Eleições

O prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota, votou  na sessão 03 no Colégio Normal Estadual

Prefeito de Afogados da Ingazeira teve a resposta da população afogadense que participaram voluntariamente de uma das maiores carreatas já vista na história do município  em apoio a candidatura de Fernando Haddad.

(Fotos:Cláudio Gomes/MarcosMontinelly)

“Votar é fazer uma escolha racional. Eu, por exemplo, sopesei os aspectos positivos e os negativos dos dois candidatos que restam na disputa. Pela primeira vez em 32 anos de exercício do direito de voto, um candidato me inspira medo. Por isso, votarei em Fernando Haddad”, postou Joaquim Barbosa, que foi presidente do Supremo Tribunal Federal. Jair Bolsonaro vem sendo apontado pela imprensa global como uma ameaça ao Brasil e ao mundo.

Abaixo, tweet de Joaquim Barbosa e reportagem da Reuters sobre a sucessão:

(Reuters) – O presidenciável do PT, Fernando Haddad, afirmou nesta sexta-feira que o seu adversário, Jair Bolsonaro (PSL), estimula pessoas violentas a saírem do armário.

“Ele estimula as milícias, os capangas, as pessoas violentas a saírem do armário, ele é a expressão da violência”, disse Haddad durante coletiva de imprensa em João Pessoa, na Paraíba.

“É muito comum na história dos povos que um covarde seja o agente da violência social. Em geral, são pequenos homens que estimulam a violência, até em função dos seus problemas psicológicos”, continuou.

“Por isso que os pequenos homens com problemas psicológicos são tratados respeitosamente, mas não chegam ao poder, porque são perigosos no poder. Não são perigosos fora do poder”, afirmou o ex-prefeito de São Paulo.

Segundo o petista, Jair Bolsonaro não tem um projeto, mas sim uma “retórica da violência”.

“A gente sabe como essa retórica da violência começa, mas a gente não sabe até onde vai. Nós precisamos cortar esse mal pela raiz”, afirmou o candidato.

Bolsonaro lidera as pesquisas de intenção de voto para o segundo turno da eleição presidencial marcado para domingo.

MAIS ACERTOS DO QUE ERROS

Ao defender o projeto que representa, Haddad voltou a reconhecer que o PT cometeu erros, embora tenha feito mais acertos.

“Eu represento um projeto que tem muito mais acertos do que erros. Mudou a vida de metade da população brasileira. E os erros eu estou aqui assumindo e disposto a corrigir”, disse.

O candidato também se mostrou otimista nesta reta final antes da eleição de domingo e disse acreditar que uma virada irá acontecer, acrescentando que “segunda-feira já começamos a trabalhar na equipe de governo”.

O petista também voltou a comentar que espera um apoio do pedetista Ciro Gomes, derrotado no primeiro turno da disputa presidencial e cujo partido decidiu dar “apoio crítico” à candidatura do PT.

“Acredito que, chegando no Ceará, ele (Ciro) vai fazer um gesto importante pelo Brasil. Não é por mim, é pelo Brasil… Ele sabe o que está em jogo, ele sabe o que está em risco”, disse Haddad. (247)

 

Enquanto os irmãos que pregam ódio:

Pesquisa Vox 247 realizada neste sábado 27 aponta empate entre Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL), apontando para uma virada real neste domingo 28, data da votação do segundo turno.

Nos votos totais, as intenções de voto são de exatamente a 43% a 43%. Ninguém/Brancos/Nulos são 9% e “não sabe” ou “não respondeu”, 5%.

Nos votos válidos, os percentuais são de exatamente 50% a 50%.

Os votos espontâneos para presidente, quando os eleitores citam o nome do candidato espontaneamente, são de 51% a 49% para Bolsonaro.

Esta pesquisa foi registrada junto à Justiça Eleitoral no dia 21 de outubro, sob o número BR-09614/2018. Foram entrevistados 2.000 eleitores de 16 anos ou mais, em 121 municípios. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, estimada em um intervalo de confiança de 95%.

A pesquisa Vox 247 foi a segunda encomendada pela Editora 247 ao instituto Vox Populi financiada totalmente por eleitores, membros da comunidade 247, assinantes solidários ou não do portal e da TV 247. Para isso, foi aberta uma campanha de financiamento coletivo no site Catarse, ainda aberta.

A pesquisa Vox 247 do dia 6 de outubro, véspera da votação do primeiro turno, foi a que mais se aproximou do resultado das urnas no primeiro turno das eleições de 2018, em comparação às dos outros dois institutos de pesquisa mais tradicionais do país, o Ibope e o Datafolha. (247)

Embalado pela arrancada na reta final da campanha, Fernando Haddad discursou nesta noite para milhares de pessoas que lotaram as ruas do centro do Recife; “Ele não respeita ninguém, não tem serviço prestado e não vai ganhar esta eleição”, disse o petista sobre Jair Bolsonaro; segundo o Datafolha, Haddad precisa de seis pontos percentuais para virar de vez a eleição; há 6% de eleitores indecisos e 8% poderão votar branco ou nulo; além disso, 6% dos eleitores de Bolsonaro admitem mudar o voto até a eleição; sem fake news e com a militância mostrando os riscos do fascismo, a democracia poderá vencer no domingo

Estado escolhido para o último comício do presidenciável Fernando Haddad (PT) antes do segundo turno, Pernambuco – terra do ex-presidente Lula – mostrou, nesta quinta-feira (25), que a unidade do povo brasileiro em prol da democracia vai prevalecer no próximo domingo, dia 28. Um grande ato que contou com presença de lideranças políticas de diversos partidos atraiu, para o Pátio do Carmo, no Centro do Recife, milhares de pessoas que se uniram para levar o apoio a Haddad e a demonstrar a confiança na vitória. O governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Julio representaram o PSB no encontro.

Durante o comício, Haddad falou sobre sua expectativa para a eleição do próximo domingo. Ele citou pesquisa de intenção de voto veiculada hoje, que já mostra uma redução de seis pontos percentuais na diferença entre o candidato da oposição e ele. O presidenciável destacou que, até o dia 28, é preciso manter o diálogo entre as famílias e amigos para garantir a vitória no segundo turno. Haddad ainda enfatizou, ainda, a importância da união de tantas lideranças em favor da sua candidatura. “Estou aqui recebendo apoio de todas as lideranças do Estado que sabem o risco que o Brasil está correndo. Agora é hora de unidade, de união. A gente, quando tem ameaça, começa a se unir para combater o adversário. Estou com Paulo, com Geraldo, em memória de Arraes, estou com João (Campos), com Silvio Costa, com Humberto Costa. Estou com todos na mesma trincheira. A trincheira da democracia, dos direitos”, afirmou.

O candidato destacou que o Brasil está vivendo um momento delicado no cenário político e que parte da população está sendo enganada por um postulante que não tem histórico e nem serviços mostrados ao povo brasileiro. “Entre um livro de um ministro da Educação e a arma de um soldado de araque, (o povo) vai ficar com a educação, com o trabalho, com a dignidade e com respeito às pessoas”, destacou Haddad.

Vice-presidente nacional do PSB, o governador Paulo Câmara enfatizou que Pernambuco, assim como no primeiro turno, dará uma bonita vitória ao presidenciável. O socialista também frisou que esta é uma das eleições mais importantes dos últimos 30 anos. “Vamos escolher entre a democracia e o autoritarismo. Vamos escolher entre a verdade e a mentira, entre o amor e o ódio. O presidente Lula lhe deu a maior missão da sua vida e você está cumprindo ela com dedicação, trabalho e espírito público, com a verdade e, acima de tudo, falando o que o povo quer ouvir: que você vai continuar o trabalho que o presidente Lula fez no Brasil. A gente vai vencer mais uma vez o medo, a intolerância e aqueles que não querem trabalhar pelo povo. A gente vai vencer o ódio e vamos fazer o Brasil voltar a ser feliz de novo”, declarou o líder socialista.

O prefeito do Recife, Geraldo Julio, pontuou que no próximo dia 28 a população brasileira vai decidir pela manutenção da maior conquista dos últimos anos: a democracia. “Neste domingo, o povo brasileiro vai mostrar que, com democracia, vai, mais uma vez, botar em Brasília um governo popular, um governo que cuida em enfrentar as desigualdades, que cuida dos nordestinos, que cuida do povo mais pobre e bota conquistas para o jovem brasileiro. Vamos comemorar juntos porque eu sei que o povo brasileiro vai saber escolher e, com certeza, vai dar a vitória a Fernando Haddad presidente”, disse Geraldo.

Presidente nacional do PCdoB, a vice-governadora eleita Luciana Santos destacou a altivez de Pernambuco em momentos importantes da história política brasileira e pontuou que, mais uma vez, o pernambucano vai demonstrar resistência. “Vamos mostrar ao ditador, ao que quer pregar o passado, que votou pela reforma trabalhista, que representa o que há de pior, que ‘Ele não!’”, disse. Já o senador reeleito Humberto Costa frisou que o Nordeste será a barreira contra o fascismo representado por Bolsonaro. “Aqui vamos dar conta. Ele pode querer passar o rolo compressor em qualquer lugar, mas aqui não. Estamos a três dias da eleição e estou sentido o cheiro que senti em 2002, em 2006, em 2010 e 2014, que é o cheiro da maior vitória eleitoral que vamos dar a Haddad”, declarou.

Representantes do PSol, Dani Portela, da Rede, Roberto Leandro, e do Avante, Silvio Costa, também discursaram no evento em favor da candidatura de Haddad. O ato ainda contou com depoimentos dos estudantes Manuela e Rafael, que falaram sobre a inclusão dos que mais precisam nas universidades durante os governos do PT.

As fotos estão nomeadas com os créditos de Roberto Pereira Jr./PSB e Ricardo Stuckert/PT

Pesquisa CUT/Vox Populi divulgada nesta quinta-feira (25) mostra o candidato Jair Bolsonaro com 53% dos votos válidos, seis pontos percentuais à frente de Fernando Haddad (PT), que tem 47%. O instituto ouviu 2 mil eleitores entre 22 e 23 de outubro. A margem de erro é 2,2%. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00709/2018.

No cenário espontâneo, quando os entrevistadores perguntam em qual candidato o eleitor votaria sem apresentar opções, Bolsonaro aparece com 44% das intenções contra 39% de Haddad.

A pesquisa do Vox Populi também mostra que 17% dos eleitores estão indecisos. 12% afirmaram que não votarão em ninguém, em branco ou deverão anular o voto. Já 5% não sabem em quem vão votar ou não quiseram responder. Todos os números são os mesmos apresentados pela pesquisa anterior, realizada entre 16 e 17 de outubro.

O candidato petista tem 41% de rejeição contra 40% do pesselista. Nas regiões, Haddad vence apenas no Nordeste: 60% a 25%. Nas demais, a vantagem é de Bolsonaro: 51% a 29% no Sudeste; 51% a 33% no Sul; e 50% a 34% no Centro-Oeste e Norte. Os presidenciáveis estão tecnicamente empatados na intenção de voto entre as mulheres: 40% para Bolsonaro e 39% para Haddad. Entre os homens, 49% para o capitão reformado e 37% para o ex-ministro da educação.

A pesquisa CUT-Vox Populi foi realizada entre 22 e 23 de outubro. Foram feitas 2.000 entrevistas pessoais e domiciliares com eleitores de 16 anos ou mais, residentes em áreas urbanas e rurais, de todos os estados e do Distrito Federal, em capitais, regiões metropolitanas e no interior de todos os estratos socioeconômicos. Os entrevistadores foram em 121 municípios. A margem de erro da pesquisa é de 2,2%, estimada em um intervalo de confiança de 95%.

A pesquisa Ibope divulgada na última terça-feira (23) mostrou que, na capital de São Paulo, Fernando Haddad (PT)aparece com 51% dos votos válidos na disputa à Presidência. Jair Bolsonaro (PSL), por sua vez, registra 49% dos votos. Como a margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais para mais ou para menos, os presidenciáveis estão tecnicamente empatados.

Os votos válidos, mesma categoria usada pela Justiça Eleitoral na apuração final, excluem os brancos, nulos e indecisos.

No levantamento do Ibope divulgado no último dia 17 de outubro, a primeira pesquisa feita pelo instituto com eleitores de São Paulo após a definição dos candidatos que disputariam o segundo turno, Haddad tinha 47% dos votos válidos entre moradores da capital, enquanto Bolsonaro tinha 53%. Eles já estavam tecnicamente empatados, mas o candidato do PSL estava numericamente à frente.

Na pesquisa nacional, Bolsonaro aparece com 57% dos votos válidos, enquanto Haddad tem 43%.

No primeiro turno, Bolsonaro foi o mais votado na capital paulista e recebeu 44% dos votos. Haddad ficou em segundo, com 19%. No total do estado de SP, o militar da reserva foi escolhido por 53% dos eleitores, e o petista, por 16%.

Em live nas redes sociais na noite desta quarta-feira (24), o candidato do PSL voltou a questionar os institutos de pesquisa. Ele citou reportagem sobre a pesquisa feita na cidade de São Paulo e lembrou que Fernando Haddad perdeu no primeiro turno para João Doria (PSDB) em 2016.

O levantamento do Ibope entre eleitores do estado de São Paulo também mostrou quais as intenções de voto em Bolsonaro em Haddad junto ao eleitorado dos candidatos ao governo estadual: João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB).

Veja os números em votos válidos (excluídos brancos, nulos e indecisos):

O tucano era investigado por suposta maquiagem de dados no caso que ficou conhecido como ‘Mensalão do PSDB’

 

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta terça-feira (23) o arquivamento de um inquérito que investigava o ex-senador Aécio Neves (PSDB/MG).

O tucano era investigado por suposta maquiagem de dados no caso que ficou conhecido como ‘Mensalão do PSDB’.

Delações premiadas apontam que o caso investigado teria ocorrido durante a apuração da CPI que investigava o ‘Mensalão do PT’, no ano de 2005.

A Polícia Federal (PF) informou ter encontrado indícios de que Aécio Neves cometeu crimes e, inicialmente, a Procuradoria Geral da República (PGR) chegou a pedir ao STF que enviasse o inquérito para a primeira instância.

Porém, a PGR mudou o entendimento e pediu o arquivamento do caso por falta de indícios mínimos contra o tucano.

Em 14 de setembro, o ministro Gilmar Mendes negou o pedido da defesa de Aécio , que pedia o arquivamento do inquérito em que ele era investigado por supostamente intermediar o pagamento de vantagens indevidas da Odebrecht para a campanha de Antônio Anastasia ao governo mineiro, em 2010. A decisão atendeu pedido da Procuradoria-Geral da República.


O Ibope divulgou nesta terça-feira (23) o resultado da segunda pesquisa do instituto sobre o 2º turno da eleição presidencial. O levantamento foi realizado entre domingo (21) e terça-feira (23) e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.

Nos votos válidos, os resultados foram os seguintes:

Jair Bolsonaro (PSL): 57%

Fernando Haddad (PT): 43%

Na pesquisa anterior, Bolsonaro tinha 59% e Haddad, 41% dos votos válidos.

Para calcular os votos válidos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. Para vencer no 2º turno, um candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um voto.

Votos totais

Nos votos totais, os resultados foram os seguintes:

Jair Bolsonaro (PSL): 50%

Fernando Haddad (PT): 37%

Em branco/nulo: 10%

Não sabe: 3%

Rejeição

A pesquisa também apontou o potencial de voto e rejeição para presidente. O Ibope perguntou: “Para cada um dos candidatos a Presidente da República citados, gostaria que o(a) sr(a) dissesse qual destas frases melhor descreve a sua opinião sobre ele”?

Jair Bolsonaro

Com certeza votaria nele para presidente – 37%

Poderia votar nele para presidente – 11%

Não votaria nele de jeito nenhum – 40%

Não o conhece o suficiente para opinar – 11%

Não sabem ou preferem não opinar – 2%

Fernando Haddad

Com certeza votaria nele para presidente – 31%

Poderia votar nele para presidente – 12%

Não votaria nele de jeito nenhum – 41%

Não o conhece o suficiente para opinar – 14%

Não sabem ou preferem não opinar – 2%

Votação espontânea

O Ibope também apresentou a intenção de voto espontânea, quando o entrevistado aponta em quem pretende votar sem a apresentação dos nomes dos candidatos.

Jair Bolsonaro – 42%

Fernando Haddad – 33%

Na pesquisa anterior, Bolsonaro tinha 47% e Haddad, 33%.

Expectativa de vitória

O instituto também apontou a “expectativa de vitória”, independentemente da intenção de voto. Os resultados foram:

Jair Bolsonaro – 69%

Fernando Haddad – 21%

Não sabem ou preferem não opinar – 9%

No levantamento anterior, a expectativa de vitória de Bolsonaro era de 66% e a de Haddad, 21%.

Sobre a pesquisa

Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos

Entrevistados: 3010 eleitores em 208 municípios

Quando a pesquisa foi feita: 21 a 23 de outubro

Registro no TSE: BR‐07272/2018

Nível de confiança: 95%

Contratantes da pesquisa: TV Globo e “O Estado de S.Paulo”

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

A partir de hoje (23), cinco dias antes do segundo turno das eleições 2018, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido. A exceção ocorre apenas em casos de flagrante delito e ainda se houver sentença criminal condenatória por crime inafiançável ou desrespeito a salvo-conduto. A determinação está prevista no artigo 236 do Código Eleitoral.

A terça-feira também é o prazo final para que os representantes dos partidos políticos e coligações, a Ordem dos Advogados do Brasil e o Ministério Público peçam verificação das assinaturas digitais do Sistema de Transporte de Arquivos da Urna Eletrônica, do Subsistema de Instalação e Segurança e da Solução JE-Connect, instalados nos equipamentos da Justiça Eleitoral que serão utilizados no segundo turno.
Os tribunais regionais eleitorais também têm até essa data para divulgar, na internet, os pontos de transmissão de dados que funcionarão em pontos distintos do local de funcionamento da Junta Eleitoral.
O segundo turno das eleições ocorre no próximo dia 28 de outubro em todo o Brasil e mais 99 países, para a escolha do próximo presidente da República. Em 13 estados e no Distrito Federal, os eleitores também terão que definir o governador que irá comandar os Executivos locais nos próximos quatro anos. Em 19 municípios serão realizadas as chamadas eleições suplementares para a escolha de novos prefeitos e vice-prefeitos. (Agência Brasil)
Deixe seu comentário

Logo após a vereadora Nelly Sampaio alegar que por questões ligadas a regimento e Lei Orgânica, não poderia prosseguir com a eleição da Mesa Diretora, convidou os vereadores que o apoiavam para deixar a Câmara, esquentou o clima e começou a polêmica.

Alegando motivo para não haver a votação, o Primeiro Secretário Aristóteles Monteiro reabriu a sessão e deu sequência à escolha da Mesa Diretora. Monteiro criticou a colega Nelly e a acusou de “não saber perder”, prosseguindo com os trabalhos.

No vídeo da sessão, enquanto Nelly queria encerrar a sessão antes do início da votação, Aristóteles olha para colegas de grupo e repete : “é golpe!”

Aberta a votação, como esperado, a chapa II foi eleita, com  Aldo Santana Presidente, Aristóteles Monteiro (Primeiro secretário) e Cléber Paulino (Segundo Secretário). Somando os três da chapa, mais Djalma, Claudiceia Rocha e Dicinha do Calçamento, a chapa teve unanimidade com as ausências dos pró Nelly. “Fizemos como manda o regimento. Amanhã registramos a ata e em janeiro a chapa tina posse. Lamentamos a condução de Nelly”, disse Aristóteles ao blog. A aguardar os os próximos capítulos.

A vereadora Claudiceia Rocha (PSB) defendeu em contato com o blog a decisão de retomada da sessão da Câmara de vereadores de Tabira, realizada ontem  (22) mesmo depois da atual presidente Nelly Sampaio ter se retirado do recinto, juntamente com os vereadores.

Ela deu detalhes de bastidores. “Ela determinou que desligassem o sistema de som, a transmissão das rádios, os ar condicionados e as luzes. Ainda acionou à PM e a GM para que esvaziassem a Câmara colocando para fora os seis vereadores que permaneciam no local e o povo de Tabira que assistia à sessão”, relatou.

“Mesmo assim o primeiro secretário Aristóteles Monteiro reabriu a sessão e colocou em votação elegendo a chapa 2, sendo eleito como presidente o vereador Aldo Santana para o biênio 2019/2020”, concluiu.

O decano do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello reagiu aos ataques de Eduardo Bolsonaro à corte. Ele classificou a fala do deputado de “inconsequente o golpista”. Mello disse: “essa declaração, além de inconsequente e golpista, mostra bem o tipo (irresponsável) de parlamentar cuja atuação no Congresso Nacional, mantida essa inaceitável visão autoritária, só comprometerá a integridade da ordem democrática e o respeito indeclinável que se deve ter pela supremacia da Constituição da República”.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo deu a íntegra da nota de Celso de Mello a pedido do decano. A sequência é: “Votações expressivas do eleitorado não legitimam investidas contra a ordem político-jurídica fundada no texto da Constituição! Sem que se respeitem a Constituição e as leis da República, a liberdade e os direitos básicos do cidadão restarão atingidos em sua essência pela opressão do arbítrio daqueles que insistem em transgredir os signos que consagram, em nosso sistema político, os princípios inerentes ao Estado democrático de Direito”.

Segundo o jornal, “o vídeo com as declarações de Eduardo Bolsonaro começaram a circular logo cedo entre ministros do STF” e “Celso de Mello teve uma das reações mais indignadas”.

A reportagem destaca que “questionado pela Folha, [Mello] decidiu enviar a mensagem. Outros ministros trocaram mensagens e telefonemas entre si. Eles aguardam a chegada do presidente da Corte, Dias Toffoli, para discutir um posicionamento. Ele estava em Veneza para compromissos profissionais e deve chegar nesta segunda-feira (22) em Brasília”. (247)

Nova pesquisa realizada pela MDA e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte nesta segunda-feira (22) apresenta uma diferença de 14 pontos percentuais entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) na corrida presidencial quando considerados apenas os votos válidos.

O levantamento aponta, a sete dias da eleição, que o capitão reformado do Exército tem 57% dos votos válidos, enquanto o ex-prefeito de São Paulo aparece com 43%.  Considerando-se os votos totais, Bolsonaro aparece com 48,8% das citações, enquanto Haddad tem 36,7%, além de 11,0% que pretendem anular ou votar em branco e 3,5% que se dizem indecisos.

Considerando-se os níveis de rejeição para os candidatos, Fernando Haddad é rejeitado por 51,4% dos entrevistados e Jair Bolsonaro por 42,7%. A definição de voto é definitiva para: 91,1% dos eleitores de Jair Bolsonaro e para 91,3% de Fernando Haddad.

A pesquisa foi realizada entre os dias 20 e 21 de outubro de 2018. Foram ouvidas 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 Unidades Federativas, das cinco regiões do país. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança. A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), sob o número BR-00346/2018.

Veja os principais resultados abaixo:

 Intenção de voto (espontânea)

Jair Bolsonaro: 45,8%

Fernando Haddad: 33,3%

Outros: 0,2%

Branco/Nulo: 11,5%

Indecisos: 9,2%

Intenção de voto (estimulada) – Votos totais

Jair Bolsonaro: 48,8%

Fernando Haddad: 36,7%

Branco/Nulo: 11,0%

Indecisos: 3,5%

Intenção de voto (estimulada) – Votos válidas

Jair Bolsonaro: 57,0%

Fernando Haddad: 43,0%

(Fonte: Correio Braziliense)

O Globo

Três ministros do Supremo consideraram extremamente grave a declaração do deputado Eduardo Bolsonaro . Um deles lembrou que, para fechar o Supremo Tribunal Federal, “o que nem a ditadura tentou”, será preciso “antes disso revogar a Constituição”.

Eles preferiram falar sem serem citados porque a decisão tomada é a de que o STF fale por uma única voz – do presidente Dias Toffoli, que estava em um congresso em Veneza, ou do decano Celso de Mello.

Dias Toffoli ainda não se pronunciou, mais de 24 horas depois de o vídeo do deputado irromper nas redes sociais. O presidente da Corte ” não quis botar mais lenha na fogueira “, disse um assessor direto ao colunista do GLOBO Lauro Jardim.

Outros dois ministros também preferiram fingir que o vídeo não teve maior gravidade: Marco Aurélio Mello, numa declaração mais moderada que a costumeira, e Rosa Weber, que também baixou a bola das declarações do filho de Jair Bolsonaro, escreve o colunista. A exceção foi o decano Celso de Mello, que classificou a afirmação como “inconsequente e golpista” em nota enviada por escrito ao jornal “Folha de S. Paulo”. O ministro ressaltou na mensagem que a votação recorde do deputado – o mais votado da História do país – não legitima “investidas contra a ordem político-jurídica”.

“Essa declaração, além de inconsequente e golpista, mostra bem o tipo (irresponsável) de parlamentar cuja atuação no Congresso Nacional, mantida essa inaceitável visão autoritária, só comprometerá a integridade da ordem democrática e o respeito indeclinável que se deve ter pela supremacia da Constituição da República!!!! Votações expressivas do eleitorado não legitimam investidas contra a ordem político-jurídica fundada no texto da Constituição! Sem que se respeitem a Constituição e as leis da República, a liberdade e os direitos básicos do cidadão restarão atingidos em sua essência pela opressão do arbítrio daqueles que insistem em transgredir os signos que consagram, em nosso sistema político, os princípios inerentes ao Estado democrático de Direitos”, destacou o decano Celso de Mello.

Um dos ministros que não se identificar avaliou ao GLOBO a manifestação de Eduardo Bolsonaro como “uma mistura de autoritarismo com despreparo”.

— É uma declaração despropositada, sequer a matéria envolve o Supremo, a matéria é de competência do TSE. É uma mistura de autoritarismo com despreparo. Já é o segundo pronunciamento de gente das hostes dele nesse sentido em poucos dias — disse um dos ministros.

Ele se referia ao general Eliéser Girão, eleito deputado pelo PSL do Rio Grande do Norte, que propôs a prisão de ministros do Supremo que soltassem condenados por corrupção.

Após vídeo, Eduardo Bolsonaro diz que “nunca” defendeu o fechamento do STF

Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados

Eduardo Bolsonaro justificou ainda que o vídeo foi gravado há quase quatro meses e atribuiu sua publicação agora à proximidade das eleições

Do Estadão Conteúdo

Depois da repercussão de um vídeo no qual aparece dizendo que basta “um soldado e um cabo” para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), recuou, afirmando que nunca defendeu tal posição. “Se fui infeliz e atingi alguém, tranquilamente peço desculpas e digo que não era a minha intenção”, afirma em seu perfil das redes sociais.

O deputado também repetiu seu pai, que mais cedo afirmou a jornalistas que “se alguém falou em fechar o STF precisa consultar um psiquiatra”. “De fato essa pessoa precisa de um psiquiatra”, disse o parlamentar.

Eduardo Bolsonaro justificou ainda que o vídeo foi gravado há quase quatro meses e atribuiu sua publicação agora à proximidade das eleições. “Eu respondi a uma hipótese esdrúxula, onde Jair Bolsonaro teria sua candidatura impugnada pelo STF sem qualquer fundamento.

De fato, se algo desse tipo ocorresse, o que eu acho que jamais aconteceria, demonstraria uma situação fora da normalidade democrática.

Na sequência, citei uma brincadeira que ouvi de alguém na rua”, explicou. O parlamentar diz que o vídeo não é motivo para alarde, e que ele mesmo o publicou em suas redes sociais. Disse que está com a “consciência tranquila” e que o momento é de “acalmar os ânimos”.

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, rebateu hoje (21) as declarações feitas pelo deputado federal eleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) de que seriam necessários apenas “um cabo e um soldado” para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF). “No Brasil, as instituições estão funcionando normalmente e juiz algum que honra a toga se deixa abalar por qualquer manifestação que eventualmente possa ser compreendida como inadequada”, disse Rosa Weber.

No vídeo que circulou nas redes sociais, Eduardo Bolsonaro está em uma sala de aula e diz que “para fechar o STF nem precisa mandar um jipe, basta mandar um cabo e um soldado”.

Questionado sobre o tema, o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, disse desconhecer o vídeo com as declarações do filho e afirmou que alguém tirou as falas de contexto.

Credibilidade

A entrevista coletiva convocada pelo TSE para este domingo, em Brasília, serviu como um ato da Justiça e também dos órgãos de segurança e de inteligência para reafirmar a credibilidade e lisura do processo eleitoral no Brasil. Todos os participantes, que representaram o TSE, órgãos de segurança e inteligência do governo, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Ministério Público Eleitoral, defenderam a inviolabilidade das urnas e a impossibilidade de fraude.

Questionados sobre as investigações quanto às denúncias de divulgação em massa por empresas pagas por meio de caixa 2, as autoridades foram protocolares. O processo corre sob sigilo e não foi divulgado prazo para conclusão do inquérito e outros encaminhamentos.

Segundo Elzio Vicente da Silva, delegado da Polícia Federal na área de combate ao crime organizado, o inquérito será concluído “em prazo razoável”, mas “imprevisível”.

O presidente da OAB, Cláudio Lamachia, disse que, em caso de confirmação de fraude na campanha eleitoral, a entidade poderá questionar o resultado das eleições. “Se tivermos qualquer situação nesta linha vamos submeter ao plenário do Conselho da Ordem que, de forma independente, irá agir”, disse.

Lamachia reiterou que é preciso confiar na “higidez das instituições”. O advogado destacou que as fake news “não fazem bem” à democracia e que o país precisa de equilíbrio e serenidade.

Clima polarizado

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchengoyen, afirmou que esta semana não deve ser vista como “a véspera de um apocalipse”. Para ele, “o Brasil não é um país de radicalismos nem de radicais”.

Etchengoyen também afirmou que, até o momento, o setor de inteligência do governo não identificou “nenhuma operação sistemática de desestabilizar as eleições” e não há indício de ameaças ao pleito do próximo fim de semana.

“A partir da próxima segunda-feira (29), teremos um único presidente da República, que será obrigatoriamente o presidente de todos nós. Se o momento é difícil, o Brasil sempre encontrou a forma, o momento e as convergências para construir a conciliação necessária e a pacificação”, afirmou.

O ministro minimizou o impacto das notícias falsas (fake news) no curso da campanha presidencial.

Existem muitos instrumentos para interferência do processo eleitoral. Fake news talvez seja o menor deles”, destacou. (Fonte: Agência Brasil)


Bolsonaro evitou comentar diretamente gravação de seu filho: ‘Desconheço esse vídeo. Duvido. Alguém tirou de

“Isso não existe, falar em fechar o STF. Se alguém falou em fechar o STF precisa consultar um psiquiatra”, afirmou o candidato, em coletiva na casa do empresário Paulo Marinho, onde grava vídeos para seu programa eleitoral. “Desconheço esse vídeo. Duvido. Alguém tirou de contexto.”

Bolsonaro falou também sobre as manifestações em favor de sua candidatura que ocorreram na manhã deste domingo em diversas cidades do País. “Está havendo hoje manifestação em todo o Brasil; assim como houve no domingo anterior ao primeiro turno”, disse. 

“Isso é sinal que a população está realmente preocupada com o futuro do Brasil. E quer alguém diferente do PT na Presidência da República. Então, eu sou grato a eles que, no momento, não fazem por eles, mas fazem pelo Brasil.”

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso usou as redes sociais neste domingo, 21, para criticar declarações do filho de Jair Bolsonaro. “As declarações merecem repúdio dos democratas. Prega a ação direta, ameaça o STF”, escreveu o ex-presidenete na tarde de hoje em seu Twitter. 

“Não apoio chicanas contra os vencedores, mas estas cruzaram a linha, cheiram a fascismo”, afirmou Fernando Henrique. “Têm meu repúdio, como quaisquer outras, de qualquer partido, contra leis, a Constituição”, conclui na mensagem. 

O candidato do PT, Fernando Haddad, reagiu ao vídeo e classificou a família de Bolsonaro como ‘grupo de milicianos’. O candidato derrotado à Presidência da República pelo PSOL, Guilherme Boulos, afirmou, também no Twitter, que o vídeo de Eduardo Bolsonaro “mostra bem o descompromisso dessa turma com a democracia”. “Aos setores do Judiciário que impulsionaram a onda antidemocrática no País fica o dito espanhol: ‘cria cuervos y te sacarán los ojos'”, acrescentou ele.

Em nota assinada por seu presidente, Claudio Lamachia, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aponta ‘desafio’ na ‘preservação dos valores da democracia’ e ressalta a importância do Supremo Tribunal Federal (STF), com ‘papel fundamental’ no enfrentamento da crise no país. A entidade ainda afirmou que ‘é obrigação do Estado defender o STF’.

Atos aconteceram desde a manhã deste sábado. Em 114 cidades, foram contra Jair Bolsonaro e em 40, a favor. As maiores manifestações foram no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Manifestantes contrários a Bolsonaro se reúnem no Centro do Rio — Foto: Reprodução/GloboNews

Manifestantes em todos os estados e no Distrito Federal foram às ruas em atos contra o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) neste sábado (29). O movimento, chamado de #EleNão, foi convocado pelas redes sociais, com o apoio de artistas, durante o mês de setembro. Ao todo, foram 114 cidades com atos contrários.

Em resposta ao movimento, apoiadores de Bolsonaro também se reuniram em atos pelo Brasil para demonstrar apoio ao presidenciável. 40 cidades em 16 estados tiveram atos a favor de Bolsonaro.

No Rio de Janeiro, manifestantes contrários ao candidato se reuniram na Cinelândia, no Centro, no início da tarde. Inicialmente, a concentração foi em frente ao Cine Odeon.

Às 17h, parte dos manifestantes deixou a Cinelândia e seguiu em passeata por ruas do Centro do Rio. O ato foi encerrado por volta das 21h. Não há estimativa de público.

Manifestantes contrários a Bolsonaro se reúnem no Centro do Rio — Foto: Reprodução/GloboNews

Protesto contra Bolsonaro ocupa a Cinelândia, no Centro do Rio — Foto: TV Globo

Protesto contra Bolsonaro ocupa a Cinelândia, no Centro do Rio — Foto: TV Globo

Manifestantes contrários a Jair Bolsonaro se concentraram no Largo da Batata, em São Paulo — Foto: Roney Domingos/ G1

Manifestantes contrários a Jair Bolsonaro se concentraram no Largo da Batata, em São Paulo — Foto: Roney Domingos/ G1

  • FORTALEZA

Contra Bolsonaro: As pessoas começaram a se concentrar por volta das 15h e saíram em caminhada às 16h30. A organização estima que 50 mil pessoas tenham participado do ato. Segundo a Polícia Militar, 12 mil manifestantes estiveram no local.

Manifestantes contra o candidato Jair Bolsonaro em Fortaleza (CE) — Foto: Kilvia Muniz / Sistema Verdes Mares

Manifestantes contra o candidato Jair Bolsonaro em Fortaleza (CE) — Foto: Kilvia Muniz / Sistema Verdes Mares

  • SOBRAL

Contra Bolsonaro: Os manifestantes fizeram um ato até o início da tarde. O grupo percorreu as principais ruas do Centro, a partir da Praça da Coluna da Hora até a Praça de Cuba.

  • JUAZEIRO DO NORTE

Contra Bolsonaro: O ato ocorreu durante a tarde na Praça do Giradouro, que dá acesso a outras duas importantes cidades do Sul do Ceará, Crato e Barbalha. Os organizadores estimaram presença de 3 mil pessoas. A Polícia Militar não divulgou levantamento de público.

DISTRITO FEDERAL

  • BRASÍLIA

Contra Bolsonaro: A concentração no gramado da Esplanada dos Ministérios, em frente à rodoviária do Plano Piloto, começou por volta das 14h30. Mulheres discursaram em trio elétrico e partiram em caminhada às 15h30, em direção à Funarte, passando pela Torre de TV. A Polícia Militar informa que há 7 mil manifestantes. A organização ainda não divulgou uma estimativa.

Manifestantes protestam contra o candidato Jair Bolsonaro durante ato no Eixo Monumental, em Brasília — Foto: Sérgio Lima/AFP

Manifestantes protestam contra o candidato Jair Bolsonaro durante ato no Eixo Monumental, em Brasília — Foto: Sérgio Lima/AFP

ESPÍRITO SANTO

  • VITÓRIA

Contra Bolsonaro: A concentração dos manifestantes começou às 14h, na Praça do Papa, em Vitória. Os participantes saíram em passeata, em direção à Praça dos Desejos. A organização ainda não informou a quantidade de manifestantes. Já a Polícia Militar informou, às 16h20, que há 2 mil pessoas no local.

Manifestantes contra Jair Bolsonaro se reúnem na Praça do Papa, em Vitória (ES) — Foto: Leandro Tedesco/ TV Gazeta

Manifestantes contra Jair Bolsonaro se reúnem na Praça do Papa, em Vitória (ES) — Foto: Leandro Tedesco/ TV Gazeta

 

Haddad-Foto de Ricardo Stuckert

O candidato do campo democrático à Presidência da República, Fernando Haddad (PT), disse, durante um ato de campanha em Fortaleza (CE), que uma vitória sobre o candidato de extrema direita, Jair Bolsonaro (PSL), terá “um gosto especial, (…) porque não é ganhar de um cara razoável. É ganhar de um trambiqueiro, é ganhar de um cara destrambelhado”. A afirmação vem na esteira das denúncias de que empresários estariam bancando campanhas milionárias para disparos massivos de mensagens em aplicativos nas redes sociais contra ele e o PT, o que configura crime eleitoral; “Modéstia à parte, o Brasil precisa mais de um professor que de um miliciano”, ressaltou.

247 – O candidato do campo democrático à Presidência da República, Fernando Haddad (PT), disse, durante um ato de campanha em Fortaleza (CE), que uma vitória sobre o candidato de extrema direita, Jair Bolsonaro (PSL), terá “um gosto especial, (…) porque não é ganhar de um cara razoável. É ganhar de um trambiqueiro, é ganhar de um cara destrambelhado”. A afirmação vem na esteira das denúncias de que empresários estariam bancando campanhas milionárias para disparos massivos de mensagens em aplicativos nas redes sociais contra ele e o PT, o que é vedado pela legislação eleitoral além de configurar crime de caixa 2.

Haddad, que na manhã deste sábado (20) participa do ato “Caminhada pela Democracia”, também em Fortaleza, antes de seguir para o Crato e Juazeiro do Norte, também destacou que a campanha de Bolsonaro tem sido caracterizada pela incitação à violência. “Modéstia à parte, o Brasil precisa mais de um professor que de um miliciano”, ressaltou. “Não é qualquer mal que ele traz para política. É um mal que leva à violência, ao desrespeito. É evangélico desrespeitando católico, branco desrespeitando negro, homem desrespeitando, porque ele estimula esse tipo de coisa o tempo inteiro. Há muito tempo não víamos isso na política acontecer”, afirmou

110 carreatas pró Bolsonaro confirmadas para este domingo(21) no Nordeste

Coordenadores da campanha de Jair Messias Bolsonaro em Pernambuco, definiu os últimos ajustes de carreatas e atos de apoio ao candidato deste domingo (21).

Na noite desta última quarta-feira, o grupo de coordenadores da campanha de Jair Messias Bolsonaro em Pernambuco se reuniu no Hotel Marante Plaza, em Boa Viagem.

Um grupo de 200 pessoas, incluindo lideranças de todo o Estado estiveram no local. Os próximos passos estratégicos da campanha pró-Bolsonaro e a organização de carreatas foram tratados na ocasião.

Os presentes perfizeram um grupo bastante heterogêneo. Profissionais liberais, donos de sites e de blogs, maçons, jornalistas, empresários, comerciantes, militares e outros se uniram para apoiar, em Pernambuco, o candidato à presidência pelo PSL.

A reunião foi dirigida pelo coronel Koury, coordenador da campanha de Bolsonaro no Estado e pelo coronel Meira, militar reformado da PMPE.

Entre os assuntos abordados, estiveram os últimos preparativos para um grande número de carretas que acontecerão no próximo dia 21. Só na região metropolitana do Estado serão três grandes carreatas, que num
dado momento se encontrarão e formarão uma só.

O coronel Koury, que está à frente da coordenação da campanha e das carreatas, informou que até o momento também estão cadastradas e confirmadas 110 carreatas de apoio a Bolsonaro no nordeste. Todas acontecerão simultaneamente no neste domingo. Koury informou que a expectativa é que o número aumente bastante até este sábado, podendo chegar a 150 carreatas.

Segundo o coronel da reserva da Aeronáutica, a expectativa de confirmação de outras carreatas gira em torno da grande vontade popular de mudar os desmandos no país.

Uma nova mobilização popular já está agendada para o dia 27 de outubro. Será a Caminhada da Família que tem como objetivo, percorrer a Avenida Conde da Boa Vista até o Marco Zero, localizado no centro do Recife. O
objetivo é dar voz à família brasileira sobre o que ela espera da política no país.

Todos esses eventos têm participação e organização voluntários. Não são bancados por partido político algum.

Vários prefeitos pernambucanos declararam apoio a Jair Bolsonaro. Demóstenes Meira, prefeito de Camaragibe, é um deles. O PDT, partido de Meira, agora apoia o candidato do PSL.

EX-PREFEITO DO SERTÃO PARAIBANO É PRESO POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

O GTE de Cajazeiras conduziu na tarde desta quinta-feira dia 18, até a cadeia de Cajazeiras o ex-prefeito do município de Bom Jesus Evandro Gonçalves de Brito de 62 anos.

O ex-gestor tinha contra si um mandado de prisão em aberto por improbidade administrativa, praticada quando comandou a Prefeitura de Bom Jesus, de acordo com a Polícia Civil.

Após a detenção, ele foi encaminhado para a Delegacia de Cajazeiras, e logo em seguida será apresentado na Cadeia para cumprir sua pena semiaberto.

Ângelo Lima

Jovem capota veículo e morre na Estrada da Ingazeira

Acidente aconteceu 2km depois de Santa Rosa, sentido Ingazeira-PE

Morte reproduz tragédia familiar. Irmão de vítima já havia morrido em 2017, dois anos depois de se envolver em acidente que repercutiu no Pajeú

Um grave acidente acabou com a morte de um jovem na estrada da Ingazeira no início da noite.

Makson Kaíque Veras Marques, 24 anos, morreu quando o veículo que guiava sobrou em uma curva no sentido Ingazeira e capotou. Foi dois quilômetros depois de Santa Rosa no sentido Ingazeira.

Makson morreu na hora. Outras duas pessoas ficaram feridas, uma com uma lesão na cabeça e o outro sem maior gravidade. Os nomes ainda não foram informados.

Após capotar, o carro caiu no açude de um senhor conhecido como João Corumba.

A morte de Makson é mais uma tragédia familiar.  Em julho do ano passado, Danilo José de Veras, irmão de Makson, deu entrada sem vida na Casa de Saude Dr José Evóide de Moura.

O próprio Makson chegou a ser acusado de agredir o irmão, mas o laudo do médico de plantão e IML atestaram insuficiência hepática. Makson chegou a ser ouvido mas foi liberado por falta de provas.

Danilo guiava o carro que causou a morte do seminarista Willian Luis Bezerra Figueiredo, 23 anos, natural de Triunfo, em janeiro de 2015, na PE 292.  Por Nill

Comissão aprova crédito de R$ 40,9 mi para conclusão de presídio federal em Pernambuco

Resultado de imagem para presidio de itaquitinga pe

A Comissão Mista de Orçamento aprovou na última quarta-feira (17) projeto de crédito (PLN 15/18) enviado pelo governo que destina R$ 40,9 milhões para a conclusão da penitenciária federal localizada no município de Itaquitinga (PE). A cidade fica a 84 quilômetros de Recife. A unidade vai receber presos do regime fechado.

Atualmente, o governo federal possui quatro prisões federais ativas – Porto Velho (RO), Mossoró (RN), Campo Grande (MS) e Catanduvas (PR). A quinta foi inaugurada na última terça (16), em Brasília, e ainda não entrou em operação. As unidades prisionais são administradas pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Segurança Pública.

O projeto de crédito especial recebeu parecer favorável do deputado Cabo Sabino (Avante-CE). Para viabilizar o investimento e não afetar as metas fiscais do governo, incluindo o teto anual de gastos, a proposta cancela recursos destinados à construção de penitenciárias federais em Iranduba (AM) e em Montes Claros (MG).

ITAQUITINGA – O Centro Integrado de Ressocialização (CIR) de Itaquitinga, localizado na Zona da Mata Norte, recebeu seus primeiros 50 detentos em junho deste ano. Os detentos encaminhados para lá foram transferidos da Penitenciária Professor Barreto Campelo, em Itamaracá, e do Complexo Prisional do Curado, no Recife. Atualmente, cumprem pena na unidade cerca de 200 presos.

As obras para construção da unidade foram iniciadas em 2009, inicialmente como uma Parceria Público-Privada (PPP) com a Sociedade de Propósito Específico (SPE) Reintegra Brasil S.A. A prisão tinha previsão de ser inaugurada em 2012, mas somente em 2016, o governo do estado conseguiu solucionar um impassse que paralisou os trabalhos, decretando a caducidade da PPP e assumindo a responsabilidade das obras.

Presidente do PROS tem prisão decretada pela Justiça

Foto: Reprodução/YouTube

A Justiça Federal decretou a prisão do presidente nacional do PROS, Eurípedes Júnior, alvo da Operação Partialis, deflagrada nesta quinta-feira (18). A investigação mira suposto esquema de desvio de mais de R$ 2 milhões em contratos da prefeitura de Marabá, no Pará. Ele estava foragido até a publicação desta matéria.

A Polícia Federal prendeu nesta quinta o ex-prefeito de Marabá João Salame Neto, dois ex-assessores, a mulher de um deles e três empresários.

Segundo a PF, após a análise de documentos apreendidos, descobriu-se “um verdadeiro esquema criminoso dentro do Paço municipal”, com ilicitudes que consistiam na cobrança de valores por parte de servidores municipais em troca da facilidade no recebimento de pagamentos atrasados.

De acordo com a investigação, além da apropriação de mais de R$ 2 milhões, também foi adquirida, com recursos públicos federais, por um dos empresários investigados e presos durante a operação, uma aeronave de uma empresa com sede em Altamira, também no Pará. A investigação sobre a aquisição da aeronave envolve o presidente do PROS.

A PF narra que, após publicação de que a compra havia sido feita pelo ex-gestor, por pessoa interposta, a aeronave foi enviada para Goiânia, onde ficou sob responsabilidade da direção nacional do partido. “Tanto os empresários da empresa de Altamira como a direção nacional do partido praticaram uma série de ilicitudes”, diz a nota da Polícia Federal.

Os investigados responderão por associação criminosa, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, uso de documento falso e apropriação e ou desvio de recursos públicos. Ao todo, as penas pelos crimes podem passar de 30 anos de reclusão.

Out
2018
TRE-PB marca para dezembro novas eleições para prefeito e vice-prefeito de Cabedelo

desembargador-romero-marcelo
Presidente do TRE-PB, desembargador Romero Marcelo

O Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) marcou para o dia 9 de dezembro deste ano, um domingo, as eleições para prefeito e vice-prefeito do município de Cabedelo. A Corte Eleitoral aprovou, à unanimidade, na tarde dessa sexta-feira (19) resolução que determina a realização de novas eleições e fixa a data para a realização do pleito. Os eleitos nessas eleições suplementares assumirão um mandato até o dia 31 de dezembro de 2020.

A matéria foi apresentada à Corte pelo presidente do TRE-PB, desembargador Romero Marcelo. O procedimento se deve à dupla vacância no Poder Executivo municipal, após a renúncia de Leto Viana do cargo de prefeito e da morte do vice, Flávio Oliveira, em 15 de julho passado. Leto está preso desde o dia 3 de abril, devido aos crimes investigados pela Operação Xeque-Mate.

A resolução delega à Corregedoria Regional Eleitoral a atribuição para elaborar a resolução estabelecendo as instruções necessárias para a realização da eleição, segundo apurou o Portal ClickPB. A coordenadora da Corregedoria, Vanessa do Egito, disse ao ClickPB que a minuta dessa resolução deverá ir à apreciação pelo Pleno na sessão da próxima quarta-feira (24).

O TRE recebeu ontem (19) o ofício 970/2018 e o ato 075/2018 da Câmara Municipal de Cabedelo comunicando a renúncia de Leto Viana, bem como a comunicação do juiz eleitoral da 57ª Zona Eleitoral. Com ClickPB.

Paraíba Já

A Polícia Federal (PF) instaurou hoje (20) inquérito para investigar a disseminação de mensagens pelo WhatsApp referentes aos candidatos à Presidência da República.

O pedido de abertura de investigação foi feito pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Ela quer que a PF apure o possível uso de esquema profissional por parte das campanhas, com o propósito de propagar notícias falsas, as chamadas fake news.

Esta semana, jornais publicaram matérias segundo as quais empresas de marketing digital, custeadas por empresários que apoiam o candidato à Presidência, Jair Bolsonaro, estariam disseminando conteúdo em milhares de grupos do aplicativo.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) também abriu processo, depois de ação ajuizada pela candidatura de Fernando Haddad (PT) na quinta-feira (18).

Ao rebater as acusações, pelo Twitter, Jair Bolsonaro afirmou que não tem controle sobre apoios voluntários e afirmou que o PT não está sendo prejudicado por fake news, mas pela “verdade”.

As matérias dos jornais apontaram uma rede de empresas contratadas para efetuar os disparos em massa.

Os contratos, que chegariam a R$ 12 milhões, seriam bancados por empresários próximos ao candidato.

Para a procuradora Raquel Dodge, o quadro de possível interferência na formação de opinião dos eleitores com atuação dessas empresas com mensagens que podem caracterizar ofensas aos dois candidatos “afronta a integridade do processo eleitoral”. (Agência Brasil)

Aplicativo notifica empresas e bane contas em ações contra denúncia de uso do serviço para disparo de spams a favor de Jair Bolsonaro

São Paulo – Após reportagem da Folha de S.Paulo denunciar um suposto esquema de caixa 2 onde empresários estariam pagando para envio de milhões de mensagens em prol da campanha de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência, o WhatsApp anunciou que baniu 100 mil usuários no Brasil.

Supostamente, essas contas enviaram mensagens consideradas spams. O aplicativo consegue detectar contas que enviaram conteúdo publicitário em massa sem autorização dos usuários.

Leia a nota oficial do WhatsApp:

“O WhatsApp baniu proativamente centenas de milhares de contas durante o período das eleições no Brasil. Temos tecnologia de ponta para detecção de spam que identifica contas com comportamento anormal para que não possam ser usadas para espalhar spam ou desinformação. Também estamos tomando medidas legais imediatas para impedir empresas de enviar mensagens em massa via WhatsApp e já banimos contas associadas à essas empresas”.

Na denúncia revelada pelo jornal Folha de S.Paulo, a campanha de Bolsonaro poderia estar envolvida em prática ilegal, já que o apoio financeiro de empresas aos candidatos é proibido pela lei eleitoral. Também poderá haver investigação sobre suposto caixa dois.

Exame.

 

Reeleito no primeiro turno em Pernambuco, o governador Paulo Câmara (PSB) reuniu, na tarde desta sexta-feira (19), um grande conjunto de prefeitos, ex-prefeitos, vereadores, deputados e lideranças políticas pernambucanas para reafirmar o apoio ao presidenciável Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições 2018. Cerca de mil líderes de todas as regiões do Estado lotaram o Centro de Convenções do Hotel Canariu’s, em Gravatá, no Agreste, para confirmar que estão ao lado de Paulo e Haddad.

Durante o encontro, Paulo fez um agradecimento às lideranças pelo apoio dado no primeiro turno em Pernambuco e pediu que a mobilização se repita na campanha de Haddad, sobretudo nesta reta final que antecede o pleito. “O desafio que nós temos até dia 27 é importante e necessário. O Brasil já está dando passos para trás e a gente não pode deixar dar passos mais largos ainda. Vamos em frente nesta última semana. Vocês viram no primeiro turno que na última semana aconteceu muita coisa. Não vamos desistir do Brasil e vamos mostrar essa resistência em Pernambuco“, afirmou.

O socialista destacou que a força do Nordeste será primordial para garantir resultados expressivos em favor de Haddad e lembrou os avanços promovidos na gestão do ex-presidente Lula, sobretudo na região. “O caminho de Lula de diminuir desigualdade sociais e regionais, de gerar emprego e renda são valores que não podemos deixar escapar de maneira nenhuma. Falar nisso é falar de futuro. O que a gente já conhece e sabe que dá certo. Haddad representa isso. Ele teve pouco tempo de mostrar na campanha e está se esforçando no segundo turno. As fake news estão espalhadas e com grupos poderosos por trás disso, como foi noticiado. Mas a verdade sempre estará na frente“, defendeu o governador.

Eleita vice-governadora, a presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos, destacou que a eleição de Bolsonaro representa uma ameaça ao Brasil e que é preciso dialogar com a população e mostrar o melhor projeto presidencial. “Ele representa o que há de pior na política. Precisamos, portanto, fazer o debate de ideias. A primeira semana após o primeiro turno foi de violência política. Esta candidatura (de Bolsonaro) está fazendo caixa dois e financiamento eleitoral. É a junção de crimes cometidos com as fake news. Pernambuco vai demonstrar que tem altivez. Vamos garantir a vitória do que representa o legado do melhor presidente que já tivemos, que foi Lula“, declarou.

O senador reeleito Humberto Costa (PT) destacou a disparidade entre os projetos representados por Fernando Haddad e Jair Bolsonaro e o risco que o candidato oposto apresenta para o Brasil. “De um lado a gente tem alguém que a gente conhece. Um candidato preparado, que foi ministro, que criou o Prouni, Pronatec, e em todo município existe uma ação de Fernando Haddad, que é representante de um projeto que nós conhecemos. O candidato da democracia, da defesa da Constituição. Do outro lado, temos um homem que ninguém sabe o que ele é. Ou melhor. A gente sabe que ele é uma pessoa despreparada, alguém folclórico“, avaliou.

Prefeitos

Representando mais de 100 prefeitos pernambucanos que participaram do encontro, o chefe do Executivo em Afogados da Ingazeira, José Patriota (PSB), reforçou a necessidade de cada liderança municipal no pleito que se aproxima. Ele também falou da importância da vitória de Haddad para garantir as parcerias entre Pernambuco e o Governo Federal. “Não podemos baixar a cabeça e nos omitir. Esta é a hora de demonstrarmos força, coragem e autonomia. Eleição se ganha no dia com o voto. Vamos trabalhar e mostrar a liderança de Paulo Câmara garantindo uma vitória expressiva de Haddad”, pontuou.Candidata no primeiro turno das eleições, Dani Portela (PSOL) também participou do encontro.

Do Poder 360

O ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Jorge Mussi deu seguimento, nesta 6ª feira (19), a uma ação protocolada pelo PT que pede investigação do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL). De acordo com reportagem do jornal Folha de São Paulo, teria sido financiada a disseminação de notícias falsas contra o PT.

Mussi deu um prazo de cinco dias para que Bolsonaro se manifeste sobre o caso. No entanto, ele indeferiu pedido feito pela coligação presidencial de Fernando Haddad (PT) de que sejam cumpridos mandados de busca e apreensão nas empresas que teriam financiado a disseminação de notícias falsas.

“Observo que toda a argumentação desenvolvida pela autora está lastreada em matérias jornalísticas, cujos elementos não ostentam aptidão para, em princípio, nesta fase processual de cognição sumária, demonstrar a plausibilidade da tese em que se fundam os pedidos e o perigo de se dar o eventual provimento em momento próprio”, fundamentou Mussi ao decidir sobre o caso.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, se reuniu nesta 6ª com a presidente do TSE, Rosa Weber, para pedir urgência no andamento das investigações. Na ocasião ela também afirmou que entrou com uma ação na PGR (Procuradoria Geral da União) contra Flávio Bolsonaro, senador eleito e filho do candidato do PSL à Presidência.

Entenda o caso

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, empresários financiaram a propagação de notícias falsas pelo WhatsApp para prejudicar o PT. De acordo com o jornal, eles teriam contratos de até R$ 12 milhões para disparar mensagens em massa em uma grande operação na semana anterior ao 2º turno.

As empresas citadas pelo jornal paulista são Quick Mobile, Yacows Mobile, Croc Service, SMSMarket e o empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas de departamento Havan.

A defesa da campanha petista solicita que o TSE investigue essas empresas, Bolsonaro e seu candidato a vice Hamilton Mourão (PRTB). A ação é assinada pela presidente do PT.

Bolsonaro disse na 5ª feira que não controla as atitudes dos empresários: “Eu não tenho controle se tem empresário simpático a mim fazendo isso. Eu sei que fere a legislação. Mas eu não tenho controle, não tenho como saber e tomar providência”.

Já o empresário Luciano Hang, da Havan, disse que processará o jornal.

Haddad Bolsonaro

São Paulo – A diferença entre o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, e o candidato do PT, Fernando Haddad, está em 6 pontos percentuais. De acordo com pesquisa feita pelo instituto Vox Populi, Bolsonaro está com 53% dos votos válidos e Haddad com 47%. O levantamento foi feito na terça-feira e quarta-feira, antes, portanto, da publicação das denúncias envolvendo a prática de crime eleitoral da campanha de Bolsonaro, por meio do financiamento empresarial da distribuição em massa de fake news via listas de WhatsApp.  No voto estimulado, Haddad lidera na região Nordeste, vencendo Bolsonaro por 57% a 27%. Nas demais regiões, o presidenciável do PSL lidera, alcançando 21 pontos percentuais de vantagem sobre o adversário nas regiões Sudeste e Sul.

Em termos absolutos, Bolsonaro aparece com 44% e Haddad com 39%. Brancos e nulos somam 12% e outros 5% disseram não saber. A pesquisa foi contratada pela CUT e contou com 2 mil entrevistas aplicadas em 120 municípios. A margem de erro é de 2,2%, estimada em um intervalo desconfiança de 95%. A sondagem foi registrada no TSE com o número BR-08732/2018.

Serra Talhada registra o 31º homicídio do ano. Homem é morto à facadas

 Em menos de 24 horas os números de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) em Serra Talhada foram atualizados, e já somamos 31 homicídios na cidade.
No início da tarde desta sexta-feira (19), um homem foi morto a facadas na Avenida Gregório Ferraz Nogueira, mais conhecida como a Avenida Saco, que dá acesso à UFRPE-Uast.
A reportagem do Farol de Notícias confirmou a informação através de testemunhas, a Polícia Civil e o Hospital Regional Professor Agamenon Magalhães (Hospam), para onde o corpo foi encaminhado pela Polícia Militar, por volta das 14h, e encontra-se no Necrotério da unidade de saúde.
A vítima é José Rosenildo Leite Silva, de 38 anos. De acordo com a Delegacia de Polícia Civil, a morte pode ter sido provocada por golpes de arma branca.
No local do crime, testemunhas relataram que teria havido uma briga e José Rosenildo foi atingido com facadas na região do abdômen e costas.
Jair Bolsonaro. (Foto: Adriano Machado/Reuters)

Para 73% brasileiros, o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, deveria comparecer a debates contra seu adversário no segundo turno, Fernando Haddad (PT). O número representa ser esta a posição, portanto, de três a cada quatro brasileiros entrevistados pelo instituto Datafolha, em nova pesquisa que foi divulgada na noite desta quinta-feira, 18.

Outros 23% consideram que o presidenciável não deveria comparecer, enquanto 4% não souberam responder à pergunta. Dos entrevistados, 67% disseram considerar os debates como importantes para a decisão de voto nas eleições. Ao todo, 13% disseram considerar “um pouco importante”, enquanto 19% não levam os encontros transmitidos pela televisão em consideração.

Bolsonaro não foi aos últimos debates do primeiro turno, se recuperando de uma facada que sofreu no começo do mês passado, durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG). Ele foi vetado nos primeiros encontros do segundo turno pela equipe médica. O postulante foi liberado a comparecer a partir desta semana, mas o presidente nacional do PSL, Gustavo Bebianno, já adiantou que Bolsonaro não pretende participar de nenhum debate até o próximo dia 28.

A pesquisa do Datafolha mostrou Bolsonaro mais uma vez em primeiro lugar, com 59% das intenções de voto, quando são considerados apenas os sufrágios válidos, excluindo brancos e nulos. Haddad tem 41%. A diferença entre os dois candidatos oscilou de dezesseis para dezoito pontos percentuais, dentro da margem de erro do levantamento, de dois pontos, para mais ou para menos. (Fonte: Veja)

Datafolha: Com 59% das intenções de voto, Bolsonaro mantém vantagem contra Haddad

Foto: reprodução

Nova pesquisa do instituto Datafolha mostra Jair Bolsonaro (PSL) com 59% das intenções de voto, contra 41% de Fernando Haddad (PT) no segundo turno presidencial. Os dois candidatos oscilaram dentro da margem de erro, de dois pontos percentuais. Bolsonaro, que aparecia com 58%, oscilou para cima. Haddad, que tinha 42%, para baixo.

Os números dizem respeito aos votos válidos, que desconsideram brancos, nulos e indecisos. Em relação ao totais de votos, Bolsonaro passou de 49% para 50% e Haddad, de 36% para 35%. As intenções de voto em branco eram 8% e agora são 10%, enquanto os que pretendiam votar nulo eram 6% e agora são 5%.

A pesquisa mostrou que Haddad é o candidato com a maior rejeição, com 54% de eleitores que dizem não cogitar votar nele no segundo turno das eleições. 33% dizem que com certeza votariam e 12% afirmaram que podem votar. Do outro lado, são 41% os que descartam o voto em Bolsonaro, contra 48% que votaram nele com certeza e 10% que dizem que poderão votar.

A pesquisa Datafolha ouviu 9.128 pessoas entre os dias 16 e 18 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, com índice de confiança de 95%. O levantamento foi contratado pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo e registrado na Justiça Eleitoral sob a identificação BR-07528/2018. (Fonte: Veja)

https://www.cartacapital.com.br/economia/a-bayer-comeca-a-sentir-o-peso-da-monsanto/a-bayer-comeca-a-sentir-o-peso-da-monsanto/@@images/701c4942-fbed-49d6-a93b-07ed18c2b8d4.jpeg

A multinacional alemã Bayer busca jovens em Pernambuco para seu programa de Estágio 2019. A empresa oferece vagas em Petrolina, no Sertão do São Francisco. As inscrições podem ser feitas até o dia 31 de outubro por meio do endereço: carreiras.bayer.com.br. O estágio tem duração de dois anos. Os selecionados deverão iniciar o programa a partir de fevereiro de 2019.

Eleita, pela Você S/A, como uma das melhores empresas para começar a carreira, a Bayer oferece oportunidades para estudantes das áreas de exatas, biológicas e humanas que estejam a partir do segundo ano do ensino superior. Ao todo serão 180 vagas disponíveis para diversas cidades do país. 

Os interessados devem ter disponibilidade para estagiar de 30 a 40 horas semanais, conforme o curso. Além disso, a empresa afirma que são desejáveis bons conhecimentos em inglês e no Pacote Office. 

O programa de desenvolvimento proposto pela companhia inclui treinamentos formais, palestras ministradas pelos líderes e atividades práticas que auxiliarão na formação e no desenvolvimento técnico e comportamental.

Apostador do sertão da Paraíba ganha mais de R$ 1 milhão na Lotofácil

Resultado de imagem para lotofacil

Um apostador do município de São Domingos, na Paraíba, ganhou mais de R$ 1 milhão na Lotofácil nessa quarta-feira (17). Ele acertou as 15 dezenas, que é a aposta mínima, e venceu o concurso 1.725.

Além dele, outro sortudo de Santa Catarina venceu o prêmio principal, sorteado em Goiás, e vai receber o mesmo valor (R$ 1.068.840,62).

Números sorteados

01 – 05 – 06 – 08 – 12 – 13 – 14 – 15 – 18 – 19 – 21 – 22 – 23 – – 24 – 25

Voos de filho de Bolsonaro para treinos de tiro foram pagos pela Câmara

O deputado federal reeleito em São Paulo, Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), teria utilizado verba da cota parlamentar para treinos de tiro em Santa Catarina.

Em um vídeo publicado no dia 28 de agosto de 2016 em seu canal no YouTube, com o título “Sessão de desestresse ontem no Clube e Escola de Tiro 38”, o deputao aparece numa sessão de tiros num clube privado em Florianópolis. A data com uma passagem comprada no dia 27 do mesmo mês saindo do Rio de Janeiro para a capital catarinense.

A cota parlamentar é direito de todos os deputados federais e só pode ser usada quando há interesse público. De acordo com a legislação, “a cota é destinada a custear gastos exclusivamente vinculados ao exercício da atividade parlamentar”.

Portal da transparência mostra histórico de viagens e gastos no valor de R$ 224,5 mil em passagens aéreas

Eduardo Bolsonaro, deputado mais votado em São Paulo, fez viagens frequentes no início do mandato, em 2015, para o litoral de Florianópolis, onde pratica o tiro esportivo, e também para o Rio Grande do Sul, onde Heloísa Wolf, sua namorada, estudava e morava.

Entre 2015 e 2016, o gabinete de Eduardo pediu reembolso de 21 passagens aéreas que tinham como origem ou destino Florianópolis ou Navegantes, uma cidade vizinha. Os dados são constatados no sistema de transparência da Câmara.

No mesmo período, há outros 13 pedidos de reembolso de passagens que tiveram origem ou destino Porto Alegre e Caxias do Sul.

O total de verba gasta com passagens relativas a capital catarinense é de R$ 21 mil. Já as passagens para o Rio Grande do Sul totalizam R$ 19 mil. Eduardo gastou R$ 411 mil da cota parlamentar em 12 meses, sendo R$ 224,5 mil para passagens aéreas.

Outras passagens coincidem com a ida do deputado a Oktoberfest, em Blumenau (SC), e outra com a comemoração do seu aniversário em Camboriú (SC) em um restaurante japonês.

 

Um twitter bombástico: o próprio diretor do Datafolha, Mauro Paulino, usando seu olhar técnico como analista de pesquisas, admite que a subida de Bolsonaro foi impulsionada por uma fraude. Ele explica que a onda na reta final do primeiro turno foi patrocinada por práticas ilegais de uso massivo do WhatsApp com caixa dois digital patrocinado ilegalmente por empresas.

“PESQUISAS ELEITORAIS evidenciaram a impulsão da onda nos momentos finais. RJ, MG e DF são claros exemplos. Ao se comparar as fotos das vésperas, registradas por Ibope e Datafolha, em comparação com a foto das urnas, o fenômeno é claramente explicitado.” A seguir, no tuíte, o link para a manchete da Folha desta quinta-feira: “Empresários bancam campanha contra PT pelo WhatsApp”.

Da manhã e no início da tarde, Fernando Haddad também usou o Twitter para denunciar o esquema milionário de Jair Bolsonaro bancado por empresas para fraudar as eleições e anunciou que sua campanha vai acionar a Polícia Federal e a Justiça Eleitoral. Segundo Haddad, o PT tem informações segundo as quais há 156 empresários envolvidos na fraude. 

A prática é ilegal, pois se trata de doação de campanha por empresas, vedada pela legislação eleitoral, e não declarada.

A Folha apurou que cada contrato chega a R$ 12 milhões e, entre as empresas compradoras, está a Havan. Os contratos são para disparos de centenas de milhões de mensagens.

 

Feirada Rapadura e Agricultora Familiar acontecem nesta sexta, 19 em Santa Cruz da Baixa Verde

Resultado de imagem para santa cruz da baixa verde

Entre os dias 19 e 21 de outubro, Santa Cruz da Baixa Verde-PE, vai vivenciar mais uma edição da Ferira da Rapadura e da Feira do Agricultor Familiar, promovido pela Unidade do Sebrae no Sertão Central, Moxotó, Pajeú e Itaparica, em parceria com a Prefeitura Municipal.
O evento, que acontece na Praça da Igreja Matriz Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, virou tradição em toda região, atraindo turistas de todo canto do país, é o caso do Técnico Judiciário Fábio Carvalho, que veio do Piauí conhecer de perto a maior rapadura do mundo.
“Em minha terra, conhecemos cedo o sabor da rapadura, é nossa sobremesa mais comum em todos os lares e vim conhecer de perto a maior do mundo, quem sabe experimentar um pedacinho e saber se é boa mesmo”, conta.
Durante os três dias, a cidade vai se vestir de feiras, palestras, seminários e muita festa. Atrações locais, regionais e nacional vão passar pelo palco, mas o que está gerando expectativa entre os expositores, são as palestras e a visitação do público.
“Todos os anos recebemos centenas de visitantes na cidade, conhecendo nossos produtos e isso nos motiva o resto do ano, para que na próxima, possamos oferecer melhores produtos e serviços. Este ano, em especial, estamos ansiosos pelas palestras. Acreditamos que elas serão muito importantes para contribuir com nosso crescimento empresarial”, afirma Luiz Melo, empreendedor.
Além de rodadas de negócios, o Sebrae Serra Talhada organizou uma série de palestras e seminários para tratar sobre: O resgate da Cana de Açúcar natural e a retomada da produção de rapadura, substâncias Químicas e seus Efeitos, operações Financeiras e Credamigo, além das palestras que farão parte da Feira do Agricultor Familiar.
“Estamos na XXIII edição da Feira da Rapadura e dentro deste evento, realizamos o VI Feira da Agricultura Familiar, onde vamos trabalhar Políticas Públicas na Agricultura Familiar e Cidadania, bem como vamos fazer uma palestra voltada para o empreendedorismo”, explica Pedro Lira, Gerente do Sebrae.
A feira acontece das 8h às 22h, é gratuito e as inscrições para as palestras podem ser feitas no dia e local do evento. Maiores informações pelo número (87) 3831-1552.
PROGRAMAÇÃO
SEXTA-FEIRA (19/10)
06h – Alvorada
08h – Hasteamento dos pavilhões e montagem dos estantes
09h – início da distribuição dos estandes
15h – Rodada de negócios
17h – Apresentação de um grupo de dança
18h – Abertura Oficial
20h – Apresentações do Cultural do SESC
22h – Sandrino Ferraz
00h – Ciel Rodrigues
SÁBADO (20/10)
06h – Alvorada
07h – Corrida de ciclista, local: divisa com a Paraíba ao Bairro do Ginásio.
08h – Reabertura dos estandes.
09h – Seminário com os engenhos e produtores da cana de açúcar.
                Tema: O resgate da Cana de Açúcar natural e a retomada da produção de rapadura.
                Local: Auditório.
                Palestrante: Adailson.
10h – Seminário sobre operações Financeiras e Credamigo.
                Palestrante: Darliton Fernandes e Maria Gabriela – BNB.
                Local: Conselho Rural (Comdersc).
14h – Seminário sobre operações e financeiras do Banco Santander.
                Palestrantes: Representante Banco.
                Local: Auditório.
15h – Seminário sobre Operações Financeiras do Bradesco.
Palestrante: Representante do Banco.
Local: Auditório.
16h – Palestra sobre Substâncias Químicas e seus Efeitos.
17h – Imprensa na feira.
19h – Desfile da Rainha da Rapadura.
22h – Maria Clara.
00h – Banda Os Solteirões.
DOMINGO (21/10)
06h – Alvorada.
07h – Reabertura dos estandes.
08h – Abertura da VI Feira Ecológica na Agricultura Familiar.
09h – Seminário sobre Políticas Públicas na Agricultura Familiar e Cidadania.
                Palestrante: Dr. Antônio Filho, Advogado da FETAPE.
10h – Palestra sobre Empreendedorismo.
Palestra: Raquel do Sebrae.
Haverá sorteios de cestas básicas da agricultura familiar.
11h20 – Forró na Feira com Natanael Lima.
15h – Rodada de Negócios.
17h – Imprensa na Feira
18h30 – Contagem Regressiva para quebra do maior alfenim da região.
19h – Contagem regressiva para a quebra da maior e mais pesada rapadura do mundo, com 5.000 Kg.
21h – Apresentação Cultural do SESC.
22h – Boy Vaqueiro.
00h – Xand Aviões.
02h – Encerramento Oficial. por Ivonaldp

Gerente de Abatedouro diz que denúncia de marchantes de Tabira as fotos animais não são verdadeiras 

Em entrevista a Rádio Pajeú 104,9 FM,  o gerente do Abatedouro Regional de Afogados da Ingazeira, Miguel Silva, disse que a denúncia de que estaria havendo abate de má qualidade da carne de animais menores levados de Tabira não procede. “Sempre houve má vontade dos marchantes de Tabira de abaterem os animais no Abatedouro Regional de Afogados”, disse Miguel. 

Ele afirmou  que as fotos que estão sendo divulgadas não condizem com os animais abatidos na segunda-feira no abatedouro. “Eu vi as fotos, li a matéria e detectei que não foram animais abatidos nesta segunda no abatedouro. Não é verdade. Tem  um suíno por exemplo em que  não aparece a marca do CIE. Abatemos quatro caprinos da marca KV na segunda e na foto aparecem na bandeja cinco cabeças”, disse Miguel. Em resumo, quis dizer que, além de improcedente, a denúncia é orquestrada para forçar a saída dos marchantes de Afogados, após definição com o MP.

Miguel ainda afirmou que a reclamação só parte de Tabira e que outras cidades e empresas atendidas pelo Abatedouro Regional não têm esses problemas. “Trabalhamos para o Grupo Pajeú com uma quantidade considerável de animais, para Serra Talhada, com média de vinte e cinco caprinos abatidos, onde temos aprovação e satisfação do cliente, trabalhamos para várias cidades inclusive para Afogados da Ingazeira que abate animais de pequeno porte, não enfrentamos esse problema”, informou Miguel. 

Questionado sobre a presença de pêlos nos animais abatidos, Miguel disse que isso acontece pelo fato de usarem ainda o trabalho manual, mas que está sendo providenciada uma depiladeira para melhorar e dar agilidade ao trabalho.

 

Embora esteja na pauta do Plenário do Senado desta terça-feira (16), a privatização de distribuidoras de energia elétrica do sistema Eletrobras – por meio do projeto de lei da Câmara (PLC) 77/2018 – não deve ser aprovada antes da eleição. O texto “estabelece medidas de mitigação de risco e aumento da segurança jurídica para a geração e distribuição de energia na região Norte e viabiliza a privatização de distribuidoras”.

“Está marcado na pauta do Senado, mas dificilmente vai ser aprovado antes da eleição. É provável só depois, mas não deve haver votação dessas questões até a data da eleição. Não deve haver quórum, mas, mesmo que tenha, acho difícil que vote”, diz o senador Humberto Costa (PT-PE).

Para ele, uma eventual aprovação depois de 28 de outubro vai depender muito do resultado da eleição, “do ânimo de quem for derrotado, do ânimo de quem vencer”. “Vai depender muito, inclusive, da posição que o novo presidente colocar. Acho que ele vai tentar interferir para tentar fazer com que sua posição pessoal prevaleça. Não sei qual, mas, com certeza, vai.”

Segundo a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), se o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), insistir em manter a votação do projeto, a oposição tentará conseguir que ele retire a proposta. “Não é a hora de tratar de privatização, principalmente essa, que envolve basicamente a privatização da Amazonas Energia.”

A dívida da empresa amazonense ultrapassa os R$ 20 bilhões. “A empresa do Amazonas não foi vendida por conta dessa lei que não foi votada, que, além de sanear, muda regras, ampliando os subsídios, porque ela é deficitária. Ou seja, vamos subsidiar o lucro. Não estamos subsidiando só a produção de energia para o povo, mas o lucro de empresa privada”, diz Vanessa.

O governo Temer alega que o o objetivo é despertar o interesse de investidores pelas empresas e que o PLC 77/2018 regulamenta a privatização de distribuidoras da Eletrobras na região Norte, com o objetivo de eliminar “pendências jurídicas”.

“A ideia deles é ‘sanear’ a empresa, jogar essa dívida para os consumidores para privatizar um sistema que é completamente deficitário. Se insistir em colocar vamos tentar derrubar esse projeto”, diz.

A Companhia Energética de Alagoas (Ceal) também está na mira da privatização, mas no momento uma liminar do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedida em junho, impede sua venda.

Quatro empresas já foram negociadas: a Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), as Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron) e a Boa Vista Energia, que atende Roraima e a Companhia de Energia do Piauí (Cepisa).

Indo à votação, a tendência é a base aliada de Temer aprovar o projeto, “se tudo continuar como antes”. “Mas vamos trabalhar muito para, se não rejeitar, pelo menos aprovar uma emenda que não permita a privatização da empresa.”

Quanto à eleição, para a senadora do Amazonas “tudo é possível”. “Está difícil, é muito voto que a gente tem que virar. Mas, com tudo isso que está vindo à tona sobre esse cidadão, Bolsonaro, se a população ainda mantiver o voto, é porque a coisa está muito feia.”

“Acho que temos chance de ganhar”, afirma Humberto Costa.

Chuva forte enche barreiros e alegra população de Pesqueira

Uma chuva inesperada caiu no fim da tarde dessa terça-feira (16) por cerca de duas horas e animou os moradores de Pesqueira e região do Agreste pernambucano. Na zona urbana, a precipitação variou entre 38 e 49mm.

Durante o período da chuva, pequenos transtornos foram registrados na cidade. Houve queda e oscilação da energia elétrica e o muro de uma escola estadual no centro caiu em cima de um veículo. Felizmente, os danos foram apenas materiais. O Corpo de Bombeiros isolou o local.

Já na zona rural, a trovoada atingiu precipitação maior. No Distrito de Papagaio, as chuvas variaram entre 50 e 65mm. O rio que corta o povoado recebeu água que chegou até o Povoado de Cacimbão, que registrou 12 mm de chuvas.

No Povoado Beira Mar, a felicidade foi maior: a precipitação atingiu 155mm. O gerente de uma fazenda no local, Damião, ficou animado com as chuvas. “Os barreiros pequenos estão tudo sangrando. Todo mundo está alegre lá, graças a Deus choveu para acabar a seca, lá estava um caso sério”, afirmou, em entrevista à Rádio Jornal Pesqueira.

Previsão

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a previsão para esta quarta-feira (17) na cidade é de tempo nublado a parcialmente nublado com chuva isolada. As temperaturas variam entre 18°C e 33°C.

 

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, pediu que a Polícia Federal instaure inquérito para apurar a origem e a autoria de uma mensagem recebida por ela questionando o uso das urnas eletrônicas e ameaçando uma revolta popular caso o candidato de extrema direita Jair Bolsonaro (PSL) não seja eleito no segundo turno. “A senhora vai ver o povo na rua e os caminhoneiros parando este Brasil até que tenha novas eleições e com voto impresso”, diz o texto da mensagem recebida pela ministra.

Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, o texto foi enviado à uma conta oficial do TSE nas redes sociais. O recebimento de mensagens intimidatórias contra o TSE e seus servidores não é considerada incomum, mas esta foi a primeira vez em que a destinatária foi a própria presidente da Corte. “Espero que a sra. fique de olho”, alerta o texto. “É só um aviso, com todo respeito”, completa o autor.

Nas últimas semanas, Jair Bolsonaro vem intensificando as declarações que levantam suspeitas sobre a lisura do processo eleitoral e o uso das urnas eletrônicas. Os mesmos questionamentos provocaram um enxurrada de fake News sobre o assunto por parte dos partidários do presidenciável que, assim como ele, pedem o retomo do voto em cédulas de papel. (247)

“Se não fosse esse lance de 2014, provavelmente o PSDB hoje teria grandes chances de ganhar a eleição”, afirmou Hadda

Durante entrevista ao programa PânicoFernando Haddad analisou a rejeição ao PT nos últimos anos. Para o candidato do PT, “o golpe atrapalhou tudo”.

O ex-prefeito de SP disse que o “problema é o que aconteceu depois de 2014 “,  mas reconhece que a então presidente Dilma Rousseff errou no final de seu primeiro mandato. “Dei entrevista criticando algumas medidas, por exemplo a desoneração de alguns setores provocou um problema nas contas públicas”, lembrou.

“O problema todo é que depois que ela ganhou quando ela foi corrigir o que estava errado, o pessoal começou a bombardear, sabotar até tirar ela do poder. Você assume a responsabilidade por certos equívocos? Assumo, mas sempre incluo que o Aécio e o Eduardo Cunha não pensaram no País, pensaram neles próprios para chegar no poder”, afirmou Haddad.

Haddad, então, traçou um diagnóstico do PSDB: “Se não fosse esse lance de 2014, provavelmente o PSDB hoje teria grandes chances de ganhar a eleição. O que aconteceu com o PSDB [hoje]? Ele acabou”.

Categórico, o petista decretou: “O golpe atrapalhou tudo”. “Tem que seguir a Constituição, esse negócio atrapalhou a vida do próprio PSDB, o PSDB hoje teria condições (…) quando que ia se imaginar que talvez um dos piores parlamentares da história desse país estaria no segundo turno de uma corrida presidencial?”, questionou, atacando seu concorrente ao Planalto, Jair Bolsonaro.

Cid Gomes vai ao TSE contra uso de sua imagem em programa de Bolsonaro

Depois de ter criticado o PT, durante ato pró-Haddad realizado no Ceará, na última segunda-feira (15), e de ter usado as redes sociais para explicar as declarações, ontem (16), o senador eleito Cid Gomes também decidiu recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o uso de sua imagem pela campanha de Jair Bolsonaro.

O candidato à Presidência pelo PSL mostrou o discurso do irmão de Ciro Gomes em seu programa eleitoral, que foi ao ar nesta terça-feira (16).

Para os advogados do senador eleito, Bolsonaro fez uso de “ardiloso artifício para tentar repassar à população fatos que não condizem com a realidade”. As informações são da coluna Painel, da Folha de São Paulo.

Além disso, segundo a defesa, a campanha do capitão reformado infringiu a lei eleitoral porque não poderia transmitir propaganda com a imagem de candidato que pertence a partido que declarou apoio a outro.

“A adoção desse tipo de publicidade, direcionando à classe menos informada ideia falsa, ou pelo menos incompleta, que poderá levar milhares de brasileiros à erro, tudo com o claro intuito de angariar, mesmo que de forma vil, o voto da população mais carente, deve ser reprovada!”, diz parte da peça.

Ainda há reclamação quanto à edição do material que, segundo os advogados de Gomes, cortou trechos do discurso em que ele faz elogios a Haddad. A campanha de Bolsonaro pretende repetir o material nesta quarta-feira (17).

 A entrevista ao Jornal Nacional da TV Globo, no dia 28 de agosto, Bolsonaro mentiu e difundiu a falsa ideia de que o livro seria distribuído em escolas públicas 

Do Estadão Conteúdo

O ministro Carlos Horbach, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou a remoção de seis postagens no Facebook e no YouTube em que o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, faz críticas ao livro “Aparelho Sexual e Cia.” e afirma que a obra integraria material a ser distribuído a escolas públicas na época em que Fernando Haddad (PT) comandava o Ministério da Educação.

No vídeo, Bolsonaro afirma que o livro é “uma coletânea de absurdos que estimula precocemente as crianças a se interessarem pelo sexo”. “No meu entender, isso é uma porta aberta para a pedofilia”, diz o candidato do PSL, que ainda afirma que “esse é o livro do PT”.

Em nota, o Ministério da Educação (MEC) já afirmou em diversas oportunidades que não produziu nem adquiriu ou distribuiu “Aparelho Sexual e Cia.”, esclarecendo que o livro é uma publicação da editora Companhia das Letras publicada em 10 idiomas.

“É igualmente notório o fato de que o projeto ‘Escola sem Homofobia’ não chegou a ser executado pelo Ministério da Educação, do que se conclui que não ensejou, de fato, a distribuição do material didático a ele relacionado. Assim, a difusão da informação equivocada de que o livro em questão teria sido distribuído pelo MEC gera desinformação no período eleitoral, com prejuízo ao debate político, o que recomenda a remoção dos conteúdos com tal teor”, concluiu Horbach.

Os advogados do PT afirmam que, em entrevista ao Jornal Nacional da TV Globo, no dia 28 de agosto, Bolsonaro mentiu e difundiu a falsa ideia de que o livro seria distribuído em escolas públicas.

“O candidato vem proferindo esta grave mentira há mais de dois anos. A informação de que o livro seria distribuído em escolas públicas começou a ser difundida por Bolsonaro no dia 10 de janeiro de 2016 através de um vídeo que publicou no Facebook”, observa a coligação de Haddad.

Em outra representação, o ministro negou um pedido do PT para remover uma entrevista de Bolsonaro concedida ao programa “Pânico”, na qual o deputado federal faz referência ao material didático do projeto “Escola sem homofobia” como sendo o “kit gay”, atribuindo a responsabilidade pela sua elaboração a Fernando Haddad.

“É possível concluir que os representantes buscam impedir que o candidato representado chame o material didático do projeto ‘Escola sem Homofobia’ de ‘kit gay’. Tal pretensão, caso acatada pelo Poder Judiciário, materializaria verdadeira censura contra o candidato representado, que estaria impedido de verbalizar, de acordo com suas concepções, críticas à gestão do concorrente à frente do Ministério da Educação”, observou Horbach.

A Executiva Estadual do Partido Socialista Brasileiro reafirmou, nesta segunda-feira (15), apoio ao candidato à presidente da República Fernando Haddad (PT) durante o segundo turno das eleições 2018.

Durante reunião realizada no Recife Praia Hotel, que contou com a presença do governador e vice-presidente nacional do PSB Paulo Câmara, os membros da Executiva aprovaram, por unanimidade dos presentes, resolução indicando o apoio irrestrito ao petista.

No encontro, também foi feita uma avaliação do resultado das eleições em Pernambuco. O senador reeleito Humberto Costa (PT) também esteve presente no ato.

Antes de iniciar a votação, o governador Paulo Câmara agradeceu a participação da militância nas eleições, que contribuiu para a eleição estadual no primeiro turno, e falou sobre a responsabilidade dos socialistas na disputa presidencial.

“Temos pouco mais de 10 dias para o segundo turno. Temos uma responsabilidade grande. O cenário que se apresenta é difícil, mas é possível uma reversão. Temos que fazer o dever de casa, multiplicar a eleição de Fernando Haddad porque vamos precisar do governo de Haddad. O Brasil precisa de pessoa com ideias fundamentadas na democracia e no olhar para os mais pobres. E é essa mensagem que a gente precisa levar ao povo pernambucano”, destacou Paulo.

Vice-presidente nacional socialista, Paulo também destacou que o resultado das eleições mais uma vez mostrou a força da legenda no Estado e seu peso no PSB nacional. O governador foi o candidatomajoritário em 149 municípios e ganhou em todas as regiões do Estado, além de ter o maior número de eleitos entre os diretórios estaduais.

“Vamos seguir para 16 anos (na gestão), mostrando que estamos no caminho certo. Eu fiz questão de estar aqui hoje paraagradecer a vocês, pedir empenho nesse segundo turno e nos colocar à disposição porque temos muito o que fazer. É importante a vitória de Haddad em Pernambuco e ajudá-lo a ganhar em nível federal também”, enfatizou Paulo.

O presidente estadual Sileno Guedes, por sua vez, mostrou o quadro do PSB em Pernambuco, que elegeu as maiores bancadas de deputados estaduais e federais, além de ter eleito os parlamentares maisvotados do Estado.

“O PSB se apresenta como uma força importante e o que a gente trouxe aqui ratifica o que foi discutido na Executiva nacional na semana passada. É importante estarmos unidos para reforçarmos o nosso irrestrito apoio à Haddad no segundo turno”, declarou. O dirigente também comunicou a realização de um encontro com prefeitos da Frente Popular na próxima sexta-feira (19), em Gravatá, em prol da candidatura de Fernando Haddad.

Acompanhado de Dilson Peixoto, o senador Humberto Costa agradeceu o empenho da Frente Popular no primeiro turno e falou sobre a necessidade de vencer o candidato da oposição no segundo turno presidencial.

“Nossa vitória é fundamental para barrar caminho até a barbárie e para retomarmos um projeto que seja capaz de promover igualdade e inclusão para o povo brasileiro”, comentou.

Além da Executiva Estadual, o ato também contou com a participação de prefeitos da Região Metropolitana e da Mata Norte, além de deputados eleitos em 2018.

Delegado confirma que corpo encontrado na zona oeste de Petrolina é de adolescente desaparecida

O delegado seccional Marceone Ferreira confirmou no final da tarde de hoje (15) a este Blog que o corpo do sexo feminino encontrado carbonizado numa estrada de chão batido, entre o Bairro São Gonçalo e um clube próximo ao Posto Asa Branca, é mesmo o da adolescente Estefany Eduarda, de 13 anos.

Segundo Marceone, familiares da jovem já reconheceram o corpo. Peritos do Instituto Médico Legal (IML) informaram que a vítima tinha perfurações, provavelmente causadas por arma branca, na barriga, garganta e outras partes do corpo.

É possível também que, antes de ser assassinada, Estefany tenha sofrido estupro, mas ainda não há confirmação desse detalhe pela polícia. A adolescente havia saído de casa na última sexta-feira (12), e desde então, seus familiares não tiveram mais notícias dela. A motivação do crime vai ser investigada pela polícia.

Candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad fez um desabafo nesta segunda-feira (15), após mais uma fake News contra ele.

Segundo Haddad, seu adversário no segundo turno, Jair Bolsonaro – que já vinha dizendo que o petista havia distribuído uma cartilha de orientações sexuais, conhecida pejorativamente como ‘kit gay’, a alunos do ensino infantil, quando era ministro da Educação – agora afirma que ele defende a relação sexual entre pais e filhos.

Me acusarem de incesto? Já disseram que eu tinha uma Ferrari, que eu tinha distribuído kit gay a crianças de seis Eu pergunto: aonde vai parar essa loucura?”, lamentou o candidato.

 

IBOPE 2º TURNO: BOLSONARO TEM 59% E HADDAD, 41%

Primeira pesquisa Ibope para o segundo turno da eleição presidencial, divulgada na noite desta segunda-feira 15, mostra o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, com 18 pontos de vantagem em relação ao candidato da frente democrática, Fernando Haddad; os percentuais consideram apenas os votos válido

 

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, disse neste sábado (13/10) que concorda em ir a debates com seu adversário, Fernando Haddad (PT), mas desde que não haja “interferência externa”, referindo-se à suposta influência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha de Fernando Haddad (PT). 
“Se for debate só eu e ele (Haddad), sem interferência externa (de Lula), eu topo comparecer. Estou pronto para debater; tem de ser sem participação de terceiros”, ironizou, em meio a uma gravação de programas eleitoral na casa do empresário Paulo Marinho, no Jardim botânico, bairro da zona sul do Rio.
O fato de Bolsonaro não confirmar a participação em debates — o capitão reformado já disse que avalia não ir a nenhum como estratégia para vencer — tem sido uma das maiores críticas feitas por Haddad a ele. Pela manhã, o petista voltou a falar sobre o tema: “Quem não tem propostas, não tem o que debater”, afirmou, antes de encontro com coletivos culturais na Cohab Raposo Tavares, na zona oeste da capital paulista. 
Bolsonaro tem rebatido as críticas dizendo que não vale a pena debater com Haddad porque não é ele quem toma as decisões. O militar chamou Haddad de “ventríloquo de Lula” (em aparente confusão, pois ele deveria querer dizer que Lula é o ventríloquo de Haddad) e disse que o adversário não escolherá os ministros caso seja eleito. “Quem vai escalar time de ministros será o Lula. Não adianta (ele) ter boas propostas se vai ter indicação política”, continuou. “O mais importante é ter independência para escalar um time de ministros componentes.”
Questionado sobre essas falas do candidato do PSL, Haddad respondeu que “quem bate continência para americano não tem moral para falar nada”, em referência a uma ocasião em que, diante dos eleitores, Bolsonaro bateu continência à bandeira dos Estados Unidos. 
Do Diário de Pernambuco

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)

Com 32 anos de mandatos eletivos, o senador ficou surpreso com o resultado, pois liderou as pesquisas de intenção de votos durante toda a campanha. Para ele, houve um movimento que pegou no eleitorado, de não querer renovar o mandato de ninguém, independentemente do desempenho dos atuais mandatários. Diante da derrota, Cássio diz que encarou o resultado com naturalidade e não chorou, seus funcionários, sim.

— Continuo andando na rua de cabeça erguida e tenho recebido muito carinho, conforto e diversas homenagens de eleitores. Não tive uma ressaca. Não derrubei nenhuma lágrima. Alguns funcionários choraram. Na minha atividade, ganhar e perder faz parte.

Benedito de Lira (PP-AL) Foto: Aílton de Freitas / Agência O Globo

Benedito de Lira (PP-AL)

Na política desde 1966, o senador de 76 anos diz que o “povo cansou” e quer caras novas. O eleitor de Alagoas ainda teve paciência para eleger um velho conhecido, Renan Calheiros (MDB), mas não dois. O outro eleito foi Rodrigo Cunha (PSDB), que entrou na política em 2014. Benedito diz que Renan se elegeu “graças ao filho”, candidato único ao governo alagoano. Já Cunha, ele diz, é político jovem que virou “vedete” lembrando da mãe, Ceci Cunha, que era deputada e foi assassinada no fim dos anos 1990 por inimigos políticos. Benedito admite que ficou “muito triste e decepcionado” com o resultado:

— Quando eu vi o resultado, virei para lá e não quis mais saber.  

Darcísio Perondi (PMDB-RS) Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo

Darcísio Perondi (MDB-RS)

Aliado fervoroso do presidente Michel Temer na Câmara, o deputado diz que sua derrota foi “acachapante” —109 mil votos, em 2014, contra 39 mil agora — porque “o povo não entendeu as reformas” de Temer. Ele não se arrepende das posições que tomou e acredita que “historiadores reconhecerão” seu trabalho.

— Perdi por ser um reformista e por ter defendido Temer nas duas denúncias ineptas, mas faria tudo de novo, disse.

Pediatra, dará adeus à política e deve voltar aos consultórios. Perondi ficou triste, mas não chorou. Quem perde com sua ausência na Câmara, avisa, é o Brasil.

— Meus familiares choraram. Eu não chorei. Quem perdeu não fui eu, foi o Brasil. Eu era um bom parlamentar.

José Carlos Aleluia Foto: Marcelo Camargo / Agência O Globo

José Carlos Aleluia (DEM-BA)

O deputado tentava o sétimo mandato. Atuando num estado onde o PT conquistou a reeleição do governador Rui Costa em primeiro turno, com 77% dos votos, ele diz que a centro-esquerda e a centro-direita foram esmagadas pela polarização entre PT e Bolsonaro. Fiel ao candidato de sua coligação, o tucano Geraldo Alckmin, Aleluia conta que esperava ter baixa votação desta vez. Ele diz que a derrota “não foi culpa de ninguém” e avalia que a renovação da política “é uma coisa boa”. Engenheiro de formação, mas político profissional, ele se recusa, no entanto, a sair de cena.

— Na próxima eleição vou me candidatar a qualquer coisa. Vereador, qualquer coisa, disse.

Marcus Pestana (PSDB-MG)

O deputado avalia que a população vem dando sinais de cansaço com a política desde 2013. O impeachment de Dilma e a Lava-Jato ampliaram esse sentimento.

— A sociedade está repudiando o sistema como um todo, reflete Pestana.

Entre os mineiros, ele diz que a gravação do tucano Aécio Neves pedindo dinheiro ao delator Joesley Batista caiu como uma bomba no estado.

O tucano não guarda rancor diante da derrota, mas confessa que ficou surpreso com o resultado.

— A minha situação era aparentemente sólida. Mas teve município que eu contava em ter 4 mil, 5 mil votos, mas tive 1.500. Mas as coisas são assim. Foi uma eleição atípica.

Pauderney Avelino (DEM-AM)

Com seis mandatos na Câmara, o deputado tentou o Senado e ficou surpreso com o resultado, pois as pesquisas o colocavam como o mais votado. Embora seja do DEM, avalia que perdeu por causa da “onda conservadora que varreu o país”. Ele diz que o eleitor quer renovar a qualquer custo a política, e que, no fim, “um bando de malucos” foram eleitos.

— O povo entrou nessa onda de renovação. Imagino o que será esse Congresso com um bando de maluco. Vou cuidar da minha vida. Passei quase a vida toda cuidando dos outros. Claro que fica um gosto amargo da derrota, porque não é bom perder uma disputa. Mas, por outro lado, fico aliviado. Tirei um elefante das costas, disse. Com informações de O Globo.

Câmara fica sem um Vieira Lima pela primeira vez em 43 anos

Depois dos escândalos envolvendo o nome da família em investigações decorrentes da Lava Jato, que culminaram na prisão do irmão Geddel Vieira Lima a quem é atribuído o bunker de R$ 51 milhões em Salvador, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (MDB) não se reelegeu por seu estado, a Bahia. Esta é a primeira vez que o clã fica longe do poder, desde 1975, quando há 43 anos, o pai de Lúcio e Geddel, Afrísio Vieira Lima (na foto com Sarney), foi eleito para uma cadeira na Câmara pela extinta Arena, partido de apoio aos militares.

O patriarca se reelegeu até 1990, então já pelo MDB, quando foi substituído pelo filho mais velho, Geddel, eleito deputado federal pela primeira vez naquele ano.

O mandato de Geddel se prolongou até 2010, quando, sem sucesso, tentou chegar ao governo da Bahia – derrotado, no entanto, pelo petista Jaques Wagner.

Geddel, ora preso na Penitenciária da Papuda, em Brasília, se manteve na presidência do MDB baiano até o impeachment de Dilma Rousseff (PT), em 2016, ano em que recebeu convite para comandar a Secretaria de Governo do presidente Temer.

https://ogimg.infoglobo.com.br/in/22665058-01d-91e/FT1086A/652/68765273_BRASILBrasiliaBSBPA02-06-2016Entrevista-com-Geddel-Vieira-Lima-PMDB-ministro.jpg

O mandato foi interrompido em 2016, após imbróglio entre o emedebista e o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, tendo como pano de fundo a construção de um prédio de alto padrão em uma área histórica da capital baiana.

Lúcio, por sua vez, somava mandatos desde 2010, quando debutou na Câmara.

Os irmãos Vieira Lima são acusados pelos crimes de ocultação e propriedade dos R$ 51 milhões em dinheiro vivo. Até janeiro de 2016, o tesouro teria permanecido em um closet na casa da matriarca, Marluce.

COM A PALAVRA, LÚCIO VIEIRA LIMA

Ao Estado, o deputado Lúcio Vieira Lima foi sucinto e argumentou que não foi eleito porque ‘o povo não quis’.

O resultado mostra as fragilidades dos partidos políticos quando se tem o PSL elegendo a segunda maior bancada, avalia o parlamentar baiano. “Os partidos perderam totalmente a sua importância”.

Sobre continuar ou não na vida pública, ela resumiu: “Não é necessário mandato para fazer política. Continuarei fazendo política sem um mandato.”

Irmão ‘anônimo’ dos Vieira Lima, Afrísio Filho permanece há 21 anos no cargo de diretor legislativo da Câmara dos Deputados. Com salário de R$ 33,9 mil, ele é investigado no Supremo por suspeita de peculato.

Jorge Viana (PT-AC) Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo

Políticos que não conseguiram se reeleger mergulham em suas reflexões sobre os motivos que os levaram à derrota. Algo os une: a surpresa com o resultado e a crença de que os institutos de pesquisa falharam em medir o desejo por renovação expresso pelos eleitores nas urnas. 

Eles avaliam que há um clima geral de repúdio à política tradicional alimentado pela Lava-Jato, pelas reformas do presidente Michel Temer e pela crise política que se alastra desde o início do segundo governo Dilma Rousseff.

Nos últimos dias, o Jornal O Globo procurou os principais nomes do Congresso que saíram das eleições derrotados no último domingo. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), e o “líder de todos os governos”, Romero Jucá (MDB-RR), não quiseram falar. Os deputados Leonardo Picciani (MDB-RJ) e Cristiane Brasil (PTB-RJ) também preferiram não comentar suas derrotas. Quadros da esquerda, como os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) ficaram quietos, assim como o deputado Heráclito Fortes (DEM-PI), na direita, mas outros dez toparam fazer a reflexão. O deputado Darcísio Perondi (MDB-RS) reagiu de maneira peculiar:

— Quem perdeu não fui eu, foi o Brasil. Eu era um bom parlamentar.

Jorge Viana  (PT-AC)

O senador foi eleito e reeleito prefeito de Rio Branco, repetiu o desempenho como governador do Acre, mas não conseguiu passar do primeiro mandato no Senado. No domingo passado, ficou em terceiro na eleição. Além da derrota pessoal, viu a derrocada do seu grupo político, que governava o estado há 19 anos. Ele diz que ainda vai ter de dormir “muitas noites” para refletir sobre a eleição. Mas, na sua opinião, “há um ambiente de revolta, uma espécie de cegueira coletiva”. Viana afirma que não guarda nenhum ressentimento por ter sido derrotado nas urnas:

— Me apego à frase do Saramago: “O que as vitórias têm de mal é que não são definitivas. O que as derrotas têm de bom é que também não são definitivas”.

Jorge Agripino Maia (DEM-RN) Foto: Jorge William / Agência O Globo

José Agripino Maia (DEM-RN)

 

Prevendo dificuldades para se reeleger ao Senado, Agripino concorreu à Câmara. O filho, Felipe Maia (DEM-RN), abriu mão de tentar renovar seu mandato de deputado federal. Com 39 anos de vida pública, foi prefeito de Natal e governou duas vezes o Rio Grande do Norte. No Senado desde 1995, Agripino inicialmente ficou irritado ao ser questionado sobre sua derrota.

— Por que eu perdi? Porque faltou voto! Disse, sem muito rodeio.

Depois, aceitou analisar o recado das urnas com “humildade”.

— Tenho que ter humildade diante da vontade do eleitor. O que o eleitor está falando é: os políticos tradicionais não me representam mais, afirmou.

BRASIL - Brasília - BSB - PA - 28/04/2016 - PA - Sessão deliberativa do Senado Federal. Na foto, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) Foto de Jorge William /Agência O Globo Foto: Jorge William / Agência O Globo

Cristovam Buarque (PPS-DF)

Ex-reitor da Universidade de Brasília, Cristovam entrou na política nos anos 1990, como governador do Distrito Federal. Foi ministro da Educação de Lula até ser demitido, por telefone, pelo petista, em 2004. No Senado há 16 anos, expôs no gabinete a foto tirada enquanto recebia a famosa ligação. Identificado com o eleitorado de esquerda, votou a favor do impeachment de Dilma Rousseff, apoiou projetos de Michel Temer, e acredita que pagou o preço por isso. Sem mandato, vai voltar a “ler, escrever, dar aula”. Ele diz que a sensação é de “frustralívio”, e que sua mulher, que torcia pela derrota, colocou para gelar uma champanhe para abrir caso ele perdesse:

— Ainda não abrimos.

Veja – Da redação

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, admitiu nesta quinta-feira (11), em entrevista coletiva, a possibilidade de não participar de debates com o candidato do PT, Fernando Haddad.

“Existe a possibilidade sim, é estratégia. Estou vendo o Haddad me desafiando agora: ‘Quero que você me diga o que fez em 28 anos dentro do Parlamento’. Eu responderia para ele: ‘Não roubei ninguém, Haddad’”, afirmou o candidato.

Bolsonaro ainda criticou o adversário: “Eu vou debater o que com o cara que nem poste é, é um fantoche, um pau-mandado, age como um camaleão. As cores do PT agora são verde e amarela. Eu vi o Haddad falar em família, eu vi o Haddad falar em Deus, eu fico até envergonhado”. Ele fazia referência ao novo material de campanha do ex-prefeito de São Paulo, que economizou no vermelho e apostou nas cores da bandeira nacional.

O petista respondeu pelas redes sociais: “Eu não acredito que o deputado vá participar dos debates porque efetivamente ele não tem um plano para o país. A única proposta que ele tem é armar a população”. Haddad também o criticou: “Meu adversário tem 28 anos na Câmara dos Deputados destilando ódio, o tempo inteiro, contra nordestino, contra mulher, contra petista. Ele é um homem impróprio para o debate democrático”.

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, foi submetido a uma nova avaliação médica, na manhã desta quarta-feira (10), em sua casa na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

Segundo o clínico cardiologista Leandro Echenique, a cirurgia completa hoje 34 dias e Bolsonaro está se recuperando, mas ainda não está liberado para fazer campanha. (quem acreditou? )

“Ele perdeu 15 quilos de massa muscular e ainda está fraco. Ele precisa de uma dieta de recuperação proteica.”,   disse o médico, ressaltando que na próxima quinta-feira (18) Bolsonaro deve ir ao hospital e provavelmente será liberado para campanha e debates.

Está previsto para essa semana o debate entre os presidenciáveis Fernando Haddad (PT) e Bolsonaro na TV Band. A assessoria de imprensa do candidato do PSL confirmou que ele não participará do debate desta semana.

“Ele não pode fazer viagens, não pode fazer atividade física mais prolongada. Tem de ter um repouso relativo para a recuperação final dentro de casa. Ele pode sair de casa por períodos muito curtos. Ele tem o desejo de participar da campanha, mas no momento ainda não é recomendado”, disse o médico.

Macedo disse que a retirada da bolsa de da colostomia deve ocorrer depois do dia 12 de dezembro. “Ela pode ser retirada a partir de três meses da cirurgia, que ocorreu no dia 12 de setembro. Ele vai escolher a data. Essa cirurgia é muito mais simples e a recuperação é de duas semanas”, disse Macedo.

O PSL  terá a segunda maior bancada da Câmara, com 51 deputados. Elegeu apenas um em 2014 e atualmente tem 8.

O PT será o partido de maior bancada, com 57 deputados (tinham sido eleitos 70 em 2014). PP vem em terceiro, com 37 eleitos, e o MDB agora é apenas o quarto partido, com 33 eleitos. O PSDB foi superado por PR, PSD e PSB e terá apenas 29 deputados. (Fonte: BR18/Estadão)

PCdoB-BA faz história e conquista sua maior bancada no Legislativo

O presidente estadual do PCdoB, Davidson Magalhães. (Foto: Assessoria/Divulgação)

O PCdoB da Bahia comemora o resultado histórico que alcançou nas eleições deste ano no estado. O partido conseguiu aumentar em cerca de 65% o número de vagas na Assembleia Legislativa (AL-BA) – de três para cinco – e manter a bancada que possui na Câmara Federal, com a reeleição dos deputados federais Alice Portugal e Daniel Almeida, e com a possibilidade de chegar a três parlamentares, porque Isaac Carvalho, que obteve expressiva votação, tem a candidatura questionada na Justiça.

Para a Assembleia foram eleitos, por ordem de votação: Adalberto Barreto (Dal), Olívia Santana – os dois que estreiam -, Raimundo Tavares (Bobô), Fabrício Falcão e Crisóstomo Lima (Zó) – os três últimos foram reeleitos. O PCdoB saiu em chapa própria para a disputa à Assembleia e foi o quinto partido mais bem votado na categoria, com 514.572 votos conquistados pelas 44 candidaturas a deputado/deputada estadual, o que equivale a 7,38% da votação.

As eleições 2018 também representam a primeira vez em que o PCdoB está presente na chapa majoritária eleita no estado, com Davidson Magalhães na primeira suplência do senador eleito Ângelo Coronel (PSD). Além de Ângelo, também foi eleito para o Senado Federal o ex-governador Jaques Wagner (PT).

O presidente estadual do PCdoB, Davidson Magalhães, afirmou, após a conclusão da apuração, que o momento é de comemoração, mas também de agradecimento. “Foi uma votação histórica. Todos e todas as candidatas que compuseram a chapa contribuíram para que o cesto proporcionasse a vitória. Em todo esse tempo de militância, essa foi a nossa maior vitória na Bahia, e eu parabenizo a direção coletiva do partido pela condução desse processo vitorioso”.

Governador reeleito

O governador Rui Costa, apoiado pelo PCdoB, foi reeleito com mais de 75% dos votos, ao lado do vice, João Leão (PP), derrotando o carlista José Ronaldo (DEM), que obteve 22,30%.

2º turno

Com a expressiva votação na Bahia, o PCdoB tem como nova tarefa eleger Fernando Haddad (PT) e Manuela D’Ávila (PCdoB), candidatos a presidente e vice do Brasil, no segundo turno. O partido conclama todos os que são comprometidos com a democracia a derrotar aquele que consideram “projeto antipovo, antidemocrático, elitista e fascista” representado por Jair Bolsonaro (PSL).

CINCO MULHERES – CANDIDATURA COLETIVA “JUNTAS” GARANTE VAGA NA ALEPE

Formada por Carol Vergolino, Jô Cavalcanti, Joelma Carla, Kátia Cunha e Robeyoncé Lima, a candidatura coletiva “Juntas”, que disputou vaga de deputada estadual pelo Psol, conseguiu garantir lugar na Alepe. O grupo, que já começa fazendo história na política pernambucana com o mandato coletivo, trouxe à discussão a participação feminina na política. A candidatura começou tímida e ganhou corpo, principalmente pelo apoio de movimentos sociais. Posicionamento é palavra de ordem para as meninas, que levantam mesmo bandeiras.
Por Roberta Jungmann

PRONUNCIAMENTO – HADDAD DIZ QUE VÊ RISCO À DEMOCRACIA E QUE CONSTITUIÇÃO ESTÁ EM JOGO

Em seu primeiro pronunciamento após a confirmação do segundo turno, Fernando Haddad (PT) afirmou ver risco à democracia e disse que o pacto pela Constituição de 1988 está em jogo com a disputa presidencial deste ano. No seu discurso de pouco mais de cinco minutos, neste domingo (7) em um hotel de São Paulo, Haddad disse que se sente desafiado pelos resultados, que apontaram um avanço forte da onda de apoio a Jair Bolsonaro (PSL), e que é hora de “unir os democratas”.
“Me sinto desafiado pelos resultados, que são bastante expressivos no sentido de fazer atentar aos riscos que a democracia corre”, declarou Haddad. “Essa eleição de 2018 coloca muita coisa em jogo, inclusive o pacto da constituição de 1988”, completou.
De saída, o discurso já causou racha no PT. Enquanto o grupo mais próximo a Haddad e integrantes do PCdoB defenderam que o candidato fizesse uma fala de conciliação e ampliação de acordos -e setores políticos-, alas do PT resistiram, argumentando que ainda não era hora de acenos mais ao centro, por exemplo.
Mas Haddad bateu o pé e disse que era preciso extrapolar as frentes habitualmente abordadas por petistas. “Queremos unir os democratas do Brasil, as pessoas que têm atenção aos mais pobres, projeto amplo, profundamente democrático, que busque justiça social”, afirmou o candidato em cima do palco.
Haddad disse ainda que a partir desta segunda-feira (8) já inicia a campanha do segundo turno. Ele viaja a Curitiba para conversar com o ex-presidente Lula e pedir carta branca para os acenos e movimentações. Jaques Wagner, que se elegeu senador pela Bahia, deve desembarcar em São Paulo para ocupar um cargo na coordenação da campanha. Ele deve ajudar o candidato a vencer as resistências internas da sigla.
Haddad disse também que vai enfrentar o segundo turno “muito respeitosamente” e que sua arma será “o argumento”. “Nós não portamos armas, vamos com a força do argumento para defender o Brasil e seu povo tão sofrido”. Haddad anunciou também que já havia conversado com Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Guilherme Boulos (PSOL) por telefone.

 

Cidades Acessando Blog

Panificadora Samuel
Escola Monteiro Lobato
 

CLICK AQUI E CONFIRA AS FOTOS!

Educação Infantil,

Ensino Fundamental e Médio

(87) 3838.1481 (87) 3838.2246

Siteemonteirolobato.com.br

Dr. Jamildo Carvalho
Desfile Cívico Escola M.L

AABB

Bloco a Onda 2017

Galeria de Fotos!