De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.051, mesmo valor de 14 dias atrás.

O consórcio também atualizou informações repassadas sobre a vacinação contra a Covid-19 por 24 estados. (Foto: Reprodução)

 O Brasil registrou 1.345 mortes pela Covid-19 e 53.049 casos da doença, nesta sexta-feira (19). Com isso, o país já chegou a 244.955 óbitos e 10.081.693 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

O jornal Folha de S.Paulo também divulga a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.051, mesmo valor de 14 dias atrás. Portanto, a situação é de estabilidade, o que não significa um quadro tranquilo da pandemia.

O consórcio também atualizou informações repassadas sobre a vacinação contra a Covid-19 por 24 estados.

O país chegou a 5.756.502 primeiras doses aplicadas e 1.051.406 segundas, segundo informações das secretarias de saúde. Nesta sexta, 141.869 pessoas receberam a primeira dose do imunizante e 168.027, a segunda.

Por enquanto, as vacinas disponíveis no Brasil são a Coronavac, vacina do Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, e o imunizante da Fiocruz, desenvolvido pela parceria entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca.

O total representa 3,58% da população acima de 18 anos no Brasil.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Kim Kardashian e Kanye West se separam após seis anos de união

De acordo com fontes ouvidas pelo TMZ, há um acordo pré-nupcial que não está sendo contestado por nenhuma das partes.

“Eles estão mantendo tudo discreto, mas estão prontos. Eles estão em negociações”, disse à época uma fonte ao portal Page Six. (Foto: Reprodução)

 Os rumores que apontavam o fim do casamento de Kim Kardashian, 40, e Kanye West, 43, se concretizaram. A empresária entrou com um pedido de divórcio do rapper nesta sexta-feira (19), nos Estados Unidos. No processo ela pede a custódia legal e física conjunta dos quatro filhos do casal. De acordo com fontes ouvidas pelo TMZ, há um acordo pré-nupcial que não está sendo contestado por nenhuma das partes.

A informação chega cerca de um mês após ser noticiado que Kim havia contratado Laura Wesser, advogada especializada em cuidar de divórcios de celebridades, para resolver seu caso. “Eles estão mantendo tudo discreto, mas estão prontos. Eles estão em negociações”, disse à época uma fonte ao portal Page Six.

Segundo a publicação, o maior obstáculo para a concretização do divórcio pode ser a casa que eles possuem em Calabasas, na Califórnia. O casal teria desembolsado US$ 40 milhões (R$ 213 milhões) pelo imóvel e outros US$ 20 milhões (R$ 106 milhões) em reformas. “Kim está tentando fazer com que Kanye entregue a casa de Calabasas para ela, porque é onde as crianças vivem e estão crescendo. Essa é a casa deles”, afirmou a fonte ao tabloide.

A crise no casamento das celebridades se tornou pública há alguns meses. Em julho, West chorou ao revelar que conversou com Kim Kardashian sobre a possibilidade dela fazer um aborto quando os dois ainda eram namorados. O plano não foi adiante e a primogênita do casal, North West, nasceu em junho de 2013.

Segundo relato da revista Us Weekly, West contou aos presentes que Kim ligou para ele quando os dois namoravam e estava nervosa depois de uma consulta médica. Ele diz que pensou que havia passado o vírus da Aids para ela, pois na época estava tendo uma vida desregrada.

Contudo, a socialite afirmou que estava grávida e os dois chegaram a pensar na hipótese de interromper a gravidez. “Quase matei minha filha”, afirmou com lágrimas nos olhos. Ele também disse que o pai dele quis que a mãe, Donda, abortasse quando ela esperava o nascimento do rapper.

Na mesma época, o rapper tuitou que tentava se divorciar da esposa há dois anos. Na ocasião, ele contou também que a sogra, Kris Jenner, e Kim estavam querendo interná-lo a força em uma clínica psiquiatra. “Elas tentaram voar com dos médicos para mim. Kris e Kim fizeram isso sem a minha aprovação … não é isso que uma esposa deve fazer. Supremacia branca”, escreveu o rapper, que logo excluiu os tuítes. Após o ocorrido, Kim pediu compaixão e empatia para que sua família possa enfrentar a doença de Kanye, que sofre de transtorno bipolar.

Kim e West começaram a namorar no início de 2012 e se casaram em 2014 numa cerimônia privada no Forte di Belvedere em Florença, na Itália. Além de North, os dois tiveram outros três filhos: Saint, 5, Chicago, 3, e Psalm, 1.