As médias móveis de mortes e infecções permanecem em queda, com 457 vidas perdidas por dia e 18.220 infecções diárias.

O Brasil registrou 747 mortes por Covid e 32.353 casos da doença, nesta quinta-feira (9). Com isso, o país chegou a 585.205 óbitos e a 20.958.252 pessoas infectadas desde o início da pandemia.

Rondônia e Tocantins não divulgaram dados, nesta quinta.

As médias móveis de mortes e infecções permanecem em queda, com 457 vidas perdidas por dia e 18.220 infecções diárias.

Mesmo com números inferiores aos muito elevados dados anteriores, o momento merece atenção e cuidado. O país já tem circulação comunitária da mais transmissível variante delta, que vem causando aumentos expressivos de casos em outros países. A delta também já parece causar problemas no Rio de Janeiro, que vê aumentos de casos e internações.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Os dados da vacinação contra a Covid-19, também coletados pelo consórcio, foram atualizados nos 26 estados e no Distrito Federal.

O Brasil registrou 2.197.407 doses de vacinas contra Covid-19, nesta quinta-feira. De acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde, foram 717.295 primeiras doses e 1.476.458 segundas. Também foram registradas 3.654 doses únicas e 29.106 doses de reforço.

Ao todo, 136.745.375 pessoas receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra a Covid no Brasil — 66.282.347 delas já receberam a segunda dose do imunizante.

Somadas as doses únicas da vacina da Janssen contra a Covid, já são 70.424.958 pessoas com esquema vacinal completo no país.

Com isso, 86,92% da população com mais de 18 anos já recebeu ao menos uma dose (nesse caso, a 1ª dose de alguma vacina ou o imunizante de dose única) e 43,45% (também com mais de 18 anos) recebeu as duas doses recebidas ou a dose única da Janssen.

O Brasil chegou recentemente a 40% de adultos com esquema vacinal completo. Se for considerada toda a população brasileira, a porcentagem de pessoas com esquema vacinal completo alcançou 30% nesta quinta.

Mesmo quem completou o esquema vacinal com as duas doses deve manter cuidados básicos, como uso de máscara e distanciamento social, afirmam especialistas.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

PF e Receita Federal deflagram 2ª fase de operação contra fraudes em criptomoedas

Agentes da PF e da Receita Federal cumprem mandados na segunda fase da Operação Kryptus

A Polícia Federal (PF) e a Receita Federal deflagraram, na manhã desta quinta-feira (09), a segunda fase da Operação Kryptus, que visa desmantelar um esquema de fraude em criptomoedas.

São cumpridos dois mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva na capital do Rio de Janeiro.

A operação apura irregularidades em uma empresa que faz a intermediação de operações com criptomoedas na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro.

Foi durante a primeira fase desta operação que a PF fez a maior apreensão de criptomoedas da história. Foram apreendidos R$ 150 milhões em criptoativos, que serão liquidados e ficarão à disposição da justiça.

Na primeira fase, a operação prendeu cinco pessoas. Entre elas, Glaidson Acácio, proprietário de uma consultoria em bitcoins no município de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Glaidson foi preso em uma mansão na Barra da Tijuca, Zona Oeste da capital fluminense.

Segundo as investigações, ele é suspeito de movimentar bilhões em um suposto esquema de pirâmide financeira, cuja promessa era de retorno de até 15% do valor investido pelos clientes.

Como a organização atua

A empresa funciona como um fundo de investimento, no qual o adquirente investe uma quantia determinada e recebe os rendimentos.

Neste caso, os agentes também encontraram algumas opções para investir, com rendimento fixo, por meio da empresa de um dos sócios do líder da organização criminosa.

A Receita Federal relata que em um mercado volátil como o de bitcoin uma promessa de rentabilidade fixa não é sustentável.

Se para todos os clientes houver promessa de rendimentos fixos, há uma pirâmide financeira em operação, cujo lucro virá dos aportes dos novos clientes e não da própria natureza lucrativa das operações.

De acordo com os agentes, isso implica na necessidade de se expandir o esquema, encontrando novos clientes para pagar a rentabilidade aos antigos, caso contrário o sistema colapsa.

A prática fraudulenta de pirâmide financeira constitui prática ilícita punível pelo Código Penal. E por constituir uma prática ilícita leva ao enriquecimento ilícito de seus mentores – os envolvidos não declaravam os valores ao fisco.

A Receita Federal faz a verificação de se os valores enviados para as empresas ou pessoas participantes do esquema possuem origem

Bolsonaro divulga ‘Declaração à Nação’ e diz que não teve ‘intenção de agredir’ poderes

G1

O presidente Jair Bolsonaro divulgou nesta quinta-feira (9) um texto intitulado “Declaração à Nação” no qual afirma que nunca teve “intenção de agredir quaisquer dos poderes”.

Segundo o texto, “as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de ‘esticar a corda’, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”.

A divulgação da declaração foi um conselho a Bolsonaro do ex-presidente Michel Temer. Na manhã desta quinta, Bolsonaro mandou um avião para São Paulo, a fim de buscar o ex-presidente para um almoço no qual discutiram a crise institucional. Temer orientou Bolsonaro a divulgar um “manifesto de pacificação”.

No texto, o presidente credita a crise a “discordâncias” em relação a decisões do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e afirma que essas questões “devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal”.

Em ato político na última terça-feira (7), em São Paulo, Bolsonaro afirmou que não mais cumpriria decisões de Alexandre de Moraes. “Dizer a vocês que, qualquer decisão do senhor Alexandre de Moraes, este presidente não mais cumprirá. A paciência do nosso povo já se esgotou, ele tem tempo ainda de pedir o seu boné e ir cuidar da sua vida. Ele, para nós, não existe mais”, declarou Bolsonaro a um público de apoiadores.

Bolsonaro chegou a fazer uma ameaça ao presidente do STF, ministro Luiz Fux: “Ou o chefe desse poder enquadra o seu [Alexandre de Moraes] ou esse poder pode sofrer aquilo que nós não queremos”.

Durante o encontro, no Palácio do Planalto, Temer promoveu um contato telefônico entre Bolsonaro e Alexandre de Moraes. Segundo informou a jornalista Delis Ortiz, da TV Globo, a conversa foi amena e institucional.

“Quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”, afirmou Bolsonaro no texto da declaração. Veja íntegra do texto:

Declaração à Nação

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA

Jair Bolsonaro
Presidente da República federativa do Brasil

Cinco pessoas são presas em ação contra venda de cigarros eletrônicos avaliados em R$ 200 mil, no Recife

Receita Federal participou de operação contra a venda de cigarros eletrônicos e essências, no Recife — Foto: Receita Federal/Divulgação

Cinco pessoas foram presas, nesta quarta-feira, em uma ação realizada em lojas que vendem cigarros eletrônicos, no Recife. Segundo a Polícia Civil, os produtos apreendidos durante a operação Smoke estão avaliados em R$ 200 mil.

Ainda segundo a polícia, os cinco presos são brasileiros. A corporação não informou, no entanto de quais estados eles são oriundos. As capturas e apreensões de cigarros eletrônicos e essências usados por quem usa esse tipo de produto ocorreram na capital pernambucana.

A Operação Smoke foi realizada pela Delegacia de Polícia de Crimes contra o Consumidor. Também estiveram na ação integrantes da Receita Federal, Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa) e Procon.

Ao todo, quatro estabelecimentos comerciais foram alvo da operação. As equipes apreenderam oito volumes, contendo cigarros e outros objetos. A Polícia Civil não detalhou quais os crimes foram atribuídos aos cinco presos. Os detalhes da operação serão repassados na quinta-feira (09), em entrevista coletiva, no Recife.

A Receita Federal informou que as lojas vendiam cigarros eletrônicos e essências. São produtos proibidos no Brasil. Por isso, a prática é enquadrada como contrabando. Segundo a Receita Federal, participaram da ação integrantes da Divisão de Repressão na 4ª Região Fiscal.

Três das lojas fiscalizadas ficam em Boa Viagem, na Zona Sul. Duas delas, funcionam em shoppings centers. O outro estabelecimento não teve o endereço informado pela Receita.

Proibição

Desde outubro de 20202, os cigarros eletrônicos estão proibidos em ambientes coletivos públicos ou privados em Pernambuco. É o que determina a Lei nº 17.087, promulgada pela Assembleia Legislativa (Alepe).

Essa norma altera a Lei nº 12.578, de 13 de maio de 2004. Assim, foram estabelecidas normas que complementam a Legislação Federal que trata do uso e consumo de produtos fumígenos no estado.