório Aguda Grave (Srag). Os outros 882 são casos leves.

As mortes notificadas ocorreram entre 15 de agosto e essa sexta-feira (2).

Dos  354.982 casos confirmados da doença, 36.515 foram graves e 318.467, leves.

Ainda de acordo com o Portal Folha PE, os detalhes epidemiológicos serão repassados ao longo do dia pela Secretaria Estadual de Saúde.

 

 

 

Rejeição ao governo Bolsonaro atinge recorde de 59% dos eleitores

As taxas de rejeição ao governo e ao trabalho do presidente Jair Bolsonaro seguem em alta, enquanto a proporção dos eleitores que apoiam o chefe do Executivo se mantém estável, na faixa de 33%.

Pesquisa realizada pelo PoderData, de 29 a 31 de março, mostra que o governo Bolsonaro é hoje rejeitado por um recorde de 59% dos eleitores. A taxa é a mais alta já registrada desde o início da pandemia.

No último levantamento, há duas semanas, o índice era de 54%. Com a margem de erro de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos, houve uma piora na aprovação do governo federal.

A aprovação era de 32% e passou agora para 33%, o que indica estabilidade.

Outro dado importante é que houve redução expressiva dos que dizem não saber responder, que são 8% hoje, e era 14% há 15 dias. Segundo analistas, isso é mais um sinal da polarização de opiniões sobre a administração de Jair Bolsonaro: ou as pessoas aprovam (33%) ou desaprovam (59%).

Foram entrevistadas 3.500 pessoas, das 27 unidades da Federação.

A avaliação negativa do trabalho de Jair Bolsonaro manteve-se estável. Os que consideram a atual gestão “ruim ou péssima” passou de 52% para 53% (oscilação dentro da margem de erro) em 15 dias. A proporção dos que avaliam o trabalho de chefe do Executivo “bom ou ótimo” somam 26% (eram 24% no levantamento anterior).

Quem mais aprova:

  • os homens (41%);
  • quem tem de 25 a 44 anos (38%)
  • os que cursaram até o ensino fundamental (50%);
  • moradores da região Sul e Norte (38%);
  • quem ganha até 2 salários mínimos (42%).

Quem mais desaprova:

  • mulheres (64%);
  • quem tem de 16 a 24 anos (65%);
  • os moradores da região Centro-Oeste (65%);
  • quem ganha de 2 a 5 salários mínimos (72%).
  • os que cursaram até o ensino superior (66%).

Condução da pandemia

A pesquisa foi realizada no período em que o Brasil bateu sucessivos recordes de casos e de mortes por covid. A média móvel de vítimas em sete dias atingiu 2.710 na terça-feira (29) – maior número desde o início da pandemia. O governo também teve nesta semana a troca de seis ministros e a demissão dos três comandantes das Forças Armadas.

O que pode aumentar a aprovação à gestão Bolsonaro é a nova rodada de pagamento do auxílio emergencial, que deve começar no dia 6 de abril.

Poder 360