Monthly Archives: janeiro 2021

De 15 projetos iniciados em 2020, quatro têm chances reais de vingar; Bolsonaro busca aproximação com pesquisadores

O ministro Marcos Pontes já se arriscou a prever que teríamos uma vacina 100% brasileira até o final de 2021. (Foto: reprodução)

 Até agora amargando falta de recursos, os projetos de vacinas brasileiras começam a ser vistos como estratégicos. Com o país sem doses suficientes de vacinas estrangeiras para proteger a população, cientistas brasileiros esperam que, finalmente, o governo invista no desenvolvimento de imunizantes 100% nacionais.

Entre 15 projetos de vacina contra Covid-19 propostos no Brasil em 2020, quatro veem agora chances reais de seguir adiante. Os projetos do Instituto do Coração, do Instituto de Ciências Biológicas da USP, da start-up paulista Farmacore e da UFMG buscam iniciar testes em humanos ainda este ano.

Lançados em iniciativas dispersas, estes projetos dividiram em 2020 um bolo de verbas modesto (R$ 9 milhões) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações — que, alinhado ao Ministério da Saúde, apostou em medicamentos sem eficiência comprovada contra o coronavírus.

O governo começou a fazer acenos a alguns dos cientistas. Mas ainda não há valor concreto anunciado nem se sabe de onde sairia a verba a ser investida.

Parceria público-privada       
O ministro Marcos Pontes já se arriscou a prever que teríamos uma vacina 100% brasileira até o final de 2021. Na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro disse: “Covid, pessoal, vai ficar a vida toda. (…) Vamos ter que aprender a conviver com isso aí. E nada melhor do que termos a nossa própria vacina para tal.” Na sexta, ele defendeu a vacina brasileira (“não pode ficar comprando se pode produzir aqui”) e disse que Pontes “está quase acertando aí 300 milhões” para a produção de imunizantes nacionais, também sem dizer de onde viria o dinheiro.

Jorge Kalil, diretor do laboratório de imunologia do Instituto do Coração, ligado à USP, conta que já recebeu promessa de apoio do governo federal, caso avance até a fase 3 de ensaios clínicos, após provar segurança e capacidade de resposta imune.

O bloqueio de caminhões acontecerá a partir da meia noite deste domingo, na Gaucinha, BR 101, próximo ao Posto Pichilau, em João Pessoa, e a partir das 6 horas da manhã, na BR 104, próximo ao cemitério Campo da Paz, em Campina Grande.

O ato também tem o apoio do Sindicato dos Condutores e Empregados em Empresas de Transportes de Combustíveis, Produtos Perigosos e Derivados de Petróleo da Paraíba (Sindconpetro). (Foto: Walla Santos)

A paralisação de caminhoneiros está confirmada na Paraíba. Em entrevista ao ClickPB, neste domingo (31) uma das lideranças da categoria no estado, Albério Lima, disse que o bloqueio de caminhões acontecerá a partir da meia noite deste domingo, na Gaucinha, BR 101, próximo ao Posto Pichilau e a partir das 6 horas da manhã, na BR 104, próximo ao cemitério Campo da Paz, em Campina Grande.

“Nossa manifestação está confirmada em todo o país. Um ofício sobre o evento foi protocolado na Polícia Rodoviária Federal. Nossa paralisação é legal, estamos reivindicando o que é justo, combustível e o piso mínimo no frete”, destacou. 

O ato também tem o apoio do Sindicato dos Condutores e Empregados em Empresas de Transportes de Combustíveis, Produtos Perigosos e Derivados de Petróleo da Paraíba (Sindconpetro). Segundo o presidente, Hermerson Galdino, a organização tem a liderança de caminhoneiros autônomos, mas a entidade dará o apoio aos trabalhadores. “Iremos apoiar a greve, mas não iremos liderar. Então, esse foi o encaminhado decidido em reunião de hoje”, disse.

O presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), José Roberto Stringasci, reforçou que a adesão ao movimento pode ser maior que a última realizada em 2018, por conta da insatisfação da categoria, com o preço do diesel e pela falta de cumprimento às promessas acerca do piso nacional do frete, entre outras pautas.  A ANTB representa cerca de 4,5 mil caminhoneiros, e não vê problema de realizar uma greve em plena pandemia.

Ninguém acerta Mega-Sena e prêmio vai para R$ 25 milhões

A quina teve 24 apostas e cada uma vai receber R$ 93.309,21.

As dezenas sorteadas foram 16 – 21 – 28 – 41 – 49 – 51.. O prêmio acumulado para o próximo sorteio, na quarta-feira (3), é de R$ 25 milhões. (Foto: reprodução)

Ninguém acertou as seis dezenas do sorteio do Concurso 2.340 da Mega-Sena, realizado neste sábado (30), no Espaço Loterias Caixa, em São Paulo.  As dezenas sorteadas foram 16 – 21 – 28 – 41 – 49 – 51.. O prêmio acumulado para o próximo sorteio, na quarta-feira (3), é de R$ 25 milhões.

A quina teve 24 apostas e cada uma vai receber R$ 93.309,21. A quadra teve  2.408 apostas ganhadoras cada uma vai receber R$ 1.328,56..

As apostas na Mega-Sena podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio em lotéricas ou pela internet. A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 4,50.

da Mega-Sena, realizado nesta terça-feira (26), no Espaço Loterias Caixa, em São Paulo.

Os números sorteados foram 08, 21, 23, 34, 42 e 47. O prêmio estimado para o próximo sorteio, na quarta-feira (6), é de R$ 4 milhões.

A quina teve 22 ganhadores, com prêmio individual de R$ 41.770,96. Foram 1.692 apostas ganhadoras da quadra e o prêmio para cada uma é R$ 775,88.

As apostas na Mega-Sena podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio em lotéricas ou pela internet. A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 4,50.

Um grave acidente deixou uma vítima fatal na tarde deste sábado (30) em Afogados da Ingazeira.

Segundo informações a vitima fatal era conhecido por Jesinho Silva e morava no bairro São Brás, nas proximidades do IFPE. Ele trabalhava ajeitando carros.
O acidente teria acontecido na estrada da Queimada Grande e Gessinho guiava uma moto e se chocou com uma S1o.

A média móvel de mortes chegou a 1.071 óbitos neste sábado. Esse número já tinha atingido o pico na sexta (29), com média de 1.068 mortes por dia na semana anterior.

Neste sábado, foram registradas 1.194 mortes e 55.521 casos da doença. Com isso, o país chegou a 223.971 óbitos e a 9.175.194 pessoas infectadas pela Covid-19 desde o início da pandemia. (Foto: Pixabay/Imagem ilustrativa)

O Brasil registrou um novo recorde neste sábado (30) e, pelo segundo dia consecutivo, teve a maior média de novas mortes por Covid-19 na última semana desde o começo da pandemia.

A média móvel de mortes chegou a 1.071 óbitos neste sábado. Esse número já tinha atingido o pico na sexta (29), com média de 1.068 mortes por dia na semana anterior. Antes disso, o recorde havia sido em 24 de julho, com média de 1.065 óbitos.

Neste sábado, foram registradas 1.194 mortes e 55.521 casos da doença. Com isso, o país chegou a 223.971 óbitos e a 9.175.194 pessoas infectadas pela Covid-19 desde o início da pandemia.

Contudo, o número real é ainda maior porque o estado do Ceará não atualizou os dados até as 20h deste sábado.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Além dos dados diários, a Folha também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

O Brasil é o terceiro país com o maior número de mortes pela doença. Os Estados Unidos ocupam o primeiro lugar, com 438.913. Na sequência, vem a Índia, com 154.147 mortos.

Abaixo do Brasil, está o México com 156.579 mortos, e o Reino Unido, com 105.777.

Na América do Sul, chama a atenção também o número de mortos do Peru: 40.686.

Aos 53 minutos do segundo, quando a bola cruzou o ar do Maracanã, encontrou a cabeça do atacante Breno Lopes e foi descansar no fundo da rede do Santos, valeu a pena cada uma daquelas vezes em que o torcedor do Palmeiras disse aos amigos, gritou aos jogadores, sussurrou para si mesmo: “A Taça Libertadores é obsessão”. 
Neste sábado, o título tão desejado desde 1999, tão pedido nestes últimos anos, deixou de ser ambição para se tornar realidade: o Palmeiras é bicampeão da América. O gol da vitória por 1 a 0 nasceu quase no fim, logo após confusão entre Cuca e Marcos Rocha à beira do campo, e saiu da cabeça de um jogador improvável, quase desconhecido, chegado ao clube há menos de três meses – e, desde já, eternizado.
No Palmeiras de Weverton, de Gustavo Gómez, de Rony, de Luiz Adriano, de Willian, de Felipe Melo, de Abel Ferreira, a história foi escrita por Breno Lopes, 25 anos, mineiro de Belo Horizonte, jogador que estava no Juventude na Série B e foi buscado em idos de novembro – sem alarde, como se fosse apenas mais um reforço em meio a tantos atletas mais famosos.
O Mundial de Clubes começa já nesta quinta-feira. Às 11h, o Tigres, do México, enfrenta o Ulsan, da Coreia do Sul, e o vencedor será o adversário do Palmeiras nas semifinais, domingo, dia 07/02, às 15h. O outro jogo das quartas de final, também na quinta, reúne o Al Duhail, do Catar, e o Al Ahly, do Egito. Quem vencer, pega o Bayern de Munique nas semifinais, segunda-feira. (GE)

No último dia 22, Pedro Guimarães disse, em visita a João Pessoa (PB), que o banco iria contratar 500 empregados em 51 cidades onde a instituição pretende abrir agências.

Guimarães, contudo, não informou como as agências vão funcionar, considerando que a estatal possui um déficit de aproximadamente 20 mil bancários. (Foto: reprodução)

A direção da Caixa Econômica Federal anunciou a abertura de 75 agências do banco nos próximos três meses em todo o país. Na Paraíba, a quantidade de agências que serão abertas e de profissionais que serão contratados ainda não foi anunciado.

Segundo a oficialização da ampliação dos quadros da Caixa— feito na noite da última quinta-feira (28) pelo presidente do banco, Pedro Guimarães —, mais de 50 dessas unidades serão instaladas nas regiões Norte e Nordeste, em municípios com mais de 40 mil habitantes e boa parte delas será focada no agronegócio. 

Guimarães, contudo, não informou como as agências vão funcionar, considerando que a estatal possui um déficit de aproximadamente 20 mil bancários.

No último dia 22, Pedro Guimarães disse, em visita a João Pessoa (PB), que o banco iria contratar 500 empregados em 51 cidades onde a instituição pretende abrir agências.

A Caixa está em 97% dos 5.570 municípios do Brasil. São 54 mil pontos de atendimento disponíveis no país: 4,2 mil agências e postos, 8,6 mil correspondentes bancários, 12,9 mil lotéricos e 28,3 mil caixas eletrônicos (ATM’s). É o único banco que chega aos locais mais remotos por meio de oito unidades-caminhão e duas agências-barco na Região Amazônica.

O preço do combustível é um dos pontos que tem gerado insatisfação na categoria, agravado pelo reajuste de 4,4% do óleo diesel nas refinarias anunciado pela Petrobras nesta semana.

Sobre a redução da PIS/Cofins sobre o diesel, hoje em R$ 0,33 por litro, o presidente disse que a eliminação da contribuição traria um impacto de R$ 26 bilhões. (Foto: Reprodução)

 O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez um novo apelo neste sábado (30) para que os caminhoneiros não façam uma paralisação nesta segunda (1º).

Ele afirmou ainda que a redução da PIS/Cofins do óleo diesel traria um impacto bilionário para os cofres públicos e que, para adotar essa medida, o governo precisa indicar de onde viria a compensação pela perda dos recursos.

“A gente apela para os caminhoneiros, eles realmente são o sangue que leva o progresso, todo o movimento dentro do Brasil. Não é eu que vou perder, o Brasil vai perder. Os senhores também vão perder”, disse o presidente durante passeio de moto por Brasília.

O preço do combustível é um dos pontos que tem gerado insatisfação na categoria, agravado pelo reajuste de 4,4% do óleo diesel nas refinarias anunciado pela Petrobras nesta semana.

“Vocês têm razão nas reivindicações, no passado houve muita gente comprando caminhões, por planos de governos anteriores. Há um excesso de caminhões na praça. Isso ajuda a diminuir o valor do frete, o que não é bom”, disse Bolsonaro.

O presidente afirmou ainda que não quer prometer o paraíso e que todos no Brasil estão “numa situação bastante complicada”.

“Olha, eu fiz um apelo aos caminhoneiros, que o Brasil todo perde com uma greve. Sabemos dos problemas deles, eu não quero culpar terceiros. Nós fizemos já alguma coisa por eles. Agora, fui em cima da Petrobras, para pegar números. Eu não interfiro na Petrobras. O preço do combustível registrado pelo [Roberto] Castello Branco, seu presidente, leva em conta basicamente o preço da cotação do dólar internacional e o preço do dólar internamente”, disse.

Sobre a redução da PIS/Cofins sobre o diesel, hoje em R$ 0,33 por litro, o presidente disse que a eliminação da contribuição traria um impacto de R$ 26 bilhões.

“A Receita apresentou para mim onde eu poderia achar parte desse recurso. É cobrir um santo e descobrir outro”, afirmou.

“Eu gostaria — não sei se estou certo, porque tem que falar com o Paulo Guedes [ministro da Economia] antes — que não tivéssemos esse impedimento na Lei de Responsabilidade Fiscal, [de] ao diminuir imposto ser obrigado a achar a fonte para compensar o que foi diminuído em outro local. Se não tivesse, eu zeraria agora imediatamente os R$ 0,33”, disse.

Entidades que representam caminhoneiros prometem iniciar uma greve para pressionar o governo federal a negociar uma pauta com dez exigências, em uma tentativa de repetir o movimento que, em 2018, parou o país por 11 dias e deu origem à tabela de preços mínimos para os fretes rodoviários.

 

A realização da paralisação, no entanto, não é consenso na categoria, e enfrenta oposição de grupos patronais e do setor produtivo. Prestes a começar o escoamento das safras de milho e soja, o agronegócio — que apoiou o movimento de 2018 — diz que obstruir a logística neste momento seria irresponsável.

Na sexta, o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) proibiu a obstrução da Rodovia Presidente Dutra, sob pena de multa de R$ 10 mil para pessoas físicas e R$ 100 mil para pessoas jurídicas.

Lideranças listam como “a gota d’água” para a mobilização marcada a falta de efetividade da aplicação do piso mínimo de frete, o preço do óleo diesel e as regras para a aposentadoria de motoristas — somente os que conduzem material inflamável conseguem enquadramento especial junto ao INSS.

Gabarito do Enem foi mudado porque tinha um erro, não por questão de racismo, diz presidente do Inep

Resposta divulgada inicialmente afirmava que não aceitar alisamento de cabelo era ‘postura de imaturidade’. Inep mudou alternativa correta para ‘atitude de resistência’.

Alexandre Lopes, presidente do Inep — (Foto: Gabriel Jabur/MEC)

O presidente do Inep, que organiza o Enem, disse ao G1 que a resposta do gabarito a uma pergunta que cita o livro “Americanah”, da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichi, foi alterada porque tinha um erro, não por haver “questão de racismo”.

“Não comentamos as questões. O que houve foi uma remissão errada. O gabarito não foi mudado por questão de racismo. O que houve foi a correção do gabarito”, disse Alexandre Lopes.

A pergunta em discussão fez parte da prova de inglês. No trecho que ilustra a pergunta do Enem, duas mulheres negras conversam em um salão de cabeleireiro. A profissional, Aisha, recomenda que a cliente, Ifemelu, alise os fios para “ficar mais fácil de penteá-los”. A jovem não aprova a ideia: diz que gosta do seu cabelo natural, “como Deus o fez”.

Em seguida, há o trecho, em tradução para o português: “Não é difícil pentear se você hidratar corretamente “, disse ela [Ifelemu], assumindo o tom persuasivo que ela usava sempre que tentava convencer outras mulheres negras sobre os méritos de usar seu cabelo natural”.

O Enem, então, questiona o que os argumentos da cliente representam. No gabarito extraoficial do G1 e no programa de correção (veja vídeo abaixo), professores apontam que a alternativa correta seria a “c”: “revelam uma atitude de resistência”.

Na primeira divulgação, a alternativa do gabarito oficial do Enem apontava letra “d” como certa: “demonstram uma postura de imaturidade”. Depois do questionamento do G1, o gabarito foi corrigido para “c”. O Inep disse que foi encontrada “uma inconsistência no material”.

“A autarquia verificou que uma modificação feita no gabarito após o retorno das provas para o Inep não foi salva no banco de dados. Em função disso, a área técnica providenciou uma revisão no material e o instituto já disponibilizou as versões corrigidas no seu portal”, afirma a nota divulgada.

Tatiane Ribeiro, coordenadora nacional da rede de cursinhos populares Emancipa, diz que manter o cabelo natural representa, sim, um ato de resistência contra um padrão da sociedade.

“Eu passei pela transição capilar [processo de reassumir o cabelo natural], depois de fazer alisamento por muitos anos. Muitas pessoas disseram que eu perderia oportunidades de emprego por causa do meu cabelo. E sei que isso aconteceu”, conta.

Sonia Guimarães, primeira mulher negra a se tornar doutora em física no Brasil e a ser professora no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), acredita que há um retrocesso.

“O racismo forçou as mulheres — inclusive as negras — a acreditarem que o cabelo crespo é feio. Isso não é questão de imaturidade. O Inep deveria pedir desculpas”, diz.

‘Não quero restringir a opinião’

O presidente do Inep reafirmou que “a primeira opção apresentada como alternativa estava errada. Não posso fazer comentários sobre um gabarito que estava errado”.

“Tanto que a questão não foi anulada, houve uma mudança de gabarito. Isso não é decisão do presidente, do diretor, é de uma equipe técnica”, diz.

Lopes declarou que não quer “restringir a opinião de ninguém”. “Houve um erro na divulgação do gabarito e foi corrigido. Uma vez corrigido está aberto à sociedade para discutir a questão e todos podem ter suas opiniões.”

Outra questão foi alterada

Além da pergunta sobre o trecho do livro “Americanah”, o gabarito oficial do Enem 2020 também foi alterado porque a resposta de outra pergunta afirmava que o Google associava nomes de pessoas negras a fichas criminais por causa da “linguagem”, não do “preconceito”.

A questão dizia “o texto permite o desnudamento da sociedade ao relacionar as tecnologias de informação e comunicação com o(a)…”. A resposta, segundo o gabarito extraoficial do G1, é: “preconceito”. O Inep, inicialmente, havia indicado que a resposta certa seria “linguagem”. Depois, fez a correção.

“Isso tem nome: racismo. A questão tinha mesmo de ser cancelada. É o primeiro passo para se retratar diante da comunidade negra”, diz a candidata Marcela Peixoto, de 18 anos.

Caixa vai abrir novas agências em Pernambuco; prefeitos comemoram

Foto: divulgação

A Caixa Econômica Federal anunciou na noite da última quinta-feira (28) a abertura de 75 novas agências do Banco em todo o Brasil. O Nordeste foi a região mais contemplada e Pernambuco receberá sete delas.

O presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), José Patriota, reconheceu que esta é uma importante conquista para os municípios do Estado.

Segundo a Caixa, a expansão visa aumentar a capilaridade do banco, com foco nas regiões Norte e Nordeste, onde serão beneficiados cerca de 18 milhões de brasileiros.

Os municípios pernambucanos contemplados foram: Santa Maria da Boa Vista, Águas Belas, Sirinhaém, Brejo da Madre de Deus, São Bento do Una, Moreno e Petrolina.

Para o presidente da Amupe, José Patriota, “os prefeitos e prefeitas se sentem muito reconhecidos pela valorização dos municípios. Diferente do Banco do Brasil que está reduzindo agências, a Caixa está ampliando o seu atendimento, instalando agências e facilitando o serviço bancário e o acesso ao crédito de centenas de milhares de pernambucanos. Agradeço à direção da Caixa e a todos que se empenharam nessa conquista, de ir de encontro à vontade e necessidade das pessoas que vivem nos municípios,” comemorou.

Na Argentina, de acordo com a agência pública oficial de notícias do país, a Télam, a negociação com o Butantan está em estágio “adiantado”.

O diretor do Butantan, Dimas Covas (Foto: Reprodução)

BUENOS AIRES, ARGENTINA, SÃO PAULO, SP, E MONTEVIDÉU, URUGUAI  Países do Cone Sul têm avançado em negociações para adquirir a vacina Coronavac por meio do Instituto Butantan. Outros o fazem por via direta com o laboratório chinês Sinovac, como o Chile, que recebeu os primeiros 2 milhões de doses na última quinta-feira (28).

No Uruguai, o presidente Luis Lacalle Pou anunciou, no último sábado (23), que já está encaminhada a compra de 1,75 milhão de vacinas do laboratório chinês. Na estimativa dele, elas começariam a chegar entre o final de fevereiro e março. Faltaria apenas o pagamento.

Na terça-feira (26), porém, o diretor do Butantan, Dimas Covas, afirmou à reportagem que, diferentemente do que disse o mandatário uruguaio, o acordo com esse país não estava fechado e que havia apenas um “pré-acordo em andamento”, sem especificação do número de doses.

As declarações de Covas levantaram polêmica no país vizinho. Na última quarta-feira (27), Lacalle Pou voltou a afirmar que o acordo havia sido feito por meio de “um representante autorizado da Sinovac”. A efetivação da compra por meio de outra empresa descumpriria o acordo entre o Butantan e o laboratório chinês, segundo Covas.

Nesta sexta (29), em entrevista à imprensa, Covas afirmou que as negociações envolvendo o Uruguai continuam a todo vapor e são feitas de forma tripartite.

“O pleito do país é discutido pelo Butantan junto com a Sinovac. Neste momento temos uma sinalização muito positiva da Sinovac de uma liberação de 500 mil doses para esses países, excluindo Uruguai e Colômbia, que estão negociando diretamente com a Sinovac, com a participação do Butantan.” E acrescentou: “Brevemente teremos as assinaturas de contratos, que não estão assinados. Menciono que toda essa negociação é feita sem prejudicar em nenhum momento o que está planejado para o Brasil. São doses adicionais que virão prontas diretamente da China ou que serão produzidas no Butantan, mas que não afetam em nada os quantitativos anunciados para o Programa Nacional de Imunização”.

Na Argentina, de acordo com a agência pública oficial de notícias do país, a Télam, a negociação com o Butantan está em estágio “adiantado”.

Covas reafirmou à reportagem que o acordo com a Argentina é “o mais avançado de todos no processo de possíveis exportações” do Butantan. Por ora, a Argentina vem vacinando profissionais da saúde com a vacina russa Sputnik V. Já foram aplicadas 200 mil doses. Porém, o Instituto Gamaleya, que fabrica a Sputnik V, vem descumprindo as datas da entrega dos primeiros 5 milhões de doses, e a Argentina começa a ficar sem opções, uma vez que recusou a oferta da Pfizer por afirmar que não tem como investir nos ultracongeladores necessários.

Assim, o governo afirma que está correndo para assinar contratos para a compra de doses das chinesas Sinopharm e Sinovac, ainda sem número de doses ou de datas definidas.

O Paraguai divulgou um programa de vacinação que tem como objetivo imunizar seus 7 milhões de habitantes. “A ideia é que 30% da população seja vacinada por meio do mecanismo Covax”, disse à reportagem Guillermo Sequera, diretor-geral de vigilância sanitária do país.

A vacinação no Paraguai está prevista para começar em meados de fevereiro. A reportagem apurou que 2 milhões de vacinas estão sendo negociadas com a Sinovac, por meio do Butantan. Ainda haveria pedidos para oferecer a Coronavac para o Peru e a Colômbia.

O diretor do Butantan afirmou à reportagem que, com relação a outros países da América Latina, “há conversas, mas ainda nenhum contrato foi assinado com os países”. E que, portanto, “não há definição de prazos de entrega nem de valores.”

Em paralelo a essas negociações, o diretor cobrava, por meio de ofício, informações concretas do Ministério da Saúde sobre a intenção de comprar ou não mais doses da vacina Coronavac.

Segundo Covas, o instituto deve cumprir o contrato de entregar 46 milhões de doses ao ministério, mas existia a possibilidade de o governo federal contratar mais 54 milhões.

O Butantan precisava dessa definição para fazer o planejamento da importação de insumos e a produção de novas doses, inclusive para esses futuros acordos com países vizinhos.

Nesta sexta, Covas afirmou que recebeu uma mensagem do governo federal, ainda não oficial, dizendo que comprará as vacinas na próxima terça, e o Ministério da Saúde confirmou a informação.

Até o momento, o Butantan já entregou por volta de 6 milhões de doses ao governo federal. No dia 3 de fevereiro, devem chegar da China insumos para a fabricação de 8,6 milhões de doses.

A expectativa do Butantan é conseguir entregar todas as doses compradas pelo governo federal até abril.

Nesta sexta, foram registradas 1.099 mortes e 58.691 casos da doença. Com isso, o país chegou a 222.775 óbitos e a 9.119.477 pessoas infectadas pela Covid-19 desde o início da pandemia.

As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. (Foto: Reprodução)

 O Brasil registrou a maior média móvel de mortes da pandemia, nesta sexta-feira (29), de 1.068 óbitos. O maior valor anterior da média era de 1.065, em 24 de julho.

Nesta sexta, foram registradas 1.099 mortes e 58.691 casos da doença. Com isso, o país chegou a 222.775 óbitos e a 9.119.477 pessoas infectadas pela Covid-19 desde o início da pandemia.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

O jornal Folha de S.Paulo também divulga a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.068. O valor da média representa um aumento de 11% em relação ao dado de 14 dias atrás e, com isso, uma situação de estabilidade na média.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

‘Jovem segurando um medalhão’ é uma das obras mais significativas do artista renascentista italiano, e foi leiloada pela Sotheby’s em Nova York.

Quadro ‘Jovem segurando um medalhão’, de Botticelli. (Foto: Tolga Akmen/AFP)

Uma pintura do artista renascentista italiano Sandro Botticelli foi vendida por 92,2 milhões de dólares (cerca de R$ 498 milhões) nesta quinta-feira (28) em leilão realizado pela Sotheby’s em Nova York.

O quadro, chamado “Jovem segurando um medalhão”, é considerado um dos melhores retratos do artista e era a joia do leilão de grandes mestres.

O quadro de 58 x 39 cm representa um jovem de cabelos compridos segurando um medalhão redondo com um retrato religioso.

Sua identidade é desconhecida, mas os especialistas acreditam que poderia ser um amigo próximo à poderosa família florentina dos Medici.

O medalhão, que mostra um santo com a mão direita levantada, é uma obra de arte original do século XIV atribuída ao pintor de Siena Bartolommeo Bulgarini.

Os especialistas acreditam que a pintura data dos anos mais frutíferos de Botticelli (1445-1510), no final do século XV, quando o papa Sisto IV o convidou para ajudar a decorar a Capela Sistina em Roma. Durante esse período, ele produziu algumas de suas obras mais famosas, entre elas “O nascimento de Vênus” e “A Primavera”.

“O preço alcançado o torna não apenas um dos retratos mais valiosos de qualquer época já vendido, mas também a segunda pintura de antigos mestres mais valiosa já vendida em leilão”, disse a Sotheby’s em sua conta no Twitter.

“A imagem simboliza a Renascença em Florença, quando tudo mudava fundamentalmente no pensamento, na arte e na literatura do Ocidente”, explicou Christopher Apostle, chefe do departamento de obras-primas da Sotheby’s.

O retrato esteve nas mãos de várias gerações de uma família aristocrática do País de Gales por cerca de 200 anos.

O recorde anterior em leilão para o mestre florentino, cujo nome de nascimento era Alessandro di Mariano Filipepi, foi de US$ 10,4 milhões para “Madona e o Menino com São João Batista”, vendido em 2013.

“Este Botticelli é mais espetacular, em todos os sentidos, do que qualquer coisa que já vimos chegar ao mercado”, disse Apostle.

“Quando você olha uma tela como esta, que é tão excepcional, é preciso compará-la com outras obras-primas, pinturas de Picasso, Bacon ou Basquiat”, acrescentou.

Apesar de ter mais de 500 anos, a pintura foi preservada de forma imaculada e foi exibida em vários museus, como a National Gallery de Londres e o Metropolitan Museum de Nova York.

A última vez que mudou de mãos foi em 1982, quando um colecionador particular o comprou por US$ 1,3 milhão.

Apenas uma dúzia de pinturas de Botticelli sobrevivem, e os especialistas estimam que “Jovem segurando um medalhão” é tão significativa quanto duas outras obras do artista, “Retrato de homem com a medalha de Cosimo, o Velho” e “Retrato de Giuliano de Medici”.

O leilão da Sotheby’s também oferecia à venda uma das 136 pinturas bíblicas de Rembrandt, “Abraão e os Anjos”, com um preço de venda estimado de US$ 20 milhões a US$ 30 milhões. Mas, finalmente, a pintura foi retirada do leilão.

A obra estava em mãos privadas há 150 anos e foi vendida em um leilão pela última vez em 1848 por apenas 64 dólares.

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), por meio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), reconheceu nesta quinta-feira (28), a situação de emergência em 101 municípios brasileiros. Fazem parte da lista 98 cidades de Pernambuco que estão sendo afetadas pela estiagem entraram na lista.

Além de estarem incluídos nos municípios brasileiros que se encontram em situação de emergência por causa da estiagem, a maioria das cidades pernambucanas listadas também se encontram em estado de calamidade pública, causado pela pandemia da covid-19. A exceção são os municípios de Altinho, Casinhas e Cedro, no Agreste, e Mirandiba, Orobó e Ouricuri, no Sertão do Estado.

Com o reconhecimento da situação de emergência, os municípios poderão ter acesso a recursos federais. O objetivo é que o dinheiro seja utilizado para ações de socorro, assistência, restabelecimento de serviços essenciais à população e recuperação de infraestruturas danificadas. Para receber o auxílio, as cidades precisam atender aos critérios exigidos pela lei. Um deles, estabelece que as prefeituras e governos apresentem o diagnóstico dos danos e um plano de trabalho para a execução das ações.

Sertão do Pajeú – Dos dezessete  municípios do Sertão do Pajeú quinze estão na lista. São eles: Afogados da Ingazeira, Brejinho, Calumbi, Flores, Iguaracy, Itapetim, Quixaba, Santa Cruz da Baixa Verde, São José do Egito, Santa Terezinha, Serra Talhada, Solidão, Tabira, Triunfo e Tuparetama. (Via: JC Online)

Um novo programa do Bolsa Família tem expectativa de ser lançado até o final deste mês de janeiro, ou seja, ainda nesta semana. A confirmação foi dada por meio do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, por meio do programa Direto ao Ponto, da Jovem Pan.

Segundo informações do ministro Lorenzoni, o Ministério da Cidadania já está pronto para o anúncio, aguardando somente a autorização do presidente Jair Bolsonaro para revelar os detalhes da proposta. Ainda, informou que o presidente deve autorizar que a apresentação de um novo Bolsa Família, mas, que seus moldes não serão alterados.
 
Bolsa Família vai passar de R$ 200
De acordo com informações do ministro, o novo programa do Bolsa Família que será apresentado vai pagar um ticket mínimo superior a R$ 200. De acordo com informações passadas pelo Governo, a o lançamento do benefício ampliado vai proporcionar uma emancipação das famílias.
“Vamos dar garantia para as famílias. Se a pessoa se empregou e perdeu o emprego por algum motivo, pode voltar para o programa, sem entrar na fila”, confirmou.
 
Além disso, Lorenzoni confirmou que o dinheiro investido no programa serão utilizados por meio do orçamento da pasta para 2021.
“Fizemos caber o novo Bolsa dentro dos R$ 35 bilhões que o orçamento nos reserva para 2021. Nós fizemos tudo que podíamos em 2020, não pedimos um centavo a mais em nenhum programa do Ministério da Cidadania. É um aprofundamento fiscal que não tem espaço para inventar, tem espaço para ser criativo e fazer um programa diferente, mais direcionado”, confirmou.
Total de famílias beneficiadas por região
Região Nordeste: são 7.096.461 de famílias atendidas
Região Sudeste: 3.817.351 de famílias
Região Norte: 1.796.776 de famílias
Região Sul: 891.653 de famílias
Região Centro-Oeste: 680.972 de famílias
Total: 14.283.213 famílias cadastradas no programa Bolsa Família
Pagamento do Bolsa Família via Caixa Tem
A Caixa já começou a pagar o programa Bolsa Família digitalmente. Para isso, o banco está utilizando o aplicativo Caixa Tem, plataforma que permite a abertura de uma conta social digital para todos inscritos no benefício.
O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, explicou que o público do benefício assistencial é mais sensível à questão das tecnologias. Por esse motivo, a conta digital para pagamento do Bolsa Família será oferecida “com tranquilidade”, disse ele. (NeC)

Dólar é cotado a R$ 5,4331 nesta manhã de sexta-feira

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,59 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,9211.

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. (Foto: Reprodução)

O valor do dólar na manhã desta sexta-feira (29), está cotado no valor de R$ 5,4331. Já o valor do dólar para o turismo está sendo cotado a R$ 5,6837.

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,59 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,9211.  

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. O dólar é usado tanto em reservas internacionais como em livre circulação.

O Portal ClickPB apura de segunda à sexta-feira a cotação do dólar e euro. 

 

Tendo em vista janeiro ter sido o último mês para pagamento do Auxílio Emergencial, a Prefeitura de Afogados da Ingazeira retirou os toldos que haviam sido instalados em frente à agência da Caixa Econômica, liberando a Avenida Manoel Borba para o tráfego de veículos.

A ação havia sido determinada pela Prefeitura Municipal com o objetivo de abrigar do sol a grande quantidade de pessoas que acorreram àquela agência bancária em busca do auxílio emergencial.

Os toldos foram desinstalados na tarde desta quinta-feira. E partir desta sexta-feira (29), também começa a ser desinstalado o ponto de apoio coordenado pela Secretaria de Assistência Social, que orientava os beneficiários quanto ao Auxílio Emergencial.

Com a retirada dos toldos, a Prefeitura pede o apoio dos motoristas o respeito ao sinal de trânsito na esquina da Manoel Borba com a Barão de Lucena, tendo em vista o fluxo liberado na via.

A guarda municipal foi acionada para ajudar na fiscalização a partir desta sexta-feira.

“Está é uma ação que vai melhorar a mobilidade na nossa principal via comercial, e sobre a qual já vínhamos sendo cobrados pela população,” destacou o prefeito Alessandro Palmeira.

Grupo pernambucano investirá R$ 32 milhões na construção de hotel em Petrolina

O prefeito Miguel Coelho formalizou, nesta quinta (28), com a Pedra do Reino e Hima Participações a chegada de um novo empreendimento de hotelaria em Petrolina. A partir de novembro, o grupo que é responsável pelo desenvolvimento do Íbis Budget Recife Piedade, Íbis Caruaru e Íbis Styles Garanhuns, iniciará a construção de um hotel na cidade sertaneja. Para a construção da unidade de padrão internacional, o grupo de empresários investirá R$ 32,3 milhões.

O empreendimento ficará localizado em frente a um dos mais belos cartões-postais do Sertão, o Rio São Francisco, mais precisamente na Avenida Cardoso de Sá (Orla). Com 5.100 m² de área construída, o hotel terá 12 andares, 130 quartos, restaurante, academia, espaço compartilhado para trabalho (coworking), estacionamento e um “rooftop” – um ambiente aconchegante para lazer e realização de eventos.

Além da estrutura completa para os hóspedes, o empreendimento se destaca pelo projeto arquitetônico assinado pelo escritório de Rafael Amaral, que assina também o Íbis Styles Garanhuns. O hotel terá ambientação, decoração e traços baseados na cultura do Vale do São Francisco, tornando a hospedagem uma experiência conectada ao imaginário do povo sertanejo.

A expectativa é que a abertura do hotel ocorra no segundo semestre de 2024. “Esse é um grande empreendimento que chega a nossa cidade para gerar empregos e desenvolvimento. Temos uma vocação para o turismo e a visita frequente de empresários já que nossa região é uma grande exportadora. Portanto, a instalação deste tipo de equipamento é fundamental para Petrolina e um orgulho enorme para nossa população”, destacou o prefeito Miguel Coelho após a reunião com o grupo de investidores.

Já o gerente de expansão da Accor, Henrique Martins, que acompanhou os parceiros estratégicos que farão este desenvolvimento elogiou a infraestrutura e a vocação para o turismo do município situado no semiárido nordestino. “Petrolina é uma cidade com enorme potencial turístico, bonita, bem cuidada e que vive um grande momento de crescimento. Para nós, então, é uma satisfação presenciar o fortalecimento da economia do Sertão de Pernambuco e o crescimento de parceiros relevantes, experientes e engajados com o seu estado”, avalia o executivo.

Confira os números atualizados da covid-19 em Araripina e região

O município de Araripina tem 3.542 confirmações da Covid-19, com 3.397 curas e 56 mortes. Exu tem 1.915 casos da Covid-19, com 1.766 curas e 22 mortes. Já em Bodocó tem 1.265 confirmações da Covid-19, com 1.027 curas e 15 mortes. Ouricuri tem 1.046 registros, com 929 curas e 34 mortes.

Trindade tem 734 casos confirmados, com 695 curas e 25 óbitos em função do novo coronavírus. Ipubi chegou a 543 casos do novo coronavírus, 477 pacientes recuperados e 27 mortes. Santa Cruz tem 314 registros, com 292 curas e quatro mortes.

Sertão Central

Salgueiro tem 3.232 casos, com 2.756 curas e 63 óbitos por Covid-19 no município. Cedro tem 788 casos confirmados, com 750 curas e cinco óbitos. Parnamirim tem 666 casos, com 636 curas e 15 mortes. Terra Nova tem 528 casos confirmados, 483 recuperados da doença e sete mortes.

 anúncio em relação ao feriado foi feito nesta quinta-feira (28) em coletiva de imprensa do governo do estado transmitida virtualmente.

“O objetivo é evitar aglomerações nas praias e outros locais”, disse o secretário estadual de Turismo, Rodrigo Novaes. (Foto: Leandro de Santana)

O ponto facultativo no período do carnaval 2021 foi suspenso em Pernambuco por causa da pandemia do novo coronavírus. As festas carnavalescas já haviam sido suspensas no estado no dia 17 de dezembro. 

O anúncio em relação ao feriado foi feito nesta quinta-feira (28) em coletiva de imprensa do governo do estado transmitida virtualmente.

 

“O ponto facultativo do carnaval está suspenso. Os servidores públicos trabalharão normalmente. O objetivo é evitar aglomerações nas praias e outros locais”, disse o secretário estadual de Turismo, Rodrigo Novaes.

“É bom estarmos preparados”, diz assessor de Mourão sobre impeachment de Bolsonaro

Um assessor do vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), está entrando em contato com lideranças partidárias para tratar da possibilidade de impeachment de Jair Bolsonaro (sem partido). A informação é do site O Antagonista.

A reportagem afirma que teve acesso a uma troca de mensagens do assessor com o funcionário de um deputado.

“Eu tenho conversado com os assessores de deputados mais próximos. É bom estarmos preparados”, teria dito o assessor do vice-presidente da República.

O assessor de Mourão ainda comentaria que o chefe “dividiu a ala militar do governo, antes dominada por Augusto Heleno” e diz que “o capitão [Bolsonaro] está errando muito na pandemia”.

Mourão nega

Após a publicação da nota, a assessoria do vice-presidente divulgou uma nota em que Mourão nega o conteúdo da matéria.

“Esta Assessoria de Comunicação Social tem a informar que o Senhor Vice-Presidente da República repudia a inverdade de toda a narrativa e afirma que ninguém de sua equipe teve, tem ou terá este tipo de comportamento”, diz um trecho.

Leia a nota completa:

Em relação à matéria “Assessor de Mourão procura Congresso : É bom estarmos preparados”, publicada hoje (28), às 9h10min, pelo O Antagonista, esta Assessoria de Comunicação Social tem a informar que o Senhor Vice-Presidente da República repudia a inverdade de toda a narrativa e afirma que ninguém de sua equipe teve, tem ou terá este tipo de comportamento. Se assim agir, será considerado desleal. Isso parece ser mais uma jogada para buscar turvar as relações do Vice Presidente com o Presidente da República.

Disse o Vice-Presidente da República: “… Na profissão que exerci por 46 anos a lealdade é uma virtude que não se negocia.” A Vice-Presidência destaca que o momento ora vivido em nosso Brasil é de união de esforços para salvar vidas e restabelecer o crescimento econômico. Este tipo de cobertura jornalística: inconsistente e inverídica em nada, absolutamente nada, agrega a todo esforço do Governo Federal em cumprir seus objetivos de informar e esclarecer a sociedade brasileira com informações úteis que merecem ser conhecidas.

 

As declarações foram dadas um dia após Mourão ter sinalizado a demissão de Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores.

Nesta quinta-feira, o presidente já havia feito um agrado ao seu chanceler, que o acompanhou em viagem ao nordeste. (Foto: Reprodução)

 Em recado direto ao vice-presidente Hamilton Mourão, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira (28) que cabe a ele escolher e demitir ministros, chamou seu vice de palpiteiro e disse que quem quiser escolher os membros do primeiro escalão do governo deve se candidatar nas próximas eleições presidenciais.

As declarações foram dadas um dia após Mourão ter sinalizado a demissão de Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores.

Ao chegar ao Palácio do Alvorada, no final desta tarde, Bolsonaro foi questionado sobre as declarações de Mourão. Inicialmente, o presidente afirmou que não iria comentar o assunto, ironizando ao dizer que não sabia nada sobre trocas de ministros e que as perguntas deveriam ser destinadas a Mourão.

Após uma oração com os apoiadores, no entanto, mudou de opinião. Começou atacando a imprensa, por “semear discórdia” ao noticiar possíveis mudanças de ministros e completou em seguida que a situação se agrava quando membros do governo também aventam essas possibilidades.

“Eu lamento que gente do próprio governo agora passe a dar palpites no tocante à troca de ministros. O governo vai indo bem, apesar dos problemas que nós temos, e estou falando da pandemia que realmente deu uma atrapalhada em quase tudo”, afirmou o presidente.

“O que nós menos precisamos é de palpiteiros no tocante à formação do meu ministério. Deixo bem claro que todos os 23 ministros sou eu que escolho e mais ninguém. Ponto final. Se alguém quiser escolher ministro, se candidate em 2022 e boa sorte em 23”, completou.

Nesta quinta-feira, o presidente já havia feito um agrado ao seu chanceler, que o acompanhou em viagem ao nordeste.

“Eu sempre digo, se ministro meu for elogiado pela mídia, ele corre o risco de ser demitido. Sem querer generalizar a nossa mídia. Temos bons jornalistas. Mas os figurões da mídia o tempo todo criticam o nosso Ernesto Araújo. O nosso homem que faz as relações públicas com o mundo todo.”

Ernesto se encontrou em situação delicada a partir do momento em que o Brasil passou a necessitar de insumos chineses para a vacina contra o novo coronavírus. O chanceler era uma das principais vozes com ataques e críticas ao país asiático.

Em entrevista à rádio Bandeirantes, Mourão havia sido questionado sobre a situação do atual chanceler, nesse contexto. O vice-presidente então sinalizou que haveria mudanças ministeriais após a eleição no Congresso, sendo que Ernesto poderia sair.

“Não resta dúvida que tem alguns ministros que são destaque inconteste pela sua capacidade gerencial e sua visão estratégica. Não preciso citar nomes. Mas o caso específico que você colocou [Ernesto Araújo], na questão das Relações Exteriores, isso é algo que fica na alçada do presidente, né? Eu acho, julgo, não tenho bola de cristal para isso, nem esse assunto foi discutido comigo, que, num futuro próximo aí, após essa questão das eleições dos novos presidentes das duas Casas do Congresso, poderá ocorrer uma reorganização do governo para que seja acomodada a nova composição política que emergir deste processo”, disse Mourão.

“Então, talvez, nisso aí, alguns ministros sejam trocados e, entre eles, o próprio do Ministério das Relações Exteriores. Então, prefiro aguardar. Até porque esse assunto não foi discutido comigo em nenhum momento, e tudo o que eu puder falar aqui será pura especulação”, concluiu.

Na semana passada, houve rumores entre diplomatas brasileiros de que o ex-presidente Michel Temer poderia ser o substituto de Ernesto, mas a chegada do carregamento de vacinas da Índia ao Brasil pareceu, nos bastidores, dar uma sobrevida ao ministro.

Nesta semana, porém, parte do núcleo militar do governo passou a dizer que o desconforto com a figura do chanceler havia chegado “ao limite” por causa de seus embates com a China num momento crucial da pandemia e, de acordo com esses militares, a saída de Ernesto havia se tornado inevitável.

As declarações de Mourão nesta quarta foram interpretadas como forma de externar o sentimento que já dominava parte do setor militar e dos técnicos do Itamaraty.

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira vem intensificando nos últimos dias a recuperação das estradas na zona rural do município.

Nos últimos dois dias, as máquinas do município já recuperaram estradas nas comunidades de Nova Brasília, Várzea Comprida, Varzinha e Saco da Serra, sobretudo os trechos mais desgastados.
“Essa será uma ação permanente, dentro da prioridade que elencamos e dos compromissos que assumimos com a população na última campanha, de garantir a recuperação permanente de nossas estradas rurais,” afirmou o Prefeito Alessandro Palmeira.

Bancários do Banco do Brasil na Paraíba paralisam atendimento nesta sexta-feira contra fechamento de agências e demissões

A paralisação acontece em protesto contra as demissões dos funcionários e o fechamento das agências bancárias no Estado.

Os bancários do Banco do Brasil na Paraíba irão paralisar o atendimento ao público nesta sexta (Foto: Walla Santos)

Os bancários do Banco do Brasil na Paraíba irão paralisar o atendimento ao público nesta sexta-feira (29). A paralisação acontece em protesto contra as demissões dos funcionários e o fechamento das agências bancárias no Estado. 

O presidente do Sindicato dos Bancários, Lindonjhonson Almeida, serão fechadas duas agências em João Pessoa e outra em Campina Grande, além de outras que serão transformadas em Postos de Atendimento (PAAs).

Para a categoria com o fechamento das agências e a redução dos funcionários, não só a população será prejudicada com o atendimento ainda mais precário, mais também, o patrimônio brasileiro ficará menor, com mais um desmonte em uma das maiores estatais do país, que atua em locais onde os bancos privados não têm interesse, ajudando no desenvolvimento econômico e social de diversos municípios.

Lindonjhonson Almeida afirmou ainda que caso não ocorram mudanças a respeito do assunto, a categoria programa uma paralisação por tempo indeterminado.

Sobre os caixas eletrônicos, o presidente informou que está garantido o funcionamento por conta do pagamento do funcionalismo público e demais servidores neste fim de mês, mas as agências estarão fechadas. Na Paraíba há fechamento de agências e postos de atendimento do banco do Brasil. 

Segundo contou, como o ClickPB acompanhou, o Governo Federal quer desmontar e privatizar o banco. “Abriu também um programa de demissão querendo que as pessoas adiram a esse programa. Mais de 5 mil funcionários estão calculando para aderir ao programa”, frisou.

Afogados registra 79 curas e 10 novos casos para covid-19

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa que nesta quinta (28), foram registrados 10 casos novos para a COVID – 19. Desses, 09 já estavam em investigação.

São 09 pacientes do sexo feminino, com idades de 28, 35, 36, 38, 44, 49, 55, 55 e 61 anos; e 01 paciente do sexo masculino, com idade de 37 anos. Entre as mulheres: 02 agricultoras, 02 donas de casa, 02 aposentadas, 01 autônoma, 01 profissional de saúde e 01 professora (rede pública). O homem é agricultor.
Entram em investigação os casos de 17 mulheres, com idades entre 02 e 78 anos; e os de 11 homens, com idades entre 01 e 52 anos. Nesta quinta, 32 pacientes apresentaram resultados negativos para COVID -19.
Nesta quinta, 79 pacientes apresentaram cura após avaliação clínica e epidemiológica. O município atingiu a marca de 2.391 pessoas (96,13%) recuperadas para covid-19. Atualmente, 70 casos estão ativos.
Afogados atingiu a marca de 10.663 pessoas testadas para covid-19, o que representa 28,61 % da nossa população.
Casos leves x SRAG/covid- 19:
Leves ( 2409 casos), 96,86 % Graves ( 78 casos), 3,14%.

As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.058. (Foto: Reprodução)

— O Brasil registrou 1.206 mortes pela Covid-19 e 63.626 casos da doença, nesta terça-feira (26). O país chega assim a 218.918 óbitos pela doença e a 8.936.590 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

O jornal Folha de S.Paulo também divulga a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.058. O valor da média representa um aumento de 7% em relação ao dado de 14 dias atrás e, com isso, uma situação de estabilidade na média.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

 

Por determinação do prefeito Alessandro Palmeira, a Secretaria de Agricultura de Afogados da Ingazeira vem intensificando o trabalho de recuperação de estradas na zona rural do município, sobretudo as que fazem a interligação de duas ou mais comunidades.  

Nos últimos dias, as máquinas da Prefeitura concluíram os serviços de recuperação nos trechos mais críticos das estradas que ligam as comunidades de Pau Ferro a Dois Riachos, Vaca Morta a Queimadas, além das estradas das comunidades de Corvoadas, Corisco, Tamboril e em parte do Nazaré.  

“Em Corvoadas tínhamos seis famílias que estavam sem poder receber água porque o caminhão-pipa não conseguia trafegar, para se ter uma ideia de como a estrada estava ruim. Nós recuperamos o trecho e agora as famílias podem receber a água fornecida pelo pipa,” informou o secretário de Agricultura, Rivélton Santos.  

Ainda segundo Alessandro Palmeira, a recuperação das estradas na zona rural será uma das prioridades de sua gestão, compromisso assumido, inclusive, no seu Programa de Governo apresentado à sociedade. “Esse trabalho será permanente, ouvindo e dialogando com as comunidades, e garantindo o direito de ir e vir das pessoas que residem na zona rural”, destacou o prefeito. Adiantando que toda a equipe de governo está empenhada na elaboração de um programa integrado de ações voltadas tanto para a zona rural quanto para os bairros de Afogados da Ingazeira, envolvendo todas as secretarias do município. 

 

Enem 2020: Inep divulga hoje o gabarito oficial

Resultados individuais do Enem saem no dia 29 de março Foto: Cadu Rolim / Agência O Globo

O gabarito oficial da versão impressa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 será divulgado nesta quarta-feira (27) no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A pasta ainda não definiu o horário da divulgação.

Embora já possa ter acesso ao gabarito, o estudante só saberá sua nota final no dia 29 de março, quando os resultados finais das provas objetivas e da redação serão divulgadas pelo Inep. Os resultados de quem for fazer a prova de reaplicação do Enem, nos dias 23 e 24 de fevereiro, também sairão nesta data.

Devido ao uso do sistema de correção da Teoria de Resposta ao Item (TRI) no exame, que detecta a coerência nas respostas e no desempenho do estudante, não há como calcular a nota final com base apenas no número de acertos de questões. Ao contrário da correção tradicional, que vai de 0 a 10 e dá um ponto cheio a cada acerto, o TRI trabalha com pesos diferentes entre as questões, média nacional e com o comportamento das respostas do candidato.

O exame, cuja versão impressa foi aplicada nos dias 17 e 24 de janeiro, bateu recorde de abstenção neste ano após ser adiado devido à pandemia da Covid-19. No primeiro domingo de Enem 51,5% dos candidatos faltaram à prova — a maior abstenção desde a criação do processo seletivo, em 1998. No segundo dia de provas, a abstenção superou o recorde anterior, chegando a 55,3%.

 

Afogados registra mais um óbito, 5 novos casos e 7 curas para covid-19

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa que nesta terça (26) foram registrados 05 casos novos para a COVID – 19. Desses, 02 já estavam em investigação. 

São 05 pacientes do sexo feminino, com idades de 21, 38, 39, 41 e 62 anos; Sendo 01 pensionista, 01 profissional da saúde e 03 de profissão não informada. 
Entram em investigação os casos de 15 mulheres, com idades entre 19 e 90 anos, e os de 17 homens, com idades entre 08 e 67 anos. Hoje, 17 pacientes apresentaram resultados negativos para COVID -19. 
Óbito: Paciente do sexo feminino, 54 anos, trabalhadora da saúde, apresentava comorbidades (hipertensão arterial), foi a óbito no dia de ontem após complicações provenientes da COVID -19. Nossos sentimentos a todos os familiares e amigos. 
Nesta terça, 07 pacientes apresentaram cura após avaliação clínica e epidemiológica. O município atingiu a marca de 2.307 pessoas (93,81%) recuperadas para covid-19. Atualmente, 126 casos estão ativos. 
Afogados atingiu a marca de 10.582 pessoas testadas para covid-19, o que representa 28,40 % da nossa população. 
Casos leves x SRAG/covid- 19: 
Leves ( 2381 casos), 96,82 % Graves ( 78 casos), 3,18%.

De acordo com o levantamento, 40% da população solicitou o auxílio. Entre aqueles que tiveram direito a ele, 89% já receberam a última parcela.

O fim do auxílio está entre os fatores que contribuíram para o aumento na reprovação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). (Foto: Reprodução)

 Pesquisa Datafolha realizada nos dias 20 e 21 de janeiro mostra que 69% dos brasileiros que receberam o auxílio emergencial não encontraram outra fonte de renda para substituir o benefício.

De acordo com o levantamento, 40% da população solicitou o auxílio. Entre aqueles que tiveram direito a ele, 89% já receberam a última parcela.

Afirmaram ter economizado recursos para quando o auxílio terminasse 38% dos beneficiados.

Na média, foram pagas 4,5 parcelas do auxílio a cada beneficado.

O instituto ouviu, por telefone devido às restrições sanitárias da pandemia, 2.030 pessoas em todo o Brasil. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Com o fim do pagamento do benefício para a maioria das pessoas, aumentou o percentual de famílias que tiveram queda na renda por causa do coronavírus, segundo a pesquisa.

Entre os que receberam alguma parcela do auxílio emergencial, 51% afirmaram ter perda de renda na pesquisa realizada no início de dezembro. Agora, são 58%.

Na pesquisa anterior, 14% dos beneficiários apontavam ter tido aumento de renda. Agora, são 12%, oscilação dentro da margem de erro.

Em dezembro, o auxílio tinha garantido a manutenção do nível de renda familiar para 34% dos beneficiados entrevistados. Em janeiro, eram 29% os que estavam com o mesmo nível de renda anterior à pandemia.

O fim do auxílio está entre os fatores que contribuíram para o aumento na reprovação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Segundo a pesquisa Datafolha, o presidente é avaliado como ruim ou péssimo por 40% da população, ante 32% que assim o consideravam na rodada anterior da pesquisa, no começo de dezembro. Já quem acha o presidente ótimo ou bom passou de 37% para 31% no novo levantamento.

Embora haja pressão para prorrogar o benefício, medida que é discutida inclusive pelos candidatos à presidência da Câmara dos Deputados e do Senado, o gasto adicional é descartado pelo Ministério da Economia e visto como um risco para a política econômica por grande parte do mercado financeiro.

A pressão por novos gastos se deve à demora para vacinação da população e o aumento das medidas de distanciamento social neste início de 2021.

Reportagem do jornal Folha de S.Paulo mostrou, no entanto, que a equipe econômica avalia que o momento não demanda medidas nesse sentido, a não ser que haja um novo fechamento amplo de atividades decretado por governadores e prefeitos.

Em 2020, o auxílio foi pago por meio de crédito extraordinário. Por isso, o dinheiro não foi contabilizado como despesa para apuração do limite do teto de gastos. Para que o mesmo não ocorra em 2021, seria necessário recorrer ao mesmo expediente.

De acordo com o painel de gastos com a pandemia elaborado pela IFI (Instituição Fiscal Independente), dos R$ 524 bilhões pagos pelo governo federal em todas as ações relacionadas ao enfrentamento da Covid-19 até o momento, R$ 293 bilhões se referem ao auxílio. Ainda há cerca de R$ 2 bilhões liquidados, mas que ainda não foram pagos (restos a pagar em 2021).

As primeiras parcelas do auxílio foram pagas em abril, mas há pessoas que só conseguiram liberar o benefício ou fizeram a solicitação posteriormente.

De acordo com o site da Caixa, há beneficiários que ainda receberão a última parcela, em alguns casos mais de uma, até o final de janeiro.

Houve também uma sobra de R$ 28,9 bilhões autorizados por lei, mas que só poderiam ser utilizados caso houvesse uma prorrogação do benefício para o ano corrente.

Projeção da IFI aponta, por exemplo, que seria possível pagar mais três parcelas de R$ 300 a 25 milhões de pessoas a um custo aproximado de R$ 15 bilhões.

Segundo a Caixa, 67,9 milhões de pessoas receberam o benefício (4 em cada 10 brasileiros em idade de trabalhar.). Destes, 19,2 milhões estão inscritos no Bolsa Família e voltaram a receber o benefício desse programa a partir de janeiro.

As primeiras parcelas do auxílio foram de R$ 600 (podendo chegar a R$ 1.200 por família). A partir de setembro, houve a extensão do benefício em até quatro parcelas, mas com valor reduzido de R$ 300 (R$ 600 para famílias com direito a duas cotas). O benefício médio do Bolsa Família é de R$ 190 por família (chegando ao máximo de R$ 205).

Quase 43% de todos os recursos do auxílio, cerca de R$ 125 bilhões, foram para o Norte e o Nordeste. O auxílio foi pago a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados.

Colisão entre dois caminhões mata os condutores em rodovia de Casa Nova

Um terrível acidente ocorrido nesta terça-feira (26), na BR-235 – rodovia de acesso a Casa Nova, no norte baiano – deixou dois caminhoneiros mortos. As primeiras informações dão conta de que os veículos colidiram praticamente de frente próximo ao acesso das Dunas do Velho Chico.

Ainda não há detalhes da tragédia, mas tudo leva a crer que o motorista de um dos caminhões invadiu o sentido contrário da pista, atingindo o outro veículo. Há relatos de testemunhas contando que um dos condutores ainda tentou evitar a colisão levando o veículo quase para fora da pista, mas não conseguiu.

Um dos corpos ficou às margens da pista e o outro ficou preso às ferragens. O impacto foi tão forte que pedaços dos caminhões ficaram espalhados pela rodovia, inclusive a carroceria de um deles. Um dos veículos transportava uma carga de botijões, e o outro tambores. A polícia foi acionada ao local para organizar o tráfego de veículos, que praticamente ficou interrompido. As causas da tragédia até o momento são desconhecidas. (Blog do Carlos Britto)

 

Festa de swing em restaurante japonês tem fotos vazadas

A investigação começou após a página Brasil Fede Covid, que faz denúncias de aglomerações na pandemia, publicar fotos de homens e mulheres seminus no estabelecimento conhecido como Izakaya Hyotan.

A página responsável pela denúncia marcou as autoridades locais na publicação, como o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), o MPPR, e o governador do estado, Ratinho Junior (PSD). (Foto: Reprodução)

Na última segunda-feira (25), uma festa de swing realizada em um restaurante japonês em Curitiba, no Paraná, no último sábado (23), se tornou alvo de investigação do Ministério Público do Paraná (MPPR).

A investigação começou após a página Brasil Fede Covid, que faz denúncias de aglomerações na pandemia, publicar fotos de homens e mulheres seminus no estabelecimento conhecido como Izakaya Hyotan.

O local foi muito criticado nas redes sociais. Muitas das críticas reclamavam da aglomeração e também da falta de higiene por realizarem eventos sexuais em um local que serve comida.

A página responsável pela denúncia marcou as autoridades locais na publicação, como o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), o MPPR, e o governador do estado, Ratinho Junior (PSD).

Os políticos não se posicionaram a respeito da denúncia.

Lewandowski determina abertura de inquérito contra Pazuello

O pedido para investigá-lo foi feito pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e decorre de representações apresentadas à PGR (Procuradoria-Geral da República) por partidos políticos.

Questionado, o Ministério da Saúde informou “que aguarda a notificação oficial para posterior manifestação” sobre a abertura do inquérito. ​(Foto: Reprodução)

 O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta segunda-feira (25) a instauração de inquérito para investigar a atuação do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no colapso da saúde pública em Manaus.

O pedido para investigá-lo foi feito pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e decorre de representações apresentadas à PGR (Procuradoria-Geral da República) por partidos políticos.

Adversários do governo Federal relataram conduta omissiva do ministro e de seus auxiliares na crise que se instalou na rede hospitalar do Amazonas, principalmente nas unidades de saúde da capital.

Lewandowski deu cinco dias para a Polícia Federal colher o depoimento de Pazuello. O ministro se tornou relator do caso por ser responsável por outros processos que discutem a situação de Manaus.

“Atendidos os pressupostos constitucionais, legais e regimentais, determino o encaminhamento destes autos à Polícia Federal para a instauração de inquérito, a ser concluído em 60 dias, conforme requerido pelo Procurador-Geral da República, ouvindo-se o Ministro de Estado da Saúde”, decidiu.

Questionado, o Ministério da Saúde informou “que aguarda a notificação oficial para posterior manifestação” sobre a abertura do inquérito. 

Este não é o primeiro revés que Lewandowski impõe ao ministro da Saúde. No último dia 15, o ministro mandou o governo promover com urgência todas as ações ao seu alcance para debelar a “seríssima crise sanitária” instalada em Manaus.

Na ocasião, o magistrado também que deu 48 horas para o governo apresentar ao Supremo um plano detalhado sobre as estratégias que está colocando em prática ou pretende desenvolver para o enfrentamento da situação de emergência.

Inicialmente, o governo descumpriu o prazo, mas Lewandowski reiterou a exigência para apresentação de ações, programas, projetos e parcerias correspondentes, com a identificação dos respectivos cronogramas e recursos financeiros.

“Incumbe ao STF exercer o seu poder contramajoritário, oferecendo a necessária resistência às ações e omissões de outros poderes da República de maneira a garantir a integral observância dos ditames constitucionais, na espécie, daqueles dizem respeito à proteção da vida e da saúde”, afirmou o ministro.

Na decisão desta segunda, o ministro foi mais econômico nas palavras e apenas ressaltou que a Constituição prevê que compete ao Supremo “processar e julgar” os ministros de Estado “nas infrações comuns e nos crimes de responsabilidade”.

Lewandowski também ressaltou que a PGR cumpriu a determinação do Código de Processo Penal ao fazer o pedido, que exige “a narração do fato, com todas as circunstâncias”.

No pedido ao STF, Aras afirmou que é necessário aprofundar as investigações para ter “elementos informativos robustos” para abertura de eventual ação penal, que é a fase em que o investigado torna-se réu.

O procurador ressaltou que Pazuello tinha o “dever legal e possibilidade de agir para mitigar os resultados” e que uma eventual omissão seria passível de responsabilização cível, administrativa ou criminal.

Sob pressão para deixar o cargo, o ministro desembarcou na noite de sábado (23) em Manaus, em uma viagem sugerida pelo Palácio do Planalto, que tenta diminuir o desgaste de imagem do chefe da pasta da Saúde.

O objetivo da ida de Pazuello a Amazonas é também o de rebater o discurso dos partidos de oposição de que o Poder Executivo não tem atuado de maneira efetiva no combate à doença.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que o ministro “não tem voo de volta a Brasília” e que “ficará no Amazonas o tempo que for necessário”.

O pedido da PGR para abrir o inquérito fez elevar ainda mais a pressão sobre Pazuello, inclusive entre integrantes da cúpula militar para não prejudicar a imagem das Forças Armadas.

General da ativa, Pazuello foi confirmado como efetivo do Ministério da Saúde em setembro do ano passado após ficar como interino no cargo por quatro meses.

Ele é o terceiro ministro do governo Bolsonaro na pandemia. Inicialmente, a crise foi conduzida por Henrique Mandetta (DEM), que entrou em confronto com o chefe do Executivo por defender medidas sanitárias como o isolamento social.

Depois, foi a vez de Nelson Teich assumir o posto, com Pazuello como número dois da pasta.

Teich deixou o governo em meio a divergências com Bolsonaro sobre a ampliação da oferta da cloroquina.

Inicialmente, Pazuello costumava dizer que ficaria no cargo por apenas 90 dias. O prazo, porém, encerrou em agosto. Dias depois, ele deixou oficialmente o comando da 12a região militar, em Manaus, para onde dizia que pretendia voltar após o que define como “missão” no ministério.

Como interino da Saúde, Pazuello aumentou o número de militares em cargos de comando e até mesmo em postos estratégicos -foram ao menos 28 nomeados.

Sob sua gestão, o ministério também ampliou a oferta da cloroquina, medida rechaçada por especialistas, e chegou a retirar dados do total de casos da Covid-19 de painéis da pasta, o que levou órgãos de imprensa a organizar um consórcio para divulgar os dados. A pasta recuou na sequência.

Os dois shows do grupo, na sexta-feira (22) e no sábado (23), contaram com 100 balões, cada um com capacidade para até três pessoas.

A banda de rock americana Flaming Lips colocou os músicos e o público dentro de bolhas infláveis para que pudessem manter o distanciamento social contra o risco do coronavírus. (Foto: Reprodução)

Para conseguir se apresentar em meio à pandemia de covid-19, a banda de rock americana Flaming Lips colocou os músicos e o público dentro de bolhas infláveis para que pudessem manter o distanciamento social contra o risco do coronavírus.

Os dois shows do grupo, na sexta-feira (22) e no sábado (23), contaram com 100 balões, cada um com capacidade para até três pessoas. As apresentações aconteceram no Estado de Oklahoma, nos Estados Unidos.

A engenhosa ideia partiu do líder da banda, Wayne Coyne, que já usava bolhas antes da pandemia para “rolar” dentro da cápsula pelo público em muitos de seus shows.

Durante a pandemia, a banda fez testes em apresentações mais curtas no ano passado. Em junho e em setembro, por exemplo, se apresentaram em programas de televisão em bolhas.

Antes de se apresentar nos shows do último fim de semana, Coyne disse que assistir ao show da banda dessa forma seria “mais seguro do que ir a um mercado” em tempos de pandemia.

Cada bolha foi equipada com um alto-falante suplementar de alta frequência, para evitar distorção do som, além de uma garrafa d’água, ventilador movido a pilha, toalha e uma bandeira que poderia ser usada para indicar necessidades básicas como “tenho que urinar/está calor aqui”, para chamar um atendente.

Os shows estavam planejados originalmente para dezembro, mas tiveram de ser suspensos devido ao aumento de casos do novo coronavírus em Oklahoma durante o fim de 2020.

Considerado um sucesso pelos organizadores, o evento pode incentivar outras bandas a repetirem a experiência, sempre que houver um local adequado. É fundamental também que o público tome as precauções necessárias durante as apresentações (como permanecer em suas bolhas e sair apenas mediante autorização de um atendente, para evitar contato com as outras pessoas).

O país registrou 631 mortes nas últimas 24 horas, elevando para 217.712 o total de vidas perdidas no Brasil.

Mais de 685 mil pessoas já receberam a primeira dose de uma das vacinas aprovadas no país contra a Covid-19. (Foto: Reprodução)

Mais de 685 mil pessoas já receberam a primeira dose de uma das vacinas aprovadas no país contra a Covid-19. De acordo com os dados divulgados pelo Distrito Federal e quinze estados, 685.201 doses do imunizante já foram aplicadas. Isto representa 0,43% de toda a população brasileira acima de 18 anos. As informações são do boletim das 20h do consórcio de veículos de imprensa.

O país registrou 631 mortes nas últimas 24 horas, elevando para 217.712 o total de vidas perdidas no Brasil. A média móvel foi de 1.055 mortes, 6% maior se comparada com o cálculo de 14 dias atrás. No entanto, esta é a maior média móvel desde o dia 4 de agosto, quando foram registrados 1.066 óbitos em média.

Foram contabilizados 28.364 novos casos, totalizando 8.872.964 infectados pelo vírus. A média móvel foi de 51.532 diagnósticos positivos, 6% menor se comparada com o cálculo de 14 dias atrás.

A “média móvel de 7 dias” faz uma média entre o número do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda dos casos ou das mortes. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o ruído” causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Os dados são do consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até as 20h. A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que insumos para a CoronaVac chegarão “nos próximos dias” ao Brasil. Bolsonaro relatou ter recebido a informação da embaixada da China, que teria informado que 5.400 litros de insumos já estariam prontos para serem enviados ao Brasil. Segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, os produtos devem chegar até o fim da semana.

Em publicação em redes sociais, Bolsonaro acrescentou que insumos para vacina da Universidade de Oxford e da AstraZeneca estão “com liberação sendo acelerada”. Ele agradeceu a “sensibilidade” do governo chinês. A publicação é acompanhada de uma foto de Bolsonaro com o presidente da China, Xi Jinping, durante visita do brasileiro ao país asiático, em 2019.

Mais 10 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford estão sendo negociadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com o Instituto Serum, da Índia, e devem chegar ao Brasil em fevereiro. A informação foi confirmada à CNN por Suresh Jadhav, um dos diretores-executivo do instituto.

A Fiocruz afirmou em nota, nesta segunda-feira (25), que tem negociado doses prontas adicionais com o Instituto Serum, além dos 2 milhões de vacinas entregues ao Programa Nacional de Imunizações no sábado (23), mas não especificou quantidades ou datas.

A modelo brasileira foi a vencedora em uma votação com o público para escolher quem iria direto à final, que acontece no dia 26 de fevereiro.

Dayane conquistou o apoio da torcida brasileira após ser alvo de comentários misóginos e xenofóbicos. (Foto: Reprodução)

Dayane Mello se tornou a primeira finalista entre os participantes da versão italiana do “Big Brother” com famosos, o “Grande Fratello VIP”, nesta segunda-feira (25).

A modelo brasileira foi a vencedora em uma votação com o público para escolher quem iria direto à final, que acontece no dia 26 de fevereiro. Ela concorria com outros três colegas de reality show.

“Quero dedicar esta final à minha filha e a você, Alfonso”, afirmou a modelo ao apresentador do programa, Alfonso Signorini.

Dayane conquistou o apoio da torcida brasileira após ser alvo de comentários misóginos e xenofóbicos.

“São mensagens de gente do Brasil, de Portugal, da Argentina, do mundo todo. Pessoas que se identificaram com o que passamos, que viveram a mesma situação'”, disse ao G1 o irmão dela, Juliano Mello.

Dólar é cotado a R$ 5,5125 nesta manhã de terça-feira

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,67 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,9996.

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. (Foto: Reprodução)

O valor do dólar na manhã desta terça-feira (26), está cotado no valor de R$ 5,5125. Já o valor do dólar para o turismo está sendo cotado a R$ 5,7908.

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,67 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,9996.  

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. O dólar é usado tanto 

em reservas internacionais como em livre circulação.

Prefeitura de Afogados da Ingazeira inicia nesta terça (26) o pagamento dos servidores públicos municipais. No primeiro mês da gestão Alessandro Palmeira, apesar dos ajustes necessários à máquina pública, comuns em todo o início de governo, a Prefeitura dá sequência à política que se tornou rotineira ao longo dos últimos oito anos: apesar de todas as dificuldades, manter um bom planejamento financeiro e equilíbrio nas contas para que o servidor receba o seu salário em dia.

“O que para alguns pode parecer obrigação, e é na verdade, para muitos é uma conquista, tendo em vista tantos municípios que atrasam salários e não conseguem honrar seus compromissos, sobretudo em tempos de grave crise como a que atravessamos,” destacou o Prefeito Alessandro Palmeira.
Segundo a nova secretária de finanças, Lúcia Gomes, essa será uma rotina que será buscada pela Prefeitura. De acordo com a secretaria de finanças, a partir desta terça, serão injetados mais de três milhões de Reais na economia do município, referentes ao pagamento de 1.386 servidores públicos, incluindo aí os aposentados e pensionistas. Confira o calendário na íntegra:
Terça, 26 de Janeiro
· Aposentados e pensionistas que recebem um salário mínimo e que tenham as iniciais compreendidas entre as letras A e L – o salário estará disponível no banco a partir das 13h.
· Servidores das Secretarias de administração, agricultura, assistência social, controle interno, cultura e esportes, finanças, governo, infraestrutura e transportes.
Quarta, 27 de Janeiro
· Aposentados e pensionistas que recebem um salário mínimo e que tenham as iniciais compreendidas entre as letras M e Z – o salário estará disponível no banco a partir das 13h.
· Servidores da Secretaria de Educação.
Quinta, 28 de Janeiro
· Aposentados e pensionistas que recebem até 1.500 Reais – o salário estará disponível no banco a partir das 13h.
· Servidores da secretaria de saúde.
Sexta, 29 de Janeiro
· Aposentados e pensionistas com vencimentos superiores a 1.500 Reais – o salário estará disponível no banco a partir das 13h.

Eleita nova diretoria do Cimpajeú

O Prefeito Alessandro Palmeira foi eleito para integrar a nova direção do consórcio de municípios do Pajeú, no cargo de vice-presidente. A Presidência será encabeçada pelo Prefeito de Ingazeira, Luciano Torres, que tem a experiência de já ter presidido a AMUPE, quando do afastamento para as eleições de 2016, do então Presidente José Patriota. A Prefeita de Serra Talhada, Márcia Conrado, será a secretária executiva. 

“Essa diretoria terá desafios gigantescos. A implantação do SAMU, que é uma urgência e que vai trazer enormes benefícios para a nossa população, e a gestão dos resíduos sólidos em nosso território. Um impasse que se arrasta há anos e que precisamos resolver, não tem mais volta e nem podemos protelar mais,” avaliou o Prefeito Alessandro Palmeira.

A prefeita Nicinha Melo também participou do evento. Ela avaliou o encontro  como de extrema importância, “É muito importante participarmos do CIMPAJEÚ. Parabenizo a nova direção e que possamos trabalhar visando o crescimento dos municípios pajeuzeiros”. Afirmou Nicinha.

“A vacinação em massa é decisiva, e um fator crítico de sucesso para o bom desempenho da economia logo à frente”, disse o ministro.

O ministro da Economia, Paulo Guedes e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

 O ministro Paulo Guedes (Economia) defendeu nesta segunda-feira (25) a vacinação em massa, dizendo que esse será um fator decisivo para o retorno seguro da população ao trabalho e para o desempenho da atividade em 2021.

“Nesse terceiro ano [de governo] o grande desafio é a vacinação em massa. Espero que todos auxiliem esse processo”, afirmou em breve comentário sobre os dados da arrecadação federal. “A vacinação em massa é decisiva, e um fator crítico de sucesso para o bom desempenho da economia logo à frente”, disse.

O ministro parabenizou envolvidos em esforços de vacinação como a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), o Instituto Butantan, além da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), das Forças Armadas (que fazem parte da logística dos imunizantes) e dos profissionais de saúde.

O titular da equipe econômica disse que é preciso seguir exemplos como o de Israel, que começou a imunização da população há três semanas e já vê as taxas de internamento de idosos caírem 60%.

“É possível que o Brasil surpreenda de novo favoravelmente se derrubarmos a taxa de mortalidade. Israel acabou de fazer isso, concentrando na população idosa. Se concentrarmos o fogo ali [na vacinação de idosos], podemos derrubar a taxa de mortalidade”, disse.

Guedes tentou rebater críticas direcionadas ao governo federal, como a de que o Executivo não diversificou os riscos na para encomendar vacinas e deixou de negociar com múltiplos fabricantes.

“O Brasil está tentando comprar todas as vacinas, sou testemunha do esforço logístico que está sendo feito. A crítica de que estaríamos teria ficado com uma vacina só simplesmente não cabe”, disse.

Até hoje, o Brasil só começou a vacinação usando a CoronaVac (produzida pelo laboratório chinês Sinovac) em iniciativa liderada pelo Butantan (do governo paulista) e a Oxford/AstraZeneca, enviada pela Índia após negociação do governo federal.

Guedes criticou quem, a seu ver, está usando a pandemia para fazer política. “Tem muita gente subindo em cadáveres para fazer política, isso não é bom. A população e os eleitores vão saber diferenciar isso lá na frente. Estamos num ano extremamente sério e difícil, e sempre houve essa perspectiva de que saúde e economia andam juntas”, disse.

Em seguida, o ministro criticou o governador de São Paulo, João Doria, que tentou implementar um ajuste fiscal com aumento da carga tributária com a justificativa de que o pacote era necessário devido ao desequilíbrio nas receitas provocado pela pandemia.

“Houve uma tentativa de aumento de impostos em São Paulo. Não aprovamos, é uma das razões pelas quais atrasamos a reforma tributária, porque não concordamos. Queremos simplificar e reduzir impostos”, disse.

Em seguida, Guedes defendeu que o Congresso limpe a pauta que está parada na fila de aprovação e busque a aprovação de reformas logo após o recesso. Para ele, isso é crítico para a atração de investimentos.

“Já está lá todo o destravamento para a nossa retomada, o desafio de transformar essa recuperação cíclica baseada em consumo numa retomada sustentada baseada em investimentos”, disse.

Rodrigo Novaes (Foto: Rinaldo Marques/Alepe)

Eventos sociais e corporativos (casamentos, formaturas, aniversários e similares) estão proibidos de serem realizados a partir desta segunda-feira, 25 de janeiro, por 30 dias em Pernambuco.

A medida foi anunciada pelo Governo do Estado na última quarta-feira (20) em entrevista coletiva.

“Os eventos sociais e corporativos que podiam ser realizados, até então, com a capacidade máxima de 150 pessoas, estão suspensos”, disse o secretário de Turismo e Lazer de Pernambuco, Rodrigo Novaes, na ocasião do anúncio.

Parques

Em entrevista coletiva na quarta-feira passada, o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, alertou que o estado poderá fechar os parques nesta semana, caso as prefeituras não sejam mais rigorosas na fiscalização dos protocolos.

Segundo o secretário de saúde, o uso da máscara tem sido relaxado por frequentadores dos parques.

“Caso não haja uma melhora no comportamento social nesses espaços de convivência e as prefeituras não sejam mais rigorosas na fiscalização, iremos avaliar o fechamento dos parque em todo estado”, disse André Longo.

Democratas apresentam histórico impeachment de Trump no Senado

 (AFP/ MANDEL NGAN)

Os democratas apresentam ao Senado nesta segunda-feira (25) a acusação contra Donald Trump, na abertura formal do segundo julgamento político contra o ex-presidente dos Estados Unidos, acusado de “incitar a insurgência” durante o ataque contra o Capitólio.
Menos de uma semana depois de deixar a Casa Branca, o magnata republicano está mais uma vez no centro das notícias em Washington enquanto seu sucessor, o democrata Joe Biden, assina dezenas de decretos em uma tentativa de restaurar a maior economia do mundo e lutar contra a pandemia de coronavírus.
Acusado de “incitar a insurgência” pela Câmara de Representantes em 13 de janeiro, Trump se tornou o primeiro presidente dos Estados Unidos a enfrentar impeachment em duas ocasiões. Agora será o primeiro a enfrentar o impeachment após deixar o cargo. A abertura formal do julgamento será marcada na noite de segunda-feira por uma cerimônia solene.
Por volta das 19h (21h de Brasília), os “promotores” da Câmara de Representantes apresentarão no Senado a acusação contra Trump de ter incitado seus partidários a invadir a sede do Congresso em 6 de janeiro, enquanto parlamentares certificavam a vitória de seu adversário nas eleições presidenciais.
O ataque, que deixou cinco mortos, chocou os Estados Unidos e levou muitos republicanos a denunciarem o comportamento do tempestuoso bilionário. Mas uma condenação no Senado parece improvável nesta fase, já que o magnata tem muitos apoiadores.
Após a apresentação da acusação, os senadores, que serão jurados, serão empossados na terça-feira. O julgamento em si só começará em 9 de fevereiro.
Confirmação de Yellen 
Esse atraso permitirá que vários membros do gabinete de Biden sejam confirmados pelo Senado nesse meio tempo. Na tarde de hoje, o Senado deve aprovar a nomeação de Janet Yellen como secretária do Tesouro.
A votação de confirmação para o futuro chefe da diplomacia, Antony Blinken, ainda não está marcada, mas estima-se que seja esta semana. Biden também espera usar essas duas semanas para pressionar o Congresso por várias medidas importantes.
No entanto, a principal de suas propostas, um plano de 1,9 trilhão de dólares para impulsionar a economia e combater a pandemia, pode ser difícil de ser aprovada como está, dependendo da oposição dos republicanos.
Desde quarta-feira, os democratas assumiram o controle do Senado. A Câmara de Representantes já era dominada por eles.
Na Câmara alta, passam a ter 50 cadeiras, o mesmo número dos republicanos, com a diferença de que, em caso de empate na votação, a nova vice-presidente Kamala Harris tem voto decisivo.
Sessenta votos são necessários para aprovar as principais reformas. Dois terços do Senado devem condenar Donald Trump, o que significa que para isso os democratas devem obter o apoio de 17 republicanos.
Um placar difícil, ainda que o influente líder da minoria, Mitch McConnell, não tenha descartado a condenação de Trump.
“Acho esse julgamento estúpido. Acho que vai ser contraproducente”, afirmou o senador republicano Marco Rubio ao Fox Sunday.
“O país já está pegando fogo, é como jogar gasolina.” Muitos senadores republicanos consideram inconstitucional sujeitar um ex-presidente ao impeachment. Outros apoiam esse procedimento.
“Se quisermos que este país se una, é importante reconhecer que é preciso responsabilidade, verdade e justiça”, disse Mitt Romney no domingo à Fox.
O ex-candidato presidencial foi o único senador republicano a condenar Trump no primeiro julgamento de impeachment, em fevereiro de 2020.

Ferreira Jr. ficará no cargo até o dia 5 de março para fazer transição para seu sucessor, que ainda será indicado.

Em fato relevante, a empresa afirma que a decisão foi tomada por motivos pessoais. (Foto: Reprodução)

A Eletrobras comunicou no domingo (24) que Wilson Ferreira Junior, atual presidente da empresa e membro do Conselho de Administração, renunciou ao cargo. Em fato relevante, a empresa afirma que a decisão foi tomada por motivos pessoais.

Ferreira Jr. ficará no cargo até o dia 5 de março para fazer transição para seu sucessor, que ainda será indicado. Ele deve fazer um pronunciamento nesta segunda-feira (25).

Ferreira Jr. é grande defensor da privatização da empresa. No cargo desde julho de 2016, ele foi nomeado pelo ex-presidente Michel Temer. Depois, foi convidado pelo governo de Jair Bolsonaro para continuar no comando da estatal.

Em dezembro, o governo anunciou que pretende realizar nove privatizações em 2021, entre as quais a da Eletrobras. A venda da estatal, porém, é um dos grandes desafios do governo Bolsonaro.

A expectativa da pasta era que o projeto fosse aprovado ainda no primeiro semestre. Mas, na semana passada, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que não haverá prejuízo se a votação pelo Congresso Nacional da privatização da companhia ficar para o segundo semestre deste ano.

O governo prevê levantar cerca de R$ 16 bilhões com a privatização da Eletrobras, por meio de uma capitalização da companhia por meio da emissão de novas ações e envolve pagamento de outorgas à União.

O governo anterior, de Michel Temer, falava em promover uma desestatização da Eletrobras, por meio de uma operação em que a empresa emitiria novas ações e diluiria a fatia governamental na companhia para uma posição minoritária. A gestão Bolsonaro passou a adotar o termo “capitalização” para se referir ao processo.

Último balanço mostra que a Eletrobras teve lucro de R$ 95,764 milhões no terceiro trimestre de 2020, queda de 86,6% em relação ao mesmo período de 2019, quando o ganho ficou em R$ 715,872 milhões. A empresa justificou a queda do lucro ao aumento das provisões por redução na geração de energia, por processos judiciais e de contratos onerosos.

Privatizações empacadas
A equipe do ministro Paulo Guedes teve grande dificuldade para avançar em 2020 com o programa federal de privatizações. Em dois anos de governo, nenhuma estatal de controle direto da União foi vendida e muitos dos leilões de concessão ou de parceria com a iniciativa privada previstos para o ano foram adiados ou cancelados.

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira inicia nesta segunda-feira (25) a entrega dos boletos do programa garantia safra.

A entrega será na Secretaria Municipal de Agricultura, no antigo prédio da Cagepe, das 7 às 13hs, por ordem alfabética. A entrega acontecerá até a próxima quinta-feira, de acordo com o seguinte cronograma:

  • Nesta segunda-feira (25), beneficiários com as iniciais de A a E.
  • Na terça-feira (26) será a vez dos beneficiários com as iniciais de F a K.
  • Na quarta-feira (27) beneficiários com as iniciais L e M.
  • E na quinta-feira (18) será a vez dos beneficiários com as iniciais de N a Z.

Para retirar os boletos, os beneficiários deverão apresentar os documentos de identidade e CPF.

Segundo o secretário Municipal de Agricultura, Rivélton Santos, quase mil agricultores estão aptos ao garantia safra. “Dividimos a distribuição em vários dias para evitarmos aglomeração e para termos um maior controle no cumprimento dos protocolos sanitários referentes à Covid-19,” reforçou o secretário.

Dólar é cotado a R$ 5,4795 nesta segunda-feira

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,67 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,9996.

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. (Foto: Reprodução)

O valor do dólar na manhã desta segunda-feira (25), está cotado no valor de R$ 5,4795. Já o valor do dólar para o turismo está sendo cotado a R$ 5,7261.

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,67 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,9996.

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. O dólar é usado tanto em reservas internacionais como em livre circulação.

O Portal ClickPB apura de segunda à sexta-feira a cotação do dólar e euro.

Blogueira Liliane Amorim morre após fazer cirurgia de lipoaspiração

A blogueira Liliane Amorim, de 26 anos de idade, morreu neste domingo (24), após sofrer complicações com uma cirurgia de lipoaspiração mal sucedida. A blogueira era de Juazeiro do Norte, no estado do Ceará. 

Liliane Amorim passou pela cirurgia no dia 9 de janeiro. Seis dias depois, em 15 de janeiro, ela foi internada em estado grave, sentindo fortes dores. “Toda a Equipe de nosso Hospital está de luto em nome dessa moça que foi uma guerreira em todos os momentos durante sua Internação”, disse o Diretor de Processos Assistenciais do hospital particular onde Liliane estava internada,

A jovem, além da dor nos familiares, deixa um filho de seis anos.
Para a irmã Fabíola Amorim, a dor é “irreparável”. “A dor da perda é muito grande, por ela ser uma pessoa muito jovem. O filho que ela deixa, que vai crescer sem a mãe agora. É muito difícil”, lamentou.
Fabíola diz que a irmã estava sendo acompanhada por técnicos de enfermagem e uma pessoa responsável, que fazia as drenagens. O médico viajou no dia seguinte, mas deixou uma pessoa responsável para passar informações.
A paciente relatava dor e ânsia, e tudo era informado ao médico. O profissional, continua Fabíola, dizia que “a recuperação era difícil mesmo”. A irmã ressaltou que o médico disse não ser necessária uma nova hospitalização, pois a jovem seria exposta a mais um risco em razão da pandemia de Covid-19.
A profissional que acompanhou a jovem, segundo a irmã, dizia que Liliane “não estava colaborando” e a comparava a outros pacientes. Desde então, a influencer passou a guardar para si as reclamações, mas precisou ser levada ao hospital no quinto dia devido a dores intensas. “Ela falava, mas não foi ouvida”, relembrou a irmã em tom de lamentação.
De acordo com Isabel Amorim, advogada da família, o translado do corpo e as medidas judiciais já estão sendo preparados. A família registrou um Boletim de Ocorrência (BO) sobre o caso. A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) dará seguimento às investigações sobre a morte da jovem.

Com isso, o país chegou a 217.081 óbitos e a 8.844.600 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

 O Brasil registrou 606 mortes pela Covid-19 e 28.487 casos da doença, neste sábado (23). Com isso, o país chegou a 217.081 óbitos e a 8.844.600 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Aos finais de semana e nas segundas-feiras os números costumam ser menores porque as equipes trabalham em esquema de plantão.

Além dos dados diários, a Folha de S.Paulo também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias 1.030. Esse número vem ficando próximo a mil nas últimas semanas, o que significa um patamar bastante alto, embora o valor da média represente estabilidade em relação ao dado de 14 dias atrás.

O Norte foi a região que apresentou maior crescimento na média móvel de mortes, em relação a 14 dias atrás. O aumento foi de 103%. O Sul apresenta queda de 38% na média. As demais regiões têm médias móveis estáveis, o que não significa uma situação de tranquilidade.

Alagoas, Amazonas, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Roraima, Rondônia, Sergipe e Tocantins apresentam aumento da média móvel de mortes em relação ao dado de 14 dias atrás.

Bahia, Goiás, Pernambuco, Piauí e São Paulo estão em estabilidade, enquanto Acre, Amapá, Ceará, Distrito Federal, Espirito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Santa Catarina tiveram queda.

Condutor que morreu após ter veículo atingido por carro de luxo em João Pessoa era baterista da banda Tuaregs

Dainha morreu após ter o carro modelo Classic atingido por outro veículo no bairro de Manaíra, em João Pessoa.

Dainha Batera era baterista e professor. Estava anunciando nas suas redes sociais a formação de uma turma para curso de férias on-line para o ensino sobre bateria. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

O motorista que morreu em acidente, neste domingo (24), era o baterista da banda Tuaregs, Dainha Batera. O grupo paraibano lamentou a morte dele nas redes sociais. Dainha morreu após ter o carro modelo Classic atingido por outro veículo no bairro de Manaíra, em João Pessoa. O fato aconteceu quando o condutor do automóvel BMW fugia de uma perseguição policial na região e bateu no carro do músico.

Dainha Batera era baterista e professor. Estava anunciando nas suas redes sociais a formação de uma turma para curso de férias on-line para o ensino sobre bateria.

Mais cedo neste domingo ele havia postado uma ‘selfie’ com a legenda “hoje tem”, fazendo suposta menção a alguma apresentação musical.

O homem sobrevivente, que colidiu no veículo de Dainha, foi preso pelos policiais militares da Companhia Especializada de Apoio ao Turista (Ceatur). Populares se revoltaram no local e xingaram o homem enquanto ele era conduzido até a viatura da PM. “Tirou a vida de um pai de família. Merece morrer.”

O motorista seria submetido a teste do bafômetro, segundo confirmou mais cedo o major Bruno, da Polícia Militar, ao ClickPB.

A Paraíba recebeu na manhã de ontem 36 mil lotes da vacina AstraZeneca/Oxford​.

As doses da vacina AstraZeneca/Oxford​ serão distribuídas por toda Paraíba, a partir desta segunda (Foto: Reprodução)

As doses da vacina AstraZeneca/Oxford serão distribuídas por toda Paraíba, a partir desta segunda-feira (25). A informação foi confirmada pelo secretário de Saúde do Estado, Geraldo Medeiros, neste domingo (24). 

A Paraíba recebeu na manhã de ontem 36 mil lotes da vacina AstraZeneca/Oxford. 

Segundo o secretário, o armazenamento e distruição das doses da vacina seguirão o mesmo protocolo da logística da vacina Coronavac. 

“Nesse momento assim que for entregue ao furgão esses 36 mil lotes da vacina, imediatamente serão destinadas à Secretaria Estadual de Saúde, os técnicos já estarão naquela localidade para separar, e todas as gerências receberão na segunda-feira de manhã, como foi na logística anterior, tornando ágil e permitindo ao cidadão paraibano em todos os 223 municípios a entrega da vacina imediatamente”, disse o secretário.

Ainda segundo Geraldo Medeiros, na próxima semana mais doses da vacina Coronavac deverão ser entregues na Paraíba. 

“Provavelmente nós teremos o envio de outros lotes do Butantan brevemente na próxima semana, e os profissionais de saúde continuarão sendo vacinados. Nós temos 126 mil profissionais de saúde no estado e teremos oportunidade nesse lote de contemplar todos os profissionais de saúde a partir dos próximos envios, desde que mesmo com esses 36 mil lotes atuais ainda não contempla todos os profissionais de saúde”, explicou.

O secretário explicou a ordem de prioridades da vacinação. “Os profissionais de saúde são aqueles que estão diretamente vinculados a zona Covid. Eles trabalham nas UTIs Covid, enfermarias, UPAs, no SAMU e em qualquer área que sejam submetidos a uma alta carga viral. Progressivamente com a chegada de outros lotes, os outros profissionais que tem contatos eventuais com doentes com Covid serão também contemplados”, disse.

O próximo grupo a receber a vacina é o de idosos acima de 75 anos, afirmou o secretário. 

“Nós temos 126 mil profissionais de saúde, temos 3.300 indígenas, 1.202 idosos institucionalizados. A totalidade é de aproximadamente 150 mil paraibanos destinados a vacina nesses lotes iniciais. Após a conclusão, vamos iniciar a vacinação de outra população: a dos idosos acima de 75 anos”, concluiu.

Mulher vai receber R$ 263 mil em indenização por ficar paraplégica após acidente em toboágua

Um clube de Caldas Novas, em Goiás, terá que indenizar uma auxiliar de produção que ficou paraplégica após sofrer um acidente em um toboágua. O valor da indenização é de R$ 263 mil. No processo, segundo o G1, ela também alegou negligência durante socorro, pois foi levada a uma unidade de saúde na traseira de um carro, em vez de uma ambulância. 

A decisão foi proferida na última quarta-feira (20) pela juíza Renata Farias Costa Gomes de Barros Nacagami, da 3ª Vara Cível e de Família e Sucessões da comarca de Valparaíso de Goiás. O clube Lagoa Thermas Clube, Turismo, Lazer e Ecologia ainda pode recorrer.

Conforme a magistrada, a mulher deve receber R$ 150 mil por danos morais, R$ 100 mil por danos estéticos, R$ 6,4 mil por gastos com materiais e produtos e R$ 6,7 mil por custos de cadeiras de roda e banho, resultando em R$ 263 mil. Ela também receberá uma pensão de R$ 1,2 mil por toda a vida, a partir da data do acidente.

As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. (Foto: Reprodução)

 O Brasil registrou 1.176 mortes pela Covid-19 e 60.980 casos da doença, neste sábado (23). Com isso, o país chegou a 216.475 óbitos e a 8.816.113 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Além dos dados diários, a Folha também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.021. O valor da média representa um aumento de 3% em relação ao dado de 14 dias atrás e, com isso, uma situação de estabilidade na média. No entanto, uma estabilidade em patamar bastante alto.

O Norte foi a região que apresentou maior crescimento na média móvel de mortes, em relação a 14 dias atrás. O aumento foi de 98%. O Sul apresenta queda de 38% na média. As demais regiões têm médias móveis estáveis, o que não significa uma situação de tranquilidade.

Alagoas, Amazonas, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Roraima, Rondônia, Sergipe e Tocantins apresentam aumento da média móvel de mortes em relação ao dado de 14 dias atrás.

Linha de produção será paralisada entre 25 de janeiro e 3 de fevereiro. Funcionários entrarão em férias coletivas.

Honda investirá R$ 500 milhões em sua fábrica de motos em Manaus (AM). (Foto: Rafael Miotto/G1)

A Honda anunciou, nesta sexta (22), que irá suspender temporariamente sua linha de produção no Amazonas. A paralisação irá ocorrer de 25 de janeiro a 3 de fevereiro. A fábrica produz motocicletas, quadriciclos e motores estacionários.

A medida foi tomada, segundo a empresa, por conta do avanço da Covid-19 no estado e pela indisponibilidade de insumos para a produção, afetada pela pandemia. “A retomada está prevista para 4 de fevereiro, desde que as condições necessárias sejam atendidas”, disse.

O Amazonas enfrenta um novo surto de Covid, e sofre com falta de oxigênio nos hospitais. Em meio ao caos na Saúde, a vacinação contra Covid já está há dois dias suspensa em Manaus para “replanejamento” da campanha, após denúncias de fura-fila.

Até quinta (21), mais de 6,7 mil pessoas morreram com a doença. O mês de janeiro já bateu recorde de internações pela doença no estado.

O comércio não essencial no Amazonas está proibido de abrir até o dia 31 de janeiro, mas indústrias não foram afetadas pela decisão. O estado também está com toque de recolher de 19h às 6h.

De acordo com a Honda, durante o período de suspensão, os colaboradores das áreas administrativas e produtivas entram em férias coletivas, “permanecendo um contingente mínimo de pessoas para a realização de atividades essenciais”.

A Honda ressaltou que doou, recentemente, 454 cilindros de oxigênio para o Estado do Amazonas. Além disso, a Honda realizou a doação de 20 mil máscaras do tipo faceshield.

No ano passado, durante o primeiro surto da Covid no Amazonas, cerca de 30 mil trabalhadores do Polo Industrial de Manaus tiraram férias coletivas antecipadas. Entre abril e maio, as únicas empresas que seguiram com as operações na Zona Franca produziam insumos para combater a doença.

Cilindros de oxigênio saíram de São Paulo e foram entregues em Manaus — Foto: Moto Honda da Amazônia/Divulgação

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa que neste sábado (23), foram registrados 14 casos novos para a COVID – 19. Desses, 12 já estavam em investigação. 

São 10 pacientes do sexo feminino, com idades de 14, 22, 23, 32, 33, 38, 62, 62, 65 e 77 anos; e 04 pacientes do sexo masculino, com idades de 39, 52, 64 e 73 anos. Entre as mulheres: 03 aposentadas, 03 agricultoras, 01 agente social, 01 atendente, 01 vendedora e 01 estudante (rede pública). Já entre os homens: 01 oficial de Registro civil, 01 agricultor, 01 aposentado e 01 comerciante. 
Entram em investigação os casos de 07 mulheres, com idades entre 20 e 47 anos, e 10 homens, com idades entre 19 e 69. Também na mesma data, 10 pacientes apresentaram resultados negativos para COVID -19. 
Nesta sexta, 04 pacientes apresentaram cura após avaliação clínica e epidemiológica. O município atingiu a marca de 2.289 pessoas (95,68%) recuperadas para covid-19. Atualmente, 88 casos estão ativos em nossa cidade. 
Óbito: Paciente do sexo feminino, 72 anos, hipertensa, estava internada em leito de UTI, foi a óbito no Hospital Regional Emília Câmara no dia de ontem (22). Nossos sentimentos a todos os familiares e amigos. 
Afogados atingiu a marca de 10.477 pessoas testadas para covid-19, o que representa 28,11 % da nossa população. 
Casos leves x SRAG/covid- 19: 
Leves ( 2326 casos), 96,83 % Graves ( 76 casos), 3,17%.

Aposta única de Fortaleza acerta as seis dezenas da Mega-Sena e fatura quase R$ 22 milhões

O próximo sorteio acontece na quarta-feira (27) e o prêmio estimado é de R$ 2 milhões.

O próximo sorteio acontece na quarta-feira (27) e o prêmio estimado é de R$ 2 milhões. (Foto: Reprodução)

Uma única aposta – de Fortaleza (CE) – levou o prêmio de R$ 21.898.260,37 do concurso 2.337 da Mega Sena, que teve suas dezenas sorteadas neste sábado (23) em São Paulo. O próximo sorteio acontece na quarta-feira (27) e o prêmio estimado é de R$ 2 milhões.

Veja as dezenas sorteadas: 02 – 09 – 34 – 49 – 51 – 55.

A quina teve 84 apostas ganhadoras, cada uma leva R$ 35.529,81. A quadra teve 4.321 apostas ganhadoras, cada uma leva R$ 986,71

Para apostar na Mega-Sena

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), em qualquer lotérica do país ou pela internet, no site da Caixa Econômica Federal – acessível por celular, computador ou outros dispositivos. É necessário fazer um cadastro, ser maior de idade (18 anos ou mais) e preencher o número do cartão de crédito.

Probabilidades

A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 4,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.

Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 22.522,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.

No levantamento anterior, de dezembro, 37% consideram governo ótimo ou bom e 31%, ruim ou péssimo. Para 42%, Bolsonaro deve sofrer impeachment; 53% são contra.

De acordo com o Datafolha, 40% dos entrevistados classificaram o governo como ruim ou péssimo — eram 32% no levantamento anterior, entre 8 e 10 de dezembro. (Foto: Reprodução)

Levantamento do instituto Datafolha divulgado na tarde desta sexta-feira (22) pelo site do jornal “Folha de S.Paulo” informa que cresceu a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro diminuiu a aprovação.

Em resumo, os resultados da pesquisa são os seguintes:

  • Ótimo/bom: 31%
  • Regular 26%
  • Ruim/péssimo: 40%
  • Não sabe: 2%

A pesquisa ouviu 2.030 pessoas por telefone em razão limitações motivadas pela pandemia de Covid-19.

De acordo com o Datafolha, 40% dos entrevistados classificaram o governo como ruim ou péssimo — eram 32% no levantamento anterior, entre 8 e 10 de dezembro.

Os que consideravam o governo ótimo ou bom eram 37% e agora são 31% e os que julgavam regular eram 29% e agora são 26%, segundo o instituto.

Segundo o levantamento, 53% dos entrevistados rejeitam o impeachment de Bolsonaro e 42% são favoráveis.

O Datafolha aferiu o grau de confiança dos entrevistados em relação às declarações de Bolsonaro:

  • Nunca confiam: 41% (eram 37% na pesquisa anterior)
  • Às vezes confiam: 38% (eram 39%)
  • Sempre confiam: 19% (eram 21%)
  • Não sabem: 2% (eram 3%)                                                                             

A digital influencer Liliane Amorim, de 27 anos, está internada em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) após se submeter a uma lipoaspiração. 
Em publicação nas redes sociais, a família explicou que a jovem passou pelo procedimento estético no dia 9 deste mês, mas teve de ser hospitalizada dias depois com complicações no pós-cirúrgico.

No último dia 15, Liliane passou por uma nova cirurgia. Nesta semana, teve de ser transferida para a unidade intensiva. 
Apesar a gravidade, o quadro é estável.
Liliane mora sozinha em Juazeiro do Norte e quem está responsável por passar informações sobre o estado de saúde dela para a família é uma amiga. A influencer segue internada em uma Unidade de Terapia Intensiva.
Os seguidores de Liliane se comoveram e mandaram uma série de mensagens de apoio para a influencer.
Por Mais Pajeú

Avião com 2 milhões de doses da Índia chega a São Paulo

A chegada das doses no aeroporto internacional de Guarulhos foi acompanhada pelos ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, e das Comunicações, Fábio Faria.

O imunizante, importado da Índia, chegou ao Brasil depois de sucessivos adiamentos na liberação da carga, o que causou desgaste ao Palácio do Planalto. (Foto: Reprodução)

 Um avião com 2 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca chegou a São Paulo na tarde desta sexta-feira (22). O país tem agora dois tipos de imunizante contra a Covid-19.

O imunizante, importado da Índia, chegou ao Brasil depois de sucessivos adiamentos na liberação da carga, o que causou desgaste ao Palácio do Planalto, que apostava nessa vacina para dar o pontapé na campanha de imunização nacional.

A chegada das doses no aeroporto internacional de Guarulhos foi acompanhada pelos ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, e das Comunicações, Fábio Faria.

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, acompanha a chegada das vacinas de Oxford em São Paulo nesta sexta-feira (22). — Foto: Reprodução/TV Globo

Os imunizantes devem ser distribuídos aos estados a partir da tarde deste sábado (23), evitando que a vacinação seja paralisada em diversos locais onde as doses da Coronavac já estão se esgotando.

Depois dos trâmites alfandegários, a carga segue para o Rio de Janeiro em um avião da Azul. Elas serão escoltadas pela Polícia Federal para um depósito da Fiocruz.

Patriota tem encontro com Gilson Neto

O presidente da Amupe, José Patriota, se reuniu com o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, na Capital Federal.

Na pauta do encontro, ações que visam impulsionar o turismo nos municípios pernambucanos.

O ministro Gilson Machado está confirmado na próxima assembleia de prefeitos da Amupe, a ser realizada por videoconferência, às 09h, na próxima quinta-feira (28).

Iguaracy: morre ex-vereador Zé Nogueira

Iguaracy perde o ex-vereador José Nogueira de Carvalho, 66 anos, que faleceu na madrugada desta sexta (22), vítima de um infarto fulminante, no Hospital Regional Emília Câmara, em Afogados da Ingazeira.

Ele foi vereador por dois mandatos, trabalhou por vários anos no Bandepe e era um dos responsáveis pelo Samba de Côco e Bacamarteiros do município.
O corpo está sendo velado em sua residência e o sepultamento será às 17h.

 

Depois da reunião que foi realizada na última quarta-feira (20) entre o Ministério Público com o Governo de Afogados da Ingazeira, ficou definido que haverá aumento da fiscalização, inclusive com possibilidade de interdição gradativa dos locais e aplicação de multas a partir desse final de semana.

A partir deste sábado (23), quem não seguir às determinações do Ministério Público poderá sofrer as sanções cabíveis, inclusive o fechamento temporário do estabelecimento.

Na reunião o Promotor Lúcio Luiz de Almeida disse da sua preocupação com a necessidade de continuar cumprindo os protocolos, mesmo com a vacinação.

“A nossa disposição é manter as atividades funcionando, sem fechar nada, mas não de qualquer jeito e, sim, cumprindo os protocolos”, defendeu o Promotor.

“Aqui em Afogados não teremos privilegiados”, afirmou na reunião o prefeito Alessandro Palmeira.

Imagem ilustrativa do novo coronavírus com a bandeira do Brasil

As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.001. (Foto: Reprodução)

 O Brasil registrou 1.071 mortes pela Covid-19 e 55.319 casos da doença, nesta sexta-feira (22). Com isso, o país chegou a 215.299 óbitos e a 8.755.133 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Além dos dados diários, a Folha de S.Paulo também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.001. O valor da média representa um aumento de 15% em relação ao dado de 14 dias atrás e, com isso, uma situação de estabilidade na média.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Guarda Municipal terá mais protagonismo em Afogados da Ingazeira

Um dos compromissos assumidos pelo Prefeito Alessandro Palmeira, ao lado da municipalização do trânsito e da realização de concurso público, foi a recriação da guarda municipal. 
Na manhã desta sexta (22), o Prefeito reuniu a equipe da guarda, ao lado do secretário de administração, desenvolvimento econômico e turismo, Ney Quidute, para debater com ele as perspectivas para os próximos quatro anos. 
Além da apresentar o que pensa de governo em termos de atuação da guarda, a reunião também foi um importante momento para ouvir os profissionais, suas demandas, dificuldades e os desafios para os próximos quatro anos. 
“Iniciamos hoje um canal de diálogo permanente com a categoria, para podermos buscar soluções conjuntas para os problemas que ela enfrenta, e termos uma guarda atuante, protagonista e mantendo bons serviços prestados à população”, ressaltou o Prefeito de Afogados, Alessandro Palmeira. 
O secretário Ney Quidute fez um avaliação positiva da reunião, que teve a duração de quase duas horas: “foi um momento bastante positivo, de interação, onde sabemos que será preciso motivação e atendimento às principais reivindicações da categoria, para que eles estejam sempre motivados para prestar cada vez melhores serviços.”
Ao todo sessenta guardas participaram da reunião e puderam, de forma democrática e transparente, dialogar com Prefeito e Secretário sobre os desafios e demandas da guarda. 
A nova sede da guarda, a instalação de uma sala de monitoramento de vídeo, o pagamento dos adicionais de periculosidade, recriação da guarda e concurso público foram temas abordados na reunião. “Por conta da pandemia e da lei que não permite criação de novas despesas, algumas coisas só poderão ser viabilizadas em 2022. Mas o que pudermos por em prática já esse ano, iremos fazer,” finalizou Alessandro Palmeira.

Após ameaça de greve, caminhoneiros viram prioridade na vacinação

 (Foto: Peu Ricardo/Arquivo DP)

Após pressão por parte dos caminhoneiros, a categoria passou a fazer parte do pacote de grupos prioritários a receber a vacinação contra a Covid-19. Os transportadores rodoviários de carga não estavam na primeira versão do Plano de Nacional Operacionalização, datado do dia 10 de dezembro e enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas foram incluídos na segunda versão, do dia 16 de dezembro.

Agora, em uma nova atualização do documento, chamada de “informe técnico”, do dia 18 de janeiro, o ministério citou especificamente “caminhoneiros”, prevendo que “nessa estratégia será solicitado documento que comprove o exercício efetivo da função de motorista profissional do transporte rodoviário de cargas (caminhoneiro)”.

O documento ainda especificou que, no caso de trabalhadores de transporte coletivo rodoviários de passageiro, no qual abrange os motoristas e cobradores, estão incluídos os profissionais de “longo curso”. No plano divulgado no fim do ano passado não havia essa especificação, apenas “trabalhadores do transporte coletivo”

O embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, afirmou que o país asiático está pressionando o Brasil para que o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, seja demitido para liberar os insumos para a produção das vacinas contra o coronavírus. 

De acordo com o jornal Gazeta do Povo, a China disse que as relações entre os países ficaram abaladas depois dos ataques do chanceler contra o país asiático e quer pelo menos um pedido formal de desculpas do governo brasileiro.

Apesar de o Brasil ter demorado de pedir os insumos, Wanming tem dito que a China pode antecipar a entrega da matéria-prima para a vacina. Na quarta-feira (20), representantes chineses se reuniram com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e da Saúde, Eduardo Pazuello. ( Agência Brasil)

 

 

Em Afogados da Ingazeira, a Prefeitura vem dando continuidade à vacinação contra a covid-19. O dia, hoje, foi de vacinação para 43 idosos abrigados na ASAVAP, bem como para os 20 profissionais que trabalham nos cuidados com esses mesmos idosos.

A primeira idosa a ser vacinada foi a Sra. Quitéria Caldas de Moraes. A vacinação foi acompanhada pelo Prefeito Alessandro Palmeira e pelo Secretário de Saúde de Afogados, Artur Amorim. “Estou muito feliz em poder participar desse momento, trazer a vacina e a esperança de um futuro com mais saúde e imunização para nossos idosos aqui abrigados, e torcendo para que mais doses cheguem e nós possamos ampliar a vacinação para os demais grupos prioritários de nossa cidade,” destacou o Prefeito Alessandro Palmeira.
Além dos idosos hoje vacinados, a Secretaria municipal de saúde também vacinou as equipes da vigilância sanitária, profissionais que estão na linha de frente na fiscalização do cumprimento dos protocolos sanitários, lidando diretamente com aglomerações e locais que desrespeitam as normas, estando, portanto, diariamente expostos a situações de contaminação. “Nossos profissionais da vigilância estão na linha de frente da fiscalização, correndo risco constante nas aglomerações que vão coibir, não apenas correndo risco de se contaminarem, mas também de contaminarem as pessoas que estão nesses locais,” informou Artur Amorim. Ontem, no Hospital Regional, não apenas médicos e enfermeiros foram vacinados, mas também toda a equipe de suporte que lida diariamente com a covid-19, como os maqueiros, por exemplo, que são os responsáveis por transportar os pacientes da UTI para os quartos de isolamento, e vice-versa, estando também expostos à contaminação.
Nesta sexta, a Prefeitura de Afogados inicia a vacinação dos agentes comunitários de saúde. Para evitar aglomeração, uma vez que são 90 profissionais, cada agente será vacinado na Unidade Básica em que atua.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.010.

As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. (Foto: Reprodução)

 O Brasil registrou 1.335 mortes por Covid-19 e 59.946 casos da doença, nesta quinta-feira (21). Com isso, o total de óbitos chegou a 214.228 e de pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 a 8.699.814.

Na quarta (20), tinham sido registradas 1.382 mortes, o maior valor desde 4 de agosto.
Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Além dos dados diários, a Folha de S.Paulo também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.010. O valor da média representa um aumento de 36% em relação ao dado de 14 dias atrás.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

 

Caberá ao Ministério da Saúde realizar a distribuição, o que deve ocorrer entre sábado e domingo, segundo a Fiocruz.

As vacinas devem chegar em solo brasileiro, no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, nesta sexta-feira, às 17h40 (Foto: Reprodução)

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou, na noite desta quinta-feira (21/1), que os dois milhões de doses da vacina de Oxford/Astrazeneca importados da Índia estarão prontos para distribuição no sábado (23), à tarde. Caberá ao Ministério da Saúde realizar a distribuição, o que deve ocorrer entre sábado e domingo, segundo a Fiocruz.

Após dias de indefinição em relação ao envio das vacinas, o governo indiano anunciou, nesta quinta-feira (21), a liberação para a exportação dos imunizantes ao Brasil. As vacinas devem chegar em solo brasileiro, no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, na nesta sexta-feira, às 17h40.

A carga será transportada em voo comercial da companhia Emirates. Após desembarcar em São Paulo, o lote segue em aeronave da Azul para o aeroporto internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro. Em seguida, o carregamento é encaminhado à Fiocruz.

Checagem
Antes de liberar as doses, a fundação, responsável pela qualidade da vacina no país, verificará as condições de segurança para aplicação. Trata-se de procedimento obrigatório antes de liberar a remessa à distribuição aos estados, em obediência às normas regulatórias.

Os imunizantes passarão, ainda, por uma rotulagem, com etiquetagem das caixas com informações em português. “Esse processo acontecerá ao longo da madrugada e na manhã de sábado (23/1) e será realizado por equipes treinadas em boas práticas de produção”, informou a nota da Fiocruz.

A vacina importada da Índia tem características diferentes da CoronaVac, imunizante do laboratório chinês Sinovac, produzido no Brasil em parceria com o Instituto Butantan. Enquanto a CoronaVac exige o armazenamento da metade das doses para a segunda aplicação, a orientação técnica da vacina da Oxford é utilizar a totalidade dos dois milhões de unidades neste momento, pois o intervalo entre uma dose e outra é de três meses.

Atraso
O governo indiano anunciou o envio da remessa para o Brasil no mesmo dia em que um incêndio atingiu o Instituto Serum, fabricante do imunizante. A informação do embarque foi publicada pela agência Reuters nesta quinta-feira. Em seguida, o presidente Jair Bolsonaro publicou em uma rede social sobre a vinda do carregamento ao Brasil. Bolsonaro ainda parabenizou o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que também se manifestou. “O governo da Índia colocou o Brasil na mais alta prioridade: somos um dos dois primeiros países a receber vacinas contra Covid compradas na Índia. Agradeço em especial ao Chanceler @DrSJaishankar”, disse Araújo.

Em resposta ao chanceler e a Bolsonaro, o embaixador da Índia no Brasil, Suresh Reddy escreveu: “Obrigado Excelência! India & Brasil compartilham uma parceria estratégica e relacionamento especial como duas grandes democracias. A Índia está comprometida em usar sua capacidade de produção de vacinas para apoiar a humanidade durante esta crise.”

Demora
A importação passou por um impasse ao longo dos últimos dias: o governo federal previa que as doses estivessem no Brasil no início da semana para o início da vacinação. Mas os imunizantes continuavam retidos na Índia.

O Ministério da Saúde chegou a fretar um avião para buscar a carga na cidade de Mumbai, com direito à adesivagem especial frisando a incorporação da iniciativa ao Programa Nacional de Imunização (PNI). O voo sairia na quinta-feira (14), depois foi adiado para sexta-feira (14), com previsão de retorno no domingo (17). Ao fim, não chegou a decolar.

A carga estava pronta, mas precisava de autorização do governo indiano. Na ocasião, Bolsonaro afirmou que o avião sairia em “dois ou três dias”.

Na última terça-feira (19), a Índia começou a exportação das primeiras vacinas contra o novo coronavírus a países vizinhos, e deixou o Brasil de fora. Os imunizantes produzidos pelo Instituto Serum seriam enviados a Butão, Bangladesh, Nepal, Maldivas, Seychelles e Mianmar, mas não ao Brasil. O país não deixou claro o motivo do entrave, mas o que se fala é que a decisão não foi apenas estratégica, de beneficiar a população de países vizinhos, mas também política.

Isso porque a Índia não teve o apoio do Brasil no ano passado quando apresentou na Organização Mundial do Comércio (OMC) um pedido para quebra de patente sobre produtos relacionados ao combate à pandemia do novo coronavírus. O governo federal preferiu se alinhar aos Estados Unidos na questão.

Em meio ao imbróglio, diversas autoridades começaram a se movimentar no sentido de destravar a importação dos produtos. Encabeçado pelo governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que coordena no Fórum de Governadores a temática Estratégia para vacina contra covid-19, grupo de governadores protocolou na quarta-feira ontem um ofício ao presidente Jair Bolsonaro solicitando que o governo se movimentasse para negociar com a Índia.

Pazuello
Pouco antes da divulgação da informação de que as vacinas seriam, finalmente, enviadas ao Brasil, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que ainda não havia data exata prevista para o recebimento das doses. “Com relação à vinda das vacinas da Índia, as notícias são muito boas, mas não há a data exata da decolagem. Ela será dada nos próximos dias. Próximos dias é muito próximo, por causa da posição indiana nesse desenho, não nosso”, disse o ministro, após evento de lançamento do projeto ImunizaSUS, do Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

O ministro afirmou que o que estava pendente é a liberação do Ministério da Saúde da Índia. “Nós queremos, nós contratamos, nós pagamos, fizemos o empenho, temos o documento de importação e já temos o documento de exportação. É apenas nesse caso, sim, a liberação do Ministério da Saúde indiano que está sendo discutida”, informou. Questionado pelo Correio se o problema com a importação das vacinas da Índia é político, o ministro afirmou: “Acho que é só [devido ao] período da vacinação na Índia, mais nada”.

Dólar é cotado a R$ 5,3631 nesta manhã de sexta-feira

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,52 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,8459.

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. (Foto: Reprodução)

O valor do dólar na manhã desta sexta-feira (22), está cotado no valor de R$ 5,3631. Já o valor do dólar para o turismo está sendo cotado a R$ 5,5643.

Enquanto isso, o Euro comercial está sendo vendido a R$ 6,52 e o Euro para o turismo é cotado por R$ 6,8459. 

O dólar americano é a moeda dos Estados Unidos e tem sua emissão controlada pela Reserva Federal daquele país. O dólar é usado tanto em reservas internacionais como em livre circulação.

O Portal ClickPB apura de segunda à sexta-feira a cotação do dólar e euro.

Controle Social e Transparência nortearão ações da Assistência Social em Afogados

A nova Secretária de Assistência Social de Afogados da Ingazeira, Madalena Leite, participou da primeira reunião do Conselho Municipal de Assistência Social de 2021. A reunião ocorreu nesta quinta (21), na sala de reuniões da secretaria. 

Em pauta – além da apresentação da nova gestora, de suas ideias e propostas para a secretaria – a realização da prestação de contas dos recursos estaduais aplicados em Afogados e a programação dos saldos financeiros repassados pelo Governo Federal em 2020 para execução em 2021.
“Me alegra ver que o Conselho está ativo, é atuante e composto por pessoas comprometidas com a política de assistência social. O controle social e a transparência nas ações são ferramentas fundamentais para o sucesso de qualquer política pública. Ouvir a sociedade, suas demandas, críticas e sugestões, é fator primordial para que a política pública seja direcionada para atender às demandas da população, com atenção especial para os que mais precisam do poder público,” destacou Madalena Leite, Secretária Municipal de Assistência Social. O conselho é composto por integrantes de instituições da sociedade civil, usuários da política de assistência e gestores públicos da área, e é presidido por Ana Lucia de Almeida Lucena, representante da sociedade civil. 
A reunião contou ainda com a participação do assistente social Arlindo Júnior, novo Secretário executivo da pasta, e das coordenações dos diversos programas e serviços, a exemplo do CRAS, CREAS, Serviço de Convivência, Criança Feliz e bolsa família.

Estudos, no entanto, já descartaram que o remédio tenha eficácia contra a doença. (Foto: Adriano Machado/Reuters)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O Ministério da Saúde retirou do ar nesta quinta-feira (21) um aplicativo indicado a profissionais de saúde e que recomendava remédios sem eficácia contra a Covid, como a cloroquina. A justificativa da pasta para a retirada é que o sistema havia sido ativado “indevidamente”.

A partir do preenchimento de um formulário eletrônico com os sintomas do paciente, o aplicativo TrateCOV sugeria a prescrição de medicamentos como hidroxicloroquina, cloroquina, ivermectina, azitromicina e doxiciclina em qualquer idade, inclusive para bebês, e em situações diversas, não só para Covid-19. Estudos, no entanto, já descartaram que o remédio tenha eficácia contra a doença.

 

 

A medida gerou reação de entidades médicas, inclusive de algumas que até então vinham adotando posições mais alinhadas ao governo ou evitando manifestações sobre o tema.

Em nota divulgada nesta quarta (21), o Conselho Federal de Medicina disse que alertou ao Ministério da Saúde sobre “inconsistências” na ferramenta e pediu que fosse retirada do ar. A posição ocorreu após análise feita por conselheiros e assessores técnicos e jurídicos.

No último ano, o conselho emitiu um parecer que autorizava a prescrição de cloroquina em alguns casos, embora citasse não haver comprovação de eficácia. Já nesta quarta, o conselho afirma na nota que o TrateCov “assegura a validação científica a drogas que não contam com esse reconhecimento internacional”.

Aponta ainda outras inconsistências, como não preservar o sigilo de informações, permitir o preenchimento por profissionais não médicos e induzir à automedicação e à “interferência na autonomia dos médicos”.

A plataforma já não podia mais ser acessada nesta quinta (21). No lugar do endereço original, aparece a mensagem de que o formulário já não está mais ativo.

Questionado, o ministério disse, em nota, que a plataforma foi lançada como um projeto-piloto “e não estava funcionando oficialmente, apenas como um simulador”.

“No entanto, o sistema foi invadido e ativado indevidamente, o que provocou a retirada do ar, que será momentânea”, disse. A pasta, porém, não deu prazo, nem informou quais seriam as possíveis alterações no modelo.

Apesar de dizer que havia sido ativada indevidamente, a ferramenta havia sido lançada pelo próprio ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, durante evento em Manaus, e citada em informativos da pasta em 13 de janeiro.

Segundo o ministério, a medida tinha como objetivo “auxiliar os profissionais de saúde na coleta de sintomas e sinais de pacientes visando aprimorar e agilizar os diagnósticos da Covid-19”.

 

 

“Funciona assim: a plataforma traz ao médico cadastrado um ponto a ponto da doença, guiado por rigorosos critérios clínicos, que ajudam a diagnosticar os pacientes com mais rapidez. Depois disso, o TrateCOV sugere algumas opções terapêuticas disponíveis na literatura científica atualizada, sugerindo a prescrição de medicamentos”, dizia informativo divulgado na época.

Embora cite que a missão é “auxiliar”, a plataforma, além de indicar remédios sem comprovação, exigia que médicos dessem justificativa caso não indicassem os remédios. Até a data de lançamento, 342 profissionais haviam sido habilitados para uso da ferramenta, segundo o ministério.

Em nota divulgada na terça, a Associação Médica Brasileira e a Sociedade Brasileira de Infectologia alertaram que as evidências científicas demonstram que nenhuma medicação tem eficácia na prevenção ou no tratamento precoce.

“Pesquisas clínicas com medicações antigas indicadas para outras doenças e novos medicamentos estão em andamento. Atualmente, as principais sociedades médicas e organismos internacionais de saúde pública não recomendam o tratamento preventivo ou precoce com medicamentos, incluindo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)”, disse em nota.