Agricultura

Subiu para 41 o número de mortos no acidente que ocorreu na manhã desta quarta-feira em Taguaí, São Paulo. A informação foi confirmada pela Polícia Militar de São Paulo. A colisão entre um ônibus corporativo e um caminhão ocorreu por volta das 7h da manhã no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho. Há cerca de 15 feridos, mas o número total de pacientes com necessidade de atendimento ainda é indeterminado.
De acordo com informações preliminares, o ônibus teria tentado ultrapassar outro veículo quando bateu de frente com o caminhão. A rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho segue interditada para atendimento da ocorrência. Três unidades de saúde estão em alerta para o recebimento de feridos. Corpo de Bombeiros e polícia militar está no local ainda na operação de remoção de pessoas das ferragens dos veículos.
Em entrevista à CNN Brasil, o porta-voz da PM, tenente Alexandre Guedes informou que o local é de difícil acesso e que este é o maior acidente do ano com vítimas fatais. O ônibus levava cerca de 50 trabalhadores de uma empresa têxtil de jeans.
Em nota, a administração municipal de Taguaí decretou luto oficial de três dias. O texto diz: “Hoje a cidade amanheceu com a triste notícia de um acidente envolvendo um caminhão e um ônibus com trabalhadores de confecção que vinham de Itaí e Taquarituba para Taguaí. Informações mais detalhadas ainda estão sendo apuradas pelos órgãos competentes. Externamos nossos sinceros sentimentos às famílias, amigos, à empresa e colegas de trabalho destes que se foram. Dia triste”.

Ao mesmo tempo, o país de Vladimir Putin anunciou um acordo para fornecer 32 milhões de doses da vacina ao México. Isso equivale a 25% da população do país latino.

O anúncio do obstáculo dos pesquisadores da vacina de Oxford foi perfeito para os russos. Em uma comunicado nesta manhã de quarta, Dmitriev, disse que não comentaria o caso. (Foto: Reprodução)

— A suspensão dos testes da vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford escancarou a geopolítica da Covid-19. Os russos fizeram nesta quarta (9) a defesa da segurança de seu imunizante, a Sputnik V, ante os concorrentes.

Ao mesmo tempo, o país de Vladimir Putin anunciou um acordo para fornecer 32 milhões de doses da vacina ao México. Isso equivale a 25% da população do país latino.

O instrumento do Kremlin na disputa é o fundo soberano do país, comandado por Kirill Dmitriev, que bancou a pesquisa da Sputnik V, que vem sendo questionada pela comunidade científica.

Desde que anunciou o “momento Sputnik”, comparando o lançamento do imunizante ao do primeiro satélite pelos soviéticos em 1957, ele é a face pública da ofensiva médica de Putin — um ex-negacionista da Covid-19 que passou a ver uma oportunidade política na crise.

O anúncio do obstáculo dos pesquisadores da vacina de Oxford foi perfeito para os russos. Em uma comunicado nesta manhã de quarta, Dmitriev, disse que não comentaria o caso.

Na sequência, republicou uma crítica que havia feito na véspera, quando respondeu à declaração conjunta de empresas farmacêuticas que desenvolvem vacinas contra a Covid-19, na qual elas se comprometiam a obedecer a protocolos de segurança rígidos.

Dmitriev questionou a segurança das vacinas que utilizam “tecnologias não comprovadas”, como o uso de adenovírus de macacos para levar código genético do Sars-CoV-2 ao paciente e estimular uma resposta imune.

A vacina russa, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, utiliza dois adenovírus humanos, o Ad5 e o Ad26, em doses distintas.

Desde seu lançamento, Dmitriev insiste em que a existência de um imunizante aprovado contra o ebola e outro em estágio avançado contra a Mers (doença semelhante à Covid-10, mas mais letal) que usam os mesmos vetores provam a segurança da Sputnik V.

No primeiro estudo publicado sobre o imunizante russo, sobre os 76 pacientes das fases 1 e 2 de testes, são listados 250 estudos sobre o uso de adenovírus humanos em vacinas.

“Embora seja bem-vindo, acreditamos que esse compromisso de algumas empresas farmacêuticas é insuficiente, porque ele não discute a falta de estudos de longo prazo sobre efeitos carcinogênicos e impacto na fertilidade de novas tecnologias de vacinas, como as plataformas baseadas em vetores de RNA mensageiro (caso das americanas Pfizer e Moderna) e adenovírus de macaco (Oxford)”, disse.

O Gamaleya sustenta que o uso do adenovírus humanos é o mais “orgânico”, já que o patógeno convive com pessoas há mais de 100 mil anos. Outras vacinas, como a chinesa Coronavac em teste para produção em São Paulo, usam um método tradicional de buscar a imunização, com o Sars-Cov-2 inativo.

Os russos consideram que isso permitiu o acelerado cronograma da Sputnik V, anunciada como a primeira vacina registrada no mundo contra o novo coronavírus.

Ela ganhou registro provisório do Ministério da Saúde local sem ter iniciado os estudos da fase 3, aquela em que grandes grupos são vacinados e colocados em comparação com outros expostos a placebo.

A prática foi criticada por toda a comunidade científica mundial, mas teve muito de propaganda na prática. Apesar de a Rússia ter anunciado a produção do primeiro lote de Sputnik V nesta semana, quem exatamente poderá ser vacinado, e quando, é incerto.

Tudo o que se sabe é o que o ministério afirmou, a intenção de vacinar profissionais da saúde em paralelo à fase 3. A China faz algo semelhante com seus militares. Dmitriev, por sua vez, falou em início de imunização em outubro ou novembro.

A modulação de discurso veio com anúncio de que a fase 3 contaria com 40 mil voluntários — nesta quarta, o governo anunciou que 31 mil já haviam sido arrolados e que os testes começaram.

Mais importante, houve enfim a publicação dos primeiros dados sobre a Sputnik V na prestigiosa revista científica britânica The Lancet.

Ali se mostra um imunizante 100% eficiente e com efeitos colaterais negligenciáveis. Mas mesmo os otimistas do Gamaleya ressaltam, no texto, que é preciso mais testes para saber a extensão da imunização e descartar riscos.

Mas mesmo esse estudo sobre as fases 1 e 2 foi questionado por um grupo de cientistas em uma carta aberta ao Gamaleya e à Lancet divulgada na segunda (7).

Segundo eles, há resultados estranhamente duplicados entre participantes dos testes. Denis Lugonov, principal autor da pesquisa, disse que não foi questionado pela Lancet, e a revista por sua vez afirmou que estimula o debate.

Mas o que vale, ao fim, é a política da vacina. Do ponto de vista estritamente dessa disputa, há uma enorme coincidência no “timing” tanto da divulgação do comunicado das farmacêuticas, antes de o primeiro problema sério de Oxford ser divulgado, quanto da crítica dos russos.

Isso sem falar no anúncio do acordo russo com o México. A previsão é de que as entregas comecem a ser feitas em novembro de 2020, caso as autoridades locais aprovem a vacina. A distribuição vai ser feita com a farmacêutica mexicana Landsteiner Scientific.

Os russos dizem que 40 países já os consultaram sobre a vacina. No Brasil, há um acordo para testagem a ser realizada no Paraná com o governo do estado, e a Bahia também está fechando arranjo semelhante.

Aqui, a disputa política em torno da vacina se desenhava entre aqueles que já protagonizavam antagonismo na condução do combate à pandemia: o presidente Jair Bolsonaro e seu viés negacionista e o governador João Doria (PSDB-SP), com discurso pró-ciência.

Ambos associaram entes sob seu comando a uma das vacinas. O governo federal fez um acordo para produzir 100 milhões de doses da vacina de Oxford na Fiocruz, enquanto o paulista fez parceria com a chinesa Sinovac para a mesma quantidade via Instituto Butantan.

Apesar do investimento, Bolsonaro tem estimulado um discurso ambíguo sobre o eventual imunizante, ressaltando que ninguém será obrigado a receber a vacina. Assim, é incerto o impacto de um eventual problema maior com o imunizante de Oxford para a imagem do presidente.

Doria, por outro lado, virou garoto-propaganda da vacina chinesa, fazendo postagens otimistas sobre seus testes em redes sociais. Tanto o tucano quanto Bolsonaro tiveram Covid-19, assintomática para o governador e leve para o presidente.

Servidor da Justiça Eleitoral é preso em Patos suspeito de vender lista de eleitores da cidade de Passagem

O homem é investigado por cobrar quantias em dinheiro para fornecer a terceiros listas de eleitores do município de Passagem, na Paraíba.

O crime de corrupção passiva, do art. 317 do Código Penal, será apurado em inquérito conduzido pela Delegacia de Polícia Federal em Patos, sob sigilo.​(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/Ilustrativa)

A Polícia Federal prendeu em flagrante um servidor da Justiça Estadual na Paraíba, designado para atuar a serviço da Justiça Eleitoral, suspeito de vender lista de eleitores no município de Passagem. A prisão aconteceu em Patos, no Sertão paraibano, nessa terça-feira (8).

O homem é investigado por cobrar quantias em dinheiro para fornecer a terceiros listas de eleitores do município de Passagem, na Paraíba.

O crime de corrupção passiva, do art. 317 do Código Penal, será apurado em inquérito conduzido pela Delegacia de Polícia Federal em Patos, sob sigilo.

A cidade de Patos, até esta terça-feira, dia 26 de Maio de 2020, contabilizou 505 casos do novo Coronavírus (COVID-19). Desses números, 342 estão em isolamento domiciliar, 25 em internamento hospitalar, 119 estão recuperados e 19 óbitos.

Na sequência, você pode conferir o Mapa Setorial que traz a soma dos casos detectados nos bairros que compreendem as cinco regiões no perímetro urbano do município.
De acordo com os números de hoje, a região com o maior índice de casos confirmados para o Covid-19 em Patos é a Zona Norte, com 147 casos. Na separação por bairros, o Jatobá lidera com o registro de 65 casos. Confira a relação completa dos bairros na 3ª imagem.
Para fechar os 505 casos registrados nesta terça-feira, 26, o Presídio Romero Nóbrega tem 19 apenados confirmados para Covid-19; na Zona Rural tem 02 casos, e o Distrito de Santa Gertrudes 02 casos.
A maioria dos casos registrados é do sexo masculino. E a faixa etária predominante é entre 20 e 40 anos.
OBSERVAÇÃO: A Vigilância Epidemiológica COMUNICA que o Mapa Setorial e o Relatório detalhado só serão liberados de segunda a sexta-feira, e aos sábados e domingos será emitido apenas o Boletim Geral.
Todos os dados veiculados tanto no Boletim quanto no Relatório, são fornecidos pela Vigilância Epidemiológica do Município. (Patos Online)

Três homens foram presos com mais de R$ 100 mil em espécie e R$ 525 mil em cigarros contrabandeados, na noite desta sexta-feira (14), nas cidades de Canarana e Morro do Chapéu, no Centro-Norte da Bahia. Antes de serem presos, eles tentaram subornar os policiais e ofereceram R$ 200 mil na tentativa de escapar.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), os policiais da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Semiárido faziam rondas em Canarana quando, às 23h, desconfiaram de um veículo parado próximo a um posto de combustíveis. 

No automóvel, os PMs encontraram R$ 101 mil em espécie, uma pistola calibre 40, seis carregadores de pistola, farta munição, R$ 19,9 mil em cheques, rádio comunicador, celulares e cinco comprimidos de ecstasy.

Ainda segundo a SSP-BA, os suspeitos, que não tiveram os nomes divulgados, disseram que traziam do Paraguai uma carga de cigarros contrabandeados e que o material estava em um caminhão na cidade de Morro do Cahpéu, a 93 quilômetros de Canarana. O destino final do material seria o município de Jacobina. Após isso, as equipes seguiram até o local indicado, onde encontraram um caminhão num posto de combustível. No veículo, havia 524 caixas e 40 maços de cigarro avaliados em R$ 525 mil.

O caso foi registrado na delegacia de Jacobina. No caminho para a cidade os homens ofereceram R$ 200 mil para que os militares não os prendessem. 

 

Mega-Sena: ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 170 milhões

A Quina teve 216 ganhadores. Cada um deles levou R$ 36.114,36. Outras 13.800 pessoas ganharam na Quadra. Nesse caso, o prêmio é de R$ 807,52.

Os números sorteados foram: 04 – 21 – 27 – 29 – 42 – 47.

Ninguém acertou os seis números sorteados pela Caixa Econômica Federal no concurso 2.234 da Mega-Sena, realizado neste sábado (15), em São Paulo.

Os números sorteados foram: 04 – 21 – 27 – 29 – 42 – 47.

A expectativa de prêmio era de R$ 120 milhões para quem acertasse as seis dezenas. Agora, para o próximo sorteio, na quarta-feira (19), a estimativa é pagar R$ 170 milhões para quem acertar as seis dezenas.

A Quina teve 216 ganhadores. Cada um deles levou R$ 36.114,36. Outras 13.800 pessoas ganharam na Quadra. Nesse caso, o prêmio é de R$ 807,52.

Probabilidades

A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 4,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.

Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 22.522,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.

Foto: divulgação

O Governo de Pernambuco deu início, nesta quinta-feira (16), no município de Custódia, à distribuição de sementes do Programa Campo Novo aos agricultores dos 56 municípios do Sertão Pernambucano. Ao todo serão distribuídas 530 toneladas de sementes, sendo 445 toneladas de milho e 85 toneladas de sorgo forrageiro, que chegarão aos agricultores exatamente na quadra chuvosa da região, que vai de dezembro a março. Cerca de 75 mil famílias de agricultores serão beneficiadas.

Com investimento global de R$ 1,9 milhão, as sementes distribuídas sob a coordenação do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), órgão vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), vão permitir o cultivo de 22.250 hectares de milho, com uma produção estimada de 225 mil toneladas, e 16.500 hectares de sorgo, com uma produção que pode chegar a 530 mil toneladas de massa verde (forragem) para alimentação animal.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Agrário, Dilson Peixoto, o governador Paulo Câmara não mediu esforços para que as sementes chegassem agora no início das chuvas. “A previsão da APAC (Agência Pernambucana de Águas e Clima) para este ano são de chuvas normais a acima da média no Sertão, daí a importância das sementes chegarem à mão de vocês neste momento”, destacou Dilson, durante evento do Programa Campo Novo realizado no Parque de Exposições de Custódia.

“Este ano as sementes estão chegando na época certa, ainda no mês de janeiro, para que o agricultor possa aproveitar o período chuvoso e garantir uma boa colheita”, reforçou o presidente do IPA, Odacy Amorim. Ainda segundo Odacy, em breve o Instituto vai passar a produzir também embriões para o melhoramento genético do rebanho bovino do estado.

A agricultora Antônia Maria da Silva, da comunidade quilombola de Buenos Aires, uma das beneficiadas pelo programa, comemorou a chegada das sementes. “Antes a gente recebia as sementes depois que as chuvas passavam. Então a gente tinha que se virar para conseguir dinheiro e comprar as sementes. Este ano a gente não vai precisar fazer isso”, afirmou.

Anfitrião do ato que marcou o início da distribuição de sementes, o prefeito de Custódia, Manuca, destacou a parceria com o Governo do Estado no auxílio aos agricultores. “Esse serviço voltado aos agricultores é um dos melhores prestados pelo Estado. Só temos a agradecer ao Governo, à Secretaria, aos nossos deputados e senadores. Nossos parceiros nesse trabalho de melhorar as condições de vida da população de Custódia”, ressaltou.

Além de milho e sorgo, o Programa Campo Novo inova este ano com a inclusão da palma forrageira para os municípios da bacia leiteira do Araripe. As variedades distribuídas serão a Sertânia e Orelha de Elefante, ambas resistentes à cochonilha. Ao todo, serão distribuídas 2 milhões de raquetes de palma, com o objetivo de incentivar a retomada do cultivo da cultura como estratégia de convivência com o Semiárido e mitigação dos efeitos da seca.

“Essa distribuição será realizada em parceria com as prefeituras, as associações e os agricultores. Nós vamos entregar 1.000 raquetes para uma família de agricultores, eles vão plantar e depois de um ano vão nos devolver 500 raquetes, que vamos juntar as novas raquetes que vamos produzir e distribuir para outras famílias”, explicou Dilson Peixoto. O programa prevê a implantação, nos próximos três anos, de 3.500 Unidades Familiares de Multiplicação da Palma Forrageira.

Além do secretário Dilson Peixoto, do presidente do IPA, Odacy Amorim, e do prefeito Manuca, estiveram presentes no evento o deputado federal Carlos Veras; o presidente do Iterpe, Altair Patriota; além de técnicos e diretores da SDA, do IPA e do Iterpe.

TABIRA – A agenda da Secretaria de Desenvolvimento Agrário no Sertão pernambucano incluiu ainda uma visita ao Curral do Gado no município de Tabira, que disputa com Caruaru o posto de cidade com a maior feira de gado do Estado.

Acompanhado do prefeito Sebastião Dias, do deputado Carlos Veras e de gestores e técnicos da Secretaria e do Iterpe, o secretário Dilson Peixoto conheceu o Curral do Gado e avaliou com o prefeito a viabilização da segunda etapa da requalificação do espaço, que prevê a construção de um novo curral para caprinos, ovinos e suínos, um novo escritório para a Adagro, posto policial, e ampliação da área de carregamento dos caminhões. Por edição, são comercializados cerca de 6 mil animais, movimento de R$ 6 milhões a R$ 7 milhões.