Integrantes do Talibã na cidade de Herat, no oeste do Afeganistão, mataram quatro supostos sequestradores e penduraram seus corpos em público para mandar um recado para outros, disse um funcionário do governo local no sábado.

O vice-governador de Herat, Ahmad Ammar, afirmou que os homens haviam sequestrado um empresário local e seu filho, e pretendiam levá-los para fora da cidade quando foram vistos por patrulhas em postos de controle.

Uma troca de tiros ocorreu, na qual todos os supostos sequestradores foram mortos, enquanto um soldado talibã foi ferido.

— Seus corpos foram levados para a praça principal e pendurados na cidade como uma lição para os outros — disse Ammar, que também confirmou a libertação das duas vítimas, ambas ilesas.

Um morador de Herat, Mohammad Nazir, disse que estava comprando comida perto da praça Mostofiat quando ouviu um anúncio em um alto-falante chamando a atenção das pessoas.

— Quando andei para frente, vi que tinham trazido um corpo em uma caminhonete, depois penduraram em um gancho — relembrou o homem.

Imagens do cadáver ensanguentado, balançando, foram amplamente compartilhadas nas redes sociais, mostrando uma mensagem presa ao peito do homem que dizia “essa é a punição por sequestro”.

Nenhum outro corpo era visível, mas as publicações na internet indicavam que outros estavam pendurados em diferentes partes da cidade.

A exibição em várias praças da cidade é a punição pública mais importante desde que o Talibã chegou ao poder no mês passado, e é um sinal de que os adeptos da linha dura islâmica adotarão medidas de acordo com seu governo anterior (1996-2001), como já indicou em uma entrevista o mulá Nooruddin Turabi.

Ele disse que o grupo vai retomar amputações e execuções para deter criminosos.

Apesar do rechaço internacional, os Talibãs disseram que vão continuar a impor punições imediatas e severas aos infratores da lei para deter crimes como roubo, assassinato e sequestro.

Washington, que condenou os comentários de Turabi sobre punições, disse que qualquer possível reconhecimento do governo Talibã em Cabul dependeria do respeito aos direitos humanos.

De acordo com a agência oficial de notícias Bakhtar, oito sequestradores também foram presos em um incidente isolado na província de Uruzgan, no sudoeste do país.