As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

 

 O Brasil registrou 281 mortes por Covid e 12.191 casos da doença, nesta quinta-feira (25). Com isso, o país chega a 613.697 vidas perdidas e a 22.055.608 pessoas infectadas desde o início da pandemia.

As médias móveis de óbitos e de casos estão em queda, ambas de 17%, em relação aos dados de duas semanas atrás. Elas são agora de 217 mortes por dia e 9.450 infecções diárias.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Os dados da vacinação contra a Covid-19, também coletados pelo consórcio, foram atualizados em 25 estados e no Distrito Federal.

O Brasil registrou 1.592.298 doses de vacinas contra Covid-19, nesta quinta. De acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde, foram 52.000 primeiras doses, 1.274.821 segundas doses. Além disso, foram registradas 23.178 doses únicas e 242.299 doses de reforço.

Ao todo, 158.447.349 pessoas receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra a Covid no Brasil –127.075.618 delas já receberam a segunda dose do imunizante. Somadas as doses únicas da vacina da Janssen contra a Covid, já são 131.649.449 pessoas com as duas doses ou com uma dose da vacina da Janssen.

Assim, o país já tem 74,28% da população com a 1ª dose e 61,72% dos brasileiros com as duas doses ou com uma dose da vacina da Janssen. Considerando somente a população adulta, os valores são, respectivamente, de 97,75% e 81,22%.

Mesmo quem recebeu as duas doses ou uma dose da vacina da Janssen deve manter cuidados básicos, como uso de máscara e distanciamento social, afirmam especialistas.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

 

 

Após 15 anos, jogador italiano descobre que não namora modelo Alessandra Ambrosio e que caiu em golpe; entenda

O jogador de vôlei italiano Roberto Cazzaniga acreditou durante 15 anos que namorava à distância a modelo brasileira Alessandra Ambrosio, que já protagonizou campanhas publicitárias com Cristiano Ronaldo. 

 

A história foi revelada em um programa de televisão, transmitido nesta terça-feira (24), que reuniu provas de que ele estava sendo enganado. “Como posso explicar para você? “. “Tenho tantas dívidas, não é fácil acordar do coma”, disse chorando.

A família e amigos de Cazzaniga pediram ajuda ao programa Italia Uno para colocá-lo diante de uma dura realidade: ele foi vítima durante 15 anos de um golpe que o levou a dar dinheiro a uma mulher chamada Maya com quem acreditava estar noivo, mas que nunca se encontrou pessoalmente.

A golpista foi apresentada há vários anos por uma amiga em comum chamada Manuela. Segundo o jornal italiano Il Fatto Quotidiano, na realidade quem falava com o jogador era Valeria, que recebia o dinheiro que ele enviava periodicamente para custear tratamentos de supostos problemas cardíacos. Ele perdeu € 700 mil (R$ 4,3 milhões). O golpe é semelhante ao aplicado por um jovem na Bahia, em 2016.

“Um dia ele estava no quarto, no escuro. Eu o vejo chorar, pergunto o que ele tem e ele me diz que se apaixonou, mas essa mulher está na UTI para fazer uma operação cardíaca e não pode ir ao hospital porque ficaria com raiva “, disse Danilo, o irmão do jogador de vôlei.

O jogador chegou a pedir empréstimos para conseguir enviar dinheiro para a namorada virtual. Mas foi a ajuda dos amigos e familiares, que procuraram o programa de televisão, que fizeram o atleta descobrir o golpe e apresentar queixa à polícia.

O programa de TV também localizou a mulher que Cazzaniga mandava dinheiro, mas ela negou tudo. “Eu sou Valéria e sou amiga da Maya há muito tempo, conheci-a no período em que conheci a Manuela”, disse a mulher. A reportagem perguntou o motivo dela receber o dinheiro enviado pelo atleta. Após um breve silêncio, ela respondeu: “Enfim, seja o que for que eu fale, acho que você não acredita em mim.”

Bolsonaro se posiciona contra a regulamentação e modernização das mídias digitais Lula é a favor

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), provocado sobre a regulamentação da mídia, se colocou contra a medida. A declaração foi dada durante entrevista à Rádio Sociedade da Bahia, na manhã desta quinta-feira (25). O político confrontou o ex-presidente Lula (PT), que se colocou favorável à medida nas mídias tradicionais e digitais.

 

“Eu nunca falei de regulamentar. O Lula tá ameaçando fazer isso. A imprensa tem que tá funcionando, mesmo alguns funcionando divulgado fake news. Só quer regulamentar a mídia quem quer regulamentar sem ela. Como é a mídia na Venezuela? Controlada. Quem ajudou lá? O Lula. (…) Então quem faz isso não quer democracia. É a política dele”, disse.

Depois de ser bastante criticado pelo comentário, feito durante uma entrevista ao apresentador José Eduardo, na rádio Metrópole, o petista resolveu mudar de tom sobre a sua proposta de regulamentação. Agora, ele diz que a questão cabe ao Congresso e que não sabe “por que há tanta polêmica” em torno do assunto.

O governador Rui Costa (PT) chegou a corrigir a liderança e disse que, na verdade, a ideia era “mordenizar e democratizar os meios de comunicação”.

“É mordenizar, democratizar os meios de comunicação. Queremos fazer a modelagem igual tem países democráticos do mundo. Modernizar, democratizar, isso siginifica dar oportunidade nas regiões, aos jornalistas, aos blogueiros, precisamos fazer”, afirmou, também em entrevista à mesma rádio.