Monthly Archives: outubro 2021

Assunto tabu para Roberto Carlos, que anunciou recentemente as datas da sua nova turnê internacional, o acidente que o levou a ter perna direita amputada deverá ser abordado em série sobre o cantor. É o que conta o escritor e produtor musical Nelson Motta, responsável pela primeira versão do roteiro da produção.

Em entrevista ao podcast W/Cast, do publicitário Washington Olivetto, Motta contou que a ideia inicial é que a série comece com uma cena do acidente de trem que Roberto Carlos sofreu aos seis anos em Cachoeiro do Itapemerim (ES), sua cidade natal. Na sequência, surge o cantor cantando a música “O Divã”, à capela. “Eu falei: ‘Roberto, ninguém pode contar melhor isso do que você mesmo’. Ele adorou essa ideia, tomara que mantenham”, afirmou o escritor.

Motta disse que ele e Patrícia Andrade, também roteirista do projeto, fizeram várias entrevistas com o músico e que ele foi ótimo. “E ele surpreendentemente se abriu bastante. Eu falei para ele: ‘Para fazer um longa de ficção tem que humanizar o personagem, e você já virou uma entidade, não está mais entre nós. Tem que humanizar esse personagem, o cara tem que ser corneado, o cara tem que sofrer. E ele topou também, tudo isso”, afirmou, ressalvando que a primeira proposta era fazer um filme sobre o cantor, mas o projeto acabou virando uma série em quatro episódios para a TV.

Sobre a perna amputada, uma das histórias contadas por Roberto, que só deixou o isolamento por causa da pandemia há dois meses, segundo o escritor, foi que até os 13, 14 anos, ele não tinha nenhuma prótese. “Era aquela calça com alfinetinho ali, e a muleta.” Quando o cantor tinha 14 anos, o pai dele ouviu falar de um médico no Rio que fazia prótese. Eles foram até a cidade e encontraram o médico alemão, “que vai ver foi treinado em algum campo de concentração ou era um inocente só”, diz Motta.

“O fato é que o cara era um craque. O alemão botou uma bola de tênis para amenizar e construiu uma prótese para o Roberto”, detalhou o escritor e produtor musical. “Roberto contou que saiu correndo [após colocar a prótese], caindo, tropeçando, foi correndo pela praia. No dia seguinte, ele foi a um baile e dançou a noite inteira. Ele contou coisas desse tipo, espero que isso saia [na série]. Ele merece e o público merece”, completou.

Motta disse que Roberto não teve problema nenhum em falar sobre o acidente. Ele afirmou ainda que foi contratado para fazer uma primeira versão do roteiro, que terá direção de Breno Silveira. De acordo com Motta, o projeto já está pronto, esperando a validação do músico. “Não vai rolar o filme, serão quatro episódios para a televisão…Mas com o Roberto não se pode fazer previsão”, ponderou. (Via: Folhapress)

Numa turnê que prevê o encontro com alguns dos principais líderes de países europeus, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer reforçar a ideia de que o “Brasil não é Bolsonaro” e que o país é maior que o atual presidente no poder.

O jornalista Jamil Chade apurou com exclusividade que a viagem está programada para durar dez dias. Lula passará por quatro países.

A primeira etapa será na Alemanha, onde o ex-presidente se encontrará com sindicalistas e com o SPD, partido de centro-esquerda que ganhou as últimas eleições do país e conduz as formações de um novo governo.

Lula se encontrará com políticos como Martin Schulz, que visitou o ex-presidente quando esteve na prisão. O brasileiro também será recebido pelo sindicato alemão dos metalúrgicos, o IG Metall, um dos mais poderosos da Europa.

O ex-presidente ainda viajará para a Bélgica, onde irá se encontrar com o bloco social-democrata do Parlamento Europeu e na França, ele se encontrará com a prefeita socialista de Paris, Anne Hidalgo, candidata à presidência em seu país.

Lula ainda fará uma conferência na Science Po para marcar os 10 anos da data do primeiro latino-americano a receber o título Honoris Causa na faculdade francesa.

A turnê europeia terminará na Espanha, onde Lula se encontrará com as lideranças do Partido Socialista, que governa o país.  

Mais de 5 mil candidatos fazem provas do CFO da Polícia Militar neste domingo

Provas do CFO acontecem neste domingo (Foto: Reprodução)

Neste domingo (31), 5.207 candidatos fazem provas do  Curso de Formação de Oficiais (CFO) 2022 da Polícia Militar da Paraíba. São oferecidas 30 vagas, sendo 25 para o sexo masculino e 5 para o feminino, para candidatos com curso superior em qualquer área. 

A remuneração inicial do primeiro posto de oficial, que é o 2º tenente, é de R$ 7.791,20.

A prova será aplicada a partir das 13h15 e segue até às 17h15. O portão será fechado às 13h. 

A prova objetiva será composta por 80 questões e cada questão valerá um ponto e todas as questões terão cinco alternativas.

Cônsul de Portugal no Rio de Janeiro é feito refém durante assalto

Segundo a polícia, o cônsul e sua família foram feitos reféns pelos assaltantes, que também invadiram uma residência vizinha.

Uma vizinha contou à polícia que o grupo era formado por seis homens armados, de acordo com o G1. Segundo ela, o bando teria surgido da mata atrás das residências por volta de 2h e rendido os seguranças. (Foto: Pixabay/Imagem ilustrativa)

 A Polícia Civil do Rio investiga um assalto ao consulado de Portugal na cidade. Segundo a polícia, o cônsul e sua família foram feitos reféns pelos assaltantes, que também invadiram uma residência vizinha.

Uma vizinha contou à polícia que o grupo era formado por seis homens armados, de acordo com o G1. Segundo ela, o bando teria surgido da mata atrás das residências por volta de 2h e rendido os seguranças.

O consulado fica em Botafogo, na zona sul da cidade. A polícia disse que fez diligências nas casas e na mata em busca de indícios que possam ajudar na identificação dos invasores. “A perícia foi realizada no local, e imagens de câmeras de segurança foram requisitadas para análise”, afirmou, em nota.

O prédio da representação diplomática é um anexo do palácio de São Clemente, onde fica a residência do cônsul. Ao lado, há um prédio anexo onde funcionam os serviços consulares.

De acordo com o G1, a testemunha disse que os bandidos levaram joias e aparelhos eletrônicos de sua residência. A polícia disse que ainda está contabilizando os bens roubados.

A reportagem ainda não conseguiu contato com o consulado de Portugal.

 

No G20, Bolsonaro destaca vacinação no Brasil, mas é o único chefe de Estado que não se imunizou

No evento internacional, Bolsonaro destacou o “programa extensivo e eficiente de vacinação”, mas quando no Brasil, espalha desinformação sobre os imunizantes contra Covid-19.

Jair Bolsonaro discursou na manhã deste sábado (30) em Roma, na Itália, na reunião do G20, que reúne as maiores economias do mundo. O tom adotado pelo governante brasileiro foi muito diferente do que ele utiliza no Brasil.

Em declarações corriqueiras no país, Bolsonaro costuma minimizar a pandemia de Covid-19, priorizar a economia em detrimento da saúde da população e duvidar da eficácia das vacinas contra a doença.

No G20, no entanto, Bolsonaro destacou o “programa extensivo e eficiente de vacinação” no Brasil. “No Brasil, mais da metade da população nacional já está plenamente imunizada de forma voluntária. Mais de 94% da população adulta já recebeu pelo menos uma dose da vacina. Ao todo, aplicamos mais de 260 milhões de doses, das quais mais de 140 milhões foram produzidas em território nacional”.

Apesar de aparentemente valorizar a ciência em sua fala no evento, Bolsonaro é o único chefe de Estado do grupo que ainda não se vacinou. Recentemente ele deu mais uma prova de que não abandona seu negacionismo. Em live, o chefe do governo federal espalhou desinformação ao relacionar as vacinas contra Covid-19 ao desenvolvimento de Aids.

Após 18 anos, Bolsa Família sai de cena

Foto: divulgação

Nascido de uma junção de vários programas sociais gestados no governo Fernando Henrique Cardoso, o Bolsa Família foi, durante 18 anos, um dos principais meios de transferência de renda do mundo e atualmente contempla cerca de 14,6 milhões de famílias em todo o Brasil. O programa teve seu último pagamento realizado ontem e, agora, será substituído pelo Auxílio Brasil, lançado pelo governo Bolsonaro.

Segundo Cristiano Noronha, cientista político e sócio da Arko Advice, a mudança de nome proposta por Bolsonaro visa descolar a imagem do ex-presidente Lula (PT) do principal programa social do país e colocar a do atual chefe do Executivo. “O presidente tenta fortalecer o programa a partir de um benefício ainda maior e, com isso, criar uma marca social. Os beneficiários desse programa são majoritariamente as pessoas do Norte e do Nordeste, e é justamente as duas regiões onde Lula tem maior vantagem sobre Bolsonaro, de acordo com as pesquisas de opinião”, ressaltou.

O Bolsa Família acabou associado ao governo Lula porque foi em 2003, no primeiro ano da gestão petista, que o Executivo decidiu utilizar o Cadastro Único para unir os benefícios existentes. Entre as principais contrapartidas mantidas de outros programas estava a frequência escolar das crianças da família e a necessidade de acompanhamento de saúde de meninos e meninas, que precisavam estar vacinados, e de gestantes.

Essa, segundo especialistas, é uma das características fundamentais para explicar o sucesso do programa. É o que destaca o sociólogo Lejeune Mirhan. “É o maior programa de transferência de renda do mundo. Ele atinge quase um quarto da população brasileira, em torno de 50 milhões de pessoas, e é um programa premiadíssimo no mundo inteiro”, disse. “Muitos países se espelham no Bolsa Família para implantarem programas semelhantes”, acrescentou ele, que considera o Auxílio Brasil um programa “circunstancial”.

Roberto Piscitelli, economista da Universidade de Brasília e especialista em finanças públicas, também frisou que o Bolsa Família foi um dos principais programas do gênero do mundo e permitiu que o país saísse do mapa da miséria e avançasse nos índices de educação. “Isso já seria suficiente. Reduziu o nível de pobreza e houve uma ascensão das classes sociais, possibilitando o acesso das classes menos favorecidas a bens duráveis”, elencou. “O fato de o programa ter estabelecido uma contrapartida foi muito importante para melhorar a educação brasileira e dar uma responsabilidade aos pais.”

Já César Bergo, presidente do Conselho de Economia do Distrito Federal (Corecon-DF), afirmou que, ao longo dos anos, o Bolsa Família atingiu uma certa “maturidade” e evoluiu de diversas formas. Mas, segundo argumentou, com a chegada da pandemia, ficou claro que havia um sério problema relacionado ao mapeamento de pessoas na pobreza no país.

“O que a gente viu com o auxílio emergencial em 2020 foi que havia uma precariedade com relação ao cadastro. Com tanto tempo que o Bolsa Família estava funcionando, esperava-se que o governo já tivesse um mapeamento dessas pessoas”, observou. No entanto, Bergo apontou que, com o Bolsa Família, as condições para pessoas de baixa renda melhoraram, o que permitiu que muitos pudessem se concentrar na busca por emprego enquanto tinham sua alimentação garantida.

Acidente entre ônibus de banda de forró e caminhão deixa um morto no RN

Acidente aconteceu na manhã deste sábado (30) em Macau. Vítima fazia parte da equipe de apoio da banda Na Pegada do Coyote.

Outras duas pessoas tiveram ferimentos leves e também foram encaminhados para um hospital na capital potiguar. (Foto: reprodução)

 

Um acidente entre o ônibus da banda de forró Na Pegada do Coyote e um caminhão deixou uma pessoa morta e duas feridas na BR-406, na cidade de Macau, região da Costa Branca do Rio Grande do Norte.

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente aconteceu por volta das 6h10. Um caminhão semi-reboque e o ônibus bateram lateralmente.

O ônibus transportava 13 ocupantes da banda, segundo a PRF.

De acordo com a Polícia Militar, a vítima era integrante da equipe técnica do grupo e foi identificada como Tiago Paulino da Silva, de 31 anos. O corpo dele foi removido para o Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep) de Natal.

Outras duas pessoas tiveram ferimentos leves e também foram encaminhados para um hospital na capital potiguar.

A pista foi interditada parcialmente pela PRF para remoção do ônibus.

O Brasil registrou 379 mortes por Covid e 11.287 casos da doença, nesta sexta-feira (29). Com isso, o país chegou a 607.504 óbitos e a 21.791.761 infecções pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

As médias móveis de mortes e casos continuam em estabilidade, sem variações superiores a 15%. No momento, ocorrem 328 óbitos por dia pela Covid e 11.563 infecções diárias.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.
Os dados da vacinação contra a Covid-19, também coletados pelo consórcio, foram atualizados em 20 estados e no Distrito Federal.

O Brasil registrou 1.344.005 doses de vacinas contra Covid-19, nesta sexta-feira. De acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde, foram 214.212 primeiras doses e 790.989 segundas. Também foram registradas 340.444 doses de reforço.

O registro de doses únicas foi negativo (-1.640), nesta sexta. Isso ocorreu por revisões de dados no Ceará (-612) e no Espírito Santo (-2.920).

Ao todo, 154.479.447 pessoas receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra a Covid no Brasil –110.515.982 delas já receberam a segunda dose do imunizante. Somadas as doses únicas da vacina da Janssen contra a Covid, já são 115.042.737 pessoas com esquema vacinal completo no país.

Assim, o país já tem 72,42% da população com a 1ª dose e 53,93% dos brasileiros com esquema vacinal completo. Considerando somente a população adulta, os valores são, respectivamente, de 95,30% e 70,97%.

Mesmo quem completou o esquema vacinal com as duas doses deve manter cuidados básicos, como uso de máscara e distanciamento social, afirmam especialistas.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Pernambuco ultrapassa a marca de 20 mil mortes provocadas pela Covid

O governo de Pernambuco confirmou, nesta sexta-feira (29), mais 11 mortes provocadas pela Covid-19. Com isso, o estado ultrapassou a marca de 20 mil óbitos, registrados oficialmente desde o início da pandemia, em março de 2020.

Agora, Pernambuco soma 20.001 mortes. Os óbitos confirmados nesta sexta aconteceram entre 19 de maio e 28 de outubro de 2021, segundo estado.

Ainda de acordo com o boletim repassado ao G1 PE, também confirmou, nesta sexta, mais 456 casos do novo coronavírus. Com os novos dados, Pernambuco passou a totalizar 630.976 registros da doença, sendo 54.533 graves e 576.443 leves.

Entre os casos confirmados nesta sexta, 25 (5%) são de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 431 (95%) são leves.

“Os detalhes epidemiológicos serão repassados ao longo do dia pela Secretaria Estadual de Saúde”, informou o governo.

Morre o ex-procurador-geral da República Geraldo Brindeiro

De acordo com a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Brindeiro morreu em decorrência da Covid.

 

O ex-procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro. (Foto: Ana Nascimento/ABr)

O ex-procurador-geral da República Geraldo Brindeiro morreu nesta sexta-feira (29), aos 73 anos. Ele ocupou o cargo de PGR por oito anos nos governos de Fernando Henrique Cardoso, de 1995 a 2003. Atualmente, era subprocurador.

De acordo com a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Brindeiro morreu em decorrência da Covid.

“Colega de trato gentil e bastante leal, Geraldo Brindeiro foi, dentre outras coisas, responsável pela construção da sede atual da PGR, além de ter promovido diversos concursos de ingresso na carreira, ampliando em muito o MPF”, afirmou o presidente da Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR), Ubiratan Cazetta, em uma rede social.

Geraldo Brindeiro nasceu no Recife no dia 29 de agosto de 1948. Formou-se em direito pela Faculdade de Direito do Recife em 1970. Fez pós-graduação na Universidade de Brasília (UnB), especializando-se em direito tributário na Constituição Federal e alteração do contrato de trabalho. Também era mestre e doutor em direito pela Universidade de Yale, nos Estados Unidos.

Foi assessor jurídico do tio, ministro Djaci Falcão, no STF, entre fevereiro de 1971 e março de 1973. Foi professor de direito civil e constitucional da Faculdade de Direito do Distrito Federal. Em 1975, passou a integrar o Ministério Público Federal.

Em 1989, foi promovido a subprocurador geral da República. Em 1995, foi nomeado por Fernando Henrique Cardoso para seu primeiro mandato na PGR, com a missão de despolitizar o órgão.

Os preços da gasolina, do diesel e do gás de botijão voltaram a subir neste semana, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Segundo a ANP, o preço máximo da gasolina encontrado nos postos do Brasil já se aproxima dos R$ 8. Nesta semana, o preço por litro já é vendido por inéditos R$ 7,889 — caso do Rio Grande do Sul.

O litro da gasolina, em média, subiu de R$ 6,361, na semana passada, para R$ 6,562, nesta semana. É uma alta de 3,1%. No ano, o avanço na bomba chega a 46,37%.

No diesel, o aumento foi de 4,5%, passando de R$ 4,983 para R$ 5,211. Assim, acumula alta de 44,5% desde janeiro.

O gás de botijão subiu de R$ 101,96 para R$ 102,04, alta de 0,07%. No ano, o aumento é de 36,5%.

Nesta sexta-feira, em meio a pressões e ameaças de greve de caminhoneiros, os estados anunciaram que vão congelar o ICMS que incide sobre os preços cobrados nos postos, numa tentativa de amenizar os repasses para os consumidores das altas da Petrobras nas refinarias.

Em coletiva de imprensa virtual nesta sexta, o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, disse que não se sente pressionado pelos aumentos nos preços dos combustíveis. Ontem, a estatal divulgou lucro líquido de R$ 31,1 bilhões no terceiro trimestre.

O executivo, que disse que a empresa não persegue lucro por lucro, voltou a falar que a Petrobras “não controla” os preços do petróleo, que foram afetados pelo efeito da pandemia. Afirmou ainda que existem no Brasil leis que estabelecem como a Petrobras deve atuar.

Na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou durante transmissão em suas redes sociais, que a Petrobras não pode dar lucros altos como tem dado, retomando o discurso de que a empresa deve ter um viés social.

Após anunciar que vai antecipar ao todo R$ 63,4 bilhões  em dividendos aos acionistas referentes ao exercício de 2021, a Petrobras prevê elevar ainda mais esse valor no quatro trimestre deste ano.

Na última segunda-feira, a Petrobras anunciou reajuste dos combustíveis na refinaria. A gasolina subiu 7%  e o diesel, 9%. Com isso,  a gasolina já acumula alta de 73% no ano e o diesel, de 65,3%.

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) recebeu, nesta quarta-feira (27), em seu gabinete, em Brasília, o ex-prefeito de Afogados da Ingazeira e  presidente da Amupe, José Patriota, que concorrerá ao cargo de deputado estadual em 2022. Com a saída do deputado Lucas Ramos da Assembleia Legislativa, Patriota fará dobradinha com o primo Zé Patriota em vários municípios do Pajeú, Moxotó e área metropolitana do Recife.

“José Patriota é uma grande liderança política, fez um excelente trabalho como sindicalista e, principalmente à frente da prefeitura de Afogados da Ingazeira, como prefeito por dois mandatos, em uma das mais importantes cidades do Sertão pernambucano  e, com certeza, vai levar esse comprometimento para todo o Estado. Juntos, conseguiremos reforçar o trabalho que já venho fazendo ao longo dos anos nas regiões do Pajeú, Moxotó e área metropolitana”, conclui Gonzaga Patriota.

Na madrugada de hoje, sabendo que o deputado Gonzaga Patriota madruga, o Blog PE Notícias entrou em contato com o mesmo, via WhatsApp, para saber mais informações com relação em quais municípios faria dobradinha com José Patriota. A princípio Gonzaga respondeu vagamente que em “vários” e sendo importunado a dizer pelo menos 3 municípios, o deputado respondeu em letras garrafais: “AFOGADOS, TABIRA, SÃO JOSÉ DO EGITO, IGUARACY, CARNAÍBA, RECIFE, E MAIS UNS 40”.

 

Briga de gigantes: A polêmica do terreno rende mais um round entre Prefeitura e Desembargador em Afogados

Uma equipe da prefeitura voltou na tarde desta quinta ao terreno da Rua Tenente Sebastião Duarte, no Bairro Borges, para retirar uma nova cerca do local, alegando ter sido novamente colocada pelo Desembargador Cláudio Jean Nogueira.

A prefeitura diz que o terreno foi cedido pelo DNIT. Quer realizar no local obra de infraestrutura, ligando o logradouro público à nova Academia da Saúde do Bairro Borges e ao novo Pátio da Feira.

O episódio coloca novamente em rota de colisão a gestão Sandrinho Palmeira e o Desembargador. A prefeitura diz que após notificado, em um primeiro momento ele chegou a prometer que não mais interviria na via. Agora, o município alega que o magistrado novamente mandou cercar o local.

Estiveram no local guardas municipais, PM e o Procurador do município, Carlos Marques, além do próprio Desembargador Cláudio Jean Nogueira. Relatos ao blog indicam que houve bate boca no local e a movimentação atraiu curiosos.

O Desembargador Cláudio Jean mantém a posição de que tem a posse da área através de recibo, adquirido a Genilson da Silva Mariano em 7 de julho. Afirma que a parte que está construindo seria do DNIT, que teria direito de reivindicar a área, anexando documento que diz comprovar isso.

“É do DNIT e não da Prefeitura. Ela não tem legitimidade para discutir conforme o Diário Oficial. Vou acionar judicialmente o prefeito”. Diz por fim que a planta dele mostra que ali há imóvel, não rua. Via Nill

 

O julgamento do tema teve início em novembro do ano passado, mas havia sido interrompido por pedido de vista (mais tempo para analisar o caso) de Moraes.

 O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira (28) que a injúria racial é equiparada ao crime de racismo e, portanto, esse tipo de delito é imprescritível e deve ser punido a qualquer tempo, independentemente do período que se passou do episódio.

O placar foi 8 a 1. Os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Luiz Fux votaram nesse sentido. O ministro Kassio Nunes Marques foi o único a divergir e a defender que esse tipo de decisão deveria ser tomada pelo Congresso Nacional.

O julgamento do tema teve início em novembro do ano passado, mas havia sido interrompido por pedido de vista (mais tempo para analisar o caso) de Moraes.

A maioria da corte acompanhou o voto do relator, Edson Fachin, que votou para rejeitar o habeas corpus apresentado pela defesa de uma mulher que foi condenada por injúria qualificada pelo preconceito.

O caso foi incluído na pauta do STF após ganhar ampla repercussão o assassinato de um homem negro por seguranças brancos em um supermercado em Porto Alegre (RS).
Os ministros analisaram a situação de uma idosa de Brasília que foi condenada em 2013 por ter ofendido a frentista de um posto de gasolina. “Negrinha nojenta, ignorante e atrevida”, disse na ocasião.

A mulher, por sua vez, pediu para o Judiciário para não ser punida sob o argumento de que o Judiciário demorou muito para analisar seus recursos.

O STF, porém, rejeitou o pedido dos advogados da condenada. Fachin afirmou que esse tipo de conduta “torna ainda mais difícil a já hercúlea tarefa de cicatrizar as feridas abertas pela escravidão”.

“A atribuição de valor negativo ao indivíduo, em razão de sua raça, cria as condições ideológicas e culturais para a instituição e manutenção da subordinação, tão necessária para o bloqueio de acessos que edificam o racismo estrutural”, disse.

Moraes seguiu a mesma linha e fez críticas à conduta da mulher condenada: “Amanhã, o Congresso pode estabelecer outros tipos penais que permitam o enquadramento das modalidades de racismo. O que a Constituição torna imprescritível é qualquer prática de condutas racistas, e essa prática da paciente foi uma conduta racista”.

Cármen Lúcia, por sua vez, disse que o julgamento tratou de “um dos temas mais graves” e que expôs a “crueldade na sociedade brasileira”.

“Não é apenas a pessoa que sofre e que passa pelo constrangimento, mas todo e qualquer ser humano dotado de sensibilidade haverá de se achar atingido por sua dignidade”, disse.

Kassio foi o único a divergir. Ele citou que crimes como feminicídio, estupro seguido de morte e tráfico de drogas também têm prazo de prescrição e que “não cabe ao Supremo definir quais delitos devem ser enquadrados nessa categoria.”

A interpretação extensiva de uma hipótese de imprescritibilidade pelo Poder Judiciário, de forma transversa, retroage em malefício do cidadão acusado de algum delito, violando esta garantia”, afirmou.

Governo reduz déficit para R$ 82 bilhões no ano, mas rombo é quinto maior da história

O número representa uma melhora em relação ao rombo de três dígitos do mesmo período do ano passado, mas ainda assim é o quinto pior resultado para o período na série histórica (iniciada em 1997).

 O governo central (que inclui Tesouro Nacional, Previdência e Banco Central) registrou um déficit de R$ 82,4 bilhões no acumulado de janeiro a setembro de 2021. O número representa uma melhora em relação ao rombo de três dígitos do mesmo período do ano passado, mas ainda assim é o quinto pior resultado para o período na série histórica (iniciada em 1997).

O resultado, divulgado pelo Tesouro Nacional nesta quinta-feira (28), mostra uma retração real de 88% do déficit de janeiro a setembro de 2021 frente a igual período de 2020 (quando houve um rombo de R$ 677,4 bilhões). A despesa total caiu 25% na comparação (para R$ 1,2 trilhão), enquanto a receita líquida subiu 26% (para R$ 1,1 trilhão).

No ano passado, o país enfrentava o primeiro ano da pandemia e o governo executava medidas com impacto fiscal mais forte — como o auxílio emergencial maior e adiamentos de impostos mais amplos.

De acordo com o Tesouro, a melhora é impulsionada tanto pela redução expressiva em despesas ligadas à crise da Covid-19 como pela melhora na arrecadação federal.

Considerando só o mês de setembro, houve um leve superávit de R$ 303 milhões. O resultado veio de maneira significativamente melhor que a mediana das expectativas de mercado coletadas pela pesquisa Prisma Fiscal, do Ministério da Economia, que indicava um déficit de R$ 17,9 bilhões no mês.

Esse resultado foi limitado principalmente pelo déficit na Previdência, de R$ 225,3 bilhões no mês. Já Tesouro Nacional e Banco Central ficaram no azul em R$ 142,8 bilhões no mês.

Agora, somadas as segundas doses e os imunizantes de dose única, o país fecha esta quinta com 114.253.388 pessoas com o esquema concluído.

 O Brasil chegou, nesta quinta-feira (28), a 70,49% da população adulta com esquema vacinal completo contra a Covid. Ou seja, entre as pessoas de 18 anos ou mais, 7 em cada 10 já tomaram as duas doses da vacina ou então o imunizante de dose única.

Na semana passada, em 20 de outubro, o país alcançou outra marca animadora: mais de 50% da população total com o esquema vacinal completo. Outro feito recente, do dia 13 de outubro, foi atingir o número de mais de 100 milhões de pessoas totalmente imunizadas.

Agora, somadas as segundas doses e os imunizantes de dose única, o país fecha esta quinta com 114.253.388 pessoas com o esquema concluído.

Nesta quinta, foram registradas 269.794 primeiras doses, 936.087segundas, 4.387 doses únicas e 366.125 aplicações de reforço.

Entre outros números, o país tem 72,32% da população com uma dose (154.265.235 pessoas) e 53,56% com esquema vacinal completo.

É importante lembrar, porém, que a imunização só é considerada efetiva duas semanas após a aplicação da segunda dose, conforme alertam especialistas.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Os números atingidos nas últimas semanas contrastam com os problemas que a vacinação contra a Covid enfrentou no Brasil no início da campanha, como falta de doses e atrasos. A alta adesão ao programa de imunização difere ainda da postura do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que não se vacinou contra o coronavírus.

O mandatório, além disso, já levantou diversas vezes dúvidas quanto à importância e à segurança dos produtos. Na última semana, Bolsonaro chegou a associar a vacina contra Covid com o desenvolvimento da síndrome da imunodeficiência adquirida, a Aids –o que é falso. O vídeo em que ele fez essa fala foi, dias depois, apagado por Facebook, Instagram e YouTube.

“São números obviamente muito bons”, resume Renato Kfouri, pediatra e diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações). Segundo ele, a expectativa é que, até o fim do ano, 100% da população do país tenham tomado a primeira dose e mais de 90% estejam totalmente imunizados.

“Vamos passar todo mundo”, completa o especialista. Ele lembra que alguns países, como os Estados Unidos, alcançaram antes porcentagens elevadas de população vacinada, mas agora estão com dificuldade para avançar mais.

Atualmente, os EUA têm 69% da população adulta com esquema vacinal completo, segundo dados do CDC (Centro de Controle de Doenças dos EUA). Os 60%, no entanto, já foram atingidos há bastante tempo, desde o dia 25 de julho. Em comparação, o Brasil atingiu 60% há exatos 20 dias, em 8 de outubro.

Os EUA enfrentam forte desconfiança e rejeição vacinal. Até mesmo pessoas públicas têm abertamente recusado a vacina e, com isso, impactado até o trabalho que realizam. Um dos exemplos mais conhecidos é o do jogador da NBA, a liga de basquete profissional americano, Kyrie Irving, um dos astros do Brooklyn Nets. O time afastou o armador até que ele se vacine.

Já no Brasil, a vacinação contra a Covid têm a confiança de grande parte da população. Segundo pesquisa Datafolha, a adesão à vacina chega a 94% das pessoas.

Mas, apesar dos marcos positivos recentes, reforça Kfouri, a pandemia ainda não acabou e os cuidados permanecem essenciais. O uso de máscaras, com especial atenção a lugares fechados, sem ventilação, deve ser mantido, avalia o médico.

O alerta para não abaixar a guarda vem dos especialistas e das experiências recentes de outros países, que voltaram a enfrentar problemas principalmente após a expansão da variante delta. Israel, por exemplo, com a vacinação já consideravelmente avançada, começou a flexibilizar o uso de máscaras até para ambientes fechados. Com o crescimento das infecções, por causa da delta, no entanto, o país teve que recuar de seus planos.

Kfouri também ressalta que um dos desafios do momento para o Brasil é alcançar a parte da população que está com segundas doses atrasadas.

Somado a isso, vale lembrar que o chamado esquema vacinal completo (de duas doses ou dose única) se mostrou incompleto recentemente em alguns locais. Isso porque, com o passar dos meses, percebeu-se a queda dos níveis de proteção das vacinas – algo que não chegou a ser surpreendente para os cientistas.

Com isso, foi verificada a necessidade de doses de reforço. O Brasil oferece, no momento, essas injeções para maiores de 60 anos, profissionais de saúde e pessoas com problemas de imunidade.

Considerando as 7.825.324 doses de reforço aplicadas até o momento, isso representa cerca de 20% de cobertura vacinal para os públicos de pessoas com mais de 60 anos e profissionais de saúde.

A variante delta, detectada inicialmente na Índia, mais transmissível, também transformou a ideia de imunidade de rebanho em uma realidade mais distante no mundo.

Segundo o diretor da SBim, oferecer doses de reforço para os idosos é o mais importante neste momento, considerando o esmorecer da proteção vacinal e a maior chance de óbito e hospitalização conforme avança a faixa etária.

“A atenção deve ser dada para esse grupo que está perdendo a proteção e se deve insistir que as coberturas devem estar altas nos mais vulneráveis. Esses têm que estar adequadamente protegidos enquanto temos alta circulação do vírus”, diz o especialista.

MORTES

Nesta quinta, também foram registrados 399 mortes por Covid e 15.054 casos da doença. O país, dessa forma, chegou a 607.125 vidas perdidas desde o início da pandemia e a 21.780.474 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Já as médias móveis de óbitos e de casos permanecem em estabilidade, sem variações superiores a 15%, em relação aos dados de duas semanas atrás. As médias agora são de 337 mortes por dia e de 11.986 infecções diárias.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

A especialista da MetSul recorda que desde o começo da erupção em 19 de setembro, plumas de dióxido de enxofre do vulcão de La Palma já chegaram a alguns países.

A pluma de dióxido de enxofre (S02) da erupção de La Palma se aproxima do Norte da América do Sul. Imagem divulgada na manhã desta quinta-feira (28), pela Adam Plataform,  a partir da análise de satélites europeus do Sistema Copernicus de monitoramento ambiental mostra que a nuvem do gás liberado pelo vulcão estava no Atlântico Norte na altura do Caribe e cada vez mais perto de áreas mais ao Norte da América do Sul.

De acordo com a meteorologista da MetSul Estael Sias, se a pluma de SO2 alcançar países como Venezuela, Suriname, Guiana Francesa ou mesmo o estado brasileiro do Amapá, a população nada perceberá e não há qualquer risco para a população destas regiões. 

“O dióxido de enxofre está sendo transportado em grande altitude por correntes de vento na atmosfera, a sua concentração sobre o Caribe é baixíssima e não há qualquer risco para que as pessoas se preocupem com estas emissões que passarão totalmente despercebidas do público nas áreas em que chegar. É meramente uma curiosidade de como estas emissões podem ser transportadas pelo vento a distâncias muito grandes”, enfatiza Estael.

A especialista da MetSul recorda que desde o começo da erupção em 19 de setembro, plumas de dióxido de enxofre do vulcão de La Palma já chegaram a países como Marrocos, Espanha, Portugal, Itália, Grécia, Turquia, França e até mesmo à Alemanha e à região da Escandinávia. Em todos os locais, a presença do gás na atmosfera passou despercebida e foi identificada só a partir da análise das imagens de satélite.

Como está a erupção do vulcão de La Palma

O vulcão Cumbre Vieja apresenta atividade incessante de emissão de gases, lava, piroclastos e cinzas desde o dia 19 de setembro, quando teve início a erupção. Trata-se da erupção mais longa desde o século 16, conforme os geólogos da Espanha. O vulcão de La Palma hoje tem três bocas principais emitindo magma que avança por comunidades próximas da ilha, como mostram imagens ao vivo geradas na internet pela televisão local.

O Instituto Geológico Nacional (IGN) informou que o solo ao redor do vulcão segue apresentando deformações, possivelmente relacionadas com a sismicidade profunda, o que vem trazendo vários terremotos de magnitude acima de 4 na parte Sul da ilha de La Palma, alguns percebidos pela população local. Com a elevação do terreno em 10 centímetros durante as últimas 24 horas, os técnicos cogitam que pode haver um aumento do canal de lava ou mesmo a abertura de novas bocas que emitam magma. 

Um novo terremoto de magnitude 4,8 foi registrado no começo do dia de hoje em Villa de Mazo, o segundo com apenas sete horas de diferença de mesma magnitude e na mesma área, segundo dados do Instituto Geográfico Nacional (IGN). 

Terremotos em profundidades superiores a 20 quilômetros foram menos frequentes ontem, porém,a magnitude ainda é elevada. O magma expelido pelo vulcão continua a fluir sobre os fluxos de lava já existentes, o que levou a um aumento da altura das paredes de lava. O magma já cobre uma área de 879,6 hectares e mais de duas mil construções foram total ou parcialmente destruídas até o momento.

A informação é de uma pesquisa realizada pelo Poder Data nos dias 25 a 27 de outubro, e que o blog teve acesso.

A pesquisa Poder Data foi realizada por meio de ligações para telefones celulares e fixos. Foram 2.500 entrevistas em 420 municípios nos 27 estados.  A margem de erro é de 2 pontos percentuais. 

De acordo com a pesquisa, Bolsonaro (sem partido) hoje perderia para o ex-presidente por 37% a 52% em um eventual 2º turno, distância de 15 pontos percentuais. 

A pesquisa realizada no dia 29 de setembro, mostrava uma diferença de 23 pontos percentuais. O placar era de 56% a 33% em favor do ex-presidente. Já há 2 meses, Lula estava 25 pontos à frente, com 55% a 30% contra Bolsonaro.

Exército confirma ingresso de filha de Bolsonaro em Colégio Militar de Brasília sem processo seletivo

Em agosto, o pai apresentou um pedido para que a filha frequentasse a escola sem passar por processo seletivo.

O Exército confirmou, nesta quarta-feira (27), que permitiu o ingresso da filha do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Laura Bolsonaro, no Colégio Militar de Brasília (CMB), para o ano letivo de 2022. Em agosto, o pai apresentou um pedido para que a filha frequentasse a escola sem passar por processo seletivo.

A escola permite admissão de dependentes de militares em situações específicas – transferidos de estado, designados para missão no exterior, entre outros – e do público em geral. Nesse último caso, no entanto, é obrigatório passar por processo seletivo. A mensalidade custa entre R$ 250 e R$ 278. Para o ano que vem, são 15 vagas ao 6º ano, série que Laura Bolsonaro deve frequentar.

Em nota, o Exército informou que a decisão foi do comandante da Força, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, indicado por Bolsonaro para o cargo. Segundo o texto, ele deferiu “solicitação de matrícula em caráter excepcional”.

O g1 questionou a Secretaria Especial de Comunicação Social do governo federal sobre a situação, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem. À época do pedido, Bolsonaro comentou a intenção a apoiadores. “A minha [filha] deve ir ano que vem para lá [Colégio Militar], a imprensa já tá batendo. Eu tenho direito por lei, até por questão de segurança”, disse o presidente.

O Exército afirma que o regulamento “faculta ao Comandante do Exército apreciar casos considerados especiais, ouvido o Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx), conforme justificativa apresentada pelo eventual interessado”.

“O DECEx apresentou parecer favorável à solicitação de matrícula. Posteriormente, o caso foi submetido ao Gabinete do Comandante do Exército para análise. Cumpridas as etapas anteriormente descritas, o processo foi levado ao Comandante do Exército, que emitiu despacho decisório deferindo a solicitação de matrícula em caráter excepcional”, diz a nota.

Ainda de acordo com o Exército, há restrição de acesso ao processo.

Processo seletivo

De acordo com o edital do concurso de admissão para o Colégio Militar de Brasília, publicado no Diário Oficial da União em agosto deste ano, para a admissão na escola o aluno passa por três etapas:

Exame intelectual

Revisão médica

Comprovação dos requisitos biográficos (apresentação de documentação)

Todas as etapas são eliminatórias. As inscrições na unidade de ensino começaram no dia 18 de agosto e vão até 24 de setembro.

O concurso de ingresso no Colégio Militar de Brasília é realizado anualmente, exclusivamente por meio de processo seletivo para o 6° ano do ensino fundamental e para o 1° ano do ensino médio. O número de vagas é determinado a cada ano.

Segundo a unidade de ensino, são 22 mil candidatos concorrendo anualmente, entre dependentes de militares e civis.

Autorização

Essa não é a primeira vez que políticos pedem autorização especial para matrícula de filhos no Colégio Militar de Brasília. Em 2019, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) conseguiu matricular o filho na unidade de ensino sem que ele passasse pelo processo seletivo.

À época, ela divulgou vídeo, explicando que “não foi privilegiada”, mas que queria o filho em uma escola militar por ter sofrido ameaças. A parlamentar disse ainda que ele “fez os testes necessários” para ser admitido.

O Governo do Estado, através da Secretaria Executiva de Ressocialização, já escolheu a empresa que irá organizar e aplicar as provas do concurso para policial penal de Pernambuco, que atuam nos presídios.

A nova carreira foi criada por emenda do Congresso Nacional, que transformou os agentes penitenciários em policiais penais.

O custo no concurso ficou no valor global de R$ 3.588.399,98 (três milhões, quinhentos e oitenta e oito mil, trezentos e noventa e nove reais e noventa e oito centavos).

A organizadora escolhida, por dispensa de licitação, foi o CEBRASPE, antigo CESPE/UNB, ligado à Universidade de Brasília.

A empresa foi escolhida pela sua “notória especialização técnica para realização do concurso público para o cargo de Policial Penal da Secretaria Executiva de Ressocialização”.

Ainda não há data para a publicação do edital do concurso, mas deve ser em breve, segundo fontes no Governo.

 Brasil ganhou destaque nos jornais internacionais nesta quarta-feira. Com a votação do relatório da CPI da Covid-19, todos os olhos se voltaram ao trabalho dos senadores, que, em quase seis meses, investigaram a fundo as ações do governo federal no combate à pandemia. Grandes jornais como “The New York Times”, “The Guardian” e “Le Monde” deram a notícia do pedido de indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido).

The New York Times

 (The New York Times/ Divulgação)
The New York Times/ Divulgação

O Jornal ressaltou as acusações recomendadas pela CPI, destacando as “milhares de mortes desnecessárias”.

The Guardian

 (The Guardian/ Divulgação)
The Guardian/ Divulgação

A Inglaterra amanheceu lendo que o relatório seguirá para a PGR e citou Augusto Aras como alguém que protege Bolsonaro.

Le Monde

 (LE Monde/ Divulgação)
LE Monde/ Divulgação

Para o jornal francês, o destaque foi a sugestão da CPI de privar Bolsonaro das redes sociais. Além disso, a edição destaca a acusação de “crimes contra a humanidade”.

BBC

 (BBC/ Divulgação)
BBC/ Divulgação

Na página principal, a BBC destaca o trabalho dos senadores e o pedido de “acusações criminais” contra Bolsonaro.

Esta quarta-feira (27) é o último dia de inscrições para 872 vagas em sete cursos gratuitos de aperfeiçoamento e em um de especialização técnica para profissionais de Saúde no Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial).  Os cursos são ofertados nas cidades do Recife, Paulista, Vitória de Santo Antão, Caruaru, Garanhuns, Serra Talhada e Petrolina. 
Os interessados devem se inscrever no site www.pe.senac.br/psg, comprovar a atuação e experiência na área do cursos escolhido e também atender os pré-requisitos do programa, como ter renda familiar de até dois salários mínimos por pessoa.
Assim, o Senac oferta os seguintes cursos: Assistência de Enfermagem em Saúde do Idoso, Assistência de Enfermagem Domiciliar, Assistência de Enfermagem Oncológica, Atendimento Humanizado em Serviços de Saúde, Atualização no Tratamento de Feridas e Curativos, Cálculos e Segurança na Administração de Medicamentos, Cuidados com Pessoas com Deficiência, além da Especialização Técnica em Instrumentação Cirúrgica, direcionada a profissionais técnicos em Enfermagem. 
O resultado dos aprovados será divulgado na quinta-feira (28) e as matrículas poderão ser realizadas nos dias 29 e 30 de outubro e 1º de novembro nas unidades do Senac localizadas nos municípios que disponibilizam os cursos. Essa ação faz parte do Programa Senac de Gratuidade (PSG), que atua em conjunto com o Projeto Senac Empresas Saúde, e tem o objetivo de oferecer qualificação e atualização aos profissionais da área e apoiar o crescimento do setor, segundo o Senac. 

 

 

O pernambucano Carlos Filho de Serra Talhada, emocionou os técnicos com “Enquanto engoma a calça” nas audições às cegas e virou as quatro cadeiras na décima temporada do The Voice Brasil.

Os jurados: “Você é um poeta, Carlos”, disse Cláudia Leite após a apresentação. Lulu Santos disse que ficou curioso com a apresentação. “Eu achei estranho, no melhor dos sentidos. Tem tanta coisa aí”. Carlos Filho escolheu o Time de Lulu Santos e segue para a próxima fase da competição.

Para os “mais chegados” é conhecido por Galego e estudou no Colégio Imaculada Conceição, foi criado na Praça Sérgio Magalhães, centro da cidade com sua mãe, Dona Silene.

Carlinhos deixou a cidade para ganhar espaço na capital pernambucana. Nas redes sociais, artistas como Henrique Brandão vibraram com a performance. “Meu irmão, que felicidade! Parabéns, Carlos Filho!” Assista um trecho:

 

Guedes chama ministro de “burro” em reunião

Em reunião nesta terça-feira (26), o ministro da Economia, Paulo Guedes, não poupou as críticas ao colega de governo, Marcos Pontes, titular da pasta da Ciência e Tecnologia, que recentemente se queixou do corte de mais de 90% no orçamento do seu ministério. Ele sugeriu que o ministro-astronauta vive no “espaço” e, sem citar diretamente seu nome, o chamou de “burro”.

Guedes alegou que apesar da reclamação de Pontes, a pasta não realizou nem 50% da sua execução orçamentária e disse que os recursos foram parar em “foguetes”.

Segundo informações da coluna Painel, da Folha de S. Paulo, o guru da economia do governo Bolsonaro chamou ainda outros ministros de incompetentes em determinado momento se perguntou o que estaria fazendo ainda na pasta.

“Às vezes eu mesmo me pergunto o que estou fazendo aqui”, disse após relatar que tentaram derrubá-lo do cargo recentemente, na situação do teto de gastos e do Auxílio-Brasil, 

Outros ministros citados por Guedes foram Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), e citou um desgaste entre os dois após precisar realocar verbas de um dos ministérios.

O ministro da Economia reconheceu que pode ainda devolver parte dos R$ 600 milhões retirados da Ciência e Tecnologia, mas que para isso não iria negociar com Pontes, mas com algum outro quadro técnico da pasta.

 

 

 

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira irá promover a Oficina de Viola Nordestina, que acontecerá no auditório da Secretaria de Educação,  de 03 a 05 de novembro, com início a partir das 19h.

A oficina será ministrada pelo instrumentista pernambucano Eduardo Buarque, primeiro violeiro a ser formado pelo curso técnico de viola de dez cordas do Conservatório Pernambucano de Música, tendo como mestre o violeiro Adelmo Arcoverde, uma das grandes referências do instrumento.

Durante as aulas serão trabalhadas as escalas ou modos nordestinos para improvisação, o baião de viola e outras metodologias da linguagem e das peculiaridades do instrumento.

As inscrições podem ser feitas até a próxima sexta-feira (29). Ao final da oficina, os participantes receberão certificados.

Os interessados poderão fazer suas inscrições através do link:

CPI da Pandemia aprova relatório final e pede 80 indiciamentos

Sessão para votação do relatório da CPI da Pandemia.

Comissão aprovou texto por 7 votos a 4

Depois de um dia todo de debates, os senadores aprovaram nesta terça-feira (26) o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, elaborado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), por 7 votos a 4. 

Um dos principais pontos do documento de 1.299 páginas sugere o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro por nove crimes que vão desde delitos comuns, previstos no Código Penal; a crimes de responsabilidade, conforme a Lei de Impeachment. Há também citação de crimes contra a humanidade, de acordo com o Estatuto de Roma, do Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia.

Além do presidente da República, mais 77 pessoas, entre elas três filhos do presidente, ministros, ex-ministros, deputados federais, médicos e empresários estão na lista. Há ainda duas empresas: a Precisa Medicamentos e a VTCLog. Com isso, são 80 pedidos de indiciamento no relatório, no total.

De acordo com o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), o relatório será entregue pessoalmente ao procurador-geral da República, Augusto Aras, nesta quarta-feira (27), às 10h.

Como votaram os membros da CPI:

Favoráveis ao relatório: Eduardo Braga (MDB-AM), Renan Calheiros (MDB-AL), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Otto Alencar (PSD-BA), Humberto Costa (PT-PE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Omar Aziz (PSD-AM).

Contrários: Luis Carlos Heinze (PP-RS), Eduardo Girão (Podemos-CE), Marcos Rogério (DEM-RO) e Jorginho Melo (PL-SC).

Exclusão

O nome do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) chegou a ser incluído na lista de indiciados do relatório final da comissão a pedido do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). No entanto, o próprio parlamentar solicitou ao relator Renan Calheiros a retirada do nome de Heinze.

A decisão de excluir o nome ocorreu após o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmar, por meio de nota, que os senadores reavaliassem a proposta de indiciamento, o que considerou um “excesso”.

Para o senador Alessandro Vieira, prevaleceu o entendimento de que o senador tem imunidade parlamentar ao se manifestar na CPI. Durante os trabalhos da CPI,  Heinze defendeu o uso de medicamentos ineficazes para o tratamento da covid-19, além de divulgar estudos sem base científica.

Consequências

Sob protestos de senadores da base governista, no parecer aprovado hoje, Renan também detalha o atraso na aquisição de vacinas contra o coronavírus e a demora na resposta do governo brasileiro à Pfizer e ao Instituto Butantan, que em 2020 ofereceram doses de imunizantes ao Programa Nacional de Imunização.

O texto destaca ainda as repercussões das possíveis irregularidades em empresas que negociaram vacinas e a aquisição mais célere de imunizantes como consequência dos trabalhos da comissão de inquérito. Entre os pontos positivos destacados por Renan está ainda a abertura de uma CPI específica sobre a Prevent Senior na Câmara Municipal de São Paulo.  Entre as várias denúncias, a operadora de saúde é acusada de obrigar médicos a prescreverem medicamentos comprovadamente ineficazes para tratamento da covid-19 a seus pacientes.

Próximos passos

Por ser um tribunal político, uma comissão parlamentar de inquérito não pode por si punir qualquer cidadão. Na prática, ao final dos trabalhos a CPI pode recomendar indiciamentos, porém o aprofundamento das investigações e o eventual oferecimento de denúncia dependem de outras instituições. Apesar da votação do relatório marcar o fim dos trabalhos da comissão, a cúpula da CPI garante que pretende acompanhar de perto os desdobramentos do que foi apurado pelo colegiado.

O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que a análise de crimes imputados ao presidente da República, Jair Bolsonaro, cabe ao procurador-geral da República, Augusto Aras. Nesse sentido, ele reafirmou hoje que espera que Aras “cumpra seu papel” e dê encaminhamento às conclusões do relatório final. Rodrigues avaliou ainda que no caso de omissão do PGR ou, ainda, do Ministério Público, em relação a outros indiciados, a legislação brasileira sinaliza outros caminhos. Um deles seria levar o documento diretamente ao Supremo Tribunal Federal (STF), por meio de ação penal subsidiária da pública.

“Iremos acompanhar as consequências desse relatório e vamos exigir que as responsabilidades sejam apuradas”, disse Randolfe. “No caso da ação penal subsidiária da pública, e isso só pode ocorrer em caso de omissão por parte do Ministério Público, ele será levado diretamente ao STF”.

No caso de deputados federais cabe ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), abrir um processo por crime de responsabilidade. Já para denunciados por crime contra a humanidade, o andamento depende do Tribunal Penal Internacional. O vice-presidente da CPI confirmou que a partir desta quarta-feira começará uma “agenda de entregas” do relatório. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (sem partido-MG), e Aras serão os primeiros a receberem o texto.

Os senadores Omar Aziz e Renan Calheiros durante sessão para votação do relatório da CPI da Pandemia.

Veja a lista de pedidos de indiciamento feitos pela CPI

•    Jair Bolsonaro;
•    Eduardo Pazuello;
•    Marcelo Queiroga;
•    Onyx Lorenzoni;
•    Ernesto Araújo;
•    Wagner Rosário;
•    Élcio Franco;
•    Mayra Pinheiro;
•    Roberto Dias;
•    Cristiano Carvalho;
•    Luiz Dominghetti;
•    Rafael Francisco Carmo Alves;
•    José Odilon Torres Silveira Junior;
•    Marcelo Blanco;
•    Emanuela Medrades;
•    Túlio Silveira;
•    Airton Antonio Soligo;
•    Frncisco Maximiano;
•    Danilo Trento;
•    Marcos Tolentino;
•    Ricardo Barros;
•    Flávio Bolsonaro;
•    Eduardo Bolsonaro;
•    Bia Kicis;
•    Carla Zambelli;
•    Carlos Bolsonaro;
•    Osmar Terra;
•    Fabio Wajngarten;
•    Nise Yamaguchi;
•    Arthur Weintraub;
•    Carlos Wizard;
•    Paolo Zanotto;
•    Antônio Jordão de Oliveira Neto;
•    Luciano Dias Azevedo;
•    Mauro Luiz de Brito Ribeiro;
•    Walter Braga Netto;
•    Allan dos Santos;
•    Paulo de Oliveira Eneas;
•    Luciano Hang;
•    Otávio Fakhoury;
•    Bernardo Kuster;
•    Oswaldo Eustáquio;
•    Richards Pozzer;
•    Leandro Ruschel;
•    Carlos Jordy;
•    Filipe Martins;
•    Técio Tomaz;
•    Roberto Goidanich;
•    Roberto Jefferson;
•    Hélcio Bruno de Almeida;
•    Raimundo Nonato Brasil;
•    Andreia da Silva Lima;
•    Carlos Alberto de Sá;
•    Teresa Cristina Reis de Sá;
•    José Ricardo Santana;
•    Maconny Nunes Ribeiro Albernaz de Faria;
•    Daniella de Aguiar Moreira da Silva;
•    Pedro Benedito Batista Junior;
•    Paola Werneck;
•    Carla Guerra;
•    Rodrigo Esper;
•    Fernando Oikawa;
•    Daniel Garrido Baena;
•    João Paulo Barros;
•    Fernanda de Oliveira Igarashi;
•    Fernando Parrillo;
•    Eduardo Parrillo;
•    Flavio Cadegiani;
•    Heitor de Freire Abreu;
•    Marcelo Bento Pires;
•    Alex Lial Marinho;
•    Thiago Fernandes da Costa;
•    Regina Célia de Oliveira;
•    Hélio Angotti Netto;
•    José Alves Filho;
•    Amilton Gomes de Paula;
•    Wilson Lima;
•    Marcellus Campêlo;
•    Precisa Medicamentos;
•    VTCLog

Edição: Fábio Massalli(Agência Brasil)

O sobrinho do autor Bernardo Araújo disse que o tio estava internado desde sexta-feira (22) e sofreu uma septicemia.

Autor de novelas clássicas da TV brasileira como “Dancin’ Days” (1978), “Vale Tudo” (1988) e “Celebridade” (2003), e criador de vilões inesquecíveis, Gilberto Braga morreu nesta terça-feira (26), aos 75 anos, no Rio.

Ao g1, o sobrinho do autor Bernardo Araújo disse que o tio estava internado desde sexta-feira (22) e sofreu uma septicemia. O novelista estava no Hospital Copa Star, em Copacabana, na Zona Sul do Rio.

De acordo com Bernardo, o tio “vinha há alguns anos com vários problemas de saúde e passou por uma cirurgia na coluna, uma no coração e uma hidrocefalia”, além de já apresentar dificuldades para andar.

“Aí ele acabou indo para o hospital na semana passada. Ele foi internado já bem mal, e lá foi constatada uma infecção generalizada”, explicou.

Entre outros trabalhos marcantes de Braga, estão também as novelas “Corpo a Corpo” (1984), “Rainha da Sucata” (1990), da qual foi colaborador, e “O Dono do Mundo” (1991), além das minisséries “Anos Dourados” (1986) e “Anos Rebeldes” (1992).
Braga também foi indicado ao Emmy Internacional de melhor telenovela por “Paraíso Tropical” (2008). Sua última produção foi “Babilônia” (2015), exibida pela TV Globo.
Gilberto era casado com o decorador Edgar Moura Brasil, companheiro dele por quase 50 anos.

Até a última atualização da reportagem, não haviam sido divulgadas informação de velório e enterro do corpo do autor.

Perfil de Gilberto Baga
Gilberto Braga nasceu no Rio de Janeiro, no dia primeiro de novembro de 1945. Cursou a faculdade de Letras na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e começou a trabalhar dando aulas na Aliança Francesa.

Posteriormente, trabalhou como crítico de teatro e cinema do jornal “O Globo”. Estreou na Globo como autor em 1972, com uma adaptação de “A Dama das Camélias”, de Alexandre Dumas, para um “Caso Especial”.

Sua primeira experiência em telenovela foi com Corrida do Ouro, em 1974, quando dividiu a autoria com Lauro César Muniz e Janete Clair. O primeiro sucesso veio dois anos depois, com “Escrava Isaura”.

Em 1978, estreou no horário nobre, com um dos seus maiores sucessos: “Dancin’ Days”. Sua estreia em minisséries foi com “Anos Dourados”, em 1986.

Veja, abaixo, a lista de novelas de Gilberto Braga exibidas na TV Globo:

“Corrida do Ouro” (1974)
“Helena” (1975)
“Senhora” (1975)
“Bravo!” (1975)
“Escrava Isaura” (1976)
“Dona Xepa” (1977)
“Dancin’ Days” (1978)
“Água Viva” (1980)
“Brilhante” (1981)
“Louco Amor” (1983)
“Corpo a Corpo” (1984)
“Vale Tudo” (1988)
“Rainha da Sucata” (1990) – colaboração
“Lua Cheia de Amor” (1990) – supervisão
“O Dono do Mundo” (1991)
“Pátria Minha” (1994)
“Força de um Desejo” (1999)
“Celebridade” (2003)
“Paraíso Tropical” (2007)
“Insensato Coração” (2011)
“Lado a Lado” (2012) – supervisão
“Babilônia” (2015)

Veja, abaixo, as minisséries de Gilberto Braga exibidas na Globo:

“Anos Dourados” (1986)
“O Primo Basílio” (1988)
“A, E, I, O… Urca!” (1990) – produção musical
“Anos Rebeldes” (1992)
“Labirinto” (1998)

Veja, abaixo, outras produções de Gilberto Braga exibidas na Globo:

“Dama das Camélias” (1973)
“As Praias Desertas” (1973)
“O Preço de Cada Um” (1973)
“Mulher” (1974)
“Feliz na Ilusão” (1974)

Segundo dados divulgados nesta terça-feira (26) pelo Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), Pernambuco gerou, em setembro, 25.732 novos postos de trabalho formais. O resultado é o melhor no Nordeste e o terceiro lugar no Brasil, demonstrando um bom ritmo de retomada após o baque sofrido ao final de agosto, quando Pernambuco encerrou o segundo semestre com a pior taxa de desemprego do país (21,6%), de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).
Em relação ao mês de agosto, quando o saldo foi de 17.215 contratações, houve um crescimento de 8.523 empregos com carteira assinada. No acumulado do ano, de janeiro a setembro, o estado possui um saldo de 70,5 mil ocupações. “Esse resultado aponta para um reaquecimento consolidado da nossa economia. Nosso Plano Retomada está percorrendo todas as regiões do Estado e continua acelerando a volta das oportunidades em todos os setores produtivos. É uma clara sinalização de que estamos no caminho certo e que devemos continuar apoiando os empreendedores e atraindo novos negócios para Pernambuco”, afirmou o governador Paulo Câmara.
O secretário do Trabalho, Emprego e Qualificação, Alberes Lopes, comemorou a notícia diante de um ano tão difícil de crise causada pela pandemia. “A vacina é realmente a melhor saída para retomarmos a normalidade, para resgatar os empregos, juntamente com todas as parcerias entre o Governo do Estado e a iniciativa privada. Os números ainda vão melhorar, porque os próximos meses devem sentir o impacto do programa Emprego PE, que já cadastrou 1.802 empresas”, explicou. Cada estabelecimento inscrito no programa terá o benefício de R$ 550 por novo funcionário, o que vai estimular mais contratações.
Os dados do último mês, segundo o secretário, refletem o período de safra da cana-de-açúcar e também mostram a recuperação contínua dos serviços e comércio, setores fortes da economia pernambucana. A indústria teve um saldo positivo de 11.546 novos empregos; a agropecuária, 5.957; os serviços 4.573; o comércio, 2.495; e a construção, 1.161. As cidades pernambucanas que mais se destacaram foram Recife (3.967), Rio Formoso (2.750), Sirinhaém (2.277), Petrolina (2.232) e Ipojuca (1.512).
 
Cenário do Brasil
De acordo com o Novo Caged, o emprego celetista no Brasil apresentou crescimento em setembro de 2021, registrando saldo de 313.902 postos de trabalho. Esse resultado decorreu de 1.780.161 admissões e de 1.466.259 desligamentos. São Paulo está em primeiro lugar no ranking, com a geração de 84.887 postos e Minas Gerais ficou em segundo com 29.029

Folha de S.Paulo

“[Quero] dizer aos canalhas que eu nunca serei preso”, disse o presidente Jair Bolsonaro em discurso na avenida Paulista nos atos de raiz golpista do 7 de Setembro deste ano.

No relatório final da CPI da Covid, a ser votado nesta terça-feira (26), nove crimes foram atribuídos ao presidente da República.

Desses, sete são crimes comuns, previstos no Código Penal e com pena de prisão. O parecer aponta ainda que Bolsonaro teria cometido crime de responsabilidade, da Lei de Impeachment, e crime contra a humanidade, do Estatuto de Roma.

As chances, contudo, de que Bolsonaro seja preso pelos crimes apontados no documento, ainda que sofra condenações, ou até de que se torne inelegível em um futuro próximo por causa delas são baixas.

Desde o início da disseminação do novo coronavírus, no começo de 2020, Bolsonaro sempre falou e agiu em confronto com as medidas de proteção, em especial a política de isolamento da população. Ele já usou as palavras histeria e fantasia para classificar a reação da população e da imprensa à pandemia.

Bolsonaro também distribuiu remédios ineficazes contra a doença, incentivou aglomerações, atuou contra a compra de vacinas, segue espalhando informações falsas sobre a Covid e fez campanhas de desobediência a medidas de proteção, como o uso de máscaras.

Apesar das evidências de omissão, não necessariamente o direito penal alcançará tais condutas. ​

A CPI do Senado não pode denunciar, julgar ou punir ninguém. O relatório traz apenas as conclusões das investigações e sugestões, cabendo às autoridades competentes dar seguimento aos casos.

No plano dos crimes comuns, o primeiro obstáculo para uma possível responsabilização do presidente é o procurador-geral da República, posto atualmente ocupado por Augusto Aras, que tem preservado Bolsonaro e é a única autoridade que pode denunciá-lo.

Mesmo considerando um cenário hipotético em que Aras apresente uma denúncia contra o mandatário e que ela seja aceita pela Câmara dos Deputados — o que abriria caminho para que Bolsonaro fosse julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), há outros fatores que tornam uma prisão improvável.

Dos crimes apontados pela CPI e que seriam julgados pelo Judiciário brasileiro, o único que, sozinho, poderia ter como consequência o cumprimento da pena em regime fechado —quando a pena é superior a oito anos — é o crime de epidemia com resultado de morte.

Entre os demais crimes comuns elencados, com exceção do crime de falsificação de documento particular (cuja pena varia de um a cinco anos), as punições máximas não passam de um ano.

Excluindo o crime de epidemia, portanto, uma eventual prisão ocorreria apenas no caso de haver condenação por mais de um crime, de modo que a somatória de penas fosse superior a oito anos.

Com pena de prisão de 10 a 15 anos, que pode ser duplicada quando há morte, o crime de epidemia foi atribuído não só a Bolsonaro mas a outras autoridades, como o general e ex-ministro Eduardo Pazuello (Saúde).

De acordo com o artigo 267 do Código Penal, é crime “causar epidemia, mediante a propagação de germes patogênicos”.

Apesar de haver especialistas que defendem que as ações e omissões de Bolsonaro poderiam ser enquadradas em tal tipo penal, sua aplicação envolveria interpretações mais controversas dentro do direito e dependeria, portanto, da disposição do Judiciário em tomar uma decisão com alto custo político.

Em fevereiro, a PGR arquivou uma representação formulada por ex-procuradores que apontava o mesmo crime — a aplicação do tipo penal, segundo a Procuradoria, dependeria da possibilidade de se encontrar e punir a pessoa que deu origem à pandemia.

A conclusão de que o presidente teria cometido tal crime foi apontada em parecer enviado à CPI por um grupo de especialistas liderado por Miguel Reale Junior, ex-ministro da Justiça do governo FHC e um dos autores do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

A advogada e professora de direito penal da USP Helena Regina Lobo da Costa, que integrou o grupo, defende a interpretação mais ampla do artigo.

“Essa ideia de que causar epidemia é só dar a origem inicial, digamos assim, isso está errado. Se eu contribuo de forma relevante para o agravamento da situação causal, eu posso responder, sim, pelo crime.”

Já a advogada criminalista Marina Coelho de Araújo, presidente do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim), discorda dessa interpretação.

“Para mim, isso é uma ampliação do tipo penal, e o direito penal tem uma questão que a gente precisa interpretar os crimes de forma restritiva”, diz. “O tipo penal é bem claro: você tem que causar a epidemia, não é aumentar”.

Duas pessoas morreram e quatro ficaram feridas em um tiroteio ocorrido em um shopping de Boise, no estado americano de Idaho, informou a polícia nesta segunda-feira.
Policiais trocaram tiros com um homem após receberem uma chamada de emergência. Um deles ficou ferido. O suspeito foi preso e “não há mais ameaças à comunidade por causa desse incidente”, anunciou o chefe de polícia Ryan Lee. “Não podemos falar neste momento sobre as motivações por trás do incidente ou qualquer outra coisa que possa impactar a investigação”, acrescentou.
Segundo o jornal “New York Times”, o shopping Boise Towne Square, de dois andares, tem mais de 150 lojas e restaurantes. A identidade das vítimas e o estado de saúde dos feridos não foram divulgados.

Youtube retira do ar vídeo de Bolsonaro com fake news sobre vacina e Aids

 (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) continua colhendo as consequências de uma informação falsa propagada durante live na última quinta-feira (21). O YouTube retirou do ar o vídeo da transmissão onde Bolsonaro divulgou uma notícia falsa que associava a vacina contra a Covid-19 com a Aids.
De acordo com as regras da plataforma, o canal do presidente ficará impossibilitado de publicar novos vídeos e fazer transmissões por sete dias. Em nota, o Youtube informou que o vídeo foi retirado do ar por violar diretrizes da empresa de “desinformação médica sobre a Covid-19 ao alegar que as vacinas não reduzem o risco de contrair a doença e que causam outras doenças infecciosas”.

Segundo comunicado divulgado nesta segunda-feira (25) pela petroleira, os novos valores passam a vigorar a partir de terça (26).

A alta já havia sido antecipada no domingo pelo presidente Jair Bolsonaro. Durante um evento em Brasília, ele afirmou que “infelizmente, pelos números do preço do petróleo lá fora e do dólar aqui dentro nos próximos dias, a partir de amanhã, infelizmente teremos reajuste do combustível”.

Com a alta, o preço médio de venda da gasolina passará de R$ 2,98 para R$ 3,19 por litro, um reajuste médio de R$ 0,21 por litro (alta de 7,04%). É o segundo reajuste no preço do combustível este mês. No último dia 9, a gasolina já havia subido 7,2%.

Já o litro do diesel A passará de R$ 3,06 para R$ 3,34 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,28 por litro (alta de 9,15%). A última alta do combustível havia sido em 28 de setembro, de 8,89%.

Entenda os efeitos da inflação de dois dígitos na economia e na sua vida
No ano, o diesel já acumula alta de 65,3% nas refinarias. Já a gasolina subiu 73,4% no mesmo período.

Nos postos, o preço médio da gasolina ficou em R$ 6,36 o litro na semana passada, com o valor máximo chegando a R$ 7,46, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O óleo diesel, por sua vez, registrou preço médio de R$ 5,04 e máximo de R$ 6,42 o litro.

“Esses ajustes são importantes para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores, além da Petrobras”, diz a estatal em nota.

Petróleo e dólar em patamares mais elevados

A explicação para o aumentos dos preços dos combustíveis está em vários fatores, mas, principalmente, no valor do petróleo e no câmbio.

O dólar e a cotação do petróleo vêm tendo mais influência sobre os preços de combustíveis no Brasil desde 2016, quando a Petrobras passou a praticar o Preço de Paridade Internacional (PPI), que se orienta pelas flutuações do mercado internacional.

Na semana passada, o preço do barril de petróleo Brent – referência internacional – fechou acima em US$ 85,53, perto das máximas desde o final de 2018. No começo do ano, o preço médio estava abaixo de US$ 65.

Já o dólar atingiu R$ 5,6282, acumulando alta de mais de 3% na semana.

Segundo a Petrobras, o alinhamento de preços ao mercado internacional “se mostra especialmente relevante no momento que vivenciamos, com a demanda atípica recebida pela Petrobras para o mês de novembro de 2021”.

Parcela da Petrobras
Com os novos valores, a parcela da Petrobras no valor do litro de gasolina pago pelos consumidores nos postos passará a ser de R$ 2,33, em média.

Já no caso do diesel, a parcela da estatal será de R$ 3,34.

A medida só deve valer após o governo do estado rever suas regras, que proíbem a permanência sem máscara em espaços abertos. A regra estadual se sobrepõe à municipal.

Segundo a SMS (Secretaria Municipal de Saúde), a previsão é que a cidade atinja nesta segunda 65% da população total com duas doses ou dose única das vacinas para Covid-19, e 80% dos adultos completamente imunizados. Com isso, de acordo com o plano de reabertura, a cidade poderia avançar na flexibilização das medidas de isolamento social. Hoje (24), a cidade tem 64,4% da população com duas doses ou dose única do imunizante.

No decreto, será dispensada a obrigatoriedade do uso de máscaras em espaço aberto. A SMS diz que a medida foi deliberada pelo Comitê Especial de Enfrentamento à Covid-19, composto por especialistas que prestam consultoria à prefeitura.

“Como deliberado pelo Comitê Especial de Enfrentamento à Covid-19 (CEEC) e publicado em Diário Oficial, a segunda etapa do processo de reabertura do Rio prevê que, quando for atingido o índice de 80% dos cariocas adultos e 65% da população carioca total com o esquema vacinal completo contra Covid, o uso máscaras em locais abertos estará dispensado. Já na terceira etapa, quando 90% dos cariocas adultos e 75% da população carioca total estiver com o esquema vacinal completo, o uso de máscaras será obrigatório apenas em transportes públicos e unidades de saúde”, diz a SMS.

O impacto, contudo, não deve ser imediato. Isso porque a legislação estadual ainda prevê a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais abertos. Segundo a prefeitura, “vale a medida mais restritiva”. A gestão municipal negocia com o governo do estado uma mudança por meio de um decreto do governador Cláudio Castro (PL).

Outra medida prevista para o decreto é a liberação do funcionamento de boates e casas de show – atualmente proibidas. Esses estabelecimentos poderão funcionar com 50% da capacidade. Neles será obrigatório o uso de máscara. O público só poderá ingressar mediante a comprovação de que está vacinado – medida conhecida como passaporte da vacina.

O passaporte também seguirá sendo exigido em cinemas, teatros e pontos turísticos, que já funcionam atualmente.

A gente vai sair junto’, diz Bolsonaro sobre Guedes

“A gente vai sair junto, fica tranquilo. Bem lá na frente”, disse Bolsonaro sobre ele e Guedes a jornalistas neste domingo.

Após uma semana tumultuada na área econômica por conta da iniciativa de furar o teto dos gastos, que resultou em uma debandada na equipe do ministro Paulo Guedes (Economia), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou neste domingo (24) que não vai interferir em preços e que vai buscar dar segurança para o mercado. O chefe do Executivo ainda buscou novamente afastar rumores de decisão e disse que vai “sair junto” com Guedes.

A fala aconteceu justamente ao lado de Paulo Guedes, convidado a acompanhá-lo em um evento de passarinhos nos arredores de Brasília. Ao final, os dois concederam uma rara entrevista a jornalistas para tratar das questões econômicas.

Guedes, por sua vez, afirmou que a aprovação das reformas econômicas que estão em tramitação no Congresso compensaria o furo do teto dos gastos. Ainda aproveitou para atacar o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), cobrando o avanço dessas reformas. Disse que Pacheco, cotado como candidato a presidente, precisa ajudar o governo se quiser se “viabilizar como uma alternativa séria”.

O presidente Bolsonaro citou especificamente o preço dos combustíveis, que não pode ser alterado por uma canetada. Disse que isso já foi feito no passado e “não deu certo”.
“Alguns querem que a gente interfira no preço. A gente não vai interferir no preço de nada. Isso já foi feito no passado e não deu certo”, afirmou.

Bolsonaro, no entanto, afirmou que está discutindo com seu ministro da Economia uma solução para a Petrobras. Disse que a legislação atual a mantém independente, mas reconheceu que o processo de privatização é difícil. “Privatizar não é colocar na prateleira”, afirmou.

O mandatário ainda lembrou que os preços dos combustíveis serão novamente reajustados e que por isso vai implementar um auxílio aos caminhoneiros, embora reconheça que o valor é “pouco”.

“Prevendo isso [aumento dos preços], se antevendo a isso, nós discutimos bastante um auxílio ao caminhoneiro. Sabemos que é pouco, R$ 400 por mês, é pouco, mas estamos fazendo isso no limite da responsabilidade fiscal”, afirmou.

Bolsonaro também aproveitou para elogiar o trabalho do ministro Paulo Guedes. Disse que fez um trabalho excepcional em 2019 e “ainda melhor” em 2020. Quando Guedes foi questionado se permaneceria no governo, Bolsonaro se antecipou e respondeu: “A gente vai sair junto, lá na frente. Pode ter certeza disso”, disse o presidente.

Guedes cobrou do Congresso, em particular do Senado, mais celeridade na tramitação das reformas econômicas. Disse que essas reformas vão compensar o furo no teto dos gastos. Citou que apenas a administrativa resultaria em uma economia no futuro de R$ 300 bilhões.

O ministro reforçou que é defensor do teto dos gastos, mas que o presidente precisou tomar uma importante decisão política e evitar o sofrimento dos mais pobres.

“Vou continuar a defender o teto, as privatizações. Agora, o presidente precisa tomar as decisões políticas muito difíceis. Se ele respeita o teto, ele deixa 17 milhões de famílias passando fome”, afirmou.

Guedes elogiou o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), por ter avançado com as propostas que envolvem alteração no imposto de renda e também a PEC dos Precatórios – aprovada em comissão da Casa.

Por outro lado, criticou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

“O presidente do Senado se lança agora à presidência da República. Se ele não avançar com as reformas, como é que vai defender a própria candidatura dele? Ele precisa avançar com as reformas, precisa nos ajudar a fazer as reformas. Ele não pode fazer militância também, e eu tenho certeza que ele não vai fazer”, afirmou.

“Então se ele quiser se viabilizar politicamente como uma alternativa séria, ele precisa ajudar o nosso governo a avançar com as reformas”, completou.

Guedes também criticou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao afirmar que os governos petistas “quebraram o Brasil”.

“O presidente sempre apoiou as reformas. É um político popular, mas está deixando a economia ser reformista. Ele não é populista. Tem muito populista aí, inclusive candidato à Presidência, falando em R$ 600, R$ 700, R$ 800.”, afirmou, em referência a Lula, que defendeu esse valor de auxílio.

“Eles quebraram o Brasil e não taxaram os super-ricos. Quebraram o Brasil e não fizeram nada sobre essa roubalheira”, completou.

Guedes também criticou economistas que criticaram o furo no teto dos gastos.

 

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira inicia nesta segunda-feira (25), as atividades alusivas à 9ª Semana do Bebê, com o tema “Fortalecendo os elos na primeira infância”.

A ação envolve diversas secretarias municipais, como as de saúde, educação, assistência social e cultura e esportes, numa programação que visa fortalecer as políticas públicas municipais de atenção à primeira infância, cujos indicadores deram a Afogados da Ingazeira, no ano passado, o prêmio do Selo Unicef, em reconhecimento aos avanços obtidos.

“Essa é uma ação primordial para a nossa gestão, melhorar os indicadores de saúde e educação, de qualidade de vida, garantindo uma atenção integral por parte do município às nossas crianças e adolescentes”, destacou o prefeito Alessandro Palmeira.

Confira a programação na íntegra:

9ª SEMANA DO BEBÊ

25 a 28 de Outubro

Programação em Afogados da Ingazeira

Segunda-feira (25)

Horário 19h.

Local: Auditório da Secretaria de Assistência Social

Apresentação cultural

Divulgação da programação da semana

Pronunciamento das autoridades

Palestra sobre a importância do fortalecimento dos elos na primeira infância

(Carolina Fernandes, psicóloga do Centro Especializado de Reabilitação – CER III).

Terça-feira (26)

8h às 12h

Curso “cuidados com o recém-nascido”

(auditório da Secretaria de Assistência Social – no decorrer da semana, na Secretaria de Saúde).

Público: enfermeiras das UBS, visitadoras do Programa Criança Feliz e cuidadoras do abrigo institucional. Orientadora: Natali Morais – enfermeira obstetra do HREC.

Quarta-feira (27)

7h30 – Programa Bolsa Família

Atividade educativa abordando a temática “O papel da família no fortalecimento dos elos na primeira infância”.

Palestrantes: Anne Alcântara e Emanuelle Genésio – Psicólogas do CRAS e CREAS

9h – Auditório da Secretaria de Assistência Social

Orientações sobre a importância da amamentação, com as lactantes acompanhadas pelo Programa Criança Feliz.

Palestrantes: Anne Alcântara e Emanuelle Genésio – Psicólogas do CRAS e CREAS

14h – Auditório da Secretaria de Assistência Social

Roda de Conversa “A Importância do Aleitamento Materno”, coordenada por Natali Morais, enfermeira obstetra do HREC.

15h – Auditório da Secretaria de Assistência Social

Ensaio Fotográfico para Gestantes

“A beleza na acolhida de uma vida”

Quinta-feira (28)

Atividades alusivas à Semana do Bebê nos Centros de Educação Infantil

(durante toda a semana nas escolas da rede municipal)

Vivência dos projetos família-escola, brincando ecológico e semana do brincar.

(palestras, reuniões com pais e responsáveis, gincanas com as crianças e confecções de brinquedos a partir de sucatas)

20h – Cineteatro São José

Quinta Cultural – Live “Bom é ser Criança”

(solenidade de encerramento com homenagens ao bebê prefeito)

Intensificação dos serviços de puericultura e pré-natal nas unidades de saúde, com ações alusivas à semana do bebê, durante toda a semana.

Imagem ilustrativa do novo coronavírus com a bandeira do Brasil

O Brasil registrou neste sábado (23), 358 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, com o total de óbitos chegando a 605.569 desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias ficou em 339 — abaixo da marca de 400 pelo 12º dia seguido. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -23% e a aponta tendência de queda.

Já a média móvel de casos, na casa dos 12 mil diários, completou duas semanas seguidas apontando queda no comparativo.

Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h deste sábado. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Veja a sequência da última semana na média móvel:

Domingo (17): 325
Segunda (18): 322
Terça (19): 351
Quarta (20): 380
Quinta (21): 366
Sexta (22): 355
Sábado (23): 339

Em 31 de julho, o Brasil voltou a registrar média móvel de mortes abaixo de 1 mil, após um período de 191 dias seguidos com valores superiores. De 17 de março até 10 de maio, foram 55 dias seguidos com essa média móvel acima de 2 mil. No pior momento desse período, a média chegou ao recorde de 3.125, no dia 12 de abril.

Os estados do Amapá e de Rondônia não registraram novas mortes neste sábado.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia, 21.722.978 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 12.161 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi 12.381 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de -20% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica queda nos diagnósticos. São agora duas semanas seguidas em queda nesse comparativo.

Em seu pior momento a curva da média móvel nacional chegou à marca de 77.295 novos casos diários, no dia 23 de junho deste ano.

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo g1 para analisar as tendências da pandemia).

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados.

Veja a situação nos estados
Sul

PR: 19%
RS: 12%
SC: -7%

Sudeste

ES: -10%
MG: -27%
RJ: -43%
SP: -37%

Centro-Oeste

DF: -14%
GO: -34%
MS: -65%
MT: -18%

Norte

AC: 0%
AM: -63%
AP: 0%
PA: -8%
RO: -29%
RR: 175%
TO: 93%

Nordeste

AL: 11%
BA: 9%
CE: 25%
MA: -20%
PB: -11%
PE: -32%
PI: -29%
RN: 33%
SE: 0%

Consórcio de veículos de imprensa

Os dados sobre casos e mortes de coronavírus no Brasil foram obtidos após uma parceria inédita entre g1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL, que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal.

 

Belém registra caso de subvariante delta da Covid-19 e emite alerta

 A secretaria de saúde de Belém identificou a circulação da subvariante delta AY-33 na capital do Pará e emitiu um alerta aos hospitais para comunicação imediata de casos de Covid-19 oriundos de outros estados ou países, além de recomendar a manutenção dos protocolos de segurança à população. A subvariante preocupa porque ela pode não ser detectada por testes rápidos e pelos protocolos de RT-qPCR.

Em nota, a secretaria informou que a descoberta foi feita através do sequenciamento de 116 amostras do vírus SARS-CoV-2 obtidas de pacientes de Belém. Nas análises, uma amostra da Delta AY.33 foi detectada. Mas o órgão não deu mais detalhes sobre o caso, nem informações do paciente, sua nacionalidade ou origem.

Em suas redes sociais, a secretaria reforçou que qualquer pessoa que apresente sintomas compatíveis com covid-19 deve ser orientada a manter isolamento social por 14 dias.

Alerta de notificação

A capital paraense vive uma estabilidade no número de casos da doença. Segundo o último balanço, divulgado ontem, não há nenhum leito clínico ou de UTI ocupado com pacientes acometidos pela Covid. Nos últimos sete dias, houve 21 casos da doença. Os casos acumulados desde o início da pandemia somam 106.635.

Mesmo com a estabilidade, a secretaria orientou que as unidades notificadoras estejam atentas ao atendimento de casos suspeitos, assim como de outros agravos de notificação compulsória, realizando a notificação imediata dos casos suspeitos e confirmados oriundos de outros países ou estados brasileiros para que a Divisão de Vigilância possa adotar as medidas de controle.

O órgão também reforçou as orientações para que a população siga as medidas de prevenção e controle, como isolamento domiciliar da pessoa que estiver com suspeita ou em período de transmissão da doença, lavagem frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel, além do uso obrigatório de máscara e manutenção do distanciamento social.

Balanço

A secretaria de saúde de Belém também divulgou um balanço das análises de casos de covid-19 realizadas nos últimos três meses. Em julho e agosto, foram notificados em Belém 1.612 casos. Foram enviadas para sequenciamento 72 (4%) amostras de pacientes sintomáticos e que apresentaram RT-qPCR positivo, resultando em 84,7% dos provocados pela variante gama, enquanto os da variante delta representaram 9,7%. As variantes beta e zeta também foram detectadas, cada uma com 2,8%.

Em setembro, foram 332 casos de covid-19. De 24 (7%) pacientes sintomáticos, metade foi infectada com a variante delta e o restante, com a gama.

Nos primeiros vinte dias de outubro, foram notificados 152 casos. As 20 amostras genotipadas (13%) revelaram uma inversão, com a predominância da variante delta, responsável por 75% dos casos, enquanto a gama foi identificada em 25% dos casos positivos da doença.

 (Foto: Divulgação)

Morreu, na madrugada deste domingo (24), o médico e ex-secretário de Saúde do estado, Guilherme Robalhinho. Ele tinha 82 anos e atuou na Prefeitura do Recife e no Governo de Pernambuco nos mandatos de Jarbas Vasconcelos. Robalinho lutava há certo tempo contra uma doença autoimune e estava internado no Real Hospital Português, onde faleceu. 

Além de clínico geral, Guilherme Robalinho foi gerente médico e de relações institucionais da unidade de saúde privada. No aniversário de 162 anos do RHP, Robalinho conversou com o Diario sobre o período de fundação do hospital, unidade a qual se dedicou, que foi inagurada em meio à epidemia de cólera em Pernambuco.

“Naquela época (1855), Loius Pasteur ainda começaria seus estudos sobre contaminação. No Recife, que tinha um porto importante para a América, os dejetos eram jogados nas ruas. Escravos carregavam baús para jogar as fezes no mar. As doenças infecciosas eram o grande problema”, relembrou. 

O clínico também tinha um vínculo forte com o exercício da vida pública, e também foi médico particular de Jarbas, em 2012, quando o acompanhou para além das agendas políticas. Como representante da saúde estadual, fez parte da gestão do ex-governador do estado de 01 de abril de 1999 a 12 de setembro de 2004.

O velório vai acontecer das 10h às 15h, na capela do Hospital Português. Depois, o corpo será cremado, às 16h, no Cemitério Morada da Paz, em Paulista. 

 

Após quebrar placa, deputado propõe homenagem à Marielle

Rodrigo Amorim quer dar o nome de Marielle Franco a uma casa de acolhimento de mulheres em situação de vulnerabilidade no RJ (Foto: Redes sociais/Reprodução)

Três anos após viralizar nas redes sociais ao posar para fotos e vídeos em comemoração pela destruição de um cartaz, que simulava uma placa em homenagem à vereadora Marielle Franco, o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ) se envolveu em mais uma polêmica com o nome da ativista, que foi brutalmente assassinada em 14 de março de 2018.

Agora, ele propôs uma nova homenagem a Marielle ao encaminhar uma proposta, ao governo do Estado do Rio de Janeiro, para que uma casa de acolhimento à mulher em situação de vulnerabilidade seja construída no bairro de Vila Mimosa (RJ) e que o local leve o nome da vereadora. As informações são do Extra.

No pedido, Rodrigo justifica a escolha do nome. “Sabe-se que uma das pautas da vereadora e seus séquitos é aplicação dos Direitos Humanos nas mais situações inusitadas, sempre em defesa daqueles que, inclusive, vivem à margem da lei. Nesse sentido, visando a homenagear a citada vereadora, implantar uma casa de acolhimento num dos redutos de prostituição da cidade do Rio de Janeiro, é tentar preservar as mulheres que ali estão expostas, proporcionando mais dignidade”, escreveu no documento.

A proposta foi recebida pelos familiares da ex-vereadora com repúdio e indignação. A víuva da ativista e vereadora Monica Benício (PSOL-RJ) afirmou que o pedido é “hipócrita” por ser o oposto do ato feito em 2018, quando estava em campanha. No entanto, Monica ressalta que a crítica não é à criação da casa de acolhimento. “A despeito da evidente desfaçatez desse parlamentar, posso garantir que para Marielle, para mim e para todas as pessoas que lutam por um mundo melhor, as casas de acolhimento são fundamentais para a garantia de direitos”, disse Monica.

Já Anielle Franco, irmã de Marielle, diz-se surpresa pelo pedido e afirma que “torce” para que o deputado, “que tripudiou em cima de sua morte diversas vezes”, passe a “respeitar minha irmã e a memória dela a partir de agora, já que ele tem achado conveniente usar o nome dela em diferentes espaços”.

“Com consciência das reações”

Em nota à imprensa, o parlamentar se defendeu das críticas sobre a homenagem e afirmou que, como deputado eleito com mais de 140 mil votos, tem direito de fazer a “proposta que melhor lhe aprouver” e que decidiu pelo nome de Marielle após passar meses “presenciando inúmeras violações de direitos humanos na Villa Mimosa” e decidiu que “o Estado precisa ser presente naquela comunidade”.

“E quem deveria dar nome a uma casa de acolhimento de pessoas em situação de extrema miséria, de risco (incêndios, violência, doenças)? Que personalidade – independentemente de partido – já falecida é, ao mesmo tempo, mulher, negra, favelada e representante de excluídos?”, escreve na nota.

Rodrigo afirmou que o PSOL, partido ao qual Marielle pertencia, “é viciado em usar o monopólio das virtudes” e não permite que outra pessoa preste homenagem à Marielle.

“A minha proposta de dar o nome de Marielle a uma casa de acolhimento foi feita com consciência de quais seriam as reações. E todas, claro, viriam do partido que abrigou Marielle e que um dia em 2018 decidiu fazer uma homenagem ilegal, cobrindo o nome de um logradouro e confundindo pessoas que não conheciam a cidade”, declarou ao citar a placa com o nome de Marielle Franco que ele quebrou.

“Eu não quebrei placa alguma e a mesma não era placa da Marielle. A placa era de militantes do PSOL que se acham donos da verdade e acima da lei. Usaram a memória de uma mulher covardemente assassinada para “lacrar”, para impor o nome errado a uma praça. O que eu fiz foi retirar a mesma”, defendeu-se Rodrigo. “Dias depois, em outro evento de Petrópolis, a placa apareceu lá, quebrada, e até hoje não tenho certeza se era a mesma”, termina.

Cerca de 123 concursos públicos e seleções simplificadas estão com inscrições abertas ou editais publicados no país. Juntos, os certames oferecem mais de 15,1 mil vagas em todas as regiões do país. Há oportunidades em diversos cargos, destinadas a candidatos em todos os níveis de escolaridade.  O concurso com remuneração mais alta é para o Tribunal de Justiça do Amapá (TJ-AP), com salário de R$ 30,4 mil.

Em Pernambuco, há oportunidades na UFPE, e nas prefeituras do Recife e de Sirinhaém. Juntos, os órgãos públicos ofertam mais de 900 vagas e salários que chegam a R$ 5,8 mil.

Além das vagas abertas, alguns processos seletivos têm, também, formação de cadastro de reserva. Assim, os candidatos aprovados são chamados conforme a abertura de vagas durante a validade do concurso.

Confira alguns concursos e seleções:

Prefeitura do Recife

Vagas: 500
Escolaridade: superior
Salário: R$ 4,6 mil
Inscrição: até 07/11

Prefeitura de Sirinhaém –PE

Vagas: 353
Escolaridade: fundamental, médio e superior
Salário: R$ 2,8 mil
Inscrição: até 11/11

UFPE

Vagas: 50
Escolaridade: superior
Salário: até R$ 5,8 mil
Inscrição: até 27/10

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE)

Vagas: 49
Escolaridade: médio, superior
Salário: R$ 4.180,67
Inscrição: até 30/11

Polícia Penal – MG

Vagas: 2.420
Escolaridade: superior
Salário: R$ 4.631,25
Inscrição: até 21/11

Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro

Vagas: 2.000
Escolaridade: médio, superior
Salário: R$ 940 até R$ 2.211
Inscrição: até 30/11

Prefeitura de Campina Grande – PB

Vagas: 898
Escolaridade: médio e superior
Salário: R$ 4.530
Inscrição: até 15/11

Prefeitura de Sousa – PB

Vagas: 247
Escolaridade: fundamental, médio e superior
Salário: R$ 2 mil
Inscrição: até 18/11

Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul

Vagas: 7
Escolaridade: superior
Salário: R$ 28.884,20
Inscrição: até 18/11

Universidade Federal do Pará (UFPA)

Vagas: 3
Escolaridade: superior
Salário: R$ 20.500,00
Inscrição: até 27/10

O presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), e ex-prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota, causou burburinhos na sua chegada como palestrante no Encontro da União de Vereadores de Pernambuco (UVP) nesta sexta-feira. Patriota chegou na companhia do presidente da entidade, vereador Léo do AR e na recepção foi abraçado por vários vereadores que os esperavam. Muitas sessões de fotos e apertos de mãos, cada um querendo posar na foto ao lado do presidente da Amupe. O encontro na sua abertura mostrou a união entre os vereadores, Pernambuco está representado do Litoral ao Sertão. Uma quantidade de parlamentares jamais vista em um desses encontros, disse um vereador presente.

Zé Patriota, como muitos sabem, está na corrida por uma cadeira na Assembleia Legislativa e o ambiente no qual o mesmo foi palestrante na tarde desta sexta-feira, não poderia ser mais propício para uma conversa de “pé do ouvido” com aqueles que são considerados os parlamentares mais próximos do povo, que é o vereador.

O Blog PE Notícias, presente desde o início da manhã na recepção aos vereadores, procurou alguns para formular perguntas e sair com algumas conclusões de como está o termômetro da possível (até ele anunciar) candidatura de José Patriota, não há como negar que a grita dos vereadores procurados é uma só: “toda região deveria ter um representante no legislativo estadual” e o Pajeú não tem esse assento.

Cacife para galgar essa posição de candidato do Sertão do Pajeú pernambucano, José Patriota tem, o que falta para uma decisão?

O Blog procurou conversar com uma grande liderança a nível estadual, onde foi perguntado se este saberia algo sobre se José Patriota seria candidato ou não, o que ouvimos como resposta foi que: “o partido vai eleger ele, é uma decisão do partido (PSB)”. Cabe ao candidato ou não, se pronunciar…o relógio começou há contar os minutos.

Sertão do Pajeú notifica 7 casos de Covid-19 em 24h 

Por André Luis

De acordo com os boletins epidemiológicos da Covid-19 dos municípios do Sertão do Pajeú divulgados nesta sexta-feira (22), nas últimas 24h, foram notificados novos casos positivos, 21 casos recuperados e nenhum novo óbito.

Nas últimas 24h, nove cidades não registraram novos casos da doença. São elas: Brejinho, Ingazeira, Itapetim, Santa Cruz da Baixa Verde, São José do Egito, Serra Talhada, Solidão, Tabira e Triunfo.

Flores, Quixaba, Santa Terezinha e Tuparetama não divulgaram boletim. Afogados da Ingazeira, Calumbi, Carnaíba, Iguaracy e Iguaracy, registraram novos casos da doença.

Agora o Sertão do Pajeú conta com 33.453 casos confirmados, 32.699 recuperados (97,74%), 657 óbitos e 97 casos ativos da doença.

Abaixo seguem as informações detalhadas, por ordem alfabética, relativas a cada município do Sertão do Pajeú nas últimas 24 horas:

Afogados da Ingazeira registrou 1 novo caso positivo. O município conta com 5.483 casos confirmados, 5.398 recuperados, 72 óbitos e 12 casos ativos da doença. 

Brejinho não registrou alterações no boletim epidemiológico. O município conta com 770 casos confirmados, 747 recuperados, 21 óbitos e 2 casos ativos. 

Calumbi registrou 2 novos casos positivos. O município conta com 748 casos confirmados, 737 recuperados, 5 óbitos e 8 casos ativos da doença. 

Carnaíba registrou 1 novo caso positivo e 2 casos recuperados. O município conta com 2.235 casos confirmados, 2.195 recuperados, 38 óbitos e 2 casos ativos da doença. 

Flores não divulgou boletim epidemiológico. O município conta com 1.087 casos confirmados, 1.044 recuperados, 39 óbitos e 4 casos ativos. 

Iguaracy registrou 3 novos casos positivos e 1 recuperado. O município conta com 843 casos confirmados, 810 recuperados, 28 óbitos e 5 casos ativos da doença. 

Ingazeira não registrou alterações no boletim epidemiológico. O município conta com 462 casos confirmados, 455 recuperados, 7 óbitos e nenhum caso ativo. 

Itapetim registrou 6 casos recuerados. O município conta com 1.505 casos confirmados, 1.462 recuperados, 34 óbitos e 9 casos ativos. 

Quixaba não divulgou boletim epidemiológico. O município conta com 519 casos confirmados, 504 recuperados, 15 óbitos e nenhum caso ativo. 

Santa Cruz da Baixa Verde não registrou alterações no boletim epidemiológico. O município conta com 649 casos confirmados, 625 recuperados, 20 óbitos e 4 casos ativos. 

Santa Terezinha não divulgou boletim epidemiológico. O município conta com 1.062 casos confirmados, 1.023 recuperados, 29 óbitos e 10 casos ativos. 

São José do Egito não registrou alterações no boletim epidemiológico. O município conta com 2.577 casos confirmados, 2.514 recuperados, 57 óbitos e 6 casos ativos. 

Serra Talhada registrou 8 casos recuperados. O município conta com 10.278 casos confirmados, 10.072 recuperados, 185 óbitos e 21 casos ativos da doença.

Solidão não registrou alterações no boletim epidemiológico. O município conta com 680 casos confirmados, 677 recuperados, 3 óbitos e nenhum caso ativo. 

Tabira não registrou alterações no boletim epidemiológico. O município conta com 2.933 casos confirmados, 2.885 recuperados, 48 óbitos e nenhum caso ativo. 

Triunfo registrou 4 casos recuperados. O município conta com 1.007 casos confirmados, 973 recuperados, 29 óbitos e 5 casos ativos. 

Tuparetama não divulgou boletim epidemiológico. O município conta com 613 casos confirmados, 578 recuperados, 27 óbitos e 5 casos ativos da doença.

O ex-ministro da Justiça e ex-juiz Sergio Moro deve se filiar ao Podemos em evento marcado para o próximo dia 10 de novembro, em um centro de convenções de Brasília. A informação foi antecipada pelo site O Antagonista e confirmada pela Folha de S.Paulo.

A princípio, a filiação ainda não deve confirmar a candidatura do ex-responsável pela Operação Lava Jato à Presidência no ano que vem, embora dirigentes do partido afirmem que referências nesse sentido serão inevitáveis.

No início do mês, Moro, que vive em Washington (EUA), esteve no Brasil para uma rodada de conversas políticas, quando deixou encaminhada sua filiação ao partido.

Ele tem contrato até o final do ano com a empresa de consultoria em compliance Alvarez & Marsal, e não deve renovar o vínculo, para se dedicar à política.

O partido ainda estuda fazer outros eventos de filiação para o ex-juiz. Seria uma espécie de reentrada de Moro na atividade política, que deixou de forma ruidosa ao romper com o governo de Jair Bolsonaro em abril do ano passado.

Ele deve ser contemplado com um cargo na direção do Podemos, embora provavelmente seja algo mais de caráter simbólico do que uma função executiva. A legenda é presidida pela deputada federal Renata Abreu (SP).

Caso confirme sua candidatura presidencial, Moro deve engrossar o campo da “terceira via”, que se situa entre Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Ele tem conversado com outros pré-candidatos, como o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (União Brasil).

Outra hipótese é Moro tentar o Senado pelo Paraná, como forma de defender o legado da Lava Jato na campanha. Nesse caso, no entanto, o senador Alvaro Dias, também do Podemos, teria de abrir mão de buscar a reeleição.

As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

O Brasil registrou 447 mortes por Covid e 14.242 casos da doença, nesta sexta-feira (22). Com isso, o país chegou a 605.211 vidas perdidas e a 21.710.817 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

O Mato Grosso do Sul registrou número de casos negativos (-25), por causa de uma revisão que identificou duplicidades.

As médias móveis de mortes e casos apresentam quedas em relação aos dados de duas semanas atrás. A média de óbitos é de 355, valor 21% menor, e a infecções é de 12.113, redução de 22%.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Os dados da vacinação contra a Covid-19, também coletados pelo consórcio, foram atualizados em 21 estados e no Distrito Federal.

O Brasil registrou 1.167.980 doses de vacinas contra Covid-19, nesta sexta-feira. De acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde, foram 170.654 primeiras doses e 706.095 segundas. Também foram registradas 8.241 doses únicas e 282.990 doses de reforço.

O Ceará registrou número negativo de primeiras doses (-13.180).

Ao todo, 152.816.363 pessoas receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra a Covid no Brasil -104.321.576 delas já receberam a segunda dose do imunizante. Somadas as doses únicas da vacina da Janssen contra a Covid, já são 108.844.291 pessoas com esquema vacinal completo no país.

Assim, o país já tem 71,64% da população com a 1ª dose e 51,02% dos brasileiros com esquema vacinal completo. Considerando somente a população adulta, os valores são, respectivamente, de 94,28% e 67,15%.

Mesmo quem completou o esquema vacinal com as duas doses deve manter cuidados básicos, como uso de máscara e distanciamento social, afirmam especialistas.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

DJ Ivis tem liberdade concedida pela Justiça cearense após ser preso por agressão à ex-mulher Pamella Holanda

Tribunal de Justiça do Ceará informou que o alvará de soltura deverá ser expedido.

A Vara Única da Comarca de Eusébio, no Ceará, concedeu liberdade a Iverson de Souza Araújo, o DJ Ivis, no fim da tarde desta sexta-feira (22). A informação foi confirmada pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). Desta forma, o alvará de soltura deverá ser expedido, explicou o Poder Judiciário. Até o momento, ele continua detido no presídio Irmã Imelda Lima Pontes, na Região Metropolitana de Fortaleza.

DJ Ivis está preso desde o último dia 14 de julho. O cantor foi capturado após serem divulgados vídeos onde ele aparece agredindo a ex-mulher Pamella Holanda, em um apartamento onde ambos residiam em Fortaleza.

Negado no Supremo

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, negou, em 31 de agosto, o sexto pedido de habeas corpus feito pela defesa do cantor.

“Pacífico é o entendimento desta Corte no sentido de que constitui fundamento idôneo à decretação da custódia cautelar a necessidade de resguardar a integridade física e psicológica da vítima que se encontra em situação de violência doméstica, como é o presente caso”, destacou a decisão do STF.

A defesa de DJ Ivis argumentou que não há elementos que permitam concluir que ele descumpriria eventuais medidas protetivas diversas da prisão, suficientes para resguardar a integridade psicofísica da vítima. O pedido de revogação da prisão preventiva foi negado no Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) e por ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Em 24 de agosto, desembargadores da 1ª Câmara Criminal do TJCE também indeferiram o pedido dos advogados.

Entenda o caso

Vídeos gravados por câmeras de segurança interna mostraram o produtor musical Iverson de Souza Araújo, conhecido como DJ Ivis, agredindo a ex-mulher na frente da filha de nove meses, da mãe de Pamella Holanda e outro homem ainda não identificado.

Os acertos entre trabalhadores e empresas que terminaram com o encolhimento dos salários representam 67% do total negociado em setembro.

Foi o pior resultado do último ano, segundo o Salariômetro, boletim da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) sobre os acordos registrados no Ministério do Trabalho e Previdência.

Os acertos entre trabalhadores e empresas que terminaram com o encolhimento dos salários representam 67% do total negociado em setembro. Sem compensar pelo menos a inflação do ano anterior, a remuneração encolhe.

Ainda que não haja uma redução no valor nominal — aquilo que cai na conta do trabalhador-, o mesmo salário perde o poder de compra. Em média, os rendimentos negociados em maio ficaram 1,9% menores.

Somente 9,5% das negociações terminaram em ganho real aos trabalhadores. Ou seja, tiveram reajustes superiores à inflação acumulada e, com isso, conseguiram um aumento salarial. Outros 23,5% tiveram apenas o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), de 10,4% no acumulado dos 12 meses.

O índice de inflação calculado pelo IBGE é utilizado como padrão na maioria das negociações de reajuste. Ele apura o impacto da variação de preços para famílias com renda entre um e cinco salários mínimos. O IPCA, considerado a inflação oficial, faz a mesma média, mas entre os que ganham até 40 salários.

Em média, as categorias que negociaram reajustes salariais neste ano conseguiram correção de 6%. Essa variação ficou em 7,3% em setembro, percentual inferior à alta dos preços.

Segundo o Salariômetro, o piso médio do salário ficou em R$ 1.396 no mês passado, abaixo dos R$ 1.411 dos últimos 12 meses.

O coordenador do Salariômetro, Hélio Zylberstajn, afirmou, no fim do ano passado, que 2021 seria um período difícil para as negociações salariais diante da escalada da inflação.

A recuperação econômica ainda tímida também cria condições mais desfavoráveis às negociações. O Salariômetro de setembro registra que, além de salários menores, os trabalhadores estão recebendo menos em seus benefícios de alimentação. Esses estão valendo menos, e não somente porque não repuseram a inflação.

Em janeiro de 2014, o vale-alimentação ficava entre R$ 382 e R$ 480 — a diferença existe porque as convenções coletivas costumavam chegar a valores superiores do que os fechados nos acordos. Neste ano, o benefício chegou a R$ 253 em julho, último dado disponível no sistema do governo.

No vale-refeição, o valor médio do benefício foi nivelado pelo mínimo. Há pouco mais de seis anos, ele chegava a R$ 34 por dia nas convenções, e ficava em R$ 22 nos acordos coletivos. Agora, está em R$ 23.

Segundo o Dieese (Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), de todos os acordos e convenções registrados no sistema do Ministério do Trabalho e Previdência desde janeiro, apenas 18,2% tiveram cláusulas que resultaram em aumento de salário aos trabalhadores.

Outros 33,2% previam somente a reposição da inflação do ano anterior. A maioria, 48,5%, terminou com perda do poder de compra, ou seja, com índice de reajuste que não compensam nem mesmo a depreciação da moeda.

A análise do Dieese aponta o setor de serviços como aquele com o maior volume de acordos com índice menores do que o INPC – foram 61,2%- desde o início do ano. Na indústria, foram 35,7%, e no comércio, 32,1%.

 

Depois de assumir o controle das articulações do governo com o Congresso, o Centrão dá sinais de que mantém influência, também, nas decisões do Ministério da Economia. O titular da pasta, Paulo Guedes, tem deixado de lado a cartilha liberal e aderido aos interesses políticos dos caciques dos partidos que apoiam o Planalto. Sem entregar o que prometeu, e ainda mais desgastado após o caso de sua offshore em um paraíso fiscal, o economista já não tem o mesmo protagonismo dos tempos de superministro.
PUBLICIDADE
O presidente Jair Bolsonaro, que amarga os piores índices de popularidade do mandato, foi convencido pelos aliados do Centrão de que, se nada de significativo for feito na área social, as chances de ele chegar ao segundo turno da disputa pela reeleição em 2022 podem ficar ainda mais distantes do que apontam as últimas pesquisas. Nessas conversas, os principais interlocutores são os ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP), e da Secretaria de Governo, Flávia Arruda (PL), além do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).
O governo corre contra o tempo para resolver o impasse fiscal em torno do Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família. Os últimos depósitos do auxílio emergencial serão feitos neste mês. Pressionado pelas circunstâncias e pelo Centrão, Guedes admitiu que pediria uma “licença” para realizar despesas com o novo programa fora da regra constitucional que impede o aumento dos gastos da União acima da inflação.
O ministro confirmou que o Auxílio Brasil será de R$ 400 e que parte das despesas com a nova política social, cerca de R$ 30 bilhões, deverá ser feita fora do teto de gastos até dezembro de 2022. Inicialmente, a ideia da equipe econômica era de que o valor do benefício fosse de R$ 300, mas, também por pressões do Centrão, Guedes concordou em aumentá-lo, mesmo sem a definição de uma fonte de recursos para bancar o programa.
O ministro da Economia aposta que a forma de viabilizar o Auxílio Brasil de R$ 400 será decidida pelo relator da PEC dos precatórios, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB). Ele também tem reclamado da demora do Senado para votar a reforma do Imposto de Renda, uma outra alternativa para garantir o custeio do programa.
O mercado reagiu mal à guinada de Guedes, que, num passado nem tão distante, chegou a comprar briga com ministros que ele chamou de “fura-teto”, entre os quais, o do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. O dólar fechou no maior valor desde 14 de abril, e o Ibovespa, com a menor pontuação desde 23 de novembro de 2020.
Debandada
A própria equipe do Ministério da Economia desaprovou o afrouxamento da política fiscal proposto por Guedes. Ontem, quatro deles pediram exoneração, entre os quais, o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt.
Guedes também tem sido alvo de críticas dos que apontam populismo na ideia de turbinar o valor do Auxílio Brasil apenas até o fim de 2022, um ano eleitoral. O ministro tem argumentado que a “licença” para gastar acima do teto seria temporária, necessária, segundo ele, para atender às famílias mais vulneráveis afetadas pela inflação.
O Centrão também tem ditado o ritmo da liberação de recursos de emendas parlamentares. O total aprovado para este ano é de R$ 33,8 bilhões, o que inclui R$ 16,8 bilhões relativos às emendas do relator-geral do Orçamento da União no Congresso, também chamadas de RP9. Ao contrário do que ocorre com as emendas parlamentares individuais e de bancada, nas do relator não há transparência sobre as indicações das verbas, e os acordos são firmados entre a cúpula do Congresso e o Executivo, privilegiando alguns poucos parlamentares. Dessa forma, fica mais difícil fiscalizar se o dinheiro está sendo bem aplicado ou se houve barganha em troca de apoio político, por exemplo.

Secretários de Orçamento, Bruno Funchal, e do Tesouro, Jeferson Bittencourt, informaram ‘razões pessoais’. ao ministro Paulo Guedes.

Os secretários de Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, pediram demissão dos cargos nesta quinta-feira (21). O anúncio foi feito pelo próprio Ministério da Economia.

De acordo com a pasta, ambos pediram exoneração ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e informaram motivos pessoais. “Funchal e Bittencourt agradecem ao ministro pela oportunidade de terem contribuído para avanços institucionais importantes e para o processo de consolidação fiscal do país”, diz o ministério.

Os pedidos de demissão acontecem após a manobra liderada pelo Centrão para abrir espaço no teto de gastos em 2022, ano de eleições gerais. O governo pretende gastar cerca de R$ 40 bilhões fora da regra de austeridade para bancar um benefício social temporário de, pelo menos, R$ 400 mensais.

“A secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo, também pediram exoneração de seus cargos, por razões pessoais”, informa a nota.

Os substitutos nos cargos ainda não foram anunciados. Também nesta quinta, o secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, José Mauro Coelho, pediu demissão do posto.

Manobra, auxílio e debandada

A nova debandada no Ministério da Economia ocorre logo após a derrota da equipe econômica para a ala política do governo na definição dos novos valores do Auxílio Brasil.

O ministro da Cidadania, João Roma, anunciou na quarta-feira (20) que o benefício do novo programa social será de, no mínimo, R$ 400 por família até o final do ano que vem.

Nos últimos meses a equipe econômica havia se conformado com um aumento mais modesto, de R$ 300, que seria encaixado no Orçamento por meio da PEC dos Precatórios e custeado com o retorno da taxação sobre os lucros e os dividendos, parte da Reforma do Imposto de Renda.

Porém, a reforma do Imposto de Renda não avançou no Senado. Do outro lado, a inflação se mostrou mais persistente do que o imaginado pela equipe econômica, levando a pressão política para aumentar o benefício para além dos R$ 300 planejados.

Para viabilizar o Auxílio Brasil, o relator da PEC dos Precatórios, deputado Hugo Motta, propôs alterar a regra de correção do teto de gasto. Atualmente, a fórmula considera o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apurado entre julho de um ano e junho do ano seguinte. A proposta é mudar para janeiro a dezembro, com valores retroativos a 2016.

A mudança parece simples mas, na avaliação de técnicos do Congresso, a alteração na fórmula e o limite de pagamento dos precatórios abrem cerca de R$ 83 bilhões para despesas em 2022, ano eleitoral. Na prática, o governo conseguiria essa margem para contornar o teto de gastos.

Perfis

Doutor em Economia pela Fundação Getúlio Vargas, Funchal é especialista em Economia, com ênfase em Finanças, Direito e Macroeconomia Aplicada. Ele estava no Ministério da Economia desde janeiro de 2019

Começou como diretor de programas e, após pedido de demissão de Mansueto Almeida em junho de 2020, foi promovido ao cargo de secretário do Tesouro. Depois, em maio deste ano, assumiu o cargo de secretário especial de Fazenda – posteriormente transformado em Secretário Especial de Tesouro e Orçamento.

Funchal foi secretário de Fazenda do Espírito Santo de 2017 a 2018, quando conseguiu fazer o estado tirar nota máxima em capacidade de pagamento cortando comissionados, suspendendo concursos e não concedendo reposição salarial.

O sucesso no governo capixaba fez Funchal ser procurado no fim de 2018 para ser secretário de Fazenda do Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Mas ele acabou optando por aceitar o convite do Ministro Paulo Guedes para integrar o governo Bolsonaro.

Íntegra

Veja abaixo a íntegra da nota divulgada nesta quinta pelo Ministério da Economia:

Nota à imprensa

O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, pediram exoneração de seus cargos ao ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quinta-feira (21/10).

A decisão de ambos é de ordem pessoal. Funchal e Bittencourt agradecem ao ministro pela oportunidade de terem contribuído para avanços institucionais importantes e para o processo de consolidação fiscal do país.

A secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo, também pediram exoneração de seus cargos, por razões pessoais.

Os pedidos foram feitos de modo a permitir que haja um processo de transição e de continuidade de todos os compromissos, tanto da Seto quanto da STN.

A média móvel de mortes agora é de 366 óbitos por dia, queda de 20% em relação ao dado registrado há duas semanas.

A média móvel de mortes agora é de 366 óbitos por dia, queda de 20% em relação ao dado registrado há duas semanas. Já a média de casos chegou a 12.146 infecções diárias, também uma queda de 20%.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Os dados da vacinação contra a Covid-19, também coletados pelo consórcio, foram atualizados em 25 estados e no Distrito Federal.

O Brasil registrou 1.199.569 doses de vacinas contra Covid-19, nesta quinta-feira. De acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde, foram 194.999 primeiras doses e 723.928 segundas. Também foram registradas 282.574 doses de reforço. As doses únicas ficaram com números negativos (-1.932) devido a uma revisão de aplicações no Ceará (-3.427), na Bahia (-30) e em Minas Gerais (-335).

Ao todo, 152.645.709 pessoas receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra a Covid no Brasil –103.615.481 delas já receberam a segunda dose do imunizante. Somadas as doses únicas da vacina da Janssen contra a Covid, já são 108.129.955 pessoas com esquema vacinal completo no país.

Assim, o país já tem 71,56% da população com a 1ª dose e 50,69% dos brasileiros com esquema vacinal completo. Considerando somente a população adulta, os valores são, respectivamente, de 94,17% e 66,71%.

Mesmo quem completou o esquema vacinal com as duas doses deve manter cuidados básicos, como uso de máscara e distanciamento social, afirmam especialistas.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

O presidente deve finalizar sua agenda na cidade de Campina Grande, onde

O presidente da República, Jair Bolsonaro, desembarca na Paraíba nesta quinta-feira (21). Bolsonaro participa da inauguração do último trecho do canal no eixo norte do projeto de integração do Rio São Francisco, no município de São José de Piranhas. 

De acordo com informações do programa arapuan Verdade, da rádio Arapuan FM, o evento será prestigiado por Rogério Marinho, ministro do Desenvolvimento Regional, e Gilson Machado, ministro do Turismo.

Bolsonaro deverá pousar no Aeroporto de Juazeiro do Norte e seguir até São José de Piranhas. Existe ainda a expectativa de que o presidente, após o evento, siga para a região de Campina Grande, onde embarcará no avião presidencial. 

A entrega do trecho acontece dentro da programação da “Jornada das Águas”, promovida junto com o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), através do ministro Rogério Marinho. 

O evento “Jornada das Águas” começou na última segunda-feira (18) e deve seguir até o dia 28 de outubro. O roteiro do presidente começou na nascente histórica do Rio São Francisco e segue com agenda de anúncios e entrega de de obras de infraestrutura, preservação e recuperação de nascentes e cursos d’água, saneamento, irrigação, apoio ao setor produtivo e aos municípios.

O último trecho de canal do Projeto de Integração tem oito quilômetros de extensão, entre os reservatórios Caiçara, em São José de Piranhas, e Avidos, em Cajazeiras (PB). O investimento federal na estrutura foi R$ 49,7 milhões.

 

A previsão é de que com a conclusão da maior obra hídrica brasileira, o abastecimento de 12 milhões de habitantes nos estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte seja garantido. Além do abastecimento, a geração de emprego e renda, e promoção da inclusão social fazem parte da iniciativa.

 

A União dos Vereadores de Pernambuco (UVP) realizará nesta quinta-feira (21) até o próximo domingo (24) o seu mais recente Congresso de Vereadores, e receberá representantes de diversas câmaras e prefeituras de Pernambuco. Como já foi anunciado aqui no Blog PE Notícias, o evento será realizado no Hotel Brotas, em Afagados da Ingazeira, Sertão do Pajeú.

São esperados vereadores de mais de 130 câmaras afiliada da UVP, além de servidores de câmaras e prefeituras não afiliadas. O Congresso deve aquecer a economia de Afogados da Ingazeira, pois além do hotel onde o evento será realizado, outras pousadas e hotéis da cidade estão com reservas esgotadas, conforme informação dos hotéis e pousadas da cidade e que muitos dos que vão estar presentes já procuram estadias em cidades vizinhas, a exemplo de Carnaíba, Tabira, Iguaracy, etc.

O presidente da UVP, Léo do Ar, confirmou que mais de 1.500 testes rápidos para detecção do Covid-19 serão disponibilizados para todos os participantes do Congresso. Além disto, serão entregues máscaras e álcool em gel. Para controlar a entrada ao Centro de Convenções do Hotel, uma equipe fará aferição da temperatura dos congressistas. Uma parceria firmada com a Secretaria Municipal de Saúde, dois técnicos de enfermagens ficarão a postos para acompanhar a realização de testes.

Também foram notificadas 292.943 primeiras doses, 2.801 doses únicas e 116.585 doses de reforço.

 

 O Brasil chegou, nesta quarta-feira (20), a mais de 50% da população com esquema vacinal completo contra a Covid. Ou seja, metade dos brasileiros tomaram as duas doses da vacina ou o imunizante de dose única.

Foram as 651.053 segundas doses registradas nesta quarta que levaram o país a passar dos 50%, ao meio dia. Também foram notificadas 292.943 primeiras doses, 2.801 doses únicas e 116.585 doses de reforço.

Com as doses registradas, já são 152.325.559 brasileiros com a primeira dose. Ao todo, 106.874.272 já tomaram também a segunda ou a dose única, o equivalente a 50,1% da população.

No fechamento do consórcio, às 20h, as segundas doses já somavam 1.218.573, além de 418.094 primeiras, 6.556 doses únicas e 368.774 aplicações de reforço. Com isso, o país chegou a 50,35% da população totalmente imunizada.

Vale, porém, destacar que a imunização só é considerada efetiva duas semanas após a aplicação da segunda dose.

O marco foi comemorado por especialistas, que aproveitaram o momento para enfatizar a importância da vacinação e do uso da máscara como equipamento de proteção pessoal.

“Este marco é excepcional”, diz o infectologista Jamal Suleiman, do hospital Emílio Ribas. “O número mostra que o Brasil e seu povo confiam na vacina. Agora, precisamos que os outros 50% entendam a importância do imunizante. Além disso, o presidente Jair Bolsonaro precisa parar de falar que não precisamos receber a vacina.”
Para Suleiman, é importante também o entendimento de que esse número ainda não é suficiente para sairmos da pandemia de maneira segura. Por isso, ele reforça, máscara e distanciamento social ainda são medidas fundamentais.

“Demorou para atingirmos este marco, não podemos esquecer a história, é tudo muito recente e 600 mil vidas foram perdidas no caminho”, lamenta.

Rosana Richtmann, infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, também reitera que este momento não pode ser visto como o fim da epidemia.

“Ainda temos um caminho pela frente, queremos atingir, ao menos, entre 80 a 85% da população completamente vacinada. A batalha está ganha, mas a guerra ainda não.”

Para isso, felizmente, está no “DNA dos brasileiros” confiar na vacinação, ela analisa.

Enquanto essas marcas mais avançadas não chegam, Richtmann lembra ainda que as doses não impedem completamente que as pessoas se contaminem com a Covid-19 e a transmitam. Estudos já demonstram que os imunizados apresentam carga viral mais baixa, mas, mesmo assim, cuidados continuam necessários para não propagar o vírus.

“Na primeira fase da pandemia, nossa pressa era mitigar o número de mortes e hospitalização. Agora, nosso objetivo é diminuir transmissão viral”, ressalta.

Metade da população brasileira recebeu o regime completo das vacinas contra a COVID-19. Um marco relevantíssimo e que precisa ser reconhecido — e aumentado.

“Somente com altas coberturas vacinais é que nos livraremos dessa pandemia. Até lá, siga usando máscara!”

Há quase quatro meses, entre junho e o começo de julho, Chile (o primeiro da América do Sul, em 22 de junho), Reino Unido e Uruguai atingiram esse patamar de vacinação. Na segunda metade de julho e início de agosto, foi a vez de Portugal, Alemanha, Estados Unidos e França ultrapassarem a marca de metade da população imunizada.
Gibraltar, em 14 de março deste ano, foi o primeiro no mundo a alcançar a marca de 50%.

Na América do Sul, além de Chile e Uruguai (2 de julho), Equador e Argentina completaram a vacinação de metade da população em 8 de setembro e 4 de outubro, respectivamente.

Os Estados Unidos, que tiveram um processo inicial rápido de vacinação nos primeiros meses de 2021, perderam velocidade com o tempo e só alcançaram os 50% de vacinados em 15 de agosto.

O país vem sofrendo para avançar com o programa vacinal devido à resistência da população e conta com somente 57,1% dos americanos vacinados, segundo dados do CDC (Centro de Controle de Doenças dos EUA) de terça-feira.

O Brasil, ao contrário do vizinho Chile, dos EUA e do Reino Unido, teve um início de campanha vacinal lento. Um dos motivos foi a falta de disponibilidade de imunizantes. Outro fator que pesou contra o país foi a inação do governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

O país, nos primeiros meses deste ano, apoiou-se, basicamente, na Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, para levar adiante a campanha de vacinação. Os grandes lotes da Covishield, vacina da AstraZeneca/Oxford produzida pela Fiocruz, sofreram sucessivos atrasos de produção e entrega, o que também contribuiu para menores valores de vacinação iniciais e concentração de uso de Coronavac.

Com o passar dos meses e críticas constantes sobre a falta de ação do governo federal, mais acordos por vacinas foram realizados, como no caso da Pfizer, que tentava, desde o segundo semestre de 2020, vender o seu imunizante para o Brasil.

No momento, além dos imunizantes já citados, o país também tem aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a vacina de dose única da Janssen.
Os dados da vacinação contra a Covid-19, também coletados pelo consórcio, foram atualizados em 24 estados.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

IMUNIDADE DE REBANHO

Apesar dos números de vacinas recentes animadores no país, como atingir mais de 100 milhões de pessoas com o esquema vacinal completo e 50% da população imunizada, nesta quarta, tais dados devem ser vistos com cautela.

Com a variante delta, que se dissemina mais e com mais facilidade, a possibilidade de atingir a imunidade de rebanho se tornou uma realidade mais distante no mundo, segundo afirmou à reportagem Denise Garrett, epidemiologista e vice-presidente do Instituto Sabin.

“Não existe um número mágico para a imunidade de rebanho”, disse a especialista. “Ao que tudo indica, o vírus está aqui para ficar. Como isso vai se desenrolar, vai variar muito de país para país.”

O poder da delta ficou claro em outros países com a vacinação consideravelmente mais avançada, como em Israel, por exemplo. O país já flexibiliza até mesmo o uso de máscaras, quando a delta começou a aumentar o número de infecções e reverteu as medidas menos restritivas.

Além disso, com o passar dos meses, percebeu-se a queda dos níveis de proteção das vacinas — algo que não chega a ser surpreendente- e se passou a verificar a necessidade de doses de reforço, pelo menos até o momento destinadas a pessoas mais velhas, pessoas com problemas de imunidade (uma terceira dose, na verdade) e profissionais de saúde.

Com isso, fica claro que, apesar do otimismo que os dados vacinais podem trazer, os cuidados preventivos básicos contra a Covid devem permanecer, inclusive o uso de máscaras.

Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 21 milhões nesta quinta-feira

A aposta mínima custa R$ 4,50 e pode ser realizada também pela internet até 19h.

Mega realiza sorteio nesta quinta-feira (Foto: Reprodução)

O concurso 2.421 da Mega-Sena pode pagar um prêmio de R$ 21 milhões para quem acertar as seis dezenas. O sorteio ocorre às 20h desta quinta-feira (21) no Espaço Loterias Caixa, no terminal Rodoviário Tietê, na cidade de São Paulo. A aposta mínima custa R$ 4,50 e pode ser realizada também pela internet até 19h.

Esta semana, a Mega-Sena será sorteada na terça (19), nesta quinta e no sábado (23).

Para apostar na Mega-Sena

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), em qualquer lotérica do país ou pela internet, no site da Caixa Econômica Federal – acessível por celular, computador ou outros dispositivos. É necessário fazer um cadastro, ser maior de idade (18 anos ou mais) e preencher o número do cartão de crédito.

Probabilidades

A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 4,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.

Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 22.522,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.

Guedes confirma auxílio de R$ 400 até 2022 e diz que estuda forma de alterar teto de gastos

Novo valor do Auxílio Brasil foi anunciado nesta quarta, mas aumento fora do teto causou divergências no governo. Guedes diz que opções são rever regra ou criar exceção para programa.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou nesta quarta-feira (20) que o governo pagará R$ 400 de Auxílio Brasil até dezembro de 2022 – mas disse que ainda estuda a forma de alterar o teto de gastos para pagar o benefício.

“Estamos passando de 14 milhões para 17 milhões de famílias e ao mesmo tempo indo para R$ 400. Nenhuma família vai receber menos que os R$ 400”, afirmou Guedes durante evento promovido pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc).

“É um enorme esforço fiscal, e o que nós temos discutido aqui é como é que nós podemos fazer isso dentro de toda a estrutura fiscal que nós temos hoje”, ponderou.

O programa, que vai substituir o Bolsa Família e o Auxílio Emergencial, começa a ser pago em novembro, conforme já tinha anunciado mais cedo o ministro da Cidadania, João Roma.

Teto de gastos

Segundo Guedes, há duas alternativas em estudo para viabilizar o pagamento do benefício:

rever o teto de gastos, acabando com o descasamento existente entre as correções do teto e das despesas obrigatórias. Com isso, o governo poderia abrir espaço fiscal no Orçamento de 2022.
excepcionalizar a parcela do auxílio que não cabe no teto, ou seja, deixar esse montante fora da regra fiscal. Essa licença para “furar” o teto seria limitada a pouco mais de R$ 30 bilhões em 2022, segundo o ministro.

“Estávamos estudando se faríamos uma sincronização de despesas – os salários seguem um índice, e o teto de gastos segue outro índice. Estávamos estudando se faríamos uma sincronização dessas despesas – isso seria uma antecipação da revisão do teto de gastos, que está para 2026. Ou se, ao contrário, mantém, mas por outro lado pede um ‘waiver’, uma licença para gastar com essa camada temporária de proteção”, disse Guedes.

“Como queremos aumentar essa camada de proteção, pediríamos que isso viesse um pouco como ‘waiver’ para atenuar impacto socioeconômico da pandemia. Estamos ainda finalizando, vendo se conseguimos compatibilizar isso, mas o importante é que o déficit continua caindo”, completou.

O ministro ressaltou, ainda, que a decisão sobre como alterar o teto será política.

“Qualquer que seja a solução, é uma solução política. Do ponto de vista técnico, nós oferecemos a nossa contribuição que é Precatórios mais IR, que é o bolsa de R$ 300, dentro do teto, dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal. Essa é a resposta técnica ao desafio, mas quem tem voto é a política. E não vai ser nem a primeira nem a última vez que a Economia é só um olhar técnico dentro de um cenário um pouco mais amplo”, disse Paulo Guedes.

Reforma do IR

Ainda no evento, Guedes lamentou o fato de o Senado ainda não ter votado a reforma do Imposto de Renda. O texto cria uma tributação sobre dividendos, e o governo pretendia usar essa arrecadação para financiar o novo programa social.

“Não tem fonte para que seja permanente [os R$ 400], então uma parte é permanente [reajuste de 20% em relação aos valores pagos atualmente no Bolsa Família], outra parte é transitória [o que restar para chegar nos R$ 400]. Estávamos contando com o Imposto de Renda, não progrediu no Senado, ficamos sem fonte”, afirmou o ministro.

Inflação

O ministro disse que a alta da inflação justifica um auxílio de R$ 400, ao invés dos R$ 300 pensados anteriormente.

“Agora, percebendo esse impacto que está acontecendo no mundo inteiro [inflação], comida e energia subindo no mundo inteiro, estamos lançando então essa fonte transitória até o final do ano que vem para que nos ajude então para que todas as famílias tenham a proteção dos 400 reais”, relatou Guedes.

O ministro negou que a medida seja populista. “Somos um governo reformista e popular, e não um governo populista.”

Por fim, ressaltou que o importante é que o mais frágeis estarão protegidos e que a trajetória de consolidação fiscal continua, com o governo seguindo lutando pelas reformas estruturantes.

Avião som, faz propaganda de Aero Fest em Afogados da Ingazeira

Avião de som faz propaganda de Aero Fest em Afogados da Ingazeira

Um avião de som chama a atenção na cidade de Afogados da Ingazeira desde a semana passada. A aeronave sobrevoa várias localidades do Município fazendo propaganda do Nordeste Aero Fest que acontecerá no dia 13 de novembro.

O evento será no Aeródromo do Recanto dos Mouras. Haverá vôos panorâmicos, vôos de aeromodelo, saltos duplos de paraquedas, acrobacias aéreas, exposição de carros antigos e muito mais.

Informações com Endrickson Brígido (87) 9913-4636.

Via Blog Itamar

Dando sequência a sua política de qualificação profissional, a Prefeitura de Afogados da Ingazeira deu início às aulas do Curso de Energia Solar: instalação e manutenção de placas fotovoltaicas.

Serão duas semanas de aulas práticas e teóricas, no polo moveleiro, totalizando 40 horas/aula. As aulas ocorrem das 18h às 22h, para garantir a presença de quem estuda ou trabalha durante o dia. O curso é realizado em mais uma parceria entre a Prefeitura Municipal e o Senai.

“Esse é um curso que traz uma grande demanda de mercado, com excelentes oportunidades, uma vez que a energia solar, diante, sobretudo da crise energética, tem sido uma alternativa importante não apenas em Afogados, mas em todo o Brasil, e estamos trazendo essa oportunidade de qualificação para a nossa população”, destacou o secretário Municipal de Administração, Desenvolvimento Econômico e Turismo, Ney Quidute.

A Prefeitura de Sousa abriu nesta segunda-feira (18), as inscrições para o concurso público com 249 vagas. Os interessados poderão se inscrever até o dia 18 de novembro.

Dentre os cargos oferecidos estão merendeira, tratorista, auxiliar administrativo, motorista, advogado, assistente social, psicólogo, professor, dentista, enfermeiro, farmacêutico e médico, dentre outros.

O valor da taxa de inscrição correspondente à opção do cargo será: Cargos de Nível Fundamental Completo e Nível Fundamental Incompleto: R$65,00; Cargos de Nível Médio/Técnico: R$85,00; Cargos de Nível Superior e Nível Superior – Magistério: R$105.

As provas serão realizadas no dia 19 de dezembro e a divulgação do resultado será no dia 20 de dezembro de 2021. Confira aqui o edital

G1

Uma foto do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) vestido de “sheik” durante uma viagem a Dubai (Emirados Árabes Unidos) gerou uma onda de críticas nesta segunda-feira (18). Na foto, que circula nas redes sociais, ele aparece ao lado da esposa, Heloísa Bolsonaro, e da filha deles, também vestidas com roupas daquele país.

Parlamentares da oposição questionaram os gastos do filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na comitiva brasileira que foi ao país em missão oficial para participar da Expo 2020.

Em uma rede social, o deputado federal Marcelo Freixo (PSB-RJ) afirmou que acionou o Ministério Público Federal para investigar os custos da viagem. “Queremos saber quem está pagando essa conta”, escreveu.

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) disse que solicitou ao Tribunal de Contas da União (TCU) que apure os recursos usados na viagem. “Pedimos ao TCU que investigue mais esse absurdo milionário em Dubai, que bancaria 100 bolsas de mestrado. A Ciência do nosso país está agonizando”, disse.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) também criticou a atitude de Eduardo. “Gasolina a mais de R$ 7,00, gás a mais de R$ 100, povo comendo osso, pé e pescoço de galinha e representante do Brasil brincando de ser Sheik em Dubai com dinheiro público. Essa é a nova política?”, questionou.

Na página do partido em uma rede social, o PSOL escreveu: “Macabro é a família Bolsonaro esbanjando em Dubai às custas do povo que está na fila pra comprar ossos e não morrer de fome. Isso é macabro”.

A postagem era uma crítica indireta ao senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), irmão de Eduardo, que poucos antes havia classificado como “algo macabro” a reunião da CPI da Covid em que foram ouvidos representantes de vítimas da doença.

Durante a CPI nesta segunda, o senador Omar Aziz (PSD-AM) comentou a foto de Eduardo Bolsonaro. “Duduzinho Bolsonaro está em Dubai tirando foto com o dinheiro do povo brasileiro lá, não é? E acha que é melhor, mais honesto do que os outros brasileiros. Acha que é mais patriota. Está lá tirando foto. Eu vi uma foto dele aqui, ele de sheik, não é? É o verdadeiro sheik Dudu Bolsonaro”, disse.

Recursos próprios

Eduardo Bolsonaro também usou suas redes sociais nesta segunda-feira para se defender das críticas. Ele declarou que viajou com recursos próprios.

Depois, em tom de provocação, postou uma nova foto vestido de árabe. “Acabei de ser presenteado por um amigo árabe aqui com uma kandora, a roupa tradicional deles daqui que equivale ao nosso terno e gravata”, escreveu.

No sábado (16), ele havia explicado a sua presença na missão oficial a Dubai dizendo que estava “trabalhando por acordos comerciais que beneficiem São Paulo e o Brasil”. “Sem gastar nada de dinheiro público com minha viagem”, acrescentou.

O Brasil registrou 197 mortes por Covid e 9.250 casos da doença, nesta segunda-feira (18). Com isso, o país chega a 603.521 vidas perdidas e 21.651.444 pessoas infectadas desde o início da pandemia.

Aos domingos, segundas e feriados, dados da pandemia são menores por atrasos de notificação nas secretarias de saúde.

O Rio de Janeiro não divulgou dados de mortes, nesta segunda, por problemas no sistema.

As médias móveis de mortes e de casos são agora de 322 e 10.050 por dia, respectivamente. Esses dados representam quedas respectivas de 33% e 40%, em relação aos dados de duas semanas atrás.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Os dados da vacinação contra a Covid-19, também coletados pelo consórcio, foram atualizados em 24 estados.

O Brasil registrou 1.175.954 doses de vacinas contra Covid-19, nesta segunda-feira. De acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde, foram 240.701 primeiras doses e 665.731 segundas. Também foram registradas 284.669 doses de reforço. As doses únicas ficaram com números negativos devido a uma revisão de aplicações no Paraná.

Ao todo, 151.739.636 pessoas receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra a Covid no Brasil –100.505.808 delas já receberam a segunda dose do imunizante.

Somadas as doses únicas da vacina da Janssen contra a Covid, já são 105.003.395 pessoas com esquema vacinal completo no país.

Assim, o país já tem 71,13% da população com a 1ª dose e 49,22% dos brasileiros com esquema vacinal completo. Considerando somente a população adulta, os valores são, respectivamente, de 93,61% e 64,78%.

Mesmo quem completou o esquema vacinal com as duas doses deve manter cuidados básicos, como uso de máscara e distanciamento social, afirmam especialistas.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

 

A direção da escola pernambucana Vera Cruz, na Zona Norte do Recife, lançou um comunicado com alertas para pais e responsáveis sobre a série Round 6, recém-lançada pela Netflix. A série sul-coreana é o maior sucesso da história do canal de streaming e o conteúdo trazido na produção tem repercutido entre pessoas de várias faixas etárias, inclusive entre crianças e adolescentes.
No comunicado direcionado aos responsáveis dos alunos, a escola privada demonstra preocupação com o impacto dos conteúdos apresentados na série em crianças e jovens com idades abaixo de 16 anos. “Alertamos aos senhores responsáveis sobre o que temos escutado e nos chamado atenção em relação a uma série que foi lançada na Netflix, chamada Round 6”, inicia o comunicado. Em seguida, o aviso aponta que a série apresenta “conteúdo de violência explícita, tortura psicológica, suicídio, tráfico de órgãos, cenas de sexo, palavrões” e classifica a produção como “um total desrespeito à vida”.
A diretora da escola, Gladys Brasileiro, explicou que o comunicado foi emitido aos pais como ação preventiva. Um outro aviso de alerta, desta vez direcionado a toda a comunidade escolar, será lançado pela unidade de ensino hoje.
“São mais os meninos dos anos finais que têm a curiosidade. Começamos a chegar perto e poucos comentaram. Ainda não está aquele frisson, mas antes que aconteça decidimos emitir a nota para a comunidade escolar, alertando os pais. Já conversamos com professores e coordenadores e agora vamos atingir toda a comunidade, como uma forma de prevenção e proteção”, disse.  
De acordo com a neuropsicóloga Tássia Queiroz, é imprescindível que os pais consigam filtrar os conteúdos adequados para os filhos, de acordo com a classificação por faixa etária. “Isso acaba programando o cérebro a normatizar esse conteúdo. Muitas vezes, a criança e o adolescente estão numa fase vulnerável e vão filtrar esses estímulos”, explica.
A primeira temporada de Round 6 conta com nove episódios. Na trama, 456 pessoas que estão afundadas em dívidas são convidadas a participarem de uma competição de sobrevivência que envolve vários jogos infantis tradicionais, como Batatinha Frita 1,2,3 e Cabo de Guerra. Quem não consegue cumprir as regras dos jogos, morre. Já quem consegue vencer e passar as etapas, garante a chance de levar o grande prêmio, uma quantia no valor de aproximadamente US$ 40 milhões. A série tem classificação etária de 16 anos e o autor, Hwang Dong-hyuk, já declarou que não cricou a série para crianças e o enredo é uma alegoria ao capitalismo.
“Eu queria escrever uma história que fosse uma alegoria ou fábula sobre a sociedade capitalista moderna, algo que retratasse uma competição extrema da vida. Mas eu queria que ele usasse o tipo de personagem que conhecemos na vida real”, explicou à revista estadunidense Variety.
Também sediada na Zona Norte, bairro do Rosarinho, a Escola Waldorf Recife enviou um comunicado à comunidade escolar em que alerta os pais sobre o enredo da série, destacando que as ‘brincadeiras’ com o pano de fundo violento podem atrair crianças numa faixa etária não recomendada pela plataforma. “Seus cenários e enredo lúdico, trazem brincadeiras e brinquedos populares, que podem atrair crianças pequenas para assisti-la. A série tem violência explícita, tortura psicológica, suicídio e é complexa para crianças e jovens, trazendo imagens e situações que podem ser confusas para a compreensão deles”, diz o texto.
A nota, assinada pelo colegiado de professores na instituição, também alerta para outros canais, que podem trazer o conteúdo do programa, inclusive tendo como ‘atores’ personagens mais conhecidos das crianças, como youtubers e tik tokers. “Pedimos atenção também aos YouTubers e Tik Tokers, pois eles estão fazendo menções à série, o que gera mais curiosidade nas crianças. Há também referência aos desafios da série dentro de jogos como Minecraft e Roblox. Nosso propósito com este alerta é lembra-los da missão que temos de proteger as crianças para que desenvolvam um corpo, uma alma e espirito saudaveis”, explica.
Para a psicóloga cognitivo-comportamental, Karine Torres, o diálogo é uma das formas de gerar a compreensão sobre as consequências dos conteúdos. Isso porque a maturidade de uma criança não pode ser comparada com a de um jovem com idade acima de 16 anos ou a de um adulto. “Crianças e adolescentes, hoje, têm acesso à internet de uma forma geral. Isso faz parte de uma sociedade e não podemos simplesmente excluí-los desse universo. Mas é extremamente importante que os pais não só observem o que os filhos estão olhando, mas intervenham, retirando certos conteúdos. Não é a proibição pela proibição, mas, sim, com o diálogo, para fazer com que esse jovem entenda as consequências do que aquele produto pode trazer para a sua saúde emocional”.
De acordo com um estudo dirigido pela professora associada de psicologia clínica da Universidade de Calgary, no Canadá, Sheri Madigan, um em cada quatro adolescentes está “experimentando sintomas de depressão elevados, enquanto um em cada cinco jovens tiveram sintomas de ansiedade” .
“Índices de depressão e suicídio nessa faixa etária têm crescido e a série pode funcionar como um gatilho”, ressalta Torres. Uma das alternativas pode acontecer quando os pais se propõem a assistir com os jovens – ainda assim respeitando a classificação etária estabelecida dentro de cada conteúdo.
A Prefeitura de Afogados inaugurou neste sábado (16) as obras de revitalização da Praça Padre Carlos Cottart, última etapa do conjunto de obras de revitalização da área central da cidade.

Na gestão do ex-prefeito José Patriota, já haviam sido inauguradas a praça do anel viário, os canteiros centrais da Avenida Rio Branco e a praça em frente aos correios.

Já na gestão do Prefeito Alessandro Palmeira foi inaugurada, no primeiro semestre desse ano, a praça dos quiosques, e agora a revitalização da Praça Padre Carlos Cottart, que ganhou bancos em madeira, iluminação em LED, canteiros, paisagismo, piso intertravado e uma belíssima fonte luminosa, com cores diversas e tamanhos variados de jatos d’água.

Participaram da inauguração os ex-prefeitos José Patriota e Totonho Valadares, o vice-prefeito Daniel Valadares e vereadores.

“Estou muito feliz em poder entregar à população essa belíssima obra, concluindo todo um amplo projeto de revitalização dessa área central de Afogados, área de convivência não apenas dos moradores próximos mas de todos os Afogadenses,” destacou o Prefeito Alessandro Palmeira, que esteve acompanhado de sua esposa, Lélis Vasconcelos.

O conjunto total das obras representou investimentos da ordem de 1,7 milhões de Reais. Sendo a praça Padre Carlos Cottart responsável por investimentos de aproximadamente 200 mil Reais desse montante.

A parte festiva ficou por conta da homenagem que os músicos da escola de música Bernardo Delvanir Ferreira, fizeram ao dia do choro, celebrado no dia ontem (16). Sob o comando do maestro Cacá Malaquias, eles desfilaram os principais clássicos desse ritmo genuinamente brasileiro.

Pernambuco está entre os 10 estados mais inovadores do Brasil

https://www.memoriadofuturo.com.br/wp-content/uploads/2018/11/Memoria_do_Futuro_Porto_Digital-Foto_Leo_Caldas_p.jpg

Pernambuco é considerado um dos 10 estados mais inovadores do Brasil. O título foi conquistado após a divulgação do Índice de Inovação dos Estados, elaborado pela Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), e levou em consideração a análise da intensidade tecnológica da economia, do capital humano e outros indicadores de inovação.

De acordo com o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Lucas Ramos, o aparecimento do estado no ranking “É o reconhecimento técnico de que estamos no caminho certo, gerando oportunidades”. O estudo também colocou o estado como o mais inovador do Nordeste.

Pernambuco recebe destaque pelo alto grau de maturidade do seu ecossistema em geral, ocupando a 10ª posição nacional e mantendo o protagonismo regional, seguido pelo Ceará (11º).

O índice, além de prestar reconhecimento aos estados, também fornece dados para que gestores possam trabalhar em políticas públicas de desenvolvimento e inovação. Além disso, também avalia a inserção de mestres e doutores, instituições, infraestrutura e ações de cooperação, competitividade global, propriedade intelectual, produção científica e empreendedorismo.

 

 

Morre no Recife empresário egipciense da empresa de Frios Frinex

Guilherme Miranda era sócio da Frinex, empresa do ramo alimentício em Serra Talhada

Faleceu, vitima de câncer no estômago, neste domingo (17), no Hospital Esperança, no Recife, Guilherme Nunes Miranda, 38 anos.

Guilherme era sócio junto com os irmãos do Empreendimento Frinex Distribuidora do Ramo Alimentício de Frios e Lacticínios, que em Serra Talhada fica localizado às margens da BR-232, na altura do KM-414. O empresário residia na capital do xaxado e deixa a viúva Érica Miranda, e dois filhos Ruan e Luiz.

O corpo do empresário será velado na chácara Veneza, de propriedade da família em São José do Egito, e o sepultamento ocorre nesta segunda-feira (18), no Cemitério Apóstolo Pedro na Capital da Poesia às 16h.

Guilherme é um dos 13 filhos de Seu Luiz Miranda (In Memorian) e Dona Madalena Miranda. Ele lutava contra um câncer de estômago há cerca de 3 anos. Em Serra Talhada, a Frinex gera dezenas de empregos diretos e indiretos, e mantém uma loja no Centro da cidade.

Blog Marcello Patriota