Com ajuda do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, a comissão especial que analisa a reforma da Previdência rejeitou afrouxar as regras de aposentadoria para categorias da segurança pública. Integrantes do governo e interlocutores do Palácio do Planalto atuaram contra o apelo público de Bolsonaro nesta quinta-feira (4) por regras mais brandas para policiais federais e policiais rodoviários federais, um pedido para desidratar a própria proposta de reforma.

Eventuais mudanças na proposta para essas categorias devem ser discutidas apenas no plenário, após a conclusão da aprovação da reforma na comissão especial. O texto-base da proposta foi aprovado por 36 votos a 13, mas ainda precisam ser votados os chamados destaques –pedidos de partidos e deputados para que uma parte específica da proposta seja analisada separadamente.

Dois destaques que favoreceriam o setor de segurança pública foram rejeitados. Um deles beneficiaria até oficiais de Justiça, mas foi derrubado por 31 votos a 17. O outro, apresentado pelo PSD, suavizaria para policiais federais, policiais rodoviários federais, policiais legislativos, agentes penitenciários e peritos, mas foi negado, por 30 a 19.

Ao ser anunciado o resultado, policiais que estavam na comissão gritavam: “PSL traiu a polícia do Brasil”. E também contra o presidente: “Bolsonaro traidor!” “A defesa da nossa segurança pública não pode ser confundida com a defesa da Previdência Social. São coisas distintas”, disse o deputado Filipe Barros (PR), ao orientar a bancada do PSL a votar contra benesses à segurança pública.

Como votaram os pernambucanos sobre a reforma na Comissão Especial

Em sessão nesta quinta-feira (4), a Comissão Especial da reforma da Previdência aprovou por 36 votos a 13 o texto-base do relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP). Dos três representantes de Pernambuco na comissão, dois votaram a favor do texto: o vice-presidente do colegiado, deputado Silvio Costa Filho (PRB), e o deputado Fernando Rodolfo (PL). Integrante da oposição ao governo Jair Bolsonaro (PSL), o deputado Carlos Veras (PT), ex-presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), foi o único pernambucano a votar contra na comissão.

O texto do relator prevê idade mínima de 55 anos, 30 anos de contribuição e 25 anos na atividade para ambos os sexos, além de pensão equivalente ao último salário. Policiais federais e policiais rodoviários federais pedem condições mais favoráveis. Hoje não há idade mínima, mas é necessário tempo de contribuição (30 anos se homem, 25 se mulher) e na atividade (20 e 15).

Como regra transitória para todos os trabalhadores, Moreira propõe idade mínima de 65 anos se homem e 62 se mulher, com tempo de contribuição de pelo menos 20 e 15 anos, respectivamente. No caso dos servidores públicos da União, o tempo de contribuição previsto é maior, de 25 anos, e cumulativamente pelo menos 10 anos no serviço público e 5 no cargo para ambos os sexos.

O colegiado continua reunido para analisar os destaques para votação em separado, que podem alterar trechos específicos da proposta. 

Cidades Acessando Blog

Panificadora Samuel
Escola Monteiro Lobato
 

CLICK AQUI E CONFIRA AS FOTOS!

Educação Infantil,

Ensino Fundamental e Médio

(87) 3838.1481 (87) 3838.2246

Siteemonteirolobato.com.br

Dr. Jamildo Carvalho
Desfile Cívico Escola M.L

AABB

Bloco a Onda 2017

Galeria de Fotos!